Até que ponto a burrice diplomática prejudicou as exportações, que vinham em alta desde 2015?

Resultado de imagem para bolsonaro e araújo charges

Charge do Duke (dukechargista.com.br0

Carlos Newton

O início do ano trouxe uma informação que contrastou com o ambiente festivo do primeiro aniversário do governo de Jair Bolsonaro, cujo ponto alto, mais comemorado, foi o início da recuperação da economia, com alta de 1,1% do Produto Interno Bruto, embora a renda per capita tenha se mantido estagnada. Logo no dia 2 a equipe econômica divulgou novas estatísticas e admitiu que a balança comercial do País fechou 2019 com o menor superávit desde 2015.

Foi um corte na euforia do governo, porque interrompeu um viés de alta mantido nos últimos quatro anos e, que se iniciou quando a fracassada presidente Dilma Rousseff, a falsa gerentona petista, ainda estava no poder

QUEDA DE 7,5% – Movidas pelas vendas de produtos primários, incluindo petróleo, em 2019 as exportações somaram US$ 224 bilhões, com queda de 7,5% em relação à média diária de 2018.

E o resultado só não foi pior porque as importações também diminuíram e ficaram em US$ 177,3 bilhões em 2019, com recuo de 3,3% na média diária.

As causas da redução das exportações brasileiras são variadas, masestão sendo atribuídas principalmente à crise econômica da Argentina e à guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, que prejudicou o comércio global, mas é absolutamente possível que o desempenho do Brasil tenha sido afetado pelas maluquices diplomáticas da gestão de Bolsonaro, que causaram estremecimento das relações com alguns importantes parceiros comerciais, como a Argentina, os países árabes e a China.

MERA COINCIDÊNCIA – Os defensores da política externa do presidente Bolsonaro e do chanceler Ernesto Araújo podem argumentar que a redução das exportações, depois de quatro anos sucessivos de crescimento do saldo na balança comercial, não foram prejudicadas pelas mudanças na tradicional política diplomática, que desde a independência do país adota o não-alinhamento.

Realmente, pode ter sido apenas mera coincidência, como diziam antigamente os geniais roteiristas de Hollywood. De toda forma, porém, o resultado negativo deveria pelo menos servir de indicador ao governo para uma mudança de rumos. Mas está acontecendo exatamente o contrário.

Com o surgimento da grave crise entre Estados Unidos e Irã, o governo brasileiro foi um dos primeiros a apoiar o atentado cometido no Iraque pelos Estados Unidos. E tanto o presidente Bolsonaro quanto o chanceler Araújo fizeram questão de apontar o Irã como um dos culpados pelo terrorismo internacional, claramente comprando a briga americana contra o país árabe, que vinha sendo um bom parceiro comercial e era nosso maior comprador de milho.

###
P.S. – Não é possível que o Instituto Rio Branco tenha deixado de ensinar ao diplomata Ernesto Araújo a famosa lição do experiente John Foster Dulles, Secretário de Estado no governo Eisenhower durante a Guerra Fria: “Os países não têm aliados, devem ter apenas interesses”.

O que parece é que ensinaram a Araújo apenas a lição absurda do chanceler-general Juracy Magalhães, que no governo Castelo Branco envergonhou a nação ao dizer: “O que é bom para os Estados Unidos também é bom para o Brasil”. (C.N.)

8 thoughts on “Até que ponto a burrice diplomática prejudicou as exportações, que vinham em alta desde 2015?

  1. E o que fazia o festejado general iraniano, um notório benemérito da causa humanística em Bagdad?
    A nossa diplomacia ficaria bonita na fita se demonstrasse um viés anti americanista no episódio, como era na época do megalonanico?
    Devemos então derramar o pranto pela morte do general iraniano e acusar o governo americano de terrotista?

  2. Tudo agora é culpa do Boksonaro. Ano passado teve este problema EUA China. O Instituto Rio Branco antigamente era um exemplo. Porém, no governo do molusco serviu unicamente para para empregar petistas e criar diversas embaixadas sem nenhum interesse para o Brasil.

  3. “As causas da redução das exportações brasileiras são variadas, mas estão sendo atribuídas principalmente à crise econômica da Argentina e à guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, que prejudicou o comércio global”

    Claro, como sempre, a culpa é de Bolsonaro, Ernesto e faltou pouco para incluir Olavo.

  4. Alguém tem dúvida de que os dois tenham parafusos soltos?
    Se há dúvida, façam um retrospecto das pérolas ditas pelos dois. e decisões absurdas que tiveram que voltar atrás.

  5. Carlos não é burrice diplomática é ação conciente do governo, é como pensam e agem.Com 200milhões de habitantes um mercado interno gigante que não é utilizado,obras de saneamento construção de casa e escola e hospitais teatros centros de culturas temos muito o que desenvolver internamente também nas áreas de ciência e tecnologia é isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *