Atos do dia 15 descumprem recomendações da pandemia decretada pela OMS

Resultado de imagem para pandemia OMS

Organização Mundial de Saúde fez severas recomendações

Pedro do Coutto

Os atos programados para o próximo domingo dia 15, de apoio ao governo Jair Bolsonaro, e na esteira vão surgir pronunciamentos contra o Congresso e o Supremo, chocam-se frontalmente com as recomendações da Organização Mundial de Saúde voltadas para evitar aglomerações e assim reduzir os riscos de transmissão do coronavírus. Não tenho certeza se depois da recomendação expressa pela OMS, o governo manterá as concentrações. Isso porque é claro que os atos são incentivados pelo Palácio do Planalto. Mas não é só essa a questão.

As concentrações de domingo voltam-se essencialmente em favor das reformas destacadas pelo Ministério da Economia. Ao todo são 16 projetos, porém a maioria é de proposições ainda não enviadas ao Legislativo.

CONTRADIÇÃO – Portanto, como explicar a cobrança ao Legislativo e acusa-lo de boicote, se as proposições ainda nem foram passadas do pensamento ao papel e daí às telas dos computadores da Câmara, conforme o deputado Rodrigo Maia acentuou.

Assim, o ambiente entre o Palácio do Planalto e o Parlamento não é dos melhores. Ontem mesmo, tanto o Senado quanto a Câmara derrubaram o veto do presidente aplicado ao projeto que eleva o pagamento dos benefícios de prestação continuada.

Os benefícios a idosos e pessoas de baixíssima renda previam o valor de 1/4 do salário mínimo por membro da família ou pessoa isoladamente. O Legislativo ampliou o valor para meio salário mínimo por pessoa. Dobrou assim o pagamento.

CONVERGÊNCIA HISTÓRICA – Não se sabe ao certo qual o reflexo de tal fato poderá apresentar nas concentrações do dia 15, se estas se realizarem. Entretanto, guardadas as desproporções de conteúdo, existe um ponto de convergência histórica entre o comício da Central do Brasil, de 13 de março de 64, com os eventos previstos para se espalharem no país no final da semana. Nos dois casos, João Goulart e Bolsonaro visaram o mesmo objetivo: pressionar o Congresso para aprovar as reformas que um pretendia e o outro quer levar ao plano concreto atualmente.

Entre as reformas elencadas figura a privatização da Eletrobrás. Bem, a Eletrobrás e Petrobrás são as maiores estatais brasileiras. O preço estimado para a passagem do controle acionário da Eletrobrás está calculado num montante de 16 bilhões de reais. Baixíssimo. Basta dizer que o lucro do Itaú e do BRADESCO em 2019 ultrapassou o valor cogitado e proposto, ao que parece, na mesa das negociações. Outra comparação pode ser feita: o lucro do Santander, quinto maior banco, no ano passado foi de 14,5 bilhões de reais.

AS DUAS REFORMAS – A comparação é inevitável, mas a questão não se refere apenas a este caso. Refere-se às duas maiores reformas – a administrativa e a tributária. Depois de concretizados os projetos vamos ver qual será a velocidade das soluções.

 As soluções econômicas não poderão surgir facilmente. Basta dizer que a pandemia anunciada pela OMS, ontem, derrubou mercados financeiros bastante sólidos. O período não é propício, claro, para grandes investimentos.

3 thoughts on “Atos do dia 15 descumprem recomendações da pandemia decretada pela OMS

  1. Vamos do jornalista Claudio Humberto.

    MANIFESTAÇÃO DE DOMINGO DÁ PESADELOS EM MAIA
    12/03/2020
    Rodrigo Maia recebeu deputados na residência oficial, nesta quarta (11), para falar mal da manifestação de domingo (15) e, claro, do presidente Jair Bolsonaro. Ele não convive bem com a crítica e teme a virulência das ruas. Parlamentares do Rio de Janeiro, dizem que o vaidoso presidente da Câmara tem pesadelos sobre sua caracterização em bonecos infláveis em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro.

    ISSO, NÃO
    12/03/2020
    A torcida alvinegra espera que eventuais bonecos de Maia não apareçam vestidos com a camisa do Botafogo, o Glorioso.

    UMA INJUSTIÇA
    12/03/2020
    Especialista em agradar plateias para fazer pose de rei da sensatez, Maia acha que são injustas as críticas dos bolsonaristas.

    VIRALIZOU
    12/03/2020
    Rodrigo Maia ganhou apelido de “Coronavírus” pela desenvoltura de procurar apenas os inimigos para cumprimentar, terça (10), no plenário.

    De pirraça vou fazer cliping do Diário do Poder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *