Recuperação dos USA, falsa, jogadores não se animam

As Bolsas caíram no mundo todo. Quando o presidente do FED falou, na Europa estava fechando, na Ásia já estavam dormindo. O fato dele dizer que o juro continuará perto de ZERO, irritou autoridades do Brasil, só que ninguém liga.

Do Brasil, o único que é ouvido é Lula, e assim mesmo porque ficam assombrados com sua formação universitária ou intelectual.

Mas logo lembram do retrocesso de FHC, que se julgava um intelectual e não passava de um plagiário, patrocinado pela Fundação Ford. (Que o ex-presidente só chamava de Ford Foundation, para alimentar seu pedantismo)

Por causa disso, o mercado financeiro não tem a menor importância, principalmente comparado com o resto do mundo, começando pelos EUA. Vejam só: às 13 horas (minha primeira postagem), Bovespa em 53.100. Às 17 horas, fechamento em 53.100, lógico, estabilíssimo. O volume não chegou a 4 bilhões e 200 milhões.

O dólar que estava em 1,90 estável, fechou em 1,90 estável. 4 horas perdidas, querem medir o desenvolvimento, por esse cassino sem clientes.

Zelaya, o insensato

Insistindo em voltar ao Poder em Honduras, disse hoje: Voltarei amanhã (quarta-feira), ao meu país, que já está em guerra civil”. Se estiver mesmo, a culpa é exclusivamente dele.

Como a eleição está marcada para novembro, (sem a antecipação para outubro proposta pelo presidente da Costa Rica) por que Zelaya insiste num referendo?

Está aprendendo a ler pela cartilha de Chavez. Se a reeeleição não está na Constituição, por que Zelaya insiste? Nem golpe da continuação, nem golpe dos golpistas. ELEIÇÕES IMEDIATAS, SEM GOLPE DE QUALQUER LADO. (Exclusiva)

Inédito, textual e entre aspas

Ieda Crusius, Ministra de FHC, ameaçada de impeachment: “Os que me acusam são torturadores de crianças”. Há mais de 1ano, na Tribuna impressa, revelei que ela seria acusada, não percebeu nada. Mesmo que não sofra o impeachment, não terá legenda para nada.

De Zelaya se confessando golpista. O ex-presidente de Honduras não volta mais ao governo, haja o que houver. Recorre aos EUA, e diz que “Obama tem que condenar os golpistas”. Então tem que condenar a ele mesmo, o golpista inicial. O que ser pregado em Honduras: “Nem Zelaya nem generais, queremos um presidente no voto”.

Do Ministro Alfredo Nascimento brigando com o Ministro Carlos Minc: “Ele sabe que é insensato ficar contra o asfaltamento da BR-319. Mas quer cair atirando para ver se se elege alguma coisa”.

A mulher do Kaká, jovensíssima, foi da Espanha aos EUA só para assistir a “bispa” da Renascença e dos dólares contrabandeados: “Vou fundar uma igreja para combater a droga, o vício, a prostituição. Isso é coisa do inferno”. Não há dúvida que é. Mas a Renascença é o melhor caminho para o bom combate?

A reeleição desde o berço

O novo presidente da UNE, Augusto Chagas, de 27 anos, militante do PCdoB, cursa o primeiro ano de Sistemas de Informação na Universidade de São Paulo (USP), depois de desistir de dois outros cursos universitários.

Ele diz que mora num apartamento mantido pelo pai e vai receber da UNE uma ajuda de custo para alimentação e transportes de R$ 1.500 mensais. Antes, foi presidente duas vezes seguidas da União Estadual dos Estudantes (UEE), recebendo R$ 1.200 de ajuda de custo. Foram dois mandatos: 2005-2007 e 2007-2009.

Ou seja: esse sim foi REEELEITO para o terceiro mandato, saltando do primeiro semestre de uma faculdade para a presidência da UNE sem escalas! Uma vergonha!

É incrível, mas a SÍNDROME DA REELEIÇÃO está presente em todo lado. Esse senhor de quase 30 anos nunca trabalhou, nunca estudou – apenas militou REMUNERADAMENTE em meros braços operacionais do PCdoB – ou alguém algum dia sequer “viu” a UEE por aí? Só lhe falta mesmo arrancar o mindinho…

Visível lavagem de dinheiro

Nilmar se destacou no Sul, foi vendido ao Lion. Voltou logo, agora foi vendido novamente, Os exemplos somam dezenas.

O último personagem: Tevez, que apareceu no Brasil inteiramente desconhecido, mas valendo 22 milhões de dólares. Agora foi negociado pelo Manchester de Robinho, valendo o triplo do brasileiro. Lógico, sem avaliar o “por fora”.

Otimismo é isso

Michel Temer não se elegeu deputado pelo poderoso PMDB de São Paulo. Ficou como primeiro suplente, um companheiro foi cassado, assumiu. Mesmo com essa fragilidade, manteve a presidência do partido e se “elegeu” presidente da Câmara.

Agora, garante que será vice de Dona Dilma. Um candidato sem votos, de uma candidata sem legenda. É bem a radiografia dos dois partidos, o PMDB da base e o PT-PT sem nenhuma base. (Exclusiva)

“Juros baixos”, diz o presidente do FED

Bem Bernanke falou que a crise econômica nos EuA é ainda grande. E é preciso ficar alerta, principalmente na questão dos juros, “que não podem subir”. Falou isso no Congresso.

(Aqui seria Câmara dos Deputados, lá 2 anos de mandato, eleita apenas por 2 anos e pelo VOTO DISTRITAL).

É bom registrar: amanhã, quarta-feira, o COPOM anunciará o que decidiram sobre juros. De hoje para amanhã, palpites os mais variados, dados por “especialistas”. Não sabem nada, certo só isso: não haverá aumento de juros. Todo o resto é adivinhação.

3 horas de pregão inútil, como sempre

Escrevo este resumo às 13 horas. A Bovespa abriu em alta, 53.656 pontos, mais 0,97%. Logo cedia para 53.444, alta apenas de 0,24%. Às 13 exatas, estável, nem alta nem baixa, 53.100.

Apenas 1 bilhão negociado, numero que os amestrados tentam maquiar, como sempre. Para isso são amestrados.

O dólar também inalterado, em 1,90 baixo, ou 1,89 alto, sem definição. Faltam 4 horas de pano verde, continua o preto e o vermelho. Expectativa: de que a Bovespa não se mantenha e caia mais. Esperemos.

Daniel Dantas indiciado, mas não desmentido

O famoso “investidor” com dinheiro dos outros, que terminam em lucros fabulosos para ele, está quase igual ao Fujimori.

Dantas foi INDICIADO por 7 crimes, mas continua INTOCADO e INTOCÁVEL, sua afirmação garantia: “Só tenho medo da polícia e da primeira instância”. Ainda não saiu dessas duas esferas. Quando sair (terá que sair0 o que acontecerá? (Exclusiva)

Otimismo falso

Nos EUA, (o centro da crise financeira que virou econômica), tentam de todas as formas iludir o cidadão. O desemprego passou de 15 milhões, mais ou menos 10 por cento da força de trabalho.

Mas continuam desempregando. Hoje, a Intercontinental da aviação anunciou: 1 mil e 700 foram demitidos”. E o otimismo, valem para alguma coisa ou é apenas “otimismo”?

Renato Gaúcho já tem plano de saúde

Desempregado há 1 ano, não podia nem ficar doente. Agora já pode. E fez um grande negócio. Demitido quando o Fluminense estava em penúltimo (18º entre 20 clubes) volta na mesma situação. Só que antes, foi ele que mergulhou o clube nessa posição.

Agora, se não “salvar” o Fluminense, quem irá culpá-lo? Se elevar o Fluminense, vira herói, sua vocação.

Lembra o jogo Brasil-Argentina, Copa da Itália, 1990. Fantando 4 minutos para acabar, Lazzaroni bota Renato em campo, o Brasil perdia de 1 a 0. E ele, explicando: “Não podia fazer nada. Se fizesse 1 gol, virava herói.” (Novamente a palavra).

A contratação de Renato, que o presidente Horcades não queria, decidiu a eleição presidencial do fim do ano. Como os tricolores aguentam? (Exclusiva)

A Globo de rádio se transforma? E a televisão?

Assim que chegou de viagem 9e já se preparando para outra) Sergio Cabral assinou dois decretos. 1) Transfere a concessão dada em 1995 à Globo, para a Rádio Novo Milênio.

2) A concessão dada à Rádio Globo de São Paulo (em 1963) passa para a Rádio 880. O que está ocorrendo?

E se a TV-Globo perder a concessão que era da TV-Paulista, como se arranjará?

“Gomorra”, imperdível, espantoso, inacreditável, muito mais importante do que o livro de Gay Talese

Artur Ribeiro Antunes:
Parabéns pela análise do livro do super avaliado Gay Talese, que é “consagrado” pelo fato de ser americano, e escrever sobre o New York Times. (Quando escreveu o livro, o jornal não estava à beira da falência, obrigado a penhorar a própria sede por 374 milhões de dólares, fora outras dívidas).

Meu prazer com o artigo-análise-crítica foi com o trabalho exaustivo que o senhor teve. Confessou (e mostrou) que leu o livro de ponta a ponta, da primeira à última das 512 páginas do livro. Isso não é comum, pelo menos as críticas que saíram aqui, não foram profundas como a do senhor.

Citou as 384 personalidades examinadas por ele e ainda deixou de lado outras 400 sem importância, palavras suas. Muito obrigado por colocar ou recolocar Gay Talese no seu verdadeiro lugar, o “inventor do jornalismo novo”.

Moro em Nova Iorque, vim estudar a 11 anos, (me formei em Harvard) acho que não volto mais. Traduzi seu artigo, e deixei pessoalmente no escritório do escritor. Não foi trabalho e sim satisfação. Acho que ele vai perder um pouco da arrogância.

Comentário de Helio Fernandes:
Obrigado, Artur Antunes, não só por gostar do artigo, mas também e principalmente por fazê-lo chegar ao próprio Talese.

A repercussão aqui foi excelente, não só com o público, mas atingindo diversos jornalistas. Muitos me pediram autorização para reproduzir em seus sites e blogs, estão livres e liberados.

O objetivo principal era precisamente o de lembrar aos muitos que bajularam Talese, que não existe jornalismo NOVO ou VELHO, e sim jornalismo exercido com independência e competência.

Muito melhor (mas melhor mesmo) é o livro de Roberto Saviano, “Gomorra”. São 349 páginas, assustadoras, pela profundidade na qual mergulha, e volta contando os negócios fantásticos, abusivos, desses grupos de Nápoles, a “Camorra”, que inovou e substituiu a “Cosa Nostra”.

Em determinado momento, o estarrecimento do leitor é tão grande que a vontade é deixar tudo de lado, não acreditar em mais nada. Mas volta, puxado ou empurrado pela credibilidade que salta de cada página, de cada período, de cada linha e até de cada frase, pois Saviano escreve de forma sincopada, diretamente para o leitor.

* * *

PS- O extraordinário é que Saviano tem 30 anos, escreve de Nápoles, de dentro dos grupos, parece um “boss” (como se intitulam), dá a impressão que é um dos chefões que transformou a “Cosa Nostra” num grupo insignificante, numa espécie de jardim da infância do crime, numa sucursal da CIA e do FBI, voltados única e exclusivamente para o faturamento e o enriquecimento marginal, principalmente com drogas.

PS2- Definição dos chefesde clãs de Nápoles: “As drogas estão sendo consumidas pela elite, temos de levá-las aos pobres”. Multiplicaram os lucros de tal maneira que chegaram a FATURAR 300 milhões de euros (900 milhões de euros) por dia.

RJ ficou sete anos sem pagar precatórios

Pedro do Coutto

Em declarações publicadas no Diário Oficial de 17 de julho, o Secretário de Fazenda do Estado do Rio de Janeiro, Joaquim Ferreira Levy, revela que este ano o governo Sergio Cabral vai pagar 150 milhões de reais em precatórios atrasados, dos quais a parcela de 6 milhões –acentuou- refere-se ao Rioprevidência. O Rioprevidência é o fundo de aposentadorias e pensões dos funcionários estaduais. Em 2007, primeiro ano da atual administração, foram saldados 134,3 milhões zerando as dívidas consolidadas e, 1999 e no ano 2000. Quer dizer: de 99 a 2006 praticamente precatório algum foi quitado. Precatórios são dívidas dos poderes públicos para com servidores, fornecedores e empreiteiros, resultantes de sentenças judiciais transitadas em julgado. Que fizeram Anthony Garotinho, Benedita da Silva e Rosinha Mateus que governaram o RJ nesse período? Pelas palavras de Ferreira Levy, nada. Omitiram-se completamente. Com isso, causaram um prejuízo enorme aos que venceram ações na Justiça. Um desastre. Uma atitude quase inacreditável. Quase. Porque, quando ocupou o Palácio Guanabara, Benedita da Silva sequer pagou o décimo terceiro salário ao funcionalismo dos três Poderes. Mas não foi penalizada. Ao contrário. Aí está ela ocupando uma Secretaria no mesmo governo que a inclui entre os responsáveis pelo não pagamento dos precatórios.

Este não pagamento torna-se administrativamente mais grave se levarmos em conta o que determina taxativamente o artigo 100 da Constituição Federal. Diz ele: “À exceção dos créditos de natureza alimentícia, os pagamentos devidos pela Fazenda Federal, Estadual e Municipal, em virtude de sentença judiciária, far-se-ão exclusivamente na ordem cronológica da apresentação dos precatórios e à conta dos créditos respectivos, proibida a designação de casos ou de pessoas nas dotações orçamentárias e nos créditos adicionais abertos para esse fim”. O parágrafo primeiro acrescenta: “Os débitos de natureza alimentícia compreendem aqueles decorrentes de salários, vencimentos, proventos, pensões e suas complementações, fundadas na responsabilidade civil em virtude de sentença transitada em julgado”. Mais claro impossível. E, a seguir do primeiro, o parágrafo  segundo do mesmo artigo:”As dotações orçamentárias e os créditos abertos serão consignados diretamente ao Poder Judiciário, cabendo ao presidente do Tribunal que proferir a decisão determinar o pagamento segundo as possibilidades do depósito a requerimento do credor”.

Portanto, o não cumprimento da Constituição Federal implica não somente no prejuízo às vezes irrecuperável dos vitoriosos na Justiça, como também uma agressão ao Poder Judiciário. O artigo 100 da CF é absolutamente lógico e, inclusive, garante com força ainda maior os créditos dos funcionários públicos, aposentados e pensionistas, na medida em que podem eles antecipar-se ao produto das ações movidas por empresas. Isso porque, analisando-se objetivamente o texto da Carta Magna, conclui-se que a ordem cronológica é um fato, mas os direitos provenientes do trabalho  se sobrepõem aos direitos caracterizados nas relações entre o capital e a máquina administrativa pública. Como é possível, assim, que um princípio constitucional tão claro e tão forte pode deixar de ser cumprido por sete longos anos? Transformou-se numa espécie de verso de Camões dedicado a Raquel, filha de Labão, serrana bela. Outros sete vão demorar para apagar o rastro dos sete degraus da omissão e do descaso. Que fazer? Que pensar?

Um jardim zoológico às avessas

Carlos Chagas

Com o Congresso e os tribunais superiores em recesso, mais do presidente Lula empenhado em recompor diversas obras do PAC que não saíram do papel, abre-se excepcional oportunidade para análise das  questões ligadas ao Brasil real, estando de férias o Brasil formal.

O que mais atormenta a população, hoje, conforme as pesquisas? Não é o castelo do deputado, nem as lambanças acontecidas no Senado, muito menos a CPI da Potrobrás,  sequer as agruras da família Sarney. Tudo isso pode esperar por agosto, como até para mais tarde saber se Dilma Rousseff vai decolar, se José Serra baterá Aécio Neves, ou se o ministério será reformado este ano ou no próximo.

Muito mais agudo é verificar que Executivo, Legislativo e Judiciário não desataram nem vão desatar o nó da segurança pública. A cada dia que passa aumentam a violência, a criminalidade, os assaltos, latrocínios, seqüestros, a pedofilia, o tráfico de drogas e a transformação do cidadão comum em prisioneiro de sua própria casa, quando consegue mantê-la intocada.

Algo precisa ser feito, mas ninguém faz. Sequer as chamadas entidades da sociedade civil animam-se a encarar a questão. Nas grandes cidades e no interior contam-se nos dedos de uma só mão aqueles que ainda não sofreram ou não tiveram parentes, vizinhos e amigos expostos à sanha da bandidagem. Sucedem-se os horrores,os assassinatos, as balas perdidas e as tragédias como se fossem pandemias incontroláveis.

Fica para outro dia discutir se essas práticas devem-se à má distribuição de renda, ao desemprego crescente, à carência de prisões ou à precariedade das escolas. Como, também, à falta de uma legislação apropriada, à morosidade da Justiça ou à impotência do aparelho policial. A verdade é que o país virou um jardim zoológico às avessas, onde os animais estão à solta e nós, na jaula. Sair à rua tornou-se perigosa aventura. Fazer o quê?

Primeiro teste internacional

Viajou para os Estados Unidos, sábado, a ministra Dilma Rousseff. É o seu  primeiro teste isolado, sem estar acompanhando o presidente Lula. Saber como est´[a sendo recebida pela autoridades locais e pela imprensa equivale àquelas expedições de séculos atrás, que saiam do litoral para desbravar o interior. É claro que a candidata não enfrentará tribos indígenas, muito pelo contrário,mas seria bom que se fosse acostumando ás surpresas geradas pelo desconhecido. Irão entrevistá-la como a nova governante do Brasil? Darão de ombros, jornalistas e funcionários americanos esperando para  ver confirmadas mais tarde as previsões que nem aqui parecem unânimes? Dona Dilma precisa de paciência, caso desta primeira vez sua presença não tenha empolgado a matriz. Talvez tivesse sido melhor esperar um pouco.

Todo cuidado é pouco

Em plenas férias parlamentares, quantos deputados e senadores terão ou estarão viajando para o exterior? Vale a ressalva de que não é crime visitar a Europa, os Estados Unidos e alhures, muito pelo contrário. Dificilmente a gente deixa de alimentar a cultura, os conhecimentos e a experiência. O problema é saber se muitos viajantes estão arcando com as próprias despesas, e de seus familiares, ou desembarcam no estrangeiro com passagens e estadia paga por outros. No caso, entidades e governos que convidam ou, mais perigoso ainda, com recursos da Câmara e do Senado.

Ao parece fácil a tarefa de pesquisar as vilegiaturas, valendo incluir nelas, também, os vôos de ministros dos tribunais superiores. Todo mundo tem o direito de usufruir de suas férias como bem, entende, desde que, é claro, exista dinheiro. Mas não seria nada bom se os resultados indicassem boa parte de Suas Excelências flanando pelo mundo. A situação  é atípica, no Congresso, desde o começo do ano. Melhor fariam os parlamentares se, enfurnados em seus estados, estivessem fazendo exames de consciência, retiros espirituais ou meditando  a respeito de que iniciativas tomarão em agosto para recompor a imagem de suas instituições. Bem faz o senador José Sarney enclausurado na Ilha do Curupú, próxima de São Luís, onde só se chega de canoa e só se come peixe.

Prevalece o bom-senso

O presidente Lula e o presidente Fernando Lugo, do Paraguai, tem encontro marcado para o fim de semana. Anunciam auxiliares palacianos que o Brasil cedeu e vai autorizar nossos vizinhos a venderem o excedente de energia que recebem de Itaipu, aliás, de graça. Apenas  com a ressalva de só poderem vencer seus quilowates extras para empresas brasileiras,  É o que já acontecia, apenas com a presença da Eletrobrás no balcão, gerenciando a compra e venda e fixando preços. Agora, empresas privadas nacionais poderão candidatar-se a adquirir a energia que nem vai e volta, porque fica aqui mesmo, do nosso lado. Foi uma concessão do presidente Lula a seu camarada, gesto de boa vontade  capaz de carrear alguns dólares  a  mais para nossos vizinhos. E garantir para que fique em nossas fronteiras a mais barata e limpa força geradora do desenvolvimento. Vamos reconhecer, ponto para o Brasil. E para o Paraguai.

O dólar continua caindo

O volume jogado hoje foi maior em opções diretas, fora do pregão, do que com ações de empresas. Mas algumas subiram bem. Petrobras subiu toda a semana passada e começou esta em alta. Vale também, mas quem ganhou mesmo foram as imobiliárias. Embora ninguém ganhasse do vício, cigarro e bebida.

Depois de passar de 53 mil pontos, o máximo a seguir da crise, a Bovespa voltou a 52 mil pontos alto. Mas a partir de 3:40 subiu novamente, fechou em 53 mil 154 pontos, alta de 2 por cento.

O dólar caiu o dia todo, fechando em 1,89 alto, menos 1,40%.

Fujimori, FHC e Menen queriam 3º mandato

O ex-presidente do Peru queria o terceiro mandato, foi impedido pelo Supremo. Viajou para o Japão, tem dupla nacionalidade. Voltou, foi preso e extraditado. Respondeu a processos. No primeiro, condenado a 25 anos, crimes contra a humanidade.

No segundo, mais 8 anos por corrupção. Hoje, nova condenação, mais 7 anos também por corrupção. Completou 40 anos para ficar preso.

FHC e Menen não conseguiram o terceiro mandato. Menen foi processado, conseguiu arquivar a denúncia em troca de abandonar a vida pública.

40 anos perdidos?

O primeiro homem a ir à Lua foi dos EUA. Mas quem chegou primeiro ao espaço foi um soviético. E dessa aventura que custou inimagináveis fábulas de dinheiro, sobrou apenas a frase “a terra é azul”. Valeu o desperdício? Pelo menos se sabe se adianta insistir?