Aviso aos navegantes: o clima eufórico com a Economia não tem justificativa

Imagem relacionada

Charge do PW (pwdesenhos.com.br)

Carlos Newton

No último sábado, dia 14, o presidente Jair Bolsonaro comemorou em sua conta no twitter o novo recorde do principal índice da Bolsa brasileira, o Ibovespa, e o que teria sido o menor nível do risco Brasil em sete anos.

NÚMEROS ERRADOS – “Durante a recessão de 2015, o Risco Brasil, índice que acompanha a confiança dos investidores, chegou a quase 500 pontos. Ontem o risco atingiu 100,89 pontos, o menor nível desde 2012, e a bolsa de valores fechou acima de 112 mil pontos, renovando sua máxima histórica”, escreveu o presidente, de forma equivocada.

Quem passou os dados ao chefe do governo foi impreciso e os números necessitam de ligeira revisão. Primeiro erro: o Risco Brasil atingiu 555 pontos em 2005 e não “quase 500 pontos”. Segundo erro: o Credit Default Swap (CDS) do Brasil realmente esteve em 100,89 pontos durante o dia, mas fechou aos 108 pontos. Ou seja, Bolsonaro comemorou algo que podia acontecer, mas ainda não tinha ocorrido.

SEGURANÇA – O presidente costuma dizer que nada entende de economia e está comprovado que é uma grande verdade. Quem precisa entender é o ministro da Economia, que deveria dizer ao presidente para ir com calma, porque ainda não há motivos para euforia com os resultados dos indicadores econômicos.

Além disso, a subida do dólar não preocupa o ministro Paulo Guedes. Pelo contrário, faz parte das expectativas dele, que recentemente afirmou que os brasileiros devem “ir se acostumando”.

Quanto à alta da Bolsa de Valores e a queda do Risco Brasil, devem ser encaradas como reflexo direto da queda da taxa de juros Selic para 4,5% ao ano. Isso significa que os fundos financeiros estão rendendo cada vez menos, apenas sobem os que se baseiam em ações, porque a Bolsa se tornou a melhor opção. Da mesma forma, a queda dos juros favorece a rolagem da dívida pública, diminuindo o chamado Risco Brasil. Mas tudo tem limite.

RENDA PER CAPITA – Falta calcular dezembro, mas o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) de 2019 já se sabe que deve ser por volta de 1,1%, o que significa renda per capita praticamente estacionária. O economista Alexandre Schwartsman, ex-diretor do Banco Central, diz que é até possível projetar um crescimento de 2,5% para o ano que vem. “Não é um baita resultado. Depois de tudo que o País caiu, é pouco, mas mostra alguma melhora“, anima-se.

Esse espírito de otimismo natalino, é claro, pode levar a conclusões ilusórias, porque, sem crescimento sustentável da Economia, a Bolsa não poderá continuar subindo indefinidamente. Como diz a principal lei da Física, tudo o que sobe acaba caindo,se não houver sustentação. Para as ações continuarem em alta, será necessário que a lucratividade das companhias aumente de verdade, sem que a Bolsa seja submetida a uma empolgação de escola de samba.

UMA BOLHA ENORME – O fato concreto é que o lucro da imensa maioria das empresas não está aumentando na proporção do crescimento do índice Bovespa. O resultado é que está se formando uma bolha enorme, que está inflando, inflando, inflando, e quando explodir é bom que a gente esteja longe dos estilhaços.

Qualquer estudante de Economia sabe que se trata de uma bolha e o resultado será inexorável; os jornalistas especializados também sabem, mas fingem que não estão nem aí, para não atrapalhar o Deus Mercado.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O que diria Adam Smith, o grande ideólogo do mercado, se ainda estivesse entre nós e fosse convocado o analisar o irrefreável crescimento do índice Bovespa: 1) “É um milagre brasileiro”. 2) “A mão invisível do mercado vai dar um jeito”. 3) “Não estou entendendo nada”. 4) “Isso não vai acabar bem”. 5) “Parem o mundo que eu quero descer”.

P.S. 2 – Bem, nesta segunda-feira, o Ibovespa teve perdas de 0,59%, a 111.896 pontos. Já o dólar comercial caiu 1,15% no mesmo horário. E o CDS (que funciona como um seguro contra o calote da dívida) caiu abaixo dos 100 pontos nesta segunda-feira, no menor nível desde 2012. Mas isso pouco significa no panorama econômico, apenas reflete a queda da Selic. (C.N.)

27 thoughts on “Aviso aos navegantes: o clima eufórico com a Economia não tem justificativa

  1. Depois da roubalheira dos governos anteriores há mérito real aos gestores do governo atual.
    Não adianta tentar denegrir, devemos todos torcer para que este ritmo continue.

  2. “E o CDS (que funciona como um seguro contra o calote da dívida) caiu abaixo dos 100 pontos nesta segunda-feira, no menor nível desde 2012. Mas isso pouco significa no panorama econômico, apenas reflete a queda da Selic. (C.N.)”

    O autor do texto ficou muito animado com os sinais que a economia esta voltando a crescer. E para tirar os méritos do governo resumiu tudo a reflexo da queda da selic. A taxa selic não cai sozinha, ela é consequência de ações do governo, mas especificamente a equipe econômica, comandada por Paulo Guedes, que vem sendo bastante criticado pelo autor.

  3. Acho que uma parte do crescimento da bolsa está ocorrendo por que o capital especulativo migrou para ela, pois o ganho puramente financeiro caiu muito e está com tendência de queda (selic em baixa).
    Isso não é fantástico mas é muito bom para o investimento produtivo. Com mais capital as empresas poderão investir e aí entramos num círculo virtuoso com produção e empregabilidade, que ainda não acontece mas é o próximo passo para este tipo de conjuntura. Não vejo bolha, até por que o crescimento da bolsa não é fora da curva.

  4. CN,
    Você está equivocado.
    Os indicadores, CDS, IED, não pela vertente rentista dos juros, a bolsa em 112 000. Pts, as reservas cambiais, o swap cambial, e o swap reverso, o próprio saldo da balança comercial, etc, estão a indicar que não se trata de “vôo de galinha “, na expressão da famigerada gleise Hoffman.
    O plano do ministério da infraestrutura, com apoio da engenharia Militar, a privatização de aeroportos, portos, vias navegáveis, fortalece a estratégia do governo. A atuação do ministério das minas e energia, tudo istmo é extremamente positivo. Há, certamente, desvios e erros, que vão sendo ajustados.
    Corrupção tendendo a zero!
    Brasil, acima de tudo!
    Deus, acima de todos!

  5. Que ridículo, que preciosismo imbecil. O mercado e o mundo estão errados e o bloguista está correto. Lamentável o que sai das escritas quando este cidadão acha que entende de economia. É tão ridículo o texto que dá vontade de chorar.

  6. O imbecil não sabe que a economia é cíclica, além disso não adianta que não entra na caixola dele que o PIB cresceu pela primeira vez com investimentos privados, não houve dinheiro do governo (como petralhas e afins) para inflar crescimento do PIB.

  7. A gente deve sempre analisar o que está ocorrendo. Por exemplo, o crescimento do PIB se deve principalmente ao consumo. Mas será que esse aumento do consumo foi saudável? Veio através do aumento de renda do cidadão ou através do aumento de emprego? Ou foi através da expansão do crédito e consequentemente pelo aumento do endividamento do cidadão? Ou ainda por incremento excepcional de recursos aos cidadãos?

    O mundo todo reduziu os juros, então o Brasil aproveitou bem esse momento e agiu corretamente. Como a economia não aquece, a demanda ainda é baixa, a inflação permanece pequena e propicia essa política.

    Desde 2015 até agora o BNDES devolveu mais de 300 bi ao tesouro nacional. Isso amenizou bastante o crescimento da dívida pública. Esses recursos são finitos.

    Uma coisa que deveria ser preocupante é que apesar do saldo positivo da balança comercial (muito alavancado pelas exportações de produtos primários, haja vista a queda de exportações de produtos manufaturados e semimanufaturados), temos um saldo negativo significativo no balanço de contas correntes (e o que isso significa?).

    Acho que enquanto o governo não focar na reindustrialização, incentivar a criação de tecnologias próprias não haverá o incremento de empregos com uma renda maior e nosso crescimento não será sustentável.

    A bolsa? Essa não necessariamente reflete os ganhos produtivos. A especulação hoje em dia é um jogo para os espertos.

    Por fim, a bolha especulativa é mundial. Lembremos que a dívida total do mundo corporativa e familiar é de 250 trilhões de dólares, valor muito superior aos PIB somados dos países. Essa dívida cresceu muito em função dos juros baixos praticados mundialmente, facilitando ou incentivando a concessão de empréstimos para empresas e pessoas. Essa dívida só vai crescer, pois é impagável.
    Será que essa bolha vai explodir como em 2008?

    • Concordo, dessa vez, com sua análise, mas faço uma ressalva quanto á tecnologia, pois ainda temos muito a ganhar sem ela, dando facilidades, como existem em países capitalistas, a investidores internacionais. aqui não faltam rodovias, ferrovias, usinas nucleares, hidrelétricas, etc, precisando desse capital.

      Nem é preciso dizer a vc, um especialista, que com produção há empregos e é com ela que o crescimento é sustentável.
      Como não temos capital, o investimento internacional é benvindo e super necessário, como também o disputa todos os países capitalistas e ricos.

      • Países capitalistas? O Brasil também um país capitalista. Acho que confundes, às vezes, capitalismo com liberdade econômica (onde o Brasil é mal situado).
        Também me agradam os investimentos internacionais, mas a gente deveria ser mais pragmático, tanto quanto o foram os países hoje desenvolvidos. O desejável, e perdemos a oportunidade muitos anos atrás, são as associações com transferência de tecnologia, e, de alguma maneira, darmos incentivos às indústrias nativas para que a concorrência não as destrua. Infelizmente temos vários exemplos dessa falta de visão de longo prazo.

        • Seu equívoco consiste em afirmar que o Brasil é um país capitalista.
          Podemos até dizer que não existe país que não seja capitalista, contudo há os que praticam o capitalismo através do estado e o tornam ineficiente como no comunismo e no fascismo, este segundo modelo de estado é o nosso caso, criado por Getulio em 35, Estado Novo), também o da Argentina e do México, criados por Perón e pelo PRI respectivamente.
          O fascismo é uma das vertentes do socialismo a outra é o comunismo, bem mais radical, com o estado dominando totalmente o comércio e a produção. Toda a economia.

          Para esses países aí em cima, de modelo socialista-fascista, o povo tem que trabalhar no mínimo a metade do ano para sustentar sua gigantesca e poderosa máquina burocrática, que por isso, cara e corrupta.
          Com seu excesso de regulamentos e entraves burocráticos, o fracasso é inevitável como vemos nos país citados.

          Nos países capitalistas puros, a economia é regulada pelo mercado, com a presença mínima do estado e impostos suportáveis a no máximo 28% (Trump reduziu a 22%), os resultados benéficos para a sociedade são visivelmente superiores aos dos países socialistas citados acima como o é o Brasil.

          • Os países com menor carga tributária são os que possuem maior competitividade econômica? Sabes qual o país com maior superávit comercial do mundo?
            Dá uma olhada no ranking dos países em relação à carga tributária,

          • A carga tributária é uma das principais componentes da produtividade e competitividade, junto ao custo do transporte e energia.
            I
            A China aprendeu a lição, embora seu modelo de estado, antes comunista, agora é fascista, mas com uma economia de mercado sem regulamentação trabalhista e altos impostos que inibem a produção competitiva, isto sem falar na infraestrutura que a torna assim.

  8. Muito obrigado pelo aviso, Editor, mas para mim isso é inútil, visto que não acredito em ninguém.
    Só me empenho no palpável, nos resultados.
    Aguardando-os.

  9. O viés no comentário do CN sai pelo ladrão. Poderia responder a cada agouro previsto mas dá até preguiça. mas o mais engraçado é que depois de meses batendo do Paulo Guedes por ele “esquecer” o déficit público, nem comenta a fantástica redução de pagamento de juros da dívida, calculada por alguns em aprox. R$100 bi/ano com a queda dos juros

  10. Prezado jornalista.

    -O que se esperava era que a economia fosse piorar nas mãos do Bolsonaro, uma maluco no pedaço.
    -Se ficar parada, já estará de bom tamanho, pois estávamos caindo.

    -Mas dá sinais que está melhorando. E isso sem nenhum pacote. Talvez seja até bom que ele não fique dando palpite na área econômica, pois sempre foi dito que o país cresce à noite, quando a classe política não está interferindo, quando ela está dormindo.
    -Por conta da queda dos juros, se o investidor aplicar nas ações de empresas, com o tempo gerará empregos, riquezas, etc.

    Quanto ao otimismo, ele está certo. Tão certo quanto o Lula, sobre a tal “marola”. Burrice seria um presidente pregar o caos.

    Mas é curioso:
    -Agora ele está dizendo que o país está e ficará bem: tem gente reclamando o otimismo!
    -Quando ele disse que o país estava quebrado, também reclamaram…do pessimismo!

    Como dizia a minha mãe:
    -Queres ser bom?
    -Então morra!

    Abraços.

    • “O presidente foi perguntado se estuda editar uma medida provisória com mudanças na política do etanol. Ele respondeu que o governo tenta permitir que usinas possam vender combustível direto para os postos.

      “Questão do etanol nós tentamos, estamos tentando ainda, de modo que, das empresas que produzem o etanol, as usinas possam vender diretamente ao posto de gasolina. Tem caminhões de transporte de etanol que andam 400 quilômetros para entregar o etanol a um quilômetro da usina. Isso é um absurdo”, disse.”

      -Já pensou se o congresso aprovar, o tanto que cairão o preços dos combustíveis na bomba, fora do alcance dos tentáculos da commoditie da OPEP?

  11. É difícil fazer Ajuste Fiscal e criar Superavit Primário num País que vem há 6 anos com Deficit Primário, com Carga Tributária de +- 34% do PIB, e Deficit Nominal ( o que leva em conta o CUSTO do Giro da Dívida Pública) de ainda quase 6% do PIB. para estabilizar o crescimento da Dívida Pública.

    Dentro dessas circunstâncias o crescimento de 1,1%/2019, Bolsa de Valores Ibovespa acima de 110.000, e CDS em 100 pontos básicos, etc, não está mal.

    Mas levando em conta que para cada 1% de PIB se criam +- 2 Milhões de Empregos, e que cada ano entram +- 1 Milhão de Brasileiros no Mercado de Trabalho, necessitamos crescimento breve de 3,5%aa ou mais para reduzir o Desemprego de +- 12 Milhões de Brasileiros e +- 40% da Capacidade Instalada.

    É natural porém que o Governo puxe brasa para sua sardinha.

  12. E impressionante a magoa do CN com o Bolsonaro, antes da eleição viu ele cercado de militares e achou que seria um governo nacional desenvolvimentista nos moldes dos regimes militares. Desde que se apercebeu que não seria assim é só magoas. Tudo que o Bolsonaro faz agora é errado e o mundo vai acabar….

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *