Banco do Brasil responde com evasivas à Polícia Federal e monta uma Operação-Abafa, para soterrar o escândalo da nova violação do sigilo do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge. E assim “la nave va”.

Carlos Newton

Os aloprados do PT não aprendem. Há anos vêm quebrando ilegalmente o sigilo bancário e fiscal do atual vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge Caldas Pereira, que foi secretário da Presidência nos governos FHC. Insistentemente, eles tentam encontrar alguma coisa que possa incriminá-lo, sem êxito.

Eduardo Jorge tornou-se assim o homem mais investigado do país, acima de qualquer suspeita, porque nessas investidas não se descobriu nenhuma prova material, apenas constata-se o fato de que ele enriqueceu. E o que é pior: ele admite e declara à Receita ter enriquecido, ao contrário do que fazem muitos outros “políticos”, como Netinho de Paula, Cesar Maia e Tiririca, para citarmos apenas três dos mais conhecidos candidatos que este ano fizeram ridículas declarações de bens. (Dos três, apenas o palhaço se elegeu).

Desta vez, quem entrou na berlinda por quebrar o sigilo de Eduardo Jorge foi o Banco do Brasil. Quando o escândalo surgiu, estávamos na reta das eleições no primeiro turno, e entrou em vigor uma espécie de Operação-Abafa. Assim, da mesma maneira como está ocorrendo na Controladoria Geral da União em relação ao caso Erenice Guerra, com os auditores fazendo papel de advogados, no Banco do Brasil tenta-se agora sepultar o caso Eduardo Jorge.

Como recordar é viver, a cronologia do imbróglio é a seguinte: em abril, o PT contratou a Lanza Comunicação, do jornalista Luiz Lanzetta, para trabalhar na campanha de Dilma Rousseff. Em maio, a revista “Veja” revelou que Lanzetta tentou montar na campanha petista um grupo para elaborar dossiês. Os alvos seriam Serra, Eduardo Jorge e Verônica, filha de Serra. Em junho, “O Globo” denunciou que num suposto dossiê elaborado pelo PT constariam informações sobre depósitos que somam R$ 3,9 milhões na conta de Eduardo Jorge, resultado da venda de imóveis. De lá para cá, vem rolando a denúncia de quebra de sigilo. Três meses já se passaram, e nada.

Até agora, o Banco do Brasil está só enrolando. Forneceu apenas informações genéricas sobre os motivos que teriam levado os dados do correntista a serem “analisados”, e negou qualquer irregularidade. Em ofício encaminhado à Polícia Federal, o BB confirmou que houve cinco acessos às informações bancárias do vice-presidente do PSDB. Mas quem fez os acessos? O Banco não revela. Por quê? O Banco não revela.

“Informamos que as funções exercidas pelos funcionários estão plenamente compatíveis com os acessos efetuados”, diz, laconicamente, a informação do Banco do Brasil. Traduzindo: o Banco do Brasil na verdade nada informou. Apenas declarou à Polícia Federal que os acessos foram feitos por funcionários que tinham direito de fazê-lo. Ou seja, os acessos (quebra de sigilo) não foram feitos por contínuos nem por porteiros ou seguranças, mas por funcionários mais graduados.

A explicação-justificativa é ilusória, porque o fato de o funcionário do BB ter função que o habilite a acessar contas de outras agências, isso não significa que possa fazê-lo a seu bel prazer, sabe-se lá sob qual justificativa. Como foi o caso da conta de Eduardo Jorge. Afinal, o que a pequena agência de Maricá (RJ) tem a ver com a conta do vice-presidente do PSDB? A Polícia Federal perguntou ao Banco do Brasil? Claro que não.  O que a PF deveria perguntar é: por que foram feitos os acessos?  E isso o Banco do Brasil não responde. Só se sabe que quatro acessos foram em Brasília e um em Maricá, onde Eduardo Jorge nunca teve conta nem fez movimentação.

A Polícia Federal não descarta que sejam necessárias novas diligências para confirmar se houve ou não algum tipo de irregularidade. Mas o tempo passa e os diligentes policiais continuam inertes. Ainda  não formalizaram nenhum pedido adicional de informações ao Banco do Brasil. Como se também estivesse empenhada na Operação-Abafa, a Polícia Federal apenas confirma que o relatório entregue pelo Banco do Brasil não apontou indícios de violação de sigilo. E tudo pode acabar por isso mesmo, no reino de Sua Alteza, Lula II (agora quase III, travestido de Dilma).

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *