Banco Mundial: Governo do Brasil gasta demais, é ineficiente e socialmente injusto

Resultado de imagem para governo injusto charges

Charge do Tacho (Jornal NH)

João Borges
G1 Brasília

O Banco Mundial entregou na manhã desta terça-feira (21) aos ministros Henrique Meirelles (Fazenda) e Dyogo Oliveira (Planejamento) um relatório com diagnóstico detalhado sobre os gastos públicos no Brasil analisando oito áreas. O documento avalia os gastos sobre três aspectos: o peso no Orçamento, a eficiência e a avaliação sobre o ponto de vista da justiça social. A conclusão não é favorável ao Brasil. O título é provocativo: “Um Ajuste Justo: Uma Análise da Eficiência e da Equidade do Gasto Público no Brasil”.

O relatório foi encomendado ao Banco Mundial pelo ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy, teve prosseguimento durante a gestão do sucessor, Nelson Barbosa.

DIGNÓSTICO DETALHADO – O trabalho analisa oito áreas do gasto público no Brasil, com diagnóstico detalhado de cada uma delas, levando-se em conta o peso no Orçamento, o grau de eficiência e, ponto importante, o quanto é socialmente justo. Ou injusto.

A conclusão é severa: no Brasil, os governos (federal, estaduais e municipais) gastam mais do que podem; os gastos são ineficientes, pois não cumprem plenamente seus objetivos; e, em muitos casos, de forma injusta, beneficiando os ricos em detrimento dos mais pobres.

Aponta que, nas últimas duas décadas, o gasto público no Brasil aumentou de forma “consistente”, colocando em risco a sustentabilidade fiscal do país. O déficit fiscal alcança 8% por cento do PIB, e a dívida saltou de 51,5% do PIB, em 2012, para 73% neste ano.

PREVIDÊNCIA – O estudo aponta que 35% dos subsídios beneficiam aqueles que estão entre os 20% mais ricos. E apenas 18% dos subsídios vão para os 40% mais pobres. Na aposentadoria do serviço público, a injustiça é ainda maior. O subsídio para os servidores federais custam o equivalente a 1,2% do PIB e, no caso dos servidores estaduais e municipais, mais 0,8% do PIB.

No caso do serviço público, conclusões incômodas. De acordo com o Banco Mundial, os servidores públicos federais ganham, em média, 67% a mais do que os trabalhadores da iniciativa privada. A diferença quando comparada com os servidores estaduais também é elevada: 30% a mais.

O problema no Brasil, comparando com outros países, não é o número de servidores, mas a remuneração incompatível com a capacidade de pagamento do estado. De acordo com o estudo, 83% dos servidores públicos integram o conjunto dos 20% mais ricos da população.

EDUCAÇÃO – As despesas com o ensino médio e fundamental apresentam elevado grau de ineficiência e seria possível reduzir em 1% do PIB os gastos, mantendo o mesmo nível dos serviços prestados. O governo gasta 0,7% do PIB com as universidades federais. A universidade gratuita é também injusta: 65% dos alunos estão entre os 40% mais ricos. Aos mais pobres, que não conseguem ingressar na universidade pública, resta a opção do FIES.

“Não existe um motivo claro que impeça a adoção do mesmo modelo para as universidades públicas”, afirma o estudo, sugerindo o fim da gratuidade na universidade pública, criando-se bolsas para quem não pode pagar.

EMPREGO E SAÚDE– As políticas de apoio às empresas consumiram 4,5% do PIB, em 2015, e, segundo o relatório, não há evidências de que tenham contribuído para o aumento da produtividade e geração de emprego. “Pelo contrário, tais programas provavelmente tiveram consequências negativas para a concorrência e a produtividade no Brasil”.

Na área de saúde, o Banco Mundial afirma que seria possível gastar 0,3% menos do PIB mantendo o mesmo nível dos serviços. E uma economia de até R$ 35 bilhões em três anos poderia ser obtida com melhorias no sistema de licitação e compras governamentais, sem que para isso seja necessário mudar a legislação. Apenas mudando os métodos.

DESPERDÍCIO ABSURDO – Somando tudo, o Banco Mundial conclui que o governo federal poderia economizar cerca de 7% do PIB com ações que aumentassem a eficácia dos gastos públicos, reduzisse os privilégios, focando o atendimento dos serviços nos segmentos mais pobres da população. Incluindo estados e municípios, o ganho fiscal, a economia, chegaria a 8,36% do PIB.

O equivalente a mais ou menos R$ 500 bilhões por ano.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O relatório é uma vergonha para o Brasil, mostra que um dos mais importantes países do mundo tem um governo altamente irresponsável e socialmente injusto. Bem, estamos às vésperas de uma eleição decisiva. Mais do que nunca, cada eleitor precisa pensar e avaliar com muito critério, antes de registrar seu voto. (C.N.)

23 thoughts on “Banco Mundial: Governo do Brasil gasta demais, é ineficiente e socialmente injusto

  1. O relatório é uma vergonha para o Brasil, mostra que um dos mais importantes países do mundo tem tido, há pelo três décadas, governos altamente irresponsáveis e socialmente injustos.

  2. Este merda de Banco fala mal do Brasil mas se esquece que quando de sua criaçao nós o país gastador, colocamos naquela espelunca 1 bilhão de dolares.. Sem contar com a inflação quanto teriamos de receber de volta.? Esta merda foi fundada em 1944, portanto a 73 anos

    Já pensaram quanto renderia a 5% a.a. usando o mesmo criteriio de cobranca que eles usam.

    • Seu Elmir, a sua técnica de desviar acusação é muito conhecida. Nos USA é chamada de what-about-tism. Quando alguém ataca alguém, a defesa se resume a responder: what about this and that. Por exemplo: Trump apertou xotas de mulheres. A defesa imediatamente replica: what about Bill Clinton?
      No nosso caso, espera-se que o comentarista defenda ou condene o governo, desviar o assunto soa mal.

      • O caso é que é verdade. O chamado “what-aboutism” é só uma forma de enviesar uma discussão, e dizer que um acusador não pode ser questionado por aquilo de que acusa os outros. O Banco Mundial serve apenas os interesses das grandes instituições financeiras e das grandes potências, mas não pode ser questionado sobre isso. Donald Trump pode ser acusado por condutas inapropriadas ocorridas há séculos e que só são convenientemente lembradas agora, mas não o Sr. Bill Clinton, que praticou condutas idênticas. Na verdade liberais americanos estão começando agora a se lembrar de condenar Clinton, assim como outros ilustres liberais de condutas similares, como Harvey Weinstein e outros.

    • A capacidade de os membros influenciarem as decisões do World Bank é por votos através do chamado voting power. O Brazil está abaixo dos 13 primeiros principais bancos em poder de voto, portanto deve ter contribuido menos do que os 13 primeiros.
      Como não pude encontrar o valor da contribuição feita na época da formaçao do world bank, gostaria de saber onde o senhor encontrou esse seu número.

  3. “É A REPÚBLICA EXAURIDA, ESTÚPIDOS”, como diria um assessor do Bill Clinton . Daí a necessidade inevitável e inadiável da RPL-PNBC-DD-ME, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir, que não foi à toa que levou décadas para ser elaborada e burilada, mas, isto sim, porque tinha um encontro marcado com a História do Brasil, como marco divisor de estágios históricos. O Brasil antes e depois da RPL-PNBC-DD-ME.

  4. O deslustrado Temer direcionou bilhões para emendas parlamentares a fim de não ser julgado pelo STF.
    No outro lado da moeda, vemos uma criança desmaiando na sala de aula por fome!; vemos assaltantes invadindo casas, dominando ‘comunidades’, a pobreza desgraçando familias.
    Esse governo não é injusto, ele é filho da puta; ele fede, ele nos envergonha.

  5. “Não existe um motivo claro que impeça a adoção do mesmo modelo para as universidades públicas”, afirma o estudo, sugerindo o fim da gratuidade na universidade pública, criando-se bolsas para quem não pode pagar.

    Dirão as corporações: querem a privatização do ensino público. R a sociedade idiota, sem condições mentais de avaliar, aceita, submissa e passivamente.

    As crianças e os jovens estão “sem pai e sem mãe”. Na educação, abandonados pelos que os fizeram. No ensino, os gastos não representam os resultados. E se mais for gasto, não existe a garantia de melhora.

    É um “caldeirão” produzindo a massa crítica do futuro. Pouca cultura, pequeno ensino, educação familiar deficiente. Resultado: uma sociedade piorada.

    E a culpa é do banco mundial!

    Ou a sociedade se organiza e assume seu destino ou espera jesus voltar. Aviso a todos: Ele não voltará.

    Fallavena

    • Ele não voltará, mas os seus irmãos continuam por aqui, iluminados, animados e instigados por Ele, e, todos juntos, haveremos de chegar lá.

    • A Biblia relata que naquela época Cristo prometeu voltar em breve : “há entre vocês alguns que não conhecerão a morte antes que eu volte!” Os caras morreram e ele não voltou!
      Portanto melhor lutarmos para resolver nossos problemas e deixar que os mortos enterrem seus mortos.

  6. A volta do Cristo é marcada por uma presença invisível (parousia) ao findar os tempos dos gentios e a sua revelação como rei dos reis e senhor dos senhores acontece no clímax da grande tribulação, o chamado Armagedom..
    Entre os 12, Pedro, Tiago e João foram testemunhas da realidade da volta do Cristo no episódio da transfiguração. Mat.17:1-9.
    Entre a volta e a revelação uma geração está envolvida e neste espaço se estrutura a formação da nova sociedade humana que viverá sob o domínio do príncipe da paz. (Venha o teu reino)
    Embora o cunho da matéria seja política, creio que usá-la como mote para denegrir a racionalidade de um culto racional ao Grande Teocrata, não é um proceder de sabedoria.
    A sabedoria de Deus é tolice para a grandiosa racionalidade humana.
    Sou feliz com o que alguns julgam tolice. Prefiro esta tolice do que acreditar que algum dia dará certo o governo do homem sobre o homem. É um mal necessário, simplesmente isso… Nunca dará certo!

    • Crer é acreditar no que não pode ser demonstrado. Crer no que disseram Pedro, Tiago e João não prova nada. Simplesmente porque eles eram ignorantes, amantes da causa e interessados em expandir o culto ao seu senhor.
      Há 2 mil anos, os caras não conheciam a natureza da luz, imaginavem que as estrelas se moviam para mostrar o lugar do nascimento do cristo que viria algum dia. Os próprios gregos, muito superiores aos judeus de então, acreditavam que o sol era uma bola de fogo que passava no céu numa carruagem.
      O cristo mesmo foi citado amansando tempestades, multiplicando pães e tornando água em vinho.
      Não dá, meu caro. O mundo se educou. É hora de rejeitar essas tolices de nossas vidas. Elas só servem para enriquercer pastores.

  7. Nem precisaríamos do estudo. A evidência empírica nos mostra a ineficiência na gestão pública, descontroles nas contas, incompetência, corrupção e desvios, desperdícios e, como pedra de toque, a ausência do princípio da Coordenação, impedindo que as mazelas citadas sofram acompanhamento e restrições.

  8. Pedro, Tiago e João não eram ignorantes, apenas não tinham formação acadêmica mas, Paulo era um erudito e contrapôs a sabedoria do Cristo com a grega-romana.
    Sobre a natureza da luz até hoje os cientistas se debatem se é partícula ou onda ou comporta-se como as duas coisas.
    Séculos antes de Jesus, está na Bíblia que a terra era circular e apoiada sobre o nada. Sobre normas de higiene, Israel esta no deserto mais avançado do que os que achavam que Pasteur era ignorante (Séc. XIX).
    Tosen, com referência a muitos pastores e religiões eu estou ciente que há muitos escroques da fé e por isso, aprendi a separar o joio do trigo e a Palavra de Deus de ensinos humanos e filósofias de botequim.
    Portanto, escolhi a tolice do Cristo e não envergonho-me de ver em sua defesa da teocracia mais lógica do que nas provadas ineficazes ideologias humanas.
    Tentou-se de tudo e chegamos ao esgotamento daí, humildemente precisamos admitir a incompetência humana de gerenciar os próprios passos.
    Respeito a sua posição e sei que o que muitas igrejas ensinam estão fora da racionalidade humana daí, precisaram ampará-las com o termo dogma, como a abolida doutrina do inferno de fogo que a Tribuna bem retratou.
    A Bíblia não é um manual de ciências, mas o que de ciências nela contêm, a atual erudição humana não pode provar ser inverídico.

  9. Nao gosto de polemizar. Apenas emiti uma opinião sobre um fato que aconteceu em minha epoca de faculdade (década de 70)

    A conferência de Bretton Woods, foi realizada em 1944, estabelecendo regras economicas e financeiras internacionais. Uma nova moeda seria criada para estas relaçoes: O BANCOR. ( o fato foi exautivamente publicado pelo jornalista Helio Fernandes).

    O Brasil acumulou á época um superavit de 3 ou 4 bilhões de dolares (não me lembro ao certo quanto foi. Tudo que escrevo faço de memoria)
    Era muita grana nas maos de um pais subdesenvolvido.. Tinha de ser removido. 1 bi foi para o Banco Mundial. O restante foi a inundaçao de importados inúteis durante anos, até a eliminaçao completa das reservas O desvio foi tao avassalador que em l960, Roberto Campos foi renegociar nossa dívida externa que alcancou a cifra de 1 bilhao de dolares.

    Ha um fato interessante. Os navios que traziam as quinquilharias, davam uma passagem no ES, onde enchiam os tanques com areia monazitica, (diziam que era para fazer lastro)

  10. Assim, alem de nos empaturrar com porcarias, roubavam tambem., nossas riquezas minerais.
    Existe um livro a respeito do assunto: O INQUERITO QUE ABALOU O BRASI do deputado Dagoberto Sales.

    Já fui muito longe, não gosto de escrever.
    Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *