Barcelona, bicampeão, Messi, estrela da Copa

A cidade onde nasceu meu pai, (o Fernandes de hoje era o Fernandez de antes) é uma das minhas alegrias. E não apenas no futebol. Resistiu e não transigiu durante a ditadura de Franco. Este, cruel, selvagem e torturador, ia a todos os jogos do Barcelona contra o Real Madri. (Lógico, em Madri, não tinha coragem de ir à Catalunha).

Torcia e ajudava o time da capital. E deu muito dinheiro para a contratação de Di Stefano, grande jogador, (“La seta rubia”) que eu vi estrear em 1948 no Chile, no primeiro teste para a Libertadores, então chamado de Torneio do Campeões. Ganho pelo fantástico time do Vasco, na final contra o Riber Plate. (Muito jovem, eu era secretário-adjunto da revista “O Cruzeiro”).

O Barcelona não contratou um jogador sequer, todos foram “feitos em casa”. Na política exatamente igual. Franco ia a todos os jogos do Real Madri contra o Barcelona, se entusiasmava nas ocasionais vitórias.

***

PS- Nas derrotas, fazia como Hitler depois das 5 medalhas de ouro de Jesse Owens, no belíssimo Estádio Olímpico de Berlim, 1936. Saía ganindo pelos fundos.

PS2 – Não podia admitir que aquele negro vencesse os “arianos puros”. Que ainda perderam para outro negro quase esquecdio, Ralph Metcalf, também americano.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *