Barroso assume o TSE, defende a democracia e critica milícias digitais: “São terroristas virtuais”

Barroso disse que povo deve ser armar com “educação, cultura e ciência”.

Julia Lindner e Gustavo Porto
Estadão

Ao tomar posse nesta segunda-feira, dia 25, como presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Luís Roberto Barroso destacou a importância da democracia e rebateu ataques contra o Supremo Tribunal Federal (STF), alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro e seus aliados.

Barroso também defendeu a importância da participação feminina na política e fez duras críticas ao que chamou de “milícias digitais” que disseminam fake news nas eleições. Bolsonaro acompanhou a cerimônia de posse por videoconferência, mas não discursou.

DITADURA –  Barroso afirmou que um dos principais legados de sua geração é ter um País “sem presos políticos, sem exilados, sem violência contra os adversários”. Ele fez referência aos crimes cometidos durante a ditadura militar.

“Como qualquer instituição em uma democracia, o Supremo está sujeito à crítica pública e deve estar aberto ao sentimento da sociedade. Cabe lembrar, porém, que o ataque destrutivo às instituições, a pretexto de salvá-las, depurá-las ou expurgá-las, já nos trouxe duas longas ditaduras na República. São feridas profundas na nossa história, que ninguém há de querer reabrir”, afirmou Barroso nesta segunda.

POPULAÇÃO ARMADA – Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro foi flagrado falando em armar a população para impedir uma suposta ditadura no Brasil. A declaração do presidente ocorreu durante reunião ministerial do dia 22 de abril, tornada pública por decisão do Supremo na última sexta-feira. Nesta segunda-feira, sem citar o Presidente da República diretamente, Barroso falou que “precisamos armar o povo com educação, cultura e ciência”.

“A educação, mais que tudo, não pode ser capturada pela mediocridade, pela grosseria e por visões pré-iluministas do mundo. Precisamos armar o povo com educação, cultura e ciência”, disse o novo presidente do TSE e ministro do STF.

PLURALIDADE – Barroso também falou sobre a necessidade de encontrarmos “denominadores comuns e patrióticos”. “Pontes, e não muros. Diálogo, em vez de confronto. Razão pública no lugar das paixões extremadas”, defendeu. “Quem pensa diferente de mim não é meu inimigo, mas meu parceiro na construção de um mundo plural. A democracia tem lugar para conservadores, liberais e progressistas. Nela só não há lugar para a intolerância, a desonestidade e a violência.”

Ao assumir a presidência do TSE, Barroso também condenou as chamadas milícias digitais, que, segundo ele, possuem uma “atuação perversa” para disseminar “ódio e radicalização”. “São terroristas virtuais que utilizam como tática a violência de ideias, e não o debate construtivo. A Justiça Eleitoral deve enfrentar esses desvios”, disse.

EQUIDADE DE GÊNERO – Com um discurso sobre a importância da equidade de gênero na política, Barroso também enalteceu a condução bem sucedida de mulheres na liderança de países que se tornaram referência no combate ao novo coronavírus. Barroso citou como exemplo a premiê Angela Merkel, da Alemanha, e a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern.

O Brasil tem sido criticado internacionalmente pela condução no combate à covid-19. Esta semana, o País chegou ao segundo lugar entre os que mais possuem casos confirmados da doença (são mais de 360 mil diagnósticos).

7 thoughts on “Barroso assume o TSE, defende a democracia e critica milícias digitais: “São terroristas virtuais”

  1. “A pior espécie de solidão é a de ser amado por aquilo que vc não é “, como disse Nelson Rodrigues, citado na entrevista pelo Lobão, sugerindo que cada um deve ser o que realmente é. E gostem ou não gostem, o fato é que existe muita sinceridade no que Lobão fala, não obstante os equívocos, compatíveis com a margem de erros humanos, soltando pérolas do tipo: “Lula é ladrão e Bolsonaro é facínora”, “o Olavo Carvalho me disse que o Brasil está tão na merda que vc Lobão pode ser presidente”, “Moro não me parece a pessoa ideal para ser o próximo presidente”, ” o Brasil precisa parar de se deixar levar por “salvadores da pátria”, ” tenho esperança que surja uma pessoal ideal para ser o próximo presidente”, “os partidos estão muito viciados…” Adeus às ilusões vãs, Brasil. Os nomes dos culpados por tudo isso que está acontecendo, a partir de 1889, há 130 anos, são o golpismo ditatorial, o partidarismo eleitoral e seus tentáculos, velhaco$, que perfazem o sistema político podre, protagonizado pela direita, esquerda e centro, fantasiados de democracia só para ludibriar a tola freguesia, os quais vivem em estado de guerra tribal, primitiva, permanente e insana, por poder, dinheiro, vantagens e privilégios, sem limite$, à moda todos os bônus para ele$ e o resto que se dane com os ônus, dos quais somos todos vítimas, reféns, súditos e escravos, ainda que fantasiados de cidadãos e cidadãs, submetidos a uma espécie de plutocracia putrefata com jeitão de cleptocracia e ares fétidos de bandidocracia, estado de coisa$ esse contra o qual temos apenas a RPL-PNBC-DD-ME, o projeto novo e alternativo de política e de nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade porque evoluir é preciso. O fato é que a direita, esquerda e centro, ao cercar e sabotar o projeto novo e alternativo de política e de nação, em 2014 e 2018, acabaram perdendo a eleição em 2018 para os peidorreiros, bravateiros e truqueiros, de pijama, do clube militar, com o discurso da intervenção militar, e agora ficam ai culpando todo mundo, menos ele$, os únicos culpados, e nós, por conseguinte, agora, somos obrigados a suportar no palácio do planalto reunião dos truqueiros à base do “truco, seis, nove, doze, papudos”. https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2020/05/26/olavo-de-carvalho-rege-o-governo-bolsonaro-diz-lobao.htm?fbclid=IwAR1ihBTiDchP0XWg3tWU-YRCen0gmI6xmCsOM_ewiPguCvDbUvdbkUuz8BQ

  2. Como marxista, esse urubu togado entende mesmo é de terrorismo real. Afinal, trabalhou o quanto pode para garantir a liberdade do terrorista assassino Battisti, que se refugiou no Brasil sob a proteção dos narco-socialistas petelhos.

    Com esse seu trololó embolado e rebuscado para enganar trouxa, quer mesmo é avançar sobre as liberdades individuais que nos são garantidas pela CR/88, entre elas e principalmente a de expressão.

    Sobre o inquérito secreto e inconstitucional que corre a sete chaves no STF para perseguir e incriminar desafetos … nenhuma palavra.

  3. O “Nós contra eles ” introduzido no país pelo pestismo continua, mas agora os que eram eles ontem viraram os nós, e os nós viraram eles, este clima tão cedo não acaba. É óbvio que na Democracia cabem os conservadores, os de esquerda e de direita mas, não cabe a supremacia de um poder sobre os demais como ocorre hoje. Será que ainda veremos a volta dos onze da suprema corte para as suas funções originais pois, não cabe a eles, julgar, legislar e querer administrar tudo a um tempo só.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *