Barroso ironiza Gilmar: “Tem gabinete distribuindo senha para soltar corrupto”

Resultado de imagem para barroso

Barroso acha que não haverá novo golpe militar 

Mônica Bergamo
Folha

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), diz que, no momento em que são celebrados os 30 anos da Constituição brasileira, promulgada em 5 de outubro de 1988, é necessário “renovarmos nossos compromissos democráticos”. Segundo ele, são “duas regras: quem ganha [as eleições] leva. Quem leva, respeita as regras do jogo e os direitos dos outros”.

Questionado sobre a possibilidade da volta de uma tutela militar sobre o país, o magistrado afirmou: “Nós já percorremos todos os ciclos do atraso. E portanto eu acho que esse é um risco inexistente”.

Na conversa, em seu gabinete no STF, Barroso voltou a repetir que a corrupção no Brasil foi endêmica e que há uma aliança entre “corruptos, elitistas e progressistas” para que o combate a ela seja interrompido. Ele diz ainda que há no STF gabinetes “distribuindo senha para soltar corrupto”.

Quando a Constituição brasileira completou dez anos, o senhor celebrou as liberdades partidária, de imprensa, eleições livres e uma sociedade politicamente reconciliada. Quando ela fez 20 anos, ressaltou um Estado democrático estável. É possível repetir essas afirmações hoje?
Eu tenho um olhar positivo e construtivo de uma maneira geral. Portanto eu acho que, nesses 30 anos da Constituição, há conquistas relevantes a serem celebradas: a estabilidade institucional e monetária e uma expressiva inclusão social. Além disso, nós tivemos avanços muito importantes em direitos fundamentais, das mulheres —na conquista da liberdade sexual, igualdade na sociedade conjugal, avanço no mercado de trabalho e na luta contra a violência doméstica. Houve também vitórias em favor dos afrodescendentes, da comunidade LGBT, na dramática situação dos transgêneros, que passaram a poder fazer a cirurgia de redesignação de sexo no SUS e a adotar seu nome social no registro civil. Tivemos avanços na liberdade de expressão, com o fim da lei de imprensa e da exigência de autorização para se escreverem biografias. Ao olhar o filme da democracia brasileira, é preciso reconhecer que ele é bom. Agora, há os pontos baixos.

Quais seriam?
A corrupção que se verificou no Brasil não foi produto de falhas e fraquezas humanas. Foi uma corrupção estrutural, sistêmica e programada de arrecadação e de distribuição de recursos públicos com um nível de contágio muito impressionante. A sociedade, felizmente, num determinado momento, começou a reagir. E deixou de aceitar o inaceitável. A coisa mais importante que há no Brasil hoje é essa imensa demanda da sociedade por integridade, idealismo e patriotismo. É essa a energia que empurra a história e muda paradigmas. A corrupção foi produto de um pacto oligárquico celebrado entre parte da classe política, parte da classe empresarial e parte da burocracia estatal. Precisamos substituí-lo por um pacto de integridade.

Como fazê-lo?
Não tem sido um processo histórico fácil, em razão de três obstáculos: parte do pensamento progressista acha que os fins justificam os meios e que a corrupção é apenas uma nota de pé de página na história. Eu penso que eles estão errados. Segundo obstáculo: boa parte das elites brasileiras acham que corrupção ruim é a dos adversários. Se for a dos companheiros de pôquer, de mesa e de salões, não tem muito problema. O terceiro obstáculo são os próprios corruptos —os que não querem ser punidos, o que é um sentimento humano compreensível, e os que não querem ficar honestos nem daqui para a frente. (…) E ainda assim, no Supremo, você tem gabinete distribuindo senha para soltar corrupto. Sem qualquer forma de direito e numa espécie de ação entre amigos.

Que gabinetes, ministro? (sorri e fica em silêncio) O senhor não acha um risco o senhor falar de forma genérica?
 Quando a Justiça desvia dos amigos do poder, ela legitima o discurso de que as punições são uma perseguição.

O senhor disse que a sociedade está mobilizada no combate à corrupção. Ao mesmo tempo, segundo as pesquisas, Lula, que está preso por corrupção, teria 53% dos votos caso pudesse concorrer.
Parte da população parece que se lixou para o veredicto do Judiciário. Acho que a sociedade faz associações que nem sempre são lineares ou institucionais. Ela faz associações afetivas, de como estava a sua vida naquele momento [do governo Lula]. Não sou analista político. Mas os dois primeiros governos de Lula foram momentos venturosos do Brasil, com crescimento econômico, inclusão social e aumento de renda. Eu não sou analista econômico tampouco para dizer quando chegou a conta desse período. Mas as pessoas associam a esse período uma fase positiva de sua vida.

Não acha que é um sinal de descrédito do Judiciário?
Eu não acho. Apenas significa que ele não é a única instituição relevante e que não lidera o processo político. Mas o papel do Judiciário é assegurar as regras do jogo democrático e proteger direitos fundamentais.

O senhor falou de outros pontos baixos nesses 30 anos. Quais seriam eles?
Um sistema político que extrai o pior das pessoas. É preciso baratear as eleições, aumentar a representatividade e a governabilidade. Eu destacaria ainda a questão da violência. São 63 mil homicídios por ano no Brasil, um genocídio de jovens que precisa entrar no radar da sociedade brasileira. Mas, do ponto de vista institucional, nós resistimos a muitas crises nesses 30 anos: mensalão, petrolão, Lava Jato, a destituição de dois presidentes eleitos pelo voto direto.

O impeachment da presidente Dilma Rousseff é definido por alguns setores como uma ruptura do pacto constitucional que prevaleceu desde 1988.
Não concordo. A Constituição estabelece quem tem competência para decidir sobre isso [impedimento] e os quóruns praticados. Isso no geral foi observado. Eu não estou dizendo que eu acho que tenha sido bom [o impeachment] nem que eu tenha ficado feliz. Mas as regras foram seguidas. Deste ponto de vista, eu não acho tecnicamente próprio falar-se em golpe. Agora, do ponto de vista político, cada um pode ter a sua interpretação. A minha visão é que [com o impeachment] se interrompeu artificialmente um ciclo que deveria ter tido o seu curso natural. Se ele se completasse, teria acabado naturalmente e talvez o quadro fosse outro.

E o senhor acha que ainda é possível falar em uma sociedade politicamente reconciliada, como fazia em 1998? 
O impeachment não fez bem ao Brasil. Criou um ressentimento e uma polarização que eu tenho a esperança que as eleições sejam capazes de cicatrizar. Houve também uma reversão de expectativas. Em 2008, tudo parecia ir bem. O Brasil tinha obtido um certo prestígio internacional. A Copa do Mundo ia ser realizada aqui, as Olimpíadas iam ser realizadas aqui. O Brasil reivindicava um assento no Conselho de Segurança da ONU. Mas a história é cíclica. Eu estou totalmente convencido de que, a partir do ano que vem, qualquer que seja o resultado [das eleições], o Brasil vai bombar. Tudo está por fazer. A gente apenas tem que acertar uma agenda suprapartidária e patriótica de transformações que o país precisa implementar.

Em 2008, o senhor falava que uma das grandes conquistas da Constituição era o Estado constitucional democrático. Hoje, muita gente vê o risco de uma tutela militar sobre o país.
Eu não vejo nenhum risco de volta de regime militar. Nós já percorremos todos os ciclos do atraso. E portanto eu acho que esse é um risco inexistente. As crises são cíclicas e elas passam. O que existe hoje no Brasil é uma quantidade de pessoas que perdeu a fé no futuro e sente saudades de um passado que nunca houve.

19 thoughts on “Barroso ironiza Gilmar: “Tem gabinete distribuindo senha para soltar corrupto”

  1. Quando um ministro do próprio Supremo chega a dizer isso, é porque a CORRUPÇÃO lá na Casa da Mãe Joana está BRABA e despudoradamente OSTENSIVA, começando ainda nas ESCADARIAS de acesso, na frente de todos os comensais, e findando em alguma ALCOVA PARTICULAR de “certos ministros”…

  2. Por que o ministro Barroso, hoje travestido de reserva moral do STF, não dá nomes?

    Quando a repórter perguntou quais são os gabinetes que “distribuem senha”, refugou e saiu pela tangente.

    De que adianta contar o(s) milagre(s) e esconder o(s) nome(s) do(s) santo(s)?

    E será que José Dirceu pegou senha para ser indultado pelo ultra-petista Barroso em 2016?

    • -Verdade!
      -No Supremo tem os bandidos e os que são coniventes com os crimes cometidos por eles.
      -Se fossem meros funcionários públicos da ralé, seriam demitidos e presos por omissão.

      Mas dizem que a nossa pujante “democracia” corre ameça se “certo candidato” for eleito…

      • Não é assim que funciona, seu Francisco – o senhor sabe muito bem disso. É muito difícil em ambiente de trabalho criar inimizades. Sim, Gilmar merece prisão (e com ele Toffoli e Lewandowsky), mas cabe ao povo iniciar movimenos como o Ficha Limpa para de algum modo provocar o recall desses ministros que envergonham a toga que vestem (eu me orgulho da minha!).

  3. Os MESMOS que ”’distribuem senhas”’ são os que MANIPULAM, ADULTERAM, FALSEIAM as tais ”’urnas”’ ”’eletrônicas”’ !!!

    Desviar votos do candidato 57 para o 85, do 72 para o 68, do 97 para o 39,
    OU QUE NUMERAIS TENHAM,
    em uma determinada fase do processo,
    É algo perfeitamente EXEQUÍVEL !!! !!! !!!

    E vem a senhora ministra presidente do t.s.e. com conversa mole sobre o assunto!

    ISTO É GRAVE !!! !!! !!!
    ISTO É GRAVE !!! !!! !!!
    ISTO É GRAVE !!! !!! !!!

  4. As regras precisam ser respeitadas.
    Todos sabemos o que aconteceu com o bandido Gegê do Mangue, lá no Ceará, quando resolveu sair fora da “Sintonia” paulista…

  5. Já que o Senado nada fez ou faz para acabar com esses canalhas do STF, só a partir de 2019, com eleição do Bolsonaro e apoio popular das ruas, teremos condições eliminar esse maldito câncer.

    • .
      ora,
      quanto ao en.,Cenado atual,
      os dedos da mão esquerda
      do HEXA-ENÉSIMO-MAIOR LADRÃO …
      são bastante muito demasiados demais
      para contar os que NÃO SÃO sacripantas!

      será que mudará pelo menos um tiquinho que seja ?

  6. Continuamos com índices de país subdesenvolvido. Nossas instituições funcionam, mas nem tanto. É importante termos parâmetros de comparação, antes de mais nada. Quando se fala na Constituição de um país, é necessário verificar se é cumprida na integralidade e é evidente que não é. Existem coisas, frases, que servem bem de recheio, mas jamais serão cumpridas ao pé da letra. A Constituição de 88 é um ode a impunidade. Uma carta onde se consagra o direito e deprime os deveres. Barroso deveria ter um olhar mais crítico, principalmente, em relação as brechas legais, encravas ao longo da constituição.

  7. Não existe a menor chances de haver golpe militar , por um motivo ; Não é de interesse do Tio Sam , muito menos da elite financeira internacional . Caso fosse , seria inevitável , como foi em 64 .

  8. O judiciário brasileiro não é , e nem pode servir como exemplo . Com certeza , é uma das instituições mais corrupta da nação , só que de forma vela , exemplos são inúmeros . Esta instituição , não possui em seu escopo , o objetivo de tutelar a sociedade mas usufruir dela . É um estado dentro de outro estado . Negligente , imprudente , imperito , seu custo benefício é muito alto para nação R$ 82,000.000,00 por ano .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *