Ministro Barroso se torna referência no Supremo, em defesa da Operação Lava Jato

Resultado de imagem para operação abafa charges

Charge do Sponholz (sponholz.arq.br)

Carlos Newton

Como se sabe, a atual formação do Supremo Tribunal Federal é uma das mais fracas da História do Judiciário. Em meio a esse marasmo, não há dúvida de que o ministro Luís Roberto Barroso, embora tenha cometido alguns erros em seu início de carreira na magistratura, tem se destacado na atual fase. Há mais de um ano ele vem cobrando providências para vencer a baixíssima produtividade da Suprema Corte e tem feito também sucessivas declarações contra a chamada Operação Abafa, que tenta inviabilizar a Lava Jato e cuja existência foi denunciada em setembro do ano passado pelo jurista Medina Osório, logo após deixar a Advocacia-Geral da União.

No insistente dizer do ministro Luís Roberto Barroso, a Operação Abafa está sendo conduzida pelo próprio Executivo, com participação direta de setores do Legislativo e do Judiciário, além do apoio de importantes veículos da mídia nacional. E tudo isso é a mais pura verdade, até agora ninguém teve coragem de contestar as denúncias do ministro.

CLAMANDO NO DESERTO – Barroso tem feito essas graves acusações abertamente, em entrevistas à imprensa e nos eventos de que participado no Brasil e no exterior. Mas a resposta tem sido um silêncio inquietante. Os dirigentes dos três Poderes e os responsáveis pela mídia fazem cara de paisagem, fingem que não é com eles.

Nem mesmo as duras críticas à ineficiência do STF sofrem reações. A presidente Cármen Lúcia mantém-se estática, não toma a menor iniciativa para acelerar a pauta, as sessões exibidas na TV revelam uma interminável disputa de egos, chega a ser deprimente aos votos longos e vazios. Da mesma forma, não é cabível  que continuem chegando ao tribunal questões verdadeiramente triviais e até ridículas, que jamais poderiam justificar recursos extraordinários. Alias, não se vê essa banalização da Supremo Corte em nenhum país minimamente civilizado.

OPERAÇÃO ABAFA – Apesar das denúncias de Barroso, a Operação Abafa avança no próprio STF, com o ministro Alexandre de Moraes engavetando o julgamento da mitigação do foro privilegiado, enquanto o ministro Gilmar Mendes acelera sua campanha contra a prisão de réu condenado em segunda instância.

Simultaneamente, os outros Poderes da República se empenham desesperadamente na inviabilização da Lava Jato, tentando repetir o que aconteceu na Itália com derrocada da Operação Mãos Limpas, e uma das iniciativas mais importantes foi lançar as campanhas de desmoralização do juiz Sérgio Moro, do procurador-geral Rodrigo Janot e dos membros da força-tarefa de Curitiba também faz parte da Operação Abafa.

No Congresso, estão engavetados os projetos das 10 Medidas contra a Corrupção e da extinção do Foro Privilegiado. Ao mesmo tempo, os mentores da Operação Abafa se desdobram em iniciativas de alta criatividade legislativa, destinadas a inocentar corruptos e corruptores, como a anistia ao caixa 2, a lei do abuso de autoridade e a mudança nos acordos de leniência. Além disso, querem restringir as investigações criminais, como a proibição de grampos telefônicos por mais de 15 dias.

BRECHA PARA LULA – No Senado, o presidente do PMDB, Romero Jucá, tenta aprovar uma brecha para que políticos envolvidos com a Lava-Jato possam garantir suas candidaturas por meio de recursos, possibilidade que pode assegurar a participação de Lula na disputa da sucessão presidencial.

Essa excrescência jurídica estava para ser votada na sessão da noite desta quarta-feira, com apoio incondicional da chamada bancada da oposição, que é amplamente majoritária no Congresso. Se a proposta passar no Senado, terá de ser encaminhada à Câmara, para ser aprovada e sancionada na próxima semana, em regime de “urgência urgentíssima” para que possa vigorar na próxima eleição.

Se Lula garantir a candidatura e se livrar da prisão, tem grande chance de ser eleito, seus sete processos serão sustados até que ele deixe o poder, o que só aconteceria em 2023 ou 2027, caso seja novamente reeleito, e então o líder petista já teria cruzado o Cabo da Boa Esperança, digamos assim. Atualmente, aos 71 anos, já está um caco, envelhecido e envilecido, como dizia Rubem Braga, imaginem como estará quando completar 82 anos…

###
P.S. – Há algo no ar, repita-se. Nunca antes, na História deste país, houve reunião do comandante do Exército com cerca de 100 generais. E o pior é que foi um encontro de caráter sigiloso. Sabe-se que o assunto foi a crise institucional e o comandante Eduardo Villas Bôas disse que a advertência do Alto-Comando, composto pelos 15 generais de exército, já foi dada pelo general Hamilton Mourão. E agora as Forças Armadas vão aguardar a reação dos três Poderes da República. Se insistirem em inviabilizar a Lava Jato, os carros blindados que andam pela Rocinha serão direcionados para outros lugares. (C.N.)

9 thoughts on “Ministro Barroso se torna referência no Supremo, em defesa da Operação Lava Jato

  1. Com os próprios senadores e deputados pedindo o fechamento do congresso, fica difícil para as vítimas, reféns e súditos dos vítimas discordar do pedido. Todavia, repito, não é o caso de intervenção militar porralouca à moda 64, mas, isto sim, o caso de as forças armadas e a PF apoiarem a Revolução Redentora proposta pela RPL-PNBC-DD-ME, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, com Democracia Direta e Meritocracia Eleitoral, impossível via urnas face ao partidarismo fisiológico e ao congresso de maioria bandida dos me$mo$ que ai estão agarrados às tetas da nação das quais não querem largar nem no pau, Juvenal.

  2. O Supremo acaba de abrir o ensino confessional como “negócio” para as seitas, muito além do que faziam escolas católicas e evangélicas de confissões convencionais, que jamais fizeram do obscurantismo sua grade curricular.

    O mais curioso e dramático é que tal discussão, absolutamente periférica, foi provocada pela Procuradoria Geral da República em nome de impedir a educação religiosa confessional, que acabou dando no contrário.

    Justiça, no Brasil, virou sinônimo de obscurantismo.

    https://goo.gl/JazxW2

    • Caro Alex, Educação religiosa, é no Lar, os templos, deveriam ser o congraçamento de Ideias afins, para fortalecimento, da Doutrina de Jesus, o Cristo, para exemplificarmos, seu exemplo de Amor a Deus e ao Próximo, mas…o Caim, que trazemos dentro de nós, continua a falar mais alto, sufocando ou matando o “Abel”.
      Me lembro do ensino religioso católico na Escola .aos meus 8 anos, estou com 88, assistia a aula, mas não professava o catolicismo, mas, a Professora Dª Graciosa, sorteava livros católicos, sobre a “redação do ensino”, concorria, e ganhava, a Dª Graciosa, sabia, que eu não era católico, e me pediu, para não concorrer, os lia, e guardava, concordei,
      Seita Religiosa é “foro intimo”, para balizar nossas obras, perante a Consciência com o Livre arbítrio, em nosso relacionamento com o próximo,(isto é:Irmãos em DEUS, nosso criador) e nossa responsabilidade como Almas eternas.

    • Se os doutrinadores/professores comunistas ensinam que a ideologia mais assassina, perversa e satânica, chamada socialismo, é boa, que dela resultará o “homem perfeito”, por que não a religião?

  3. Com os 3 poderes podres, creio que a única forma de sair desse oceano de lama, é a intervenção das FFAA, não repetindo o mal feito de 64: tortura, silenciar a imprensa e censura, Prender os já acusados de crimes contra aCidadania (roubo do cofre público) e dos que tem prevaricado em conivência,
    O Legislativo, estupra e vilipendia o Brasil, a serviço do Executivo Temer oso, com 2 processos de corrupção.
    A Corja, está abusando do “pacifismo do povo brasileiro”, e que Deus, nos ajude.
    Essa almas trevosas, já tem garantido o “Ranger de dentes”, por suas “OBRAS” no campo da maldade, pós túmulo,
    Que Deus nos ajude com sua Misericórdia, iluminando e protegendo o JUIZ Sergio Moro, e suas Equipes MPF E PF, e todos aqueles que o tomam como exemplo de Dignidade e “Amor a Justiça”, e a Pátria que Deus nos emprestou, para nosso Progresso espiritual..
    Oremos, mas façamos nossa parte de fraternidade.

  4. esse falso silêncio não representa que somente poucos sabem disso. A cada possibilidade de junção das massas, o “fora Temer” aclamado por todos é uma constante, somente os que se autodenominaram movimentos de rua, foram os que realmente se calaram e se omitem, cuspindo em sua história. Temer continua com um dígito de aprovação e suas manobras para tentar envenar ele seus ministros é evidente demais. No STF a função de Mendes de safar seletivamente aos seus protegidos e perseguir a quem os denuncia, também está claríssima. Essa é uma situação não republicana, não democrática e virtualmente insustentável. Se não há Congresso que resolva, se não há Judiciário, dê retidão, o último recurso é o que sobra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *