Bethlem armou uma defesa que na verdade não prova nada

José Augusto Aranha

A defesa do deputado Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ) na Comissão de Ética da Câmara não está tão boa assim. Quando você entra na Europa por qualquer país que faz parte do Espaço Schengen, só fica com um único carimbo no seu passaporte, justamente do país por onde você entrou.

Portanto, se o Bethlem chegar na Europa pela França, Espanha, Alemanha, Itália, etc, não terá no seu passaporte carimbo da Suíça. Quando ele entrar na Suíça não vão carimbar nada pois ele já está legalizado no Espaço Schengen.

O advogado preparou essa “pegadinha” para ver se cola. É nossa obrigação denunciar que isso não prova nada.

Quando ele diz que não tem carro próprio e precisa pagar aluguel para morar, só confirma que é tudo jogo de cena para a torcida.

Se o Ministério Público vasculhar o nome dele na Suíça, certamente vai encontrar, pois sua defesa tenta esconder algo inventando estes fatos.

3 thoughts on “Bethlem armou uma defesa que na verdade não prova nada

  1. Depois do caso do fiscal de rendas do estado RJ Silveirinha, só corrupto otário deposita dinheiro em banco suíço. Recente legislação lá ficou rigorosa para servidores públicos estrangeiros. Eles deduram facilmente e podem abrir cofres de aluguel de estrangeiros suspeitos e requeridos judicialmente. Não acho nem vantajoso para investidor quite com a Receita. exceto para milionários jogadores de perfil arriscado no mercado financeiro mundial. Há anos desvinculado do ouro, o franco suíço desde 2011 está atrelado praticamente ao euro, numa cotação que oscila entre 1,20 E/FS a 1,21, virou papel pintado como algumas outras divisas e não rende juros. Muitos países estão se adequando internacionalmente aos novos tempos de controle e restam poucos paraísos fiscais. A propósito, o Uruguai está prestes a se adequar plenamente, isto é, fornecer AUTOMATICAMENTE informações de contas de pessoas físicas a países vizinhos conveniados por reciprocidade SEM AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. Projeto de lei está praticamente em pauta no parlamento uruguaio. Estão apenas dando alguns retoques. Muitos argentinos que não podem provar a origem de suas fortunas NÃO DECLARADAS à “impositiva” estão desesperados sem saber o que fazer. Quem tem grana declarada e viaja constantemente pode abrir conta no exterior legalmente, desde que mantenha um mínimo que varia de 50 mil d na maioria dos bancos do EUA ou acima de 100 mil francos suiços na Suiça ou seu equivalente em divisas estrangeiras. Refiro-me aí aos cidadãos estrangeiros NÃO RESIDENTES. Os corruptos terão que escondê-la em buracos em seus próprios países e disfarçar para não serem pegos nos sinais exteriores de riqueza. Além do mais, tem banco quebrando por todo lado e não faz muito Chipre deixou muitos corruptos russos de tanga.

  2. Esse sempre foi o país onde vigorou a frase: “sabe com quem está falando?”. Mas pode ser q esteja finalmente mudando. Quero viver num país onde prevaleça a frase daquele paulistano: “ninguém é mais que ninguém, absolutamente. Eu sou apenas mais um sobrevivente”.

  3. Dou meus parabéns a quem tirou e escolheu para o post esta fotografia do Bethlem.
    Parece a cara de quem já foi julgado e condenado.
    Ou melhor tem ou não tem cara de bebe chorão?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *