BNDES terá de revelar empréstimos “secretos” ao grupo Friboi

Deu em O Tempo

O BNDES perdeu recurso impetrado contra decisão do TCU (Tribunal de Contas da União) que determinava que o banco abrisse ao órgão de controle dados dos empréstimos feitos ao Grupo JBS, que detém a marca Friboi, entre outras.

A decisão do TCU tinha sido tomada em setembro e apontava que o banco federal de fomento estava obstruindo desde julho a investigação do Tribunal iniciada à pedido da Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara dos Deputados sobre os empréstimos do banco a essa empresa.

Nas últimas duas eleições o JBS/Friboi tem sido uma grande doadora de campanhas eleitorais sendo que, na disputa deste ano, consta como a maior doadora de campanha.

O relator do recurso, ministro José Jorge, disse que não havia qualquer justificativa para o banco não ceder os dados ao TCU já que os recursos são públicos.

QUEBRA DE SIGILO

O banco alega que seu recursos são privados e que a lei não permite que ele quebre o sigilo de seus clientes.

Os ministros José Múcio e Benjamin Zymler disseram que o atual presidente do banco, Luciano Coutinho, esteve no órgão para explicar que a posição do departamento jurídico do banco é de que ele estaria cometendo crime se desse ao TCU os dados pedidos e afirmou que teria que ir ao STF (Supremo Tribunal Federal) para evitar que o TCU receba as informações desses empréstimos, caso o recurso votado nesta quarta-feira fosse negado.

Mas o relator do processo original que deu prazo para o BNDES informar os dados, ministro Augusto Sherman, disse que não pediu qualquer dado que esteja protegido por sigilo e que já há decisões do próprio Supremo determinando que bancos federais devem disponibilizar dados de recursos públicos emprestados.

HISTÓRICO

Segundo a decisão do TCU de setembro, o BNDES vinha se negando a dar as informações pedidas pelos técnicos do órgão e, quando o fazia, entregava documentos praticamente todos tarjados alegando sigilo bancário para esse tipo de transação.

O relator do processo, ministro Augusto Sherman, pediu então pareceres jurídicos da presidência do TCU e do Ministério Público junto ao órgão para saber se cabia sigilo bancário nesse tipo de operação. Ambos apontaram que não pode haver sigilo.

“No caso [JBS/Friboi], os recursos aplicados são públicos, a empresa aplicadora é pública e a política orientadora é pública. Nessa hipótese, tanto o STF quanto a primeira instância da Justiça Federal se manifestaram sobre a publicidade das informações”, diz o relatório.

Por causa do atraso na entrega dos dados pelo BNDES, o TCU havia dado mais 45 dias de prazo para que os auditores terminem o trabalho. Já o BNDES terá cinco dias após a publicação da decisão no TCU para entregar os documentos sem qualquer tipo de restrição.

O relator pediu para que, caso os documentos não sejam entregues no prazo, sejam informados quem são os servidores que se negam a dar a informação.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Dias Toffoli criou a apuração secreta de eleições e Luciano Coutinho não ficou atrás, inventando os empréstimos secretos a grandes grupos e a países estrangeiros. E assim o BNDES, ao invés de estar fomentando o desenvolvimento do Brasil, está financiando Cuba, Angola, Moçambique, Venezuela, Panamá e outros países. Quem explica? Dizer que é para exportar projetos de engenharia, como afirma a presidente Dilma, só pode ser piada do ano. (C.N.)

7 thoughts on “BNDES terá de revelar empréstimos “secretos” ao grupo Friboi

  1. “O grupo que é exemplo da política do BNDES de formar campeões nacionais mantém mais emprego nos Estados Unidos do que no Brasil e deu prejuízo em três dos últimos cinco anos. O presidente do JBS, Joesley Batista, explica que as vantagens da globalização de grupos nacionais vão do prestígio à abertura de mercado. A companhia já fechou quatro das cinco empresas que comprou na Argentina”.

    http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2012/04/22/campeao-escolhido-441364.asp

    Os campeões

    http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2011/04/17/os-campeoes-375160.asp

    Campeões 2.0
    http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2013/04/23/campeoes-2-0-494298.asp

  2. e, se forem revelados os “secretos”, quando é que o BARBA-DELATOR-DEDODURO e o seu sacrista, o anacronizado, vão processar o Delegado Tuma Júnior? O Brasil, todim, ansioso, quer ver o Júnior, sem delação premiada, nas barras dos tribunais.

    e, se forem revelados os “secretos”, poderemos perguntar:
    a Rosemary dos vôos ardentes, a Rosemary do bebarrão, cadê-la?

  3. Interessante é que aqui as obras encarecem, segundo a refraudada presidente, porque não há projetos. Para Cuba, países africanos, ditaduras de estimação, as empreiteiras fazem projetos direitinho, né? Tanto assim que há as secretas exportações de serviços de engenharia.

  4. Carlos, discordo da sua colocação generalizada quanto a financiamentos do BNDES serem tidos como empréstimos a países menores. A menos das exceções de praxe, não é empréstimo a eles, mesmo.

    Basta ler a notícia do seu blog, acima, mostrando que foram presos presidentes, diretores, vices etc de ninguém menos que das empreiteiras Camargo Corrêa (a que sempre escapou), a Odebrecht (do ACM), a Andrade Gutierrez, a Iesa, a Odebrecht, a Mendes Júnior, a Constran e tantas outras.

    Dizer que o dinheiro dado a elas é financiamento para os donos das obras onde estas empreiteiras têm que despejar o dinheiro financiado é puxar demais a sardinha para o seu lado. A Odebrecht fajuta pegou o financiamento fajuto para uma obra fajuta, ocasionalmente em Cuba. A fraude, se houve, é da Odebrecht, não de Cuba, porque senão você estaria admitindo que Cuba mexe no Tesouro Brasileiro, o que seria uma insensatez, improvável nos dois sentidos. Quando o Rafael Correa, presidente digno do Equador tomou posse, quem estava lá numa obra fajuta e levou um pé-na-bunda? A mesmíssima Odebrecht (a de Cuba, agora), financiada pelo mesmíssimo BNDES corrupto daqui, fazendo obras fajutas e malfeitas para os corruptos do governo equatoriano anterior, bem do tipo PSDB daqui. A obra, malfeita, foi suspensa com dignidade pelo novo governo e ninguém dos de cá reclamou, a menos dos chorinhos para as plateias de sempre. E não o fizeram porque não havia mesmo como reclamar, a Odebrecht e os corruptos anteriores do Equador (não o Equador, em si) preferiram perder ali e ninguém reclamou mesmo.
    Com seus imundos rabinhos entre as perninhas, saíram de fininho do novo grande, porque digno, Equador.
    E novos caminhos ali se abriram, para o povo equatoriano.
    Basta conferir nas contas das despesas sociais que houve, depois do advento positivo do Rafael Corrêa.
    Assim, manere no ataque a outros países sofridos e perseguidos, porque isto nos sugere ares de direita radical, fascista.
    E a verdade, como há muito já disse o poeta, há muito mais coisas entre o Céu e a Terra do que sonha a nossa vã filosofia.
    O que é uma verdade absoluta.
    Concorda?
    Abraços

  5. Eu discordo SR. Luiz

    O governo Rafael Correia tomou uma atitude honesta e coerente para com seu pais coisa que todo brasileiro desejava que o PT fizesse porem este PT foi na contramão do que sempre prometeu.
    O Brasil é um país que necessita de educação, saúde, segurança e infraestrutura para desenvolver e o dinheiro repassado a Cuba e demais ditadores no mundo esta fazendo muita falta a nosso povo e ao nosso país isso sem contar os valores da corrupção que são astronômicos.
    Hoje sem sombra de duvidas temos que agradecer a FHC por ter privatizado varias empresas porque se elas existissem hoje a roubalheira seria muito maior.
    Todo brasileiro que tem um pouquinho de conhecimento sabe que “nunca se roubou tanto neste país quanto nestes desgovernos dos ptralhas”

  6. Este é, infelizmente, um assunto recorrente, expondo as entranhas do BNDS
    .
    O artigo da conta que o BNDS se lascou com o recurso que havia impetrado contra a decisão do Tribunal de Contas da União e que passou a gravitar em outras vias lácteas mas sempre acompanhada pelo olho do Relator, ministro José Jorge.

    Ministro que, por sinal, está de saída, para o gáudio dos interessados no engavetamento da investigação do Tribunal.

    No fundo e no raso, o Moderador sintetizou muito bem a situação e personagens. Permita-me:

    “NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Dias Toffoli criou a apuração secreta de eleições e Luciano Coutinho não ficou atrás, inventando os empréstimos secretos a grandes grupos e a países estrangeiros. E assim o BNDES, ao invés de estar fomentando o desenvolvimento do Brasil, está financiando Cuba, Angola, Moçambique, Venezuela, Panamá e outros países. Quem explica? Dizer que é para exportar projetos de engenharia, como afirma a presidente Dilma, só pode ser piada do ano. (C.N.)”

    Tribuna da Internet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *