Boçalidade oficial registrada em Nova York é muito constrangedora para nossas elites

Radical": imprensa estrangeira repercute discurso de Bolsonaro na ONU

Jair Bolsonaro fala sobre coisas nas quais só ele acredita

William Waack
Estadão

As peripécias envolvendo a comitiva presidencial para participar da Assembleia-Geral da ONU em Nova York demonstram que boçalidade é contagiante. É até possível por hipótese admitir que um político disputando votos, como é o caso de Jair Bolsonaro, calcule ganhar vantagem eleitoral com comportamentos boçais em público. Faz tempo que “tosco” virou “autêntico” (Collor dizia ter aquilo roxo).

Também por hipótese pode-se admitir que ministros de Estado que fazem gestos obscenos para manifestantes (o da Saúde) ou macaqueiam símbolos usados em campanha política pelo presidente (o das Relações Exteriores) – como aconteceu em Nova York – jogaram fora compostura e decoro para agradar ao chefe. Puxa-saquismo e apego ao cargo são reconhecidamente parte da condição humana. Talvez imperdoável, mas compreensível.

CULTURA CORPORATIVA – Não é por acaso que o mundo empresarial adaptou da política a expressão “cultura corporativa” para descrever como uma figura de comando (um CEO, por exemplo) é capaz de moldar estruturas hierárquicas ao seu estilo e, o que é mais importante, seu modo de pensar.

Basta constatar que não só ministros forçosamente metidos na política, como Paulo Guedes, mas também alguns considerados “técnicos”, abraçaram teorias boçais de conspiração que sustentam o universo paralelo de Bolsonaro.

Na verdade, o fenômeno da boçalidade contagiante é muito mais amplo e profundo. Já foi tratado na ciência política como “princípio da comunicabilidade”, e o que aconteceu em Nova York é parte dele: são processos pelos quais elites sociais deixam corroer seus valores e acabam vencidas pelo “simples” (no caso, boçal) na conformação do seu universo de pensamentos. Numa imortal passagem literária, é a exclamação de Euclides da Cunha de que “Canudos não se rendeu!”

SEM COMPARAÇÕES – Em outras palavras, é a admissão quase impossível de ser feita em público por elites (na época de Euclides, as tais “classes letradas”) da falência de suas maçarocas ideológicas e a vigência das crenças (teorias conspiratórias) e o modo bronco e rude de dizer “as verdades”.

Não, não se trata de forma alguma de comparar Bolsonaro a Antonio Conselheiro, e muito menos o arraial de Canudos às redes sociais bolsonaristas. Seria uma injustiça com Conselheiro e Canudos.

Mas, sim, de registrar o fato de que o modo de pensar de elites foi vencido pela boçalidade que elas julgaram poder comandar. Provocou em muita gente um sentimento de “vergonha alheia” a boçalidade da comitiva presidencial em Nova York – que abrange dos comportamentos descritos acima à ideia profundamente boçal de que algo mudaria na péssima imagem externa do Brasil a partir de um discurso na Assembleia-Geral da ONU inconsequente, dirigido em primeira linha aos convertidos do bolsonarismo.

DESONESTIDADE INTELETUAL – Boa parte das elites sociais brasileiras repudia o que viu e ouviu em Nova York e se sente ofendida diante da, no mínimo, reiterada desonestidade intelectual dos que falaram pelo Brasil. Esse sentimento de “aquilo não somos nós” foi aprofundado pela noção do ridículo de ver o País virar piada pronta – a de ter na comitiva presidencial um ministro da Saúde transformado em potencial “super spreader” do vírus que o chefe minimizou, e a delegação brasileira em risco para o resto do mundo na sede da ONU.

A vergonha é genuína. Em parte ela surge de uma constatação profundamente desagradável: a de que nossa sociedade nem de longe venceu desigualdade, miséria e injustiça social em todas as suas formas. Ao contrário do que possa parecer, porém, a frase “Canudos não se rendeu” não é a descrição do triunfo da ignorância, ou uma denúncia do atraso social.

Era um duríssimo recado de Euclides da Cunha (que alguns descreveram como um “conservador lúcido”) às elites da sua época: vocês não conseguiram derrotar um universo de pensamentos, vocês são parte dele, com suas ideias pretensamente científicas e populares. Nesse sentido, Canudos vive.

 

6 thoughts on “Boçalidade oficial registrada em Nova York é muito constrangedora para nossas elites

  1. O gado todo fazendo muuuu quando o Rei do gado fala essas coisas. Querem acabar com a estabilidade no funcionalismo ou, ao menos, colocar avaliações com periodicidade curtíssima para nenhum outro propósito senão o de encher os órgãos públicos de comissionados ou terceirizados que possam indicar, e no caso dos efetivos substituí-los caso não cedam e se alinhem às chefias imediatas, designadas pelas autoridades alinhadas com governos, em tudo que for do agrado da linha ideológica.

  2. Toda a família Bolsonaro vive e pratica os modos, trejeitos, e ações comuns à milicianos. É resultado do meio e das amizades com milicianos.
    Fácil de entender todo o comportamento deles.

  3. Na juventude somos impetuosos e convencidos de sermos predestinados a vencer – somos os bons. Isso não passa de um truque da natureza para a nossa sobrevivência; Na verdade, os que têm um coach para lhe orientar ainda cedo, vencem com mais facilidade e se destacam. No mais, somos iguais, pessoas normais – essa verdade se torna transparente com a experiencia da vida. É assim que eu penso.
    As pessoas que não encontram o coach tão necessário, falham e culpam os outros pelo seu fracasso. Parece-me que esse é o caso do Bolsonaro.
    Se ele teve algum problema como criança, lamento muito; se ele encontrou seu destino em ziguezagues dolorosos, também lamento. Mas não é justo que tente compensar seu fracasso e desajustes através do sofrimento que impinge aos mais fracos – os pobres desvalidos. Isso é vergonhoso e detestável. Por isso que rezo todo dia para que ele desça o mais breve possivel para o inferno.

  4. Me sinto representado pelos quatro comentaristas que me antecederam:
    Espectro
    Rue des Sablons
    Ronaldo e
    Leão da Montanha.

    Quanto ao Artigo, duríssimo e verdadeiro. Parabéns ao articulista.

    Clap, clap, clap!

  5. Gestos obscenos…a frase é a síntese do politicamente correto, snow flakes, pura viadagem!Fico imaginando o escândalo que seria o gesto de OK, considerado supremacista, não é mesmo, repórter racista, isso é coisa de preto… lembrou?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *