Bolsonaro ameaça com ruptura, além de pedir os impeachments de Moraes e Barroso

Charge reproduzida do Arquivo Google

Deu em O Tempo
(Folhapress)

Um dia após a prisão de seu aliado Roberto Jefferson, o presidente Jair Bolsonaro afirmou neste sábado (14) não provocar nem desejar uma ruptura institucional e disse que vai levar ao Senado um pedido de abertura de processo contra os ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF).

A prisão de Jefferson um dia antes ocorreu por ordem de Moraes, após ataques do ex-deputado a instituições. “Todos sabem das consequências, internas e externas, de uma ruptura, a qual não provocamos e desejamos”, escreveu o presidente em sua rede social.

PROCESSOS – “De há muito, os ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, extrapolam com atos os limites constitucionais. Na próxima semana, levarei ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, um pedido para que instaure um processo sobre ambos, de acordo com o art. 52 da Constituição Federal”, completou.

Bolsonaro ainda acrescentou que o povo brasileiro “não aceitará passivamente” que direitos e garantias fundamentais (art. 5ª da Constituição Federal), como o da liberdade de expressão, continuem a ser violados e punidos com prisões arbitrárias, justamente por quem deveria defendê-los”.

O clima entre Bolsonaro, STF e TSE esquentou após o presidente insistir nos ataques às urnas eletrônicas e na insinuação de que há um complô para fraudar as eleições de 2022 a fim de evitar sua vitória no pleito. O Judiciário voltou do recesso disposto a dar uma resposta dura a Bolsonaro.

ATOS DO TSE – Primeiramente, a corte eleitoral decidiu, por unanimidade, abrir um inquérito para apurar as acusações feitas pelo presidente, sem provas, de que o TSE frauda as eleições. Depois, Barroso assinou uma queixa-crime contra chefe do Executivo e recebeu o aval do plenário da corte eleitoral para enviá-la ao STF.

Também na semana passada, o corregedor-geral do TSE, ministro Luís Felipe Salomão, solicitou ao Supremo o compartilhamento de provas dos inquéritos das fake news e dos atos antidemocráticos com a ação que pode levar à cassação de Bolsonaro.

No mesmo dia, Moraes aceitou a queixa-crime de Barroso e incluiu Bolsonaro como investigado no inquérito das fake news.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Em seu inciso II, o artigo 52 determina que cabe ao Senado processar e julgar os Ministros do Supremo Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público, o Procurador-Geral da República e o Advogado-Geral da União nos crimes de responsabilidade”. Mas cá para nós, vai ser esquisito o Senado abrir pedidos de impeachment contra ministros do Supremo, sem que a Câmara aceite antes um processo de impeachment contra o presidente. Ah, Brasil… a que ponto chegamos… (C.N.)

 

10 thoughts on “Bolsonaro ameaça com ruptura, além de pedir os impeachments de Moraes e Barroso

  1. De longa data o STF vem extrapolando sua competência. Tem se arhorado em legislador e tomado iniciativas próprias do executivo. E ainda por cima deixou correr solto muitas falhas dentro do judiciário.
    Seria muito oportuno que o Senado tardiamente usasse seu poder de depurar o STF mostrando que o STF só é SUPREMO dentro da sua esfera.

    • Palavras da próxima PresidentA do Brasil: “O Presidente vai mesmo pedir ao Senado o impeachment de ministros do STF? Quem pede para bater no ‘Chico’, que mora no Inciso II, artigo 52, da CF, se esquece de que o ‘Francisco’ habita o Inciso I, do mesmo endereço.” (Tebet)
      Vão abaixo o artigo e incisos:

      Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal:

      I – processar e julgar o Presidente e o Vice-Presidente da República nos crimes de responsabilidade, bem como os Ministros de Estado e os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica nos crimes da mesma natureza conexos com aqueles;

      II – processar e julgar os Ministros do Supremo Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público, o Procurador-Geral da República e o Advogado-Geral da União nos crimes de responsabilidade;

      E agora, presidente demente?

  2. Imagina BolsoNero, com duas vagas, se conseguisse colocar mais dois?
    Já tem as Polícias nas mãos. Os militares. O PGR. Comprou parlamentares com tratores em emendas (escândalo do mensalaço).

  3. O “Pachequinho” de Brumadinho, politicamente correto e escondidinho, fazendo cara de paísagem em meio a uma crise institucional causada pelo “supreminho” agora terá que se manifestar. Ou ele faz o que tem que fazer ou Bolsonaro o fará. Depois não adianta chorar o leite derramado ou a corda arrebentada.

  4. A tramóia ultrapassa nossa imaginação e para ter uma noção precisamos estudar os totalitarismos. Depois de retiradas todas as defesas do povo, armas, liberdade de expressão, de comunicação, direito de educar os filhos, de privacidade, propriedade privada, ir e vir e outros, a corja poderá fazer TUDO o que quiser. A corja será dona de tudo e só Deus poderá freá-la.

    Liberdade de expressão é arma e eles precisam arrancá-la do povo.

    Defender a liberdade de expressão é prioridade.
    Infelizmente nossa cabeça já está danificada por anos de manipulação e já não percebemos claramente a desproporção entre os benefícios alegados e o malefício REAL resultante dessas ações:
    discurso de ódio, fake news, etc. não são um milésimo do mal totalitário, negado maliciosamente como “teoria da conspiração”. Os perigos pretextados para retirar direitos e descumprir a Constituição, nunca comprovados realmente, são impostos por gente que já provou de sobra quem é.
    Se estivéssemos somando 2+2, saberíamos apontar e expor quem são os MESMOS: os que não querem a liberdade de expressão são os mesmos que não querem transparência eleitoral e aceitam “narrativas” no lugar dos fatos, que são os mesmos que proíbem o debate e o tratamento para o C0V1D, que são os mesmos que desejarão o passaport 666 e o lockdown do clima, que são os mesmos que fazem campanha incessante contra Bolsonaro, que são os submissos ao politicamente correto, a China e a ONU, lambem as botas das ditaduras eternas e combatem TUDO o que as sociedades democráticas defendem. Esse grupo está sempre do mesmo lado em uma discussão. A causa não é apenas o Bolsonaro, ele é só mais uma pedra no sapato da corja. A causa é a agenda totalitária que usa a técnica dos PRETEXTOS para disfarçar seu objetivo inconfessável de concentrar um poder governamental/jurídico/financeiro absoluto.

    O mal blinda a si mesmo com censura.

  5. Não existe nenhuma liberdade de expressão absoluta
    Se fosse assim aquele autor de livro não teria sido preso por racismo.
    Na época onde estavam esses defensores da liberdade de expressão?
    Também queria ver os mesmos defenderem o nazismo (abertamente, pois sei que muitos fazem no íntimo)…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *