Bolsonaro assina Medida Provisória que libera R$ 1,9 bi e viabiliza 100 milhões de vacinas contra Covid-19

Previsão para início da produção da vacina no Brasil é a partir de dezembro

Ingrid Soares
Correio Braziliense

O presidente Jair Bolsonaro assinou na tarde desta quinta-feira, dia 6, a medida provisória que libera o crédito orçamentário de R$ 1,9 bilhões para a aquisição e produção de 100 milhões de doses da vacina contra o novo coronavírus, produzida pelo laboratório AstraZeneca e Universidade de Oxford.

A previsão para início da produção da vacina no Brasil é a partir de dezembro deste ano. De acordo com o governo, em todo o mundo, esta é a vacina que está em estágio mais avançado. O Ministério da Saúde afirma que também acompanha pesquisas para o desenvolvimento de outras vacinas e pode firmar outras parcerias para garantir a proteção dos brasileiros na luta contra a doença e salvar vidas.

COOPERAÇÃO – O acordo entre Fiocruz e AstraZeneca é resultado da cooperação entre o governo brasileiro e governo britânico, anunciado em 27 de junho pelo Ministério da Saúde. O próximo passo será a assinatura de um acordo de encomenda tecnológica, previsto para este mês, que garante o acesso a 100 milhões de doses do insumo da vacina, das quais 30 milhões de doses entre dezembro e janeiro e 70 milhões ao longo dos dois primeiros trimestres de 2021.

Segundo o Planalto, o governo assumiu parte dos riscos tecnológicos do desenvolvimento da vacina. Em uma segunda fase, caso a vacina se mostre eficaz e segura, será ampliada a compra. O governo considera que esse risco de pesquisa e produção é necessário devido à urgência pela busca de uma solução efetiva para manutenção da saúde pública e segurança para a retomada do crescimento brasileiro. Atualmente, a vacina está em estudo clínico com testes no Rio de Janeiro, São Paulo e na Bahia.

4 thoughts on “Bolsonaro assina Medida Provisória que libera R$ 1,9 bi e viabiliza 100 milhões de vacinas contra Covid-19

  1. Esse contrato bilionário pode significar mais impopularidade, para o já indigesto Bolsonaro. Primeiro: pelo valor da monta. Segundo: porque se a Rússia iniciar a sua campanha de vacinação em massa, como prenunciada, a população amedrontada vai cobrar: “Por que o presidente não celebrou esse convênio com a Rússia?” Ainda mais porque se sabe que a rejeição à Rússia pode ter sido motivado por futricas ideológicas.
    Pela terror que essa pandemia causa, um dia sem vacina, representa mais de 1.000 vidas perdidas. Logo, pouco importa a origem da solução. E a vacina da Oxford está prevista para os dois primeiros trimestre de 2021.

  2. No país da corrupção instituída, um contrato público dessa monta, para aquisição de uma vacina de tecnologia inédita, ainda longe de ter sua eficácia e segurança confirmada, assinado por um gestor de honestidade pretérita questionável, não deixa de ser um tanto preocupante.

  3. Realmente e lastimável não dar crédito em nada que o nosso presidente faz em favor do Brasil .

    Só se mostra defeitos ..só se levanta futricas …só se conota besteirol…realmente é lamentável .
    (e olha que sempre votei na dita “esquerda” ).

    Vamos torcer que esse ato ajude a combater em definitivo essa gripe.

    YAH SEJA LOUVADO SEMPRE ..

Deixe uma resposta para F.Moreno Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *