Bolsonaro atende a Moro e o delegado Valeixo fica à frente da Polícia Federal

Jair Bolsonaro chegou a anunciar a saída de Valeixo

Deu no Estadão

O diretor-geral da Polícia Federal, delegado Maurício Valeixo, volta de férias nesta quinta-feira, dia 19, e continua no cargo, segundo apurou o Estado com fontes a par do assunto. O ministro da Justiça, Sérgio Moro, já teria dado a Valeixo a informação de que ele não será substituído, pelo menos por enquanto. Procurado, o ministro disse que não comentará o assunto.

A saída de Valeixo era dada como certa internamente na PF após o presidente Jair Bolsonaro ter declarado, no mês passado, que poderia trocar a direção do órgão. Sua permanência é considerada uma vitória de Moro. O combinado é que ninguém na PF comente mais sobre o assunto, para evitar novas rusgas com o presidente.

IRRITAÇÃO – O presidente ficou irritado especialmente com a recusa de Valeixo de indicar para a superintendência do Rio de Janeiro o delegado Alexandre Saraiva, atual chefe da unidade do Amazonas, no lugar do delegado Ricardo Saadi.

Os delegados consideram que não é possível haver interferência política nas superintendências da PF. Reunidos em Salvador no final de agosto, eles divulgaram uma carta na qual afirmam: “A Polícia Federal não deve ficar sujeita a declarações polêmicas em meio a demonstrações de força que possam suscitar instabilidades em um órgão de imensa relevância”.

Na ocasião, Bolsonaro afirmou que havia determinado a saída de Saadi por ‘questão de produtividade’. Horas após o anúncio, porém, a PF contradisse o presidente e, em nota, afirmou que a troca já estava planejada e não tinha relação com o trabalho do delegado. Ainda anunciou um outro nome para o cargo, contrariando Bolsonaro.

INSISTÊNCIA – Um dos ingredientes que azedou a conversa entre Bolsonaro e Moro foi justamente a insistência do presidente em fazer alterações no comando da PF.

Desde o início da crise, Moro se esforçou para manter Valeixo, uma indicação sua para o cargo. Eles trabalharam juntos na Lava Jato em Curitiba. Em conversa com Bolsonaro, o ministro chegou a atribuir as polêmicas a uma ‘rede de intrigas’ que atuava para desgastar a relação entre os dois.

Como forma de ‘aparar arestas’ com o presidente, Moro determinou, na semana passada, que a PF apure um suposto direcionamento de investigação ao deputado Helio Lopes (PSL-RJ), aliado do presidente.

HELIO NEGÃO – O ministro apontou possível fraude na inclusão do nome em um inquérito, que teria o objetivo de tentar voltar o presidente contra Saadi e a cúpula do órgão.

Conforme o Estado revelou, a Polícia Federal suspeita que o delegado Leonardo Tavares, lotado na Delegacia de Repressão a Crimes Previdenciários (Deleprev) no Rio de Janeiro, foi o responsável por tentar direcionar uma investigação previdenciária para um alvo chamado ‘Hélio Negão’, o mesmo apelido usado pelo deputado.

Nos bastidores, o gesto de Moro foi visto como importante para mudar o ambiente e impedir a demissão de Valeixo.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Tudo acaba bem quando termina bem… (C.N.)

12 thoughts on “Bolsonaro atende a Moro e o delegado Valeixo fica à frente da Polícia Federal

  1. JUNHO DE 2013, que continua no ar, como uma estrela que precisa naturalmente brilhar, não surgiu no Brasil por acaso, mas, isto sim, como consequência de uma longa espera (que já dura 129 anos ) de que um dia o sistema político podre, que tem no congresso nacional a sua expressão maior, finalmente tomaria um chá de simancol, ligaria o seu desconfiômetro e se renderia, pacificamente, ao bom senso e, por conseguinte, ao possível projeto novo e alternativo de política e de nação. Mas no calor das Jornadas de Junho de 2013, quando a Revolução Redentora da política, do país e da população já tinha boas chances para ser implantada, o petismo, tb já exaurido, começou a gritar :” é golpe, é golpe, é golpe…”, e até para não parecer golpe, a Revolução Redentora, que já se fazia necessária, recolheu-se, houve por bem dar mais tempo ao tempo, principalmente para Dilma, Lula e o petismo, mas sem antes avisar urbe et orbi :”estamos nos recolhendo mas a fatura continuará aberta e caso o sistema podre não se emende, voltaremos para fechá-la”, esteja quem estiver o poder, exceto Deus. Daí vieram de fato os golpe$, com Temer, no tapetão, e com Bolsonaro nas urnas, à velha moda 171, típica da república 171 dos me$mo$, golpismo ditatorial, partidarismo eleitoral e seus tentáculos, velhaco$, com todas as máscaras caindo, à direita, à esquerda e ao centro, e tudo continuou em famíglia, mais dos me$mo$, tudo como dantes no velho quartel de Abrante$, com os Bolsonaro se achando e achando que armados até os dentes, à velha moda 64/86, conseguirão deter a marcha natural da história cuja roda precisa virar senão nada de fato irá mudar de verdade neste país, para melhor, restando claro agora, mais claro impossível, que a doença é incapaz de curar a própria doença, que só pode ser curada com o remédio certo, na dose certa, que é a Revolução Redentora, da política, do país e da população, como propõe há mais de 20 anos a RPL-PNBC-DD-ME, o Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, o inevitável novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso. https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2019/09/18/recaidas-do-congresso-pedem-reacoes-a-2013/?fbclid=IwAR3FrG-O-sv0ipCGEmCghVahPL2FTMFncKzGwQTpZcn0dO6odkaPZmasxXU

  2. Bolsonaro quer um mínimo de respeito como chefe da nação que é. Isto não acontece ,quando ocupantes do governo tomam decisões sem avisá-lo.

    Quando Moro conversou com ele sobre o evento, ele voltou atras, demonstrando que é um cara sensato. Só não quer que o desrespeitem como Santos cruz, o Mourão no início do governo e outros mais que assim procederam.

    • Se Bolsonaro é sensato, Lula é honesto. Em ambos os casos a realidade mostra outra coisa: Lula roubou descaradamente o país e Bolsonaro é grosseiro, deselegante e estúpido.
      Só para fechar o comentário: Bolsonaro é presidente, chefe de nação quem tem é índio.

  3. Bom leitores (as):

    Texto extraído da coluna do jornalista Hélio Fernandes .

    O Presidente Jair Messias Bolsonaro , ” O CONTRABANDISTA ” .

    ENTREVISTA MAGISTRAL, BASEADA NO LIVRO, O “CADETE E O CAPITÃO”

    Foi escrito pelo extraordinário escritor-repórter-biografo, Luiz Makloub de Carvalho. Insuperável como repórter, independente com a coragem de publicar o que descobriu. Por isso tem 8 livros e cheio de prêmios Ele falou na Globo News, e logico é sobre a vida de Bolsonaro.

    Contou: ” Enquanto pesquisava, e descobri que fazia contrabando, (na fronteira de Mato Grosso com o Paraguai) tentei conversar com ele. Nunca obtive resposta. Quando o livro foi publicado, silencio total”.

    Pena que a entrevista tenha sido exibida a 1 hora da madrugada. Nesse horário só quem está na televisão é evangélico. Enganando e sendo enganado, em quase todos os canais.

    PS- Comprem o livro, é barato, pequeno, dá pra ler num dia .

    OBS.:
    Por isso que ele quer tirar os policiais honestos da fronteira , e colocar policiais desonestos .

  4. KKK alguém assoprou no ouvido deste boçal que se o indicado pelo ministro fosse mandado embora, ele iria junto. Como este boçal não quer arrumar mais inimigos, os que já bastam, desta vez contrariou os “zeros” e, desta vez fez o melhor.

  5. Resumindo, quem tem, tem medo.

    Pelo menos na conjuntura atual, se Moro sair do governo, com certeza o mundo não acabará, mas teremos pequenos terremotos que serão muito prejudicial a todos nós.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *