Bolsonaro avança no Nordeste e Haddad tenta reagir no segundo turno

Apoiadores do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) vestem verde e amarelo e cartazes em apoio ao candidato

Em Recife, Bolsonaro saiu vencedor no primeiro turno

João Valadares e João Pedro Pitombo
Folha

O carro do microempresário Fábio Apolinário, 39 anos, percorre as ruas da periferia do Recife com uma bandeira do Brasil estendida na parte traseira. Eleitor de Lula em 2002 e 2006, ele faz parte de um contingente de 7,7 milhões de nordestinos que votou em Jair Bolsonaro (PSL) neste primeiro turno desta eleição.

O candidato do PSL, que acabou o primeiro turno com 26% dos votos válidos no Nordeste contra 51% de Fernando Haddad (PT), avançou nos grandes centros urbanos da região e venceu em 42 cidades nordestinas, incluindo cinco capitais: Recife, Maceió, Natal, João Pessoa e Aracaju.

BUSCA DE VOTOS – Para este segundo turno, a palavra de ordem do candidato do PSL é mirar o interior dos estados do Nordeste, conquistar aliados e tentar ampliar a votação na região. Por outro lado, a equipe de Fernando Haddad atua para fazer um trabalho de contenção e impedir que tradicionais eleitores petistas migrem para o capitão da reserva.

Em quatro anos, houve um aumento do eleitorado antipetista no Nordeste. Em 2014, Aécio Neves (PSDB), principal opositor da candidatura de Dilma Rousseff (PT), teve 4,2 milhões de votos na região e venceu em apenas duas cidades –Campina Grande (PB) e Buerarema (BA).

Pernambuco, terra do ex-presidente Lula, que sempre consagrou nacionalmente os candidatos do PT nas urnas, é um bom exemplo para medir a diferença entre 2018 e as eleições anteriores.

BOLSONARO AVANÇA – Apesar de ter perdido para Haddad (48,87% x 30,57%) no estado, Bolsonaro conseguiu vencer a disputa nos cinco maiores colégios eleitorais: Recife, Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Paulista e Caruaru.

O resultado mostra que, dos 1,14 milhão de votos que o candidato do PSL obteve em Pernambuco, a grande maioria, 884.828 mil votos, veio justamente dos 10 municípios pernambucanos com maior número de votantes.

Por outro lado, nas dez maiores cidades pernambucanas, Haddad conseguiu apenas 773.794 mil dos 2.309.104 votos obtidos no estado.

“É DIFERENTE” – Em Nova Descoberta, na Zona Norte do Recife, o ambulante Fábio Sebastião de Almeida, 41 anos, é eleitor de Lula e não sabe explicar direito por que vai votar em Bolsonaro.

“Não conheço direito, mas vou votar nele mesmo porque é diferente. Se ele não prestar, a gente tira depois”, resume. Ele não votou no primeiro turno porque, no sábado, um dia antes das eleições, o filho de 17 anos foi assassinado.

“Mataram a tiros aqui mesmo no bairro. Violência está muito grande. Tem que mudar”, conta, sem saber explicar o que o seu candidato propõe para diminuir o número de homicídios.

BANDEIRA NA KOMBI – Vizinho à casa do ambulante, Fábio Apolinário, 39 anos, dono de um mercadinho, colocou uma bandeira do Brasil na Kombi que usa para fazer entregas. “Aqui é Bolsonaro. Eu não acredito nessas mentiras que contam sobre ele. Não acredito na televisão. A verdade está aqui”, diz, apontando para o seu celular.

Fábio faz questão de dizer que sempre votou no ex-presidente petista: “Eu confesso que se Lula fosse o candidato hoje, eu pensaria em votar nele. Mas o que é certo é que ele não é candidato e, por isso, vou votar em Bolsonaro para tentar mudar as coisas que estão aí”.

A empregada doméstica Maria José Gomes, 62 anos, que foi ao mercadinho de Fábio comprar verduras, escuta a conversa e retruca. “Eu votei em Lula no primeiro turno. No candidato dele, digo. Vejo muita gente aqui dizendo que vai votar nesse Bolsonaro. Esse povo tem memória curta. Só prosperaram por causa de Lula. Como se vota em um maluco, meu deus?”, questiona.

NOS GROTÕES – Depois de avançar nas capitais nordestinas, Bolsonaro modulou o discurso para tentar chegar aos grotões. As duras críticas do passado ao Bolsa-Família foram guardadas. 

Nesta quarta-feira (dia 10), gravou um vídeo no qual promete que vai conceder um 13º salário aos beneficiários do programa. A promessa é a mesma do governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), apoiador de Haddad, reeleito no primeiro turno.

Para o deputado federal eleito Heitor Freire (PSL-CE), as inserções e o horário eleitoral na televisão vão ajudar Bolsonaro a levar seus discursos aos eleitores da zona rural das cidades nordestinas. “Infelizmente, no interior, o acesso a internet ainda é difícil. Sou de Juazeiro do Norte e conheço bem essa realidade. Sei que é muito mais difícil a nossa mensagem chegar pelas mídias sociais”, afirma.

8 thoughts on “Bolsonaro avança no Nordeste e Haddad tenta reagir no segundo turno

  1. Decepcionante e lamentável que ainda existam eleitores simpáticos ao PT. Pelo amor do santo guarda, o PT roubou o país e desgraçou a vida de todos, especialmente a vida daqueles que nada têm. Que faire quand on en a plus de sous? Essa é uma opção que deve ser dolorosa…

  2. Instituto Paraná, MG votos válidos: Bolsonaro 69,6% X 30,4% Haddad

    MG é o segundo maior colégio eleitoral e “reduto” petista.

    GAME OVER!

  3. “Quando o seu ódio pelo Bolsonaro é maior que seu ódio pela CORRUPÇÃO, o problema não está mais em Brasília. Está em você!”

  4. O povo nordestino não é idiota como os petistas querem com a distribuição de Bolsa Esmola.
    A maioria dos nordestinos já reconheceram a enganação de lula e seus asseclas enganação que hoje ninguém mais cai.
    Todo o NORDESTE vai apoiar Bolsonaro e sepultar de vez o maior ladrão do planeta = lularápio da silva.

  5. Acho temerário quando se quer fundamentar uma opinião, e o comentarista aborda a religião como ênfase à sua afirmação!

    Historiadores reconhecidos internacionalmente atestam que a opção dada aos judeus por Pôncio Pilatos, quanto a quem deveria ser crucificado, se Jesus ou Barrabás, e o povo escolheu o ladrão e assassino, Barrabás, JAMAIS EXISTIU!!!

    E por uma questão simples:
    O poderoso Império Romano nunca concedeu aos povos conquistados o poder de decisão, muito menos de recair o destino de um preso condenado à morte!

    Falácia!

    A história é mal contada, propositadamente tendenciosa e mal intencionada!

    Culpar os judeus pela morte violenta de Jesus durante séculos, evidentemente que ocasionaria aos judeus uma perda considerável sobre o poder religioso que tinham, aliás, o único que lhes restava.

    Uma vez que o Cristianismo foi considerado antagônico ao Judaísmo, apesar de a sua origem ser judaica, a revolução de Jesus foi no sentido de se conceder o perdão, e não o revide, a vingança.

    Os judeus foram perseguidos, caçados como animais durante centenas de anos com esta acusação, de terem matado Cristo, e não é verdade!

    O ódio aos judeus teve como razão principal que Jesus não era Deus, e continua não sendo ao Judaísmo, assim como prega o Islamismo, que considera Jesus um profeta.

    Logo, faz-se mister que se pesquise alguns fatos dados como verdadeiros, haja vista que a História os têm refeitos, corrigidos, vindo à tona a verdade dos fatos.

    Logo o Império Romano, cujos Césares e governadores das colônias eram semideuses, glorificados, pessoas inatingíveis, iriam conceder a um povo pobre, monoteísta – os romanos eram politeístas -, a decisão de matar!

  6. Só o ceticismo pode levar ao bom senso. Ou seja, para o cético cada caso é um caso ao contrário do crente em ideologias ou religiões políticas como o socialismo, em que tudo são generalizações, criadas pela mente doentia de seus sacerdotes.

    “A democracia não é um sistema feito para que os melhores sejam eleitos , mas sim para impedir que os ruins fiquem para sempre” Margareth Thatcher

Deixe uma resposta para Eduardo RJ Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *