Bolsonaro cria inimigos e falsas narrativas para tentar justificar a sua absoluta incapacidade de governar

Charge do Aroeira (brasil247.com)

Bruno Boghossian
Folha

Antes de completar seis meses no cargo, Jair Bolsonaro divulgou um texto que dizia que o país era “ingovernável”. No ano seguinte, reclamou do Congresso e afirmou: “Realmente, eu não consigo aprovar o que eu quero lá”. Agora, avisou a seus apoiadores que “o Brasil está quebrado” e que, por isso, não tem condições de “fazer nada”.

Desde o início do mandato, Bolsonaro esculpe a figura de um governante impotente. Além de expor sua incapacidade absoluta, esse esforço cumpre uma função política. Ao criar a ilusão de que não consegue entregar benefícios para sua base por culpa de outras pessoas, o presidente trabalha para que a fidelidade de seus eleitores dependa cada vez menos de vantagens concretas.

NO BURACO – Bolsonaro disse nesta terça-feira, dia 5, que não poderia oferecer um alívio na tabela do Imposto de Renda porque o país estava no buraco. Para distrair os bolsonaristas diante de um compromisso frustrado, ele mudou o foco da conversa e afirmou que a ruína econômica havia sido provocada por “esse vírus, potencializado por essa mídia que nós temos”.

O presidente não quis dizer que foi ele mesmo quem escolheu concorrer à Presidência sobre uma plataforma de aperto nas contas, enquanto prometia bondades para o povo. Seu governo, aliás, esteve mais próximo de apresentar a proposta de criação de uma nova CPMF do que de reduzir o Imposto de Renda.

EMBATES – A declaração mostra que Bolsonaro tem ao menos uma vaga ideia das limitações econômicas que enfrentará até o fim do mandato. Com isso, o presidente deve se sentir tentado a bancar suas aventuras políticas com velhos embates ideológicos.

Para preservar o apoio de seus seguidores, Bolsonaro recorre ao conhecido truque da fabricação de inimigos. O governo tenta mostrar serviço com um punhado de rodovias asfaltadas e meia dúzia de aeroportos leiloados, mas confia que os vínculos com o eleitorado permanecerão firmes nos choques com a imprensa, os políticos tradicionais, o STF e, principalmente, a esquerda.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG 
Por mais que Bolsonaro tente, a sua linha do tempo à frente da Presidência não pode ser apagada. Mesmo para aqueles que insistem em não enxergar, o modus operandi é claro, tosco e sem variantes. Pela sua incapacidade de administrar um país e pela necessidade imperativa de tentar abafar os descalabros cometidos pela sua família, cria e recria cortinas de fumaça, culpa terceiros e diz que não consegue governar. É mais fácil, mas que coloca em risco diariamente toda uma nação. Covardemente opta pelo negacionismo e pelos ataques constantes para justificar a sua inoperância que perdurará até o dia do seu impedimento. Se em três décadas nada fez no Legislativo, não seria agora que as coisas mudariam. Quem esperou por isso, jogou seu voto no lixo. (Marcelo Copelli)

10 thoughts on “Bolsonaro cria inimigos e falsas narrativas para tentar justificar a sua absoluta incapacidade de governar

  1. Faz me lembrar um Fake News lançado via e-mail em 2009 de que Dilma teria conseguido falir uma lojinha de produtos de R$ 1,99. Agora temos na presidência um sujeito que realmente se mostra incapaz em tudo. Teria sido um aviso?

  2. ABI PEDE IMPEACHMENT DE PAZUELLO POR ‘CRIME DE RESPONSABILIDADE’ NA PANDEMIA

    “O ministro Eduardo Pazuello dá repetidas demonstrações de incompetência, ineficiência e incapacidade para desempenhar as tarefas de seu cargo”, diz o pedido

    07/01/21 05:28 ‧ HÁ 3 HORAS POR ESTADAO CONTEUDO

    A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) formalizou nesta quarta-feira, 6, um pedido de impeachment do Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, junto à Câmara dos Deputados.

     No documento de dez páginas, assinado pelo presidente da associação, Paulo Jeronimo de Sousa, a entidade argumenta que o general cometeu crimes de responsabilidade e improbidade administrativa na condução da pandemia de covid-19 ao descumprir recomendações das autoridades sanitárias e, em ultima instância, agir contra o direito à Saúde. Por isso, defende a ABI, Pazuello deve ser retirado do cargo.

    “O ministro Eduardo Pazuello dá repetidas demonstrações de incompetência, ineficiência e incapacidade para desempenhar as tarefas de seu cargo”, diz o pedido.

    A ABI afirma que o ministro desrespeitou as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a obrigatoriedade do uso de máscara de proteção facial, a importância do isolamento social e contra o uso de medicamentos sem eficácia comprovada para tratar pacientes infectados pelo novo coronavírus, como a hidroxicloroquina, a cloroquina, a ivermectina e a azitromicina.

    A associação também criticou a ausência de um cronograma para iniciar a imunização contra a doença e a suspensão da compra de seringas, anunciada mais cedo pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) – a medida rendeu ao governo uma ação popular pedindo que o Ministério da Saúde seja obrigado a adquirir os insumos para iniciar a vacinação da população.

    O pedido de impeachment lembrou ainda a demora na elaboração de um plano de medidas de contenção ao contágio e a mortandade pelo novo coronavírus entre a população indígena, como determinou o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF).

    Na avaliação da ABI, o ministro precisa ser responsabilizado pela ‘negligência’ em cumprir suas obrigações. Em comunicado à imprensa, a ABI ainda argumenta que a postura de Bolsonaro, que minimiza a gravidade da pandemia, não pode servir como escudo a Pazuello. “Ainda que seu superior hierárquico, o presidente da República, inegavelmente tenha enorme responsabilidade nos desmandos, o ministro não pode escudar-se nesse fato para se abster de tomar as providências básicas que a função requer”, diz a associação.

    “É inaceitável a justificativa apresentada por Pazuello para não cumprir obrigações básicas. Ao declarar que “um manda, o outro obedece”, o ministro lava as mãos e abdica de suas obrigações”, acrescenta em referência à declaração dada em outubro pelo ministro após ter sido desautorizado pelo presidente e orientado a cancelar o protocolo de intenções para a compra da Coronavac. A vacina é desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantã, do governador paulista João Doria (PSDB), adversário político de Bolsonaro. Para a ABI, o episódio deixou clara a imposição de obstáculos ‘por motivos ideológicos’ para a compra do imunizante.

    O pedido de impeachment foi encaminhado ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), a quem cabe admitir ou não o processo. Não há prazo definido para a apreciação e eventual envio a uma Comissão Especial.

    Antes de ser empossado como ministro, em meados de setembro do ano passado, Pazuello passou mais de cem dias na condição de interino após a saída de Nelson Teich, que ficou menos de um mês à frente da pasta, e da demissão de Luiz Henrique Mandetta. Ambos deixaram o governo por divergências com o Planalto. Desde a sua efetivação, o general tem agido alinhado às diretrizes da Presidência.

    https://www.noticiasaominuto.com.br/politica/1765976/abi-pede-impeachment-de-pazuello-por-crime-de-responsabilidade-na-pandemia?utm_medium=email&utm_source=&utm_campaign=morning

    • Essa ABI que se calou diante da perseguição ilegal e covarde, promovida pela ditadura do STF, contra o jornalista Eustáquio não tem mais credibilidade. Se perdeu, assim como OAB, CNBB dentre outras, por estarem mais comprometidas com seus interesses políticos do que com a verdade dos fatos.

  3. O texto expressa que ““o Brasil está quebrado” e que, por isso, não tem condições de “fazer nada”.”

    Por grosseira, porém necessária analogia, quando um homem está em cima de uma mulher e não tem condição de “fazer nada”, é melhor sair de cima e ir embora, pois seu peso só está incomodando …

  4. O Pinóquio insiste em confundir as coisas, discursa e age como deputado, ou seja, fala aquele montão de bobagens que se acostumou a falar quando era deputado. Como não sabe administrar fica procurando culpados pela própria incapacidade de decidir bem.

  5. Não joguei meu voto no lixo…tiramos o pt do poder. Só isto já valeu o voto, e se não aparecer outro melhor, se insistirem em colocar algum candidato do pt podem ter certeza, ele vai ser reeleito….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *