Bolsonaro é igual a Jânio e não tem equilíbrio emocional para continuar à frente do governo

Bolsonaro Jânio Quadros

Charge do Gervásio (Arquivo Google)

Carlos Newton

Já não restam dúvidas de que o presidente Jair Bolsonaro não tem mais condições emocionais de continuar governando o país. Mesmo os admiradores mais ardorosos do estilo bolsonariano sabem que estamos chegando a uma situação-limite, com o esgarçamento das relações institucionais.

Não é a primeira vez que isso acontece. A História contemporânea registra o caso de Jânio Quadros, um político devastado pelo alcoolismo, que governava mandando bilhetes aos ministros e tinha prioridades mais do que exóticas, digamos assim.

ESTILO BOLSONARO – Nota-se que há muitas semelhanças entre Bolsonaro e Jânio, apesar da disparidade intelectual que os separa. Ambos são líderes histriônicos, cada qual à sua maneira, mas o desequilíbrio é comum aos dois.

Nas candidaturas, prometeram varrer a corrupção e criar um novo país. Depois de eleitos, porém, encontraram outras prioridades. No caso de Jânio, preocupava-se em proibir maiô biquini, briga de galo, lança perfume e corrida de cavalo, não necessariamente nesta ordem.

O desmiolado presidente resolveu abolir o terno e gravata no serviço público e vestia-se com um slack, que parecia uma roupa de safari e lembrava também o uniforme dos revolucionários cubanos, que Jânio idolatrava.

IMITANDO FIDEL – Fez questão de visitar Fidel Castro em Havana e depois recebeu e condecorou Che Guevara em Brasília, cada um vestido à sua moda.

Sonhando em se tornar um Fidel sem luta armada, resolveu renunciar, acreditando que o povo o carregaria nas costas e o levaria de volta ao palácio, tal como acontecera com o líder cubano, mas deu tudo errado.

O presidente da Câmara, Auro Moura Andrade, aceitou a renúncia, que é ato unilateral, e mandou avisar o vice João Goulart, que estava em visita à China de Mao Tsé Tung, refazendo ligações diplomáticas e comerciais. Passada a ressaca da renúncia, Jânio ficou envergonhado saiu em viagem ao exterior, num navio cargueiro, e depois ficou quietinho no seu canto.

O MESMO SONHO – Bolsonaro é diferente de Jânio, porém partilha o mesmo sonho ditatorial. E só não ficará no poder por ser um trapalhão, que desde o início da gestão desrespeita generais e amigos, não ouve conselhos, comporta-se como um aprendiz de tiranossauro.

Como em tempos de guerra tem o cargo de comandante-em-chefe das Forças Armadas, Bolsonaro pensa (?) que pode comandá-las em aventuras golpistas, como se o torturador Brilhante Ustra fosse o padrão militar e não apenas uma abjeta exceção. Aliás, o presidente fez questão de aumentar a pensão das filhas de Ustra, como se ele tivesse sido promovido a general, post mortem.

O pior é que, no Planalto e na Esplanada, ninguém tem coragem de contestar o presidente, que vem se transformando num personagem patético e até digno de solidariedade, pois está precisando de ajuda psiquiátrica, para dizermos o mínimo.

###
P.S. – Jânio Quadros moderou na bebida e teve uma segunda oportunidade, 24 anos depois, conseguindo se eleger à Prefeitura de São Paulo. Mas seu seguidor Bolsonaro não terá a mesma chance. Como dizia Cartola, o mundo é um moinho e Bolsonaro está caindo no abismo que ele próprio fez questão de cavar a seus pés. (C.N.)

8 thoughts on “Bolsonaro é igual a Jânio e não tem equilíbrio emocional para continuar à frente do governo

  1. Além de repugnante, asquerosa, idiota, a qualificação dos bolsonaristas sobre as pessoas que lhe fazem oposição como comunistas, temos ainda a demonstração do legítimo adestramento humano!
    Se o “dono” disse, o fiel seguidor repete como se fora um mantra e uma ordem “divina”.

    Soma-se a esta fidelidade canina, o fato de que o comunismo está em desuso no mundo, sendo que apenas dois países ainda mantém este regime conforme a mente da direita radical, fanática, que seriam Cuba e Coréia do Norte.

    China, Rússia, Vietnã … há muito abriram seus mercados, adotando uma política econômica mais adequada para o crescimento de seus países.

    Enfim, também assistimos a irracionalidade se manifestando através dessas ideologias voltadas apenas para o bem de uns e outros, enquanto o povo segue sendo roubado, explorado e manipulado!

    • Não esqueça, chico, que os acólitos seguem a linha de pensamento, digo desvario, do Mito, idealizar um grande e assustador monstro para inibir os ignorantes e se há poucos ignorantes, é fácil, tira recursos da Educação e passa para os milicos.

  2. Até os que votaram no Boçal estão abrindo os olhos e percebendo que ele é um caso psiquiátrico. Incurável. Há tempos já devia estar internado em um hospício de segurança máxima.

  3. Jânio, para o bem ou para o mal, teve várias passagens inesquecíveis.

    Uma delas, no primeiro dia como prefeito de São Paulo, dedetizou a cadeira, que tinha sido “ocupada por nádegas indevidas”.

    Nádegas de quem ?

  4. Demagogos como o mito tem vida curta, o Trump acaba de nos provar isto, mas no nossa caso a coisa é ainda pior, sai o mito e entra o Luladrão no lugar, aí a saída será mesmo o aeroporto pois o Brasil não vai aguentar tantos desgovernos seguidos.

Deixe um comentário para Um Velho na Janela Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *