Bolsonaro descarta golpe, garante eleições, elogia Barroso e defende urnas eletrônicas

VEJA - Reportagens exclusivas, notícias, informação e opinião.

Jair Bolsonaro atribui sua mudança a uma certa maturidade

Deu na Veja

Isolado politicamente e em baixa nas pesquisas sobre a avaliação de seu governo e a corrida eleitoral de 2022, o presidente Jair Bolsonaro disse à revista Veja que não existe nenhuma chance de tentar um golpe no país.

“Daqui pra lá, a chance de um golpe é zero. De lá pra cá, a gente vê que sempre existe essa possibilidade”, disse o presidente na entrevista.

“De lá pra cá é a oposição, pô. Existem 100 pedidos de impeachment dentro do Congresso. Não tem golpe sem vice e sem povo. O vice é que renegocia a divisão dos ministérios. E o povo que dá a tranquilidade para o político voltar”, completou.

VAI TER ELEIÇÕES – Na entrevista à Veja, ao falar sobre as eleições de 2022, disse que não irá “melar” a disputa e até elogiou decisões recentes do ministro Luís Roberto Barroso, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

A atual crise institucional, patrocinada por Bolsonaro, teve início quando o presidente disse que as eleições de 2022 somente seriam realizadas com a implementação do sistema do voto impresso — mesmo após essa proposta já ter sido derrubada pelo Congresso.

“Olha só: vai ter eleição, não vou melar, fique tranquilo, vai ter eleição. O que o Barroso está fazendo? Ele tem uma portaria deles, lá, do TSE, onde tem vários setores da sociedade, onde tem as Forças Armadas, que estão participando do processo a partir de agora. As Forças Armadas têm condições de dar um bom assessoramento.”

URNA ELETRÔNICA – “Com as Forças Armadas participando, você não tem por que duvidar do voto eletrônico. As Forças Armadas vão empenhar seu nome, não tem por que duvidar. Eu até elogio o Barroso, no tocante a essa ideia —desde que as instituições participem de todas as fases do processo”, completou.

O tom da entrevista de Bolsonaro à Veja reflete um presidente tentando dar sinais de moderação desde os atos do 7 de Setembro, o que nem aliados acreditam que irá durar muito tempo.

Na entrevista à Veja, Bolsonaro disse que ‘extrapolou’ no 7 de Setembro. “Esperavam que eu fosse chutar o pau da barraca. Você imagina o problema que seria chutar o pau da barraca. Eu não convoquei a manifestação.”

SEM INTENÇÃO – No início do mês, dois dias após atacar o STF (Supremo Tribunal Federal) com ameaças golpistas, o Bolsonaro divulgou uma nota na qual recuou, afirmou que não teve “nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes” e atribuiu palavras “contudentes” anteriores ao “calor do momento”.

“Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar”, afirmou à época.

A mudança de tom do presidente após repetidos xingamentos a integrantes da corte desagradou grupos bolsonaristas, foi elogiada pelos presidentes do Senado e da Câmara, mas vista com ceticismo pelos magistrados. “Eu vinha falando que estamos lutando por liberdade e comecei a falar uns 15 dias antes que estaria na Esplanada e em São Paulo. Mas em São Paulo, quando eu falei em negociar, eu senti um bafo na cara. Extrapolei em algumas coisas que falei, mas tudo bem.”

MUDANÇA RADICAL – Bolsonaro passou os últimos dois meses com seguidos ataques ao STF e xingamentos a alguns de seus ministros como estratégia para convocar seus apoiadores para os atos do 7 de Setembro, quando repetiu as agressões e fez uma série de ameaças à corte e a seus integrantes.

Os principais alvos de Bolsonaro sempre foram os ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso. No 7 de Setembro, porém, buscou também emparedar o presidente do STF, ministro Luiz Fux.

AINDA ACREDITAM – Segundo pesquisa Datafolha da semana passada, para 50% dos brasileiros a retórica golpista de Bolsonaro pode se tornar realidade e existe a chance de o presidente tentar um golpe de Estado. A agenda antidemocrática de seus apoiadores é percebida assim pela maioria, assim como ações dos três Poderes são vistas como ameaças.

O apoio à democracia, por sua vez, segue sólido: 70% dos ouvidos pelo Datafolha dizem crer que o sistema é o melhor para o país, o segundo maior nível da série histórica iniciada em 1989. Já o contingente que admite a ditadura como opção está no menor patamar, 9%.

O temor de que o Brasil volte a ser uma ditadura, como foi sob os militares de 1964 a 1985 ou com Getúlio Vargas de 1937 a 1945, é o mais alto desde que o Datafolha começou a questionar isso, em fevereiro de 2014: 51%, ante 45% que dizem não acreditar no risco e 5% que não sabem dizer.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A matéria de Mauricio Lima e Policarpo Junior, na Veja, diz tudo. Agora temos dois Bolsonaros – o tigrão, que rosnou e ameaçou até o dia 7 de setembro, e o gatinho, que fica agradando os donos. Foi um milagre político? De repente, Bolsonaro acordou no dia 8 de setembro e pensou (?): “Gente, eu estou extrapolando! Meu caminho não é esse, eu sou de paz e de concórdia. Vou telefonar para o Temer e arranjar um jeito de pedir desculpas ao Moraes…”. É, foi mesmo um milagre, mas precisa ser atribuído ao Alto Comando do Exército, que ainda consegue motivar mudanças bruscas e surpreendentes, sem mover um só tanque fumacento. E assim la nave va, cada vez mais fellinianamente. (C.N.)

13 thoughts on “Bolsonaro descarta golpe, garante eleições, elogia Barroso e defende urnas eletrônicas

  1. Acabou a corrupção!

    “O mistério da casinha
    A Secretaria da Cultura destina R$ 4,6 milhões para um projeto de games sem especificar o responsável nem explicar como funcionará. Fontes dizem que é um projeto do filho 04, Jair Renan Bolsonaro”. (istoé)

    Está tudo dominado. O garoto já está sendo “talhado” para surrupiar o dinheiro público.

    Manda ele ir trabalhar sem a ajuda do papai. Não vai conseguir, pois, nessa idade, não sabe fazer nada, assim como os outros integrantes da quadrilha, que nunca trabalharam na vida. Sempre foram políticos ladrões!

  2. Quando Ismália enlouqueceu,
    Pôs-se na torre a sonhar…
    Viu uma lua no céu,
    Viu outra lua no mar.

    E assim vamos vivendo,
    um pé lá e outro cá,
    um dia um louco varrido
    outro dia um anarfa gagá.
    Ê trem bom!

  3. O que disse o Presidente?

    “Com as Forças Armadas participando, você não tem por que duvidar do voto eletrônico. As Forças Armadas vão empenhar seu nome, não tem por que duvidar. Eu até elogio o Barroso, no tocante a essa ideia — desde que as instituições participem de todas as fases do processo”.
    https://terrabrasilnoticias.com/2021/09/bolsonaro-elogia-inclusao-de-forcas-armadas-no-processo-eleitoral-nao-tem-por-que-duvidar/

    A Polícia Federal (PF) e Exército também vão participar do processo. As manifestações deram algum resultado.

  4. Como ficam o GADO e os PASSADORES DE PANO com tudo isso, em meio a essa bipolaridade? Devem estar que nem cachorro que cai do caminhão de mudança, sim saber pra que lado ir.

  5. BASTA. CHEGA DOS ME$MO$. É AGORA OU NUNCA. A HORA E A VEZ DO LEÃO, DA EVOLUÇÃO E DA REDENÇÃO do nosso Brasilzão e da nossa população, porque o Brasil e o povo brasileiro são maiores do que a república errática e exaurida do militarismo e do partidarismo, politiqueiro$, e seus tentáculos, velhaco$, que, há 131 anos, nos fazem vítimas, reféns, súditos e escravos dos me$mo$, dos quais urge nos libertarmos, antes tarde do que nunca. Diz ai Armínio Fraga, Czar da Economia brasuca. AINDA BEM que nem tudo é ignorância, estupidez, charlatanismo, oportunismo, mentira, má-fé e safadeza na política do Brasil. “O Brasil precisa de políticas liberais e progressistas…” “Algo precisa acontecer…” “PRECISAMOS EVOLUIR muito. Estamos há 40 anos com crescimento muito baixo, mesmo nos melhores momentos, como FHC e Lula (primeiro governo). A pergunta que temos de fazer é por que nós, como nação, não conseguimos nos organizar e fazer melhor as coisas de forma inclusiva e sustentável?” Mais um, aliás, desta feita um Czar da Economia brasuca, conectado com o mundo civilizado, pedindo pelo amor de Deus para colocarem na cena eleitoral o LORIAGA LEÃO, o HoMeM do Mapa da Mina do bem comum do povo brasileiro, o liberal por formação porém de rabo preso com o social, que nunca mentiu quem ele de fato é, qual é a sua essência, a que veio, onde quer chegar e para onde quer levar o Brasil e o povo brasileiro com a RPL-PNBC-DD-ME, o seu megaprojeto novo e alternativo de política e de nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, há mais de 20 anos na estrada, propondo ao Brasil e ao povo brasileiro a mudança do percurso rumo à uma Nova Europa Brasuca possível, o Pulo de Leão e o Voo de Águia do Brasil, ao invés da Brazuela, ou Haitibras, ou Brasilnistão, que é para onde o continuísmo da mesmice do sistema apodrecido está levando o Brasil e o povo brasileiro há algum muito tempo, com os seus esporádicos, ilusórios e enganosos voos de galinha, que vez ou outra traz alguma alegria financeira porém seguidos de grandes traumas, longas e muitas dores, ressacas intermináveis, posto que calcados no blá-blá-blá, no gogó e no trololó dos me$mo$, pra lá de manjados, que nada têm de borogodó, digo, de projeto novo e alternativo de verdade para nos oferecer, realmente diferente de tudo isso que ai está, há 131 anos, transpirando decadência terminal por todos os seus poros. http://www.tribunadainternet.com.br/com-o-brasil-quase-falido-e-preciso-cortar-os-gastos-publicos-assinala-arminio-fraga/?fbclid=IwAR1Cwsab4FWf0yvIEMoGcqFUy_zYcdxrdYP-WYfaJLdo6cPX6Ys1HDZI6qA

  6. Não acredito nesse recuo de Bolsonaro na linha Lula paz e amor. Ele está sempre pintado para a guerra. Ocorre, que estava pegando muito mal no sistema que o elegeu, principalmente junto ao Empresariado, a corrida para implantar uma ditadura sob o comando do Mito, melar as eleições, aposentar os ministros do STF, na mesma linha do presidente de El Salvador.
    Essas tentativas de forçar a ruptura não obteve sucesso pelo pouco apoio das forças vivas da nação.
    No entanto, é preciso ficar alerta, porque o presidente não é figura que aceita recuo ou derrota.
    Todos os golpes na República foram metodicamente planejados e executados na surdina, na calada da noite, sem muito alarde. Nenhum deles foi anunciado pela imprensa.
    No golpe de 1964, o general Olímpio Mourão, se precipitou, ao rumar com suas tropas de Minas para o Rio para derrubar Jango. Seu gesto, foi fortemente reprovado pelos golpistas O castigo da cúpula militar dado a Olímpio Mourão: chamado de vaca fardada, suas tropas foram confinadas no Maracanã e ele não teve nenhum posto relevante no governo de Castelo Branco. Saiu da vida e não entrou na História.
    Acho, que somente esse escriba, volta e meia cita essa passagem de 1964.
    O golpe que o general da linha dura, Silvio Frota iria deflagrar contra o general presidente Ernesto Geisel, foi sustado pela ação inteligente do general Hugo de Abreu, chefe de gabinete de Geisel, que como presente de grego, passou o brilhante militar para a reserva, nomeando João Figueiredo para quatro estrelas dando carona ao número 1, Abreu também com três estrelas.
    Triste com Geisel, Hugo de Abreu escreveu o livro devastador, ” O Outro Lado do Poder”. Deveria ser leitura obrigatória, nos dias de hoje.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *