Bolsonaro diz que brasileiro tem que voltar a trabalhar : “Infelizmente algumas mortes terão, paciência”

“São os mais pobres que querem voltar a trabalhar”, disse Bolsonaro

Julia Lindner e Camila Turtelli
Estadão

O presidente Jair Bolsonaro voltou a pedir nesta sexta-feira, dia 27, o fim do isolamento social como método para conter o avanço do novo coronavírus e afirmou que “infelizmente” alguns brasileiros irão morrer ao contrair a doença.

“Infelizmente algumas mortes terão, paciência, acontece, e vamos tocar o barco. As consequências, depois dessas medidas equivocadas, vão ser muito mais danosas do que o próprio vírus”, disse o presidente em entrevista ao apresentador José Luiz Datena durante programa Brasil Urgente, da Band.

VOLTA AO TRABALHO: Bolsonaro afirmou ainda que a população tem de retomar o trabalho.“O brasileiro quer trabalhar, esse negócio de confinamento aí tem que acabar, temos que voltar às nossas rotinas. Deixem os pais, os velhinhos, os avós em casa e vamos trabalhar. Algumas mortes terão, mas acontece, paciência”.

Na terça-feira, dia 24, Bolsonaro fazer um pronunciamento em rede nacional de rádio e TV pregando a reabertura de escolas e do comércio. Na quinta-feira, dia 26, o Planalto lançou campanha publicitária chamada ‘O Brasil não pode parar’ para defender a flexibilização do isolamento social.

CONTRAMÃO – A estratégia do Planalto vai na contramão do esforço mundial para o combate à propagação da doença e levou o governo federal a um embate com governadores dos Estados. O presidente afirmou que as pessoas correm o risco de perder o emprego se o período de isolamento social for prolongado, porque a economia já está parando. “O que vai acontecer com o Brasil? Vão quebrar o Brasil por causa do vírus”, disse ele.

Na entrevista a Datena, Bolsonaro afirmou, ainda, que está havendo um “verdadeiro alarmismo” por parte de autoridades que incentivam o isolamento social sem prazo para terminar. “Não podemos agir irresponsavelmente”, insistiu ele, ao afirmar que há pessoas que querem se “esconder” atrás do vírus.

“Tá errado esse método do confinamento, mas os governadores têm liberdade para fazer isso aí. Tá faltando bom senso por parte de algumas autoridades do Executivo estaduais e municipais”, afirmou.

COMÉRCIO FECHADO – “A gente estava decolando na economia, criamos mais de um milhão de empregos ano passado. Perdemos já tudo isso aí.  Por quê? Alguns fazendo concorrência: eu fechei tudo no meu município. Não deu certo.”

Para o presidente, o coronavírus é como uma chuva, na qual é impossível não se molhar. “Não podemos agir dessa maneira irresponsável. O vírus, mais forte ou mais fraco vem. É igual uma chuva, vai aparecer, você vai se molhar e toca o barco e não pode simplesmente se esconder, se enclausurar”, disse ele.

CONVENCENDO MINISTROS – Defendendo incisivamente que as pessoas voltem ao trabalho, Bolsonaro lembrou que não pode fazer tudo que quer, já que precisa ouvir seus ministros, mas disse que aos poucos está conseguindo convencer seu primeiro escalão.

“Estou conseguindo cada vez mais convencer nossos ministros, então, estamos tomando providências para que quem tem emprego vá trabalhar. Depois que perder, vai levar anos para conseguir novamente de volta”, afirmou.

Para ele, a aceitação popular em relação às mudanças propostas tem sido “excelente”. “O Brasil tem que trabalhar. Quem tem condição fica em casa. Agora, a massa do povo não tem como se sustentar”, afirmou. São os mais pobres que querem voltar a trabalhar”, disse.

CAMINHONEIROS – Bolsonaro citou os caminhoneiros e disse que o ministro da Infraestrutura Tarcísio Freitas tem se reunido com secretários de transporte dos Estados para tratar disso. “Então, estamos fazendo nossa parte”, disse.

Na entrevista, Bolsonaro disse ainda que o governador de São Paulo, João Doria, precisa tomar um “comprimido de humildade” e pôs em dúvida o número de casos do novo coronavírus em São Paulo. Dados oficiais do governo paulista indicam que o Estado tem 1223 casos casos confirmados da doença.

“PAPAGAIO” – O número de mortes subiu para 68. Para Bolsonaro, Doria virou um “papagaio de auditório”, que só quer aparecer na crise do coronavírus.

O presidente chamou de “chute” o resultado da pesquisa feita pela universidade de Oxford que projetou 478 mil mortes pelo novo coronavírus no Brasil.

“No mundo todo tem umas 20 e poucas mil pessoas (mortas por covid-19). Então porque 400 mil no Brasil? Não, eu não acredito. Isso é chute, deve ter algum interesse econômico em jogo para desestimular qualquer pessoa de investir no Brasil, tentar quebrar nosso negócio que temos em alguns países”, opinou Bolsonaro.

19 thoughts on “Bolsonaro diz que brasileiro tem que voltar a trabalhar : “Infelizmente algumas mortes terão, paciência”

  1. O ESTADO DE SÃO PAULO – 27/03/2020

    JANAÍNA PASCHOAL : INSTIGAR PESSOAS TERÁ CONSEQUÊNCIAS TRÁGICAS

    Utilizando as redes sociais, a parlamentar criticou a incitação aos brasileiros para abandonar a quarentena e a sair às ruas para trabalhar e a pressa em encerrar a quarentena, e reforça a necessidade de manter a quarentena que foi a orientação da OMS e dos epidemiologistas nacionais e estrangeiros, em todo o mundo

    https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,instigar-as-pessoas-a-se-expor-vai-trazer-consequencias-tragicas-diz-janaina-paschoal,70003250368

  2. É uma aposta de risco. Se ele estiver certo, cala a boca de meio mundo, mas se estiver errado, acaba com seu governo antes do término. Mas uma coisa é certa, as contas para pagar continuam chegando e, sem trabalhar, como pagar

  3. Ouvi os comentários do ex CEO da Renner, José Galló e ele me pareceu bastante lúcido em suas ideias. Uma das coisas que ele falou é que se não resolvermos bem essa primeira fase da crise, o baque na economia vai ser maior. Nestes tempos de opiniões extremadas, movidas pela paixão é bom a gente respirar, dar um tempo e usar um pouco a razão. https://exame.abril.com.br/negocios/as-medidas-sao-boas-o-problema-e-a-velocidade-de-execucao-diz-gallo/

  4. A declaração de Bolsonaro que “alguns vão morrer, paciência”, referindo-se ao coronavírus, é o ápice do cinismo, da hipocrisia, da crueldade de um presidente de republiqueta, um desalmado, que arrisca a vida alheia enquanto a sua está muito bem protegida!

    Bolsonaro conseguiu inverter em benefício de seus interesses e conveniências, corporativismo e segregação, que neste estado de calamidade pública que ele decretou, quem deveria justamente estar atuando ficará em casa, resguardando-se, e obrigando o povo a se arriscar perigosamente com a doença que ultrapassa a casa do milhar de infectados!

    AONDE ESTÃO AS FORÇAS ARMADAS NESSA HORA, QUE TANTO O POVO DELAS PRECISA??!!

    Em casa?
    Embaixo de cobertores?
    Nas casernas brincando de Forte Apache?

    A melhor logística e infraestrutura pertence ao Exército:
    Milhares de veículos;
    Mais de duzentos mil homens;
    Médicos, enfermeiros, hospitais;
    Quartéis com grandes alojamentos;
    Condições plenas de isolar os idosos do país nas instalações militares, INCLUSIVE em navios da Marinha!

    Então ouço outro cínico e hipócrita, logicamente do staff de Bolsonaro, o “Chicago boy”, que o Brasil não pode parar, e fala dos heróis anônimos que estão na linha de frente, que são os CIVÍS!!!!
    Médicos, enfermeiras, os valentes caminhoneiros, que estão se arriscando em ser contaminados e infectar centenas de pessoas porque transitam pelo país inteiro!

    Mas isso era função exatamente das FFAA!!!!
    Jipes, camionetes, caminhões … que poderiam abastecer as cidades e levar comida e dinheiro aos locais mais remotos desse imenso território!
    Os soldados andariam de máscaras, luvas, todo um aparato que os caminhoneiros não possuem.
    Centenas de pessoas, solidárias, heroicas, que deixam de lado a gravidade do vírus, e vão para as beiras das estradas dar um prato de comida aos caminhoneiros!
    E AONDE ESTÁ O EXÉRCITO NESSE MOMENTO????!!!!

    Os soldados poderiam fazer essa tarefa, além de terem a ração fria ou quente, sem a necessidade de pessoas fazerem esse trabalho que pertence à Intendência do Exército!
    Pagamos salários polpudos para os militares “trabalharem” meio expediente, enquanto cabe a nós, justamente os despreparados nessa situação, “movimentar” o Brasil e morrer pelas FFAA??!!

    Os comandantes militares seriam apenas generais da banda?
    Todos trajando suas fardas engomadas e cheias de alegorias, distintivos, bordados … mas não para combater e, sim, para frequentar Escolas de Samba!?

    Podem me prender, processar, fazerem o que quiser comigo, mas esse Exército de hoje É COVARDE, uma imagem grotesca daquele que servi meio século atrás!
    Ele é que deveria estar na linha de frente, agora;
    Seus veículos é que deveriam estar transportando comida e remédios;
    Os soldados é que deveriam estar protegendo os civis, e não o contrário!
    O efetivo militar é que deveria atender a camada mais pobre do país, isolar os mais idosos, alimentá-los e dar-lhes medicamentos!

    Que vergonha, eim “capitão”?!
    No que transformaste o Exército, junto com os teus generais, que são hoje enfeites de cristaleiras!
    E que declaração mais ridícula do comandante do Exército para a televisão, que fiasco!
    Todo empertigado, cara séria, dizendo que o povo poderia contar com o seu Exército …. como e quando, chefe?!

    Os bilhões que Bolsonaro determinou às pessoas da economia informal – 600,00 por mês -, levará milhões de pessoas de todas as idades para as agências da Caixa no país.
    Pensaram no que pode acontecer, se houver a transmissão do vírus entre elas?!
    Imaginaram, pelo menos, mesmo que de longe, as consequências??!!

    Quanto amadorismo, incompetência, demagogia … quanta covardia de nossas “autoridades”.
    Usando uma expressão militar e do meu tempo, bando de manicacas!!!

    “Alguns vão morrer, paciência”, é a frase mais ignóbil, hedionda, inaceitável e imperdoável que um mandatário poderia dizer!
    O presidente deveria dar o exemplo e morrer junto com essas pessoas, que seria o correto.
    E, ao seu lado, seus generais, evidentemente.

    Depois dessa frase tão infeliz quanto tem sido a sua atuação à testa desta republiqueta, joguei a toalha para Bolsonaro.
    Não tem cura, não tem remédio para tamanha imbecilidade e estupidez, despreparo e instabilidade emocional.

    Ah, se me derem um dos caminhões do Exército, um dos QTs como eram denominados no passado, posso dirigir sem problemas, mesmo que a caixa seja “seca”, isto é, sem sincronizado, que sei como trocar as marchas com muita propriedade e competência, que eu levaria alimentos e remédios para os locais mais ermos desse país.
    Uma vez que sou reservista, mesmo com os meus 70 anos, coloco-me à disposição do meu povo para ajudá-lo, em nome de um Exército do passado e não deste atual, omisso, irresponsável e covarde!

    Encontro-me à disposição para esta tarefa.
    Digo mais:
    Sei que eu encontraria neste blog mais pessoas que também seriam voluntárias para essa missão de homens, claro.

    • Caro amigo Bendl,
      Com relação ao Bolsonaro e Paulo Guedes, concordo inteiramente.
      O prefeito de Milão, no início da pandemia, convocou o povo a ir trabalhar, alegando que Milão não podia parar. Ontem o prefeito de Milão foi a televisão, com humildade pediu desculpas ao povo pelo erro que cometeu.
      Se os governadores , Ministro da Saúde, OMS e a equipe ligada a saúde seguisse os conselhos do Bolsonaro e liberasse geral, todos trabalhando como se nada houvesse, certamente o Covid-19 se espalharia rapidamente e considerando-se a deficiência dos órgãos público de saúde, seriam milhares de mortes, como vem acontecendo na Itália, Espanha e EUA. Evidentemente seria seria o caos e pior para a economia. Bolsonaro não enxerga um palmo adiante do nariz.
      Com relação às Forças Armadas, penso eu, só poderiam tomar certas decisões, com a convocação, o aval do Presidente da República.
      Essa conversa de isolamento vertical é uma falácia, onde os idosos ficam em casa e os mais jovens vão trabalhar, ou estudar. E, quando os jovens se contaminarem e voltar para casa junto aos pais e avós, não vão contamina-los?
      Um grande abraço, paciência e muita saúde.

  5. Souza POA/RS,

    Não fumo, conterrâneo, nunca fumei na vida!

    Mas, eu sabia que poderia contar com mais colegas para esta missão nobre, honrosa, necessária, e que requer voluntários que amem essa terra e o seu povo.

    Não mercenários e politiqueiros, falsos líderes e mal intencionados, porém gente que quer ajudar, contribuir, e não roubar, explorar e manipular o cidadão brasileiro.

    Já somos em dois, que significa o início de um serviço necessário e imprescindível.
    Que o Exército nos diga a guarnição que temos de nos dirigir para buscar os caminhões!

    Te cuida!

  6. O estúpido continua vomitando,158 países só Bolsonaro contra o isolamento e é contraditório o povo só quer trabalhar porque o governo náo faz a sua parte injetando dinheiro na mão da população.A Ìndia em apenas 36 horas colocou dinheiro na mão da população,Bolsonaro está jogando no caos .

  7. O Presidente falou no ano passado:

    “Brasil e EEUU acima de tudo. Brasil acima de todos”

    Os EEUU já estão em primeiro em número de casos, querendo se tornarem também em mortos.

    E para o Brasil não ficar para trás e ganhar logo posições, o Presidente Bolsonaro quer colocar todos os empregados de empresas em atividade enquanto (apenas) os patrões ficam em isolamento.

    Que o Congresso e o Judiciário façam sua parte e não tenhamos que desejar ou recomendar cuidado ao Presidente (a exemplo de Noblat) sobre eventualmente surgir um louco como Adélio.

    Que seja um Impeachment e ele afastado antes que uma m. aconteça…

  8. -Calma!
    -Já estamos quase em abril.

    -Além disso, com ou sem Bolsonaro irá morrer muita gente. A escolha, portanto, será entre muita gente ou muitíssima gente.

Deixe uma resposta para geraldo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *