Bolsonaro diz que pode vetar fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões que seus filhos 01 e 03 aprovaram

Jair Bolsonaro tentou culpar Ramos, que presidiu a sessão

Eduardo Rodrigues, Daniel Galvão, Marcelo Mota e Elizabeth Lopes
Terra/Estadão

O presidente Jair Bolsonaro sinalizou que pode vetar o fundo eleitoral de cerca de R$ 6 bilhões para as eleições 2022, aprovado nesta quinta-feira, 15, pelo Congresso Nacional, no âmbito da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). A afirmação foi feita na saída do Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, de onde recebeu alta médica na manhã deste domingo, 18, após estar internado desde quarta-feira, 14.

De acordo com Bolsonaro, o vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), atropelou a votação da LDO e não pôs em votação um destaque à redação da LDO que alteraria o texto para suprimir a previsão de reajuste do fundo eleitoral.

CASCA DE BANANA – “Então, num projeto enorme, alguém botou lá dentro essa casca de banana, essa jabuticaba. O Parlamento descobriu, foi tentando destacar para que a votação fosse nominal. Essa questão, o presidente Marcelo Ramos, do Amazonas… Pelo amor de Deus o Estado do Amazonas ter um parlamentar como esse, pelo amor de Deus”, afirmou.

No começo da tarde, o deputado Marcelo Ramos rebateu a acusação do presidente. Ramos presidiu a sessão que deu aval na LDO do próximo ano a um aumento de 185% em relação aos R$ 2 bilhões de dinheiro público destinados aos partidos nas disputas municipais do ano passado. É também mais que o triplo do que foi destinado às eleições de 2018, quando foi distribuído R$ 1,8 bilhão.

“Eu não tenho muito tempo para ficar batendo boca com o presidente (Bolsonaro) por conta dessas palavras que ele joga ao vento. Mas quero lembrar com muita serenidade ao presidente que quem encaminhou a LDO com previsão de Fundo Eleitoral para o Congresso foi o governo dele. E quem articulou a votação na CMO para definir o valor e quem articulou a votação em plenário foram os líderes do governo dele”, respondeu Marcelo Ramos.

EXPLICAÇÕES – Ramos explicou que a tentativa de barrar o Fundão Eleitoral teve o apoio de apenas cinco partidos. Cidadania, PSOL, Podemos e PSL foram os únicos a apoiarem uma mobilização feita pelo Novo, para rejeitar os R$ 5,7 bilhões. Como a votação deste destaque foi simbólica, não é possível saber exatamente como votou cada parlamentar em relação a esse tema, especificamente. disse Ramos.

A única votação nominal feita refere-se ao texto geral da LDO, que tratava de toda aplicação do dinheiro público, e não apenas de repasses para campanha. Marcelo Ramos disse que apenas presidiu a sessão e argumentou que não houve protestos sobre a condução das votações pelos líderes do governo e nem pelo filho do presidente, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

“Vale a pena lembrar que eu nem votei nessa matéria, porque só presidi a sessão. Quem votou a favor foram os filhos dele, tanto na Câmara (Eduardo) quanto no Senado (Flávio)”, acrescentou Ramos. “Ele (Bolsonaro) deveria é dizer que vai vetar, mas vai tentar arrumar alguém para responsabilizar, porque é típico dele e dos filhos correr das suas responsabilidades e obrigações”, completou o vice-presidente da Câmara, mencionando os indicadores negativos da covid-19 e as suspeitas de fraude na compra de vacinas.

14 thoughts on “Bolsonaro diz que pode vetar fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões que seus filhos 01 e 03 aprovaram

  1. Trecho de uma edição do “CNNNN”, um programa australiano dedicado a satirizar a mídia dos Estados Unidos, abordando a adesão acrítica dos cidadãos estadunidenses à retórica ufanista, belicista e pseudo-patriótica que caracterizou a “Guerra ao Terror”, empreendida pelo governo de George W. Bush.

    Para demonstrar o nível de fanatismo e despolitização em que estava submerso o estadunidense médio e a facilidade com que o governo conseguia manipulá-los, o apresentador Julian Morrow visitou o Texas e questionou aos entrevistados se eles apoiariam uma guerra contra o Quirguistão, alegando que o presidente Bush teria caracterizado a nação asiática como uma ameaça à paz mundial.

    A afirmação atribuída a Bush era falsa. Os entrevistados não conheciam o país, não sabiam indicar nenhum motivo concreto para justificar uma intervenção militar, nem sabiam apontar o que supostamente transformaria o Quirguistão em uma ameaça à segurança dos Estados Unidos. No entanto, todos os entrevistados afirmaram que apoiariam a invasão do Quirguistão, simplesmente porque o presidente dos Estados Unidos teria supostamente expressado tal desejo.

    https://www.facebook.com/pensarahistoria/posts/325884282571006

  2. Os mesmos fazendo as mesmas coisas! O Mito não manda nada, nem nos filhos. Já o deputado, pelo que li e ouvi, está equivocado ou querendo os “equivocar”: o PSL votou a favor da LDO, portanto, ajudou a aprovar o fundão, sim!
    O correto teria sido não votar a LDO agora – ainda teria muito tempo para o debate.
    É tudo sacanagem, malandragem, vigarice. E a maioria do povo é de babacas, temos de pagar!

    • PDT do Ciro Gomes, que já está gastando por conta do Fundo Partidário, contratando o João Santana, por R$ 250 mil, por mês, votou em peso no novo fundão eleitoral de quase ¨R$ 6 bilhões. Vítimas, reféns, súditos e escravos das ditaduras partidária, midiática, militar e econômica.

  3. Bela democracia, por fora bela viola por dentro pão bolorento. Nota zero em eficiência e nota dez em gastança, comilança e endividamento. Tem mais jeito não. Com a república dominada pela banda podre do conjunto da sociedade o Brasil e nós povo brasileiro estamos literalmente fo-di-dos, desbundados e sem futuro, no mato e sem cachorro, no ar, sem escada e com a broxa na mão. Que o diga o Jair, Rodrigues. https://www.youtube.com/watch?v=nML54SQfwc4 https://www.facebook.com/ad.alvarodias/photos/a.497477496976170/4495933650463848/

    • Mesmo que não houvesse retaliação ao eventual veto ele não faria pois é um corporativista desde sempre. Qualquer corporação que tenha uma boquinha ele estará defendendo! Cretino !!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *