Bolsonaro e Mandetta se reúnem em sinalização de trégua da crise política

Bolsonaro avalia gravar novo pronunciamento nesta quarta-feira

Naira Trindade
O Globo

Na primeira conversa a sós com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o uso de hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Segundo interlocutores do Palácio do Planalto, o presidente, que estaria de bom humor, repetiu a Mandetta nesta quarta-feira estar “certo” ao insistir para o uso do medicamento já que “dois médicos de São Paulo” teriam sido “curados” após tratamento com o remédio.

CASOS – Bolsonaro se referia ao cardiologista Roberto Kalil, do Sírio Libanês, que assumiu ter usado o medicamento para combater o novo coronavírus, e ao infectologista David Uip, coordenador do Centro de Contingência contra o Coronavírus em São Paulo, que não admitiu o uso da substância, mas teve divulgado seu receituário. David Uip promete processar quem divulgou informações pessoais.

Aliados de Bolsonaro afirmam que foi Mandetta quem pediu o encontro com o presidente, numa sinalização de trégua da crise política que enfrentam em meio à pandemia do novo coronavírus. O ministro da Saúde registrou o encontro em sua agenda pública do ministério antes mesmo de a Presidência da República confirmar que o encontro aconteceria.

EQUILÍBRIO – A aliados, Mandetta definiu como “tranquila” a reunião com Bolsonaro e afirmou que foi uma conversa para “buscar um equilíbrio” no governo e “ajustar a sintonia”. O primeiro encontro após Bolsonaro ameaçar demitir o ministro durou mais que os 30 minutos previstos.

O diálogo se entendeu por uma hora, invadindo as agendas seguintes. Ao final, Mandetta afirmou que vai “focar no trabalho” e que falará na coletiva da tarde sobre o cenário do novo coronavírus.

PRONUNCIAMENTOBolsonaro avalia gravar um novo pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão nesta quarta-feira, que poderá ser veiculado à noite. Segundo aliados do Palácio do Planalto, Bolsonaro quer passar uma mensagem de “equilíbrio” em relação às últimas crises políticas que o governo tem enfrentado. O vídeo ainda não foi gravado, e o texto ainda estaria sendo redigido.

No último pronunciamento, na semana passada, Bolsonaro baixou o tom sobre coronavírus e não pediu o fim do isolamento, como já tinha feito antes. Na semana passada, Bolsonaro classificou o novo coronavírus como “o maior desafio da nossa geração”.

“O Brasil avançou muito nesses 15 meses, mas agora estamos diante do maior desafio da nossa geração”, disse, referindo-se ao período do seu governo. Bolsonaro também pregou a “colaboração” e a “união” com todos, inclusive governadores, criticados por ele nas últimas semanas pelas medidas tomadas contra o coronavírus.

“Agradeço e reafirmo a importância da colaboração e a necessária união de todos num grande pacto pela preservação da vida e dos empregos: parlamento, judiciário, governadores, prefeitos e sociedade”, afirmou.

15 thoughts on “Bolsonaro e Mandetta se reúnem em sinalização de trégua da crise política

  1. O nível dos supostos jornalistas (que não passam de ativistas de boteco) é impressionante. Já se tornou uma questão patológica sem cura.

    Vejam o título da folha sobre a Dr. Nise:
    “Médica entusiasta da cloroquina contra Covid-19 já defendeu outras terapias sem evidências”

    Vejam de onde veio esta conclusão:
    “Não é de hoje que o entusiasmo da médica por tratamentos e condutas sem amparo na medicina baseada em evidência é criticado na comunidade médica.
    Na condição de anonimato, a Folha conversou com seis profissionais próximos à Yamaguchi.

    “Ela é bem-intencionada, mas não tem o discernimento necessário para uma pessoa ligada à ciência”, afirma um oncologista.

    Um outro médico reforça a mesma percepção. “Ela costuma vir com umas ideias e a gente pergunta: ‘de onde você tirou isso?’ Aí ela diz: ‘saiu um trabalho X’. Quando você vai ver, não tem evidência nenhuma”, diz.

    “Eu imagino que ela tenha boas intenções, mas é, cientificamente falando, despreparada”, afirma um outro colega que já dividiu mesas de debates com a médica.

    Satisfeito meritíssimo!
    Preciso sair para vomitar.

  2. É bem verdade, que alguns jornais estão se tornando meios de fofocas e deixando o que importa em segundo plano.

    A dra. pelo menos colocou a cara pra galera, dando seu posicionamento quanto ao uso da cloroquina.

    Porque a folha não faz o mesmo, informando quais médicos estão denegrindo a imagem da dra. Criticar no anonimato é covardia.

    Não é hora disso.

    • Que isso Tião Patético, não fala assim. A cloroquina não presta, é uma droga que o doido do Bolsonaro quer matar a população do Brasil. Viva o Ministro Mutreta! Patético, choveu e a graminha tá verdinha. Aproveitei e coloquei uma mortadela para vc matar as saudades do Luladrão.

  3. A Foia, o Grobo e o Istadão se transformaram, ou melhor assumiram a condição de gráfica de panfletos.

    Vejam aqui o que não publicam:

    ” O diretor-geral do Centro de Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês, Dr. Roberto Kalil Filho, admitiu na manhã desta quarta-feira (08), que tomou a hidroxicloroquina para se curar do coronavírus.

    Kalil estava com um quadro grave da doença, com a possibilidade de transferência para a UTI, apresentou melhora e deve ter alta ainda hoje.

    “A doença, 80% você nem sabe que tem. Para 15% será uma gripe, que passa ao ficar em casa. Os 5% que necessitam de hospitalização, são graves. Acho que vale a pena o uso [da hidroxicloroquina], sem dúvida nenhuma, não tenho medo de falar isso”, afirmou em entrevista para a Jovem Pan.”

    • O Sr. Uip receitou hidroxicloroquina 250 mg por 30 dias para ele mesmo. No dia 13 de março fez este pedido para uma farmácia de manipulação, segundo ele mesmo confirmou.
      Como ele foi internado no dia 23 provavelmente usou a hidroxicloroquina de forma preventiva, ambulatorial, tomando em casa quando começam os sintomas. Na verdade ele deve ter feito o teste e confirmou covid. Esta forma de prescrição é exatamente como recomendam os estudos positivos que ele nega as evidências na frente de seu chefe Dória.
      Na área médica o conceito do Sr. Uip desabou.

  4. Há especialistas para decidir essas questões médicas. O presidente deveria consultá-los. O achismo do presidente pode ser danosos na formação de opinião dos menos informados.
    Recentemente mostraram na TV brasileira uma cena real em que uma senhora, num carro e com crianças, se dirigia para a Igreja. Devido ao distanciamento físico recomendado, o reporter indagou se ela não via perigo em se juntar a outros na igreja. Resposta dela: não há perigo porque eu estou protegida pelo sangue de Cristo.
    É preciso levar em conta a ignorância e a segurança das pessoas ao difundir achismos.

  5. O herói da esquerdalha Ministro Mandetta Mutreta contrata sem licitação empresa que financiou sua campanha. Este é o protocolo Corona Mutreta. O cara quer fazer o pé de meia. kkkkkkkkkkkkkkk

  6. Chego a conclusão, são todos farinha do mesmo saco…

    Porque Mandetta, foi lá,falar com o Dr. Biruta.

    A troco de quê ???

    O Mandetta, além di meu ex.secretário saúde do Mato Grosso,onde responde uns processinhos,ainda mau deputado pois apresentou emendas retirando 16 milhões da saúde.

    É mal jogador di xadrez, literalmente foi baba ovo do Biruta.

    Resumo: Passado 24hs,o Biruta tá no jogo di novo…

    Viva os terraplanistas…

    k.barbaridade!!!!

  7. Jair Messias Bolsonaro
    12 h ·

    “- Há 40 dias venho falando do uso da Hidroxicloroquina no tratamento do COVID-19.

    – Sempre busquei tratar da vida das pessoas em 1° lugar, mas também se preocupando em preservar empregos.

    – Fiz, ao longo desse tempo, contato com dezenas médicos e alguns chefes de estados de outros países.

    – Cada vez mais o uso da Cloroquina se apresenta como algo eficaz.

    – Dois renomados médicos no Brasil se recusaram a divulgar o que os curou da COVID-19. Seriam questões políticas, já que um pertence a equipe do Governador de SP?

    – Acredito que eles falem brevemente, pois esse segredo não combina com o Juramento de Hipócrates que fizeram.

    – Que Deus ilumine esses dois profissionais, de modo que revelem para o mundo que existe um promissor remédio no Brasil.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *