Bolsonaro e os generais precisam implantar uma social-democracia no Brasil

Resultado de imagem para bolsonaro e os generais

Espera-se que cada um cumpra seu dever, diria Barroso

Carlos Newton

A vida é muito criativa e contraditória. O velho ditado “as aparências enganam” é amplamente confirmado na política brasileira, que é uma esculhambação infernal. Há uma bagunça implacável na eterna briga entre a direita e a esquerda, uma disputa grotescamente arcaica e que já deveria ter sido ultrapassado pelos tempos.

DEU ERRADO – Na minha desprezível opinião, o capitalismo realmente não deu certo em termos de justiça social, oportunidades iguais e meritocracia. Seus resultados são desumanos, abomináveis. Mas o comunismo também não deu certo, teve de sofrer uma injeção capitalista na China e lá só sobrevive por ser um regime ditatorial.

O que dá mais certo, ainda com muitas imperfeições, é a social-democracia praticada nos países mais desenvolvidos da Europa. E não se trata de uma mera tese, mas de uma rude constatação na base do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano(, que nem pode ser discutida.

MENOS FILHOS – O problema das democracias mais avançadas é o egoísmo humano. Para se beneficiarem de uma vida melhor, com mais prazer e menos responsabilidade, os casais têm apenas um filho, as famílias são reduzidas. O resultado desse comportamento egocêntrico é a redução do número de habitantes e o aumento da imigração de trabalhadores não-qualificados, porque não há quem faça os serviços mais subalternos. 

Não foi por caridade, bondade ou humanidade que a Alemanha aceitou receber 1,5 milhão de imigrantes em apenas um ano. Mas a chegada dos trabalhadores (operários e serviçais) estrangeiros bagunça a social-democracia, porque os europeus não se misturam com a gentalha, Surgem os guetos, o racismo e a separação social, como ocorre hoje em muitas grandes cidades, onde se formam os chamados bairros “no go”, nos quais nem a polícia consegue entrar, como ocorre nas favelas cariocas.

Em alguns desses guetos as leis e os juízes são islâmicos, sob a religião que ameaça dominar a Europa, porque seus adeptos não praticam planejamento familiar e logo serão majoritários per capita.

MISCIGENAÇÃO – Neste mundo enlouquecido, o Brasil desponta como a nação racialmente mais misturada do planeta, como Martinho da Vila cantou no samba-enredo Quatro Séculos de Modas e Costumes: “Negros, brancos, índios / Eis a miscigenação / ditando a moda / fixando os costumes / os rituais e a tradição”.

E depois essa miscigenação incluiu os europeus (alemães, italianos, espanhóis, poloneses, austríacos, turcos etc.) e os asiáticos (sírios, libaneses, japoneses, coreanos, chineses etc), um fenômeno somente registrado nos Estados, onde a miscigenação é bem menor.

Agora, com os militares no poder, teremos uma chance de evitar as distorções neoliberais das ditaduras financeiras e caminhar rumo a uma social-democracia de verdade. Para que isso ocorra, é simples – basta o governantes esquecerem as ideologias e apenas fazer a coisa certa.

###
P.S. –
 Se o governo Bolsonaro buscar realmente a coisa certa, logo sairemos da crise. Mas, se cair na armadilha do marketing neoliberal, entregando aos estrangeiros a exploração de nossas riquezas, o Brasil estará verdadeiramente liquidado.

P.S. Espera-se que os generais se lembrem do grande almirante Francisco Barroso: “O Brasil espera que cada um cumpra o seu dever”. Apenas isso. (C.N.)

21 thoughts on “Bolsonaro e os generais precisam implantar uma social-democracia no Brasil

  1. Muamar Kadafi, o ex-ditador que doou para a campanha petralha com provas robustas fornecidas por Antonio Palocci.

    Dever-se-ia escrever um artigo sobre a obrigatoriedade da justiça em cassar o Partido dos Trambiques imediatamente !!!

  2. Sr. Carlos Newton, a social-democracia foi o que presenciamos até o presente momento pós-redemocratização do país (PMDB, PSDB, PT).
    Parafraseando Roberto Campos: “o capitalismo de livre mercado nunca deu as caras por estas bandas”. O Brasil sempre experienciou um proto-capitalismo, um capitalismo de estado.
    O que as pessoas querem é liberdade, inclusive se libertar de um gigantesco parasita social, chamado estado, que nada produz, atuando simplesmente como confiscador da riqueza alheia. O estado é um excelente ladrão e um péssimo amo.
    Somente com a liberdade econômica, sairemos deste lamaçal.
    Liberdade econômica nada mais é do que cada indivíduo ter o controle e o domínio sobre seu próprio trabalho e propriedade. Numa sociedade livre, os indivíduos são livres para viver, trabalhar, produzir, consumir e investir da forma que desejarem. Nos países livres, existe menor interferência do governo no que se refere às relações de trabalho, às movimentações de capital e ao comércio. Existe um esforço para que o estado atue como garantidor da liberdade e dos contratos e não como controlador de empresas, trabalhadores e negócios.

    Existe uma relação direta entre a liberdade econômica e uma série de indicadores sociais e econômicos. Países livres costumam ter uma população mais saudável, ambientes mais limpos, maior riqueza per capita, maior desenvolvimento humano, menor grau de miséria. Maior grau de liberdade leva consequentemente a um maior grau de prosperidade.

    Existem 4 categorias principais para se medir o grau de liberdade econômica de um país:

    1- Estado de direito (direito de propriedade, integridade do governo e eficiência jurídica)
    2- Tamanho do governo (gastos governamentais, carga tributária, saúde fiscal)
    3- Eficiência regulatória (liberdade de negócios, de trabalho e monetária)
    4- Abertura do mercado (liberdade de comércio, de investimento e financeira)
    Quanto mais estes fatores são respeitados, melhor os agentes econômicos atuam e geram prosperidade.
    Consequentemente, os ricos ficam mais ricos (bilionários, trilionários), as pessoas de classe média ficam mais ricas (milionárias) e os pobres, se dispostos a trabalhar, conseguem, de maneira sustentável, ficar na classe média.
    A lógica é bastante simples: quanto mais dinheiro na mão das pessoas, menos dinheiro na mão do estado. Indivíduos ricos podem escolher o que consumir. A dependência estatal é gradativamente reduzida.

    Ranking de liberdade econômica:
    1- Hong Kong
    2- Singapura
    3- Nova Zelândia
    4- Suíça
    5- Austrália
    6- Irlanda
    7- Estônia
    8- Reino Unido
    9- Canadá
    10- Emirados Árabes Unidos
    11- Islândia
    12- Dinamarca
    13- Taiwan
    14- Luxemburgo
    15- Suécia
    O Brasil, ocupa, a gloriosa 153º colocação neste ranking elaborado com 180 países.

    Um abraço

      • Concordo, Sr. Carlos Newton, o capitalismo de compadrio nestas terras evoluiu ao ponto de políticos e grandes empresários confundirem público com privado. O povo brasileiro já não possui o mais alto padrão ético e moral, portanto com um estado controlador e regulador de tudo e de todos, inclusive dos órgão de controle dele mesmo (TCUs, STFs), a cleptocracia é o desfecho final de uma tragédia anunciada. Um abraço.

  3. “Ei vc aí, me dá mais dinheiro aí, me dá, me dá, me dá, não vai dar, não vai dar não, vc vai a grande confusão…” FALA SÉRIO, RENATO RUSSO, QUE PAÍS É ESTE ? Veja só a cara de bravo do novo ministro anticorrupção do Bolsonaro, mais um marajá do serviço público, mais um colecionador de soldos, salários e proventos$. E pensar que o coitado do meu finado e saudoso irmão, um super profissional da metalurgia, trabalhou a vida inteira desde garoto até morrer trabalhando, aposentado com apenas um salário mínimo. Bem diferente da situação do outro ai, só R$ 59 mil/mês ( 60 vezes mais que o meu irmão, super trabalhador), só R$ 26 mil acima do teto que é de R$ 33 mil. E daí, vai encarar ? Cuidado, hen meu, cala boca ai, hein, vc sabe com quem vc está falando, olha o tanque de guerra ai na porta de sua casa, hein ? Acorda gigante, bobão, e abra o teu olho. Esses tb, enquanto sócios-proprietários originais da república 171 dos me$mo$ tb não abrem mãos dos filés mas nem no pau, Juvenal, e o resto que se dane, que se virem com os ossos.” https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2018/noticias/2018/10/18/general-heleno-ministro-bolsonaro-supersalario-recursos-publicos.htm?fbclid=IwAR186EUOk-o5BHja3QhKAS1FEXFzRu3gJl1W7NJGmfdBvViUSHnFgOjKQVI

  4. “O que dá mais certo, ainda com muitas imperfeições, é a social-democracia praticada nos países mais desenvolvidos da Europa.”

    Espero que não, social democracia é o que temos ai, é uma esquerda moderada. Chega de esquerda, é hora do Brasil conhecer o capitalismo com seu livre mercado e prosperidade.

    E o fato dos paises europeus ter natalidade baixa já deve servir de alerta que a social democracia, mesmo sob base do livre mercado, impoe um grande custo as famílias que são obrigadas a pagar altos impostos para manter o governo e ainda são obrigadas entregar seus filhos a educação do governo.

  5. O comunismo é fodorento, assassino, burro, ineficiente. A experiência russa mostrou isso: Stalin assassinou milhões, a capacidade criativa russa só deu certo na criação de armamento.
    Os USA, ao contrário, inventaram quase tudo o que temos de moderno no mundo. Nem vou citar GPS, internet, iphone, TV, iPad, o estudo do genoma humano, o telefone, o gramofone. Só faltou aos americanos inventar o pão de queijo mineiro.

  6. Não, amigo. O Brasil precisa de se organizar e se planejar. Não há planejamento desde o regime militar, com Reis Veloso no Ministério do Desenvolvimento. E todos os planejamentos convergem para a social-democracia. O “laisser faire” do neoliberalismo nos levará à servidão. Certa vez, conversando com Delfim Netto na Câmara, eu lhe disse que havia economistas que defendiam o “laisser faire” e ele deu uma gargalhada, pensou que eu estava de brincadeira…
    Abs.

    CN

  7. “Para que uma economia que faz uso maciço de políticas assistencialistas continue crescendo, sua produtividade tem de ser muito alta. E para a produtividade ser alta, seu capital acumulado já tem de ser muito alto. Apenas um alto grau de capital acumulado pode permitir uma alta produtividade. Ou seja, o país tem de já ser muito rico para adotar uma social-democracia duradoura. (Por isso, a social-democracia no Brasil ainda é impossível.)”
    https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2548

  8. Todos querem viver em um país com mais segurança, mas o que define a popularidade de qualquer governo é a economia.

    O PT começou a cair em 2013 quando a crise econômica se agravou e perdeu apoio popular e político. Se o que aconteceu depois foi manipuladora é outra História.

    As medidas mais urgentes que o próximo governante deve tomar e que não conseguimos ainda prever precisam ser na área econômica, pois a situação social, o crescimento da violência é muito explosivo e atinge a toda a sociedade.

    O apoio popular que qualquer governante tenha será temporário se não houver a reativação da economia, não apenas através de estatísticas, mas principalmente com a geração de empregos.

  9. PS disse tudo, uma Nação de natureza rica, sem igual no Mundo, e seu povo na pobreza e miséria, 14 milhões de desempregados significa: 60 milhões na rua da amargura.
    Que Deus nos ajude, mas façamos nossa parte de Cidadania Consciente, lembrando que a: Cada um segundo suas Obras, e pagarás até o último ceitil, é Lei divina, nos informada a 2018 anos, constante no Código da Vida – O Evangelho de Jesus, o Cristo.

  10. Social-democracia só existe com pouco estado e muita empresa privada para empregar a população. Tem o nome de capitalismo sério ao contrário da social-democracia, que na verdade é um capitalismo capenga, para não falar coisa pior.

    Social-democracia como fé no misticismo ideológico não funciona: Getúlio implantou isso e agora estamos pagando um preço alto pelo que vc propõe agora CN.

  11. O crime praticado pelos presidentes que tivemos, a irresponsabilidade absoluta, foi o descaso pela educação do nosso povo!

    Uma grande parte dos problemas que temos advém dessa educação medíocre transmitida, principalmente o desprezo pelos professores e comprovado pelos salários ridículos, muito aquém da dignidade de um mestre.

    Em consequência, temos mão de obra em abundância, mas carente em qualidade, especialidade, falta de técnicos, e Ensinos deploráveis no Fundamental e Médio, os esteios de profissionais que se notabilizam pelas suas capacidades posteriormente.

    Dito isso, a social-democracia defendida pelo Newton, por mim, e por pessoas que querem um povo bem assistido na segurança, saúde e educação, esbarra em problemas graves no país, em face da estrutura montada por incompetentes e corruptos!

    A Escandinávia, que serve como exemplo de social-democracia perfeita ou quase, arrebanha do cidadão quase 60% de impostos do que ele ganha de salário!
    Em compensação, o Estado lhe oferece qualidade no serviço público porque administrado com rigor, honestidade e parcimônia.

    Ora, bolas, o que acontece conosco?
    Qual tem sido a nossa característica maior nos últimos trinta anos?
    Isso mesmo, a corrupção, o roubo, a exploração do cidadão!

    Quanto menos estudos o povo tiver, torna-se mais fácil manipulá-lo, conduzi-lo, dar-lhe um benefício do Estado e deixá-lo contente!

    Não há como implantarmos uma aparência que fosse de social-democracia porque o trabalhador não ganha o suficiente para ter descontados do seu salário os impostos cobrados na Escandinávia.

    Muito menos temos a qualidade de serviços que lá existe, tanto nos professores, quanto nas instalações escolares, com bibliotecas, refeitórios, médicos, psicólogos, dentistas, áreas de lazer, de esportes, e até de descanso!

    Para nos aproximarmos da Escandinávia somente na Educação, Bolsonaro precisaria de vinte anos, e passando a construir CIEPS imediatamente, ao mesmo tempo que reajustaria os salários dos professores em dobro, e mantidos pelo governo federal!

    Saúde, segurança e educação não podiam ser estaduais ou municipais, porém federais, de obrigação do governo central!

    Ora, como exigir uma escola de qualidade, de professores dedicados, se percebem salários humilhantes, atrasados e sem reajuste há cinco anos!!!???

    Quanto mais discutir com essa sociedade de incultos e incautos, analfabetos absolutos e funcionais, a social-democracia!

  12. Se cairmos neste papo furado de social-democracia vamos voltar ao tempo do FHC, estabilizou a inflação e ficou só nisto. A social-democracia já deu o que tinha que dar na Europa, este sistema não se sustenta no tempo. O verdadeiro crescimento econômico só se dá com o capitalismo, com a abertura do mercado interno ao Exterior, à concorrência e livres de tantas travas que, só são boas para os donos dos monopólios que hoje ainda existem entre nós.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *