Bolsonaro escanteia Mourão, que não é mais convidado para reuniões ministeriais

O vice-presidente Hamilton Mourão em imagem do dia 7 de junho, durante chegada ao Palácio do Planalto — Foto: Guilherme Mazui/G1

“Sinto falta”, diz Mourão, mas o rompimento é definitivo

Guilherme Mazui
G1 — Brasília

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou nesta terça-feira (15) que sente “falta” de ser convidado para participar das reuniões de trabalho do presidente Jair Bolsonaro com os ministros do governo federal.

Bolsonaro se reuniu pela manhã com ministros para discutir ações do governo, compromisso que não constava na agenda do presidente. Ao chegar ao seu gabinete, Mourão foi perguntado por jornalistas se havia sido chamado para o encontro. “Não, não fui convidado”, respondeu o vice.

“SIM, SINTO FALTA” – Indagado se sente falta de participar das reuniões, o que ocorria nos dois primeiros anos do governo, Mourão admitiu que sim, e alegou que fica sem saber o que acontece na administração de Bolsonaro.

“Sim, sinto falta. Sinto falta. A gente fica sem saber o que está acontecendo”, disse. “É importante que a gente saiba o que está acontecendo, né? Paciência, né? C’est la vie [é a vida], como dizem os franceses”, acrescentou.

Desde o início do ano Mourão tem sido excluído das reuniões de Bolsonaro com ministros. O presidente evita convocar reuniões do chamado conselho de governo, que inclui o vice, e realiza encontros com seu time ministerial, que não são incluídos na previsão de agenda divulgada pelo Palácio do Planalto.

FOI ESCANTEADO – Em fevereiro, Mourão comentou sua exclusão das reuniões e disse à época que não estava incomodado com a situação. “Não fui convidado. Não fui chamado. Então, acredito que o presidente julgou que era desnecessária minha presença. Só isso”, disse o vice na oportunidade.

Bolsonaro e aliados criticam desde 2019 o hábito do vice de conceder entrevistas à imprensa. A relação presidente e vice piorou no início do ano, depois do vazamento de mensagens de um assessor de Mourão, que mencionava a possibilidade de o chefe assumir o governo.

Mourão tem repetido em entrevistas que, apesar de não ter discutido o assunto com Bolsonaro, sente que não será o candidato a vice-presidente na chapa de reeleição. Ele avalia concorrer ao Senado pelo Rio Grande do Sul.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Se tiver um pingo de juízo, Mourão será candidato a deputado federal e pode contar que já está eleito. Para senador, será uma vaga só, a barra é muito mais pesada e Mourão pode pagar o mesmo mico da presidenta ou presidanta Dilma Rousseff. A vida é assim – vivendo e aprendendo. Ou, como cantava Elis Regina, “vivendo e aprendendo a jogar”, na genial canção de Guilherme Arantes. (C.N.)

6 thoughts on “Bolsonaro escanteia Mourão, que não é mais convidado para reuniões ministeriais

  1. REAÇÃO É UM DIREITO NATURAL CONTRA TODA FORMA DE AGRESSÃO. Impor nomes tendo em vista a próxima eleição presidencial como tem feito a mídia em parceria com os seus partidos e políticos de estimação, inclusive com as suas pesquisas pra lá de questionáveis, com o intuito de impedir o surgimento da Nova Política de Verdade, do projeto novo e alternativo de política e de nação, antissistema, contrário ao continuísmo da ditadura dos me$mo$, é interditar a liberdade de expressão política e o debate político profundo que se faz necessário no Brasil, há mais de 50 anos, muito além do continuísmo da mesmice dos me$mo$ que nos conduziram ao estado de coisa$ e coiso$ que ai estão, com prazo de validade vencido há muito tempo, é impedir que o Brasil e o povo brasileiro se libertem do velho e famigerado FEBEAPÁ (Festival de Besteiras que Assolam o País), detectado há mais de 50 anos pelo saudoso Sérgio Stanislaw Pontepreta Porto. É manter o conjunto da população na confusão, na desinformação, sem saber sequer o que de fato a própria mídia que censura, cancela, obstrui, desinforma e exclui, entende por democracia, por liberdade de expressão, por estado democrático de direito e por nazifascismo… https://tvefamosos.uol.com.br/noticias/redacao/2021/06/16/a-bial-luciano-huck-revela-voto-em-2018-e-comenta-cenario-para-2022.htm?fbclid=IwAR2xhNtrhb1ZVHPO8_A8cqHz5LzOZKPAdPaf5hAFH464zCRDpaxnOVkwhm4

  2. Ai,ai, ai gente!

    Quem ainda acredita nestas plantações agrojornalísticas?

    NARRATIVA: “Bolsonaro humilha Mourão/Exército”

    ——————————————–

    REALIDADE: Bolsonaro e Mourão são feitos do mesmo estrume. O Exército é CÚMPLICE, e não vítima de Bolsonaro

  3. “O pior inimigo é o ex-amigo”. Ele sabe muitas peculiaridades, inclusive, os calcanhares de Aquiles do seu par amistoso. Parece que, para Bolsonaro, essa ruptura nada vale: ele acha que pode encabrestar a todos, estejam longe ou perto, bajulador ou infenso.
    Enfim, o sonho de todo machista é ter uma “Amélia” como esposa; o desejo de todo titular déspota é ter um Vice cego, surdo e mudo!

  4. 1) Concordo plenamente com o CN, no comentário do blog e aqui um belo ensinamento da Filosofia Chinesa, livro I Ching: “Os pássaros quando voam muito alto o seu canto é desafinado”.

    2) Dilma hoje poderia ser deputada federal, mas não viu a realidade…

    3) Exemplo de humildade política veio da Argentina, com a vice-presidenta Cristina Kirchner.

Deixe um comentário para Roberto Marques Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *