Bolsonaro extingue mais de 14 mil cargos públicos federais e proíbe concursos

Resultado de imagem para corte chargesDeu no Correio Braziliense

O presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto que extingue 14.227 cargos efetivos vagos e que vierem a vagar dos quadros de pessoal da administração pública federal. O ato também proíbe a abertura de concurso público e o provimento de vagas adicionais.

No grupo de cargos vagos e que vierem a vagar, serão extintos 9.742 deles, em áreas como Previdência, Saúde, Trabalho, Meio Ambiente, Cultura, Educação, Polícia Rodoviária Federal, Seguro Social,  Polícia Federal e Fazenda.

EXTINTOS E VAGOS – Entre os cargos extintos estão os de auxiliar de laboratório, cartógrafo, desenhista, guarda de endemias, laboratorista, microscopista e técnico em cartografia.

Já no rol exclusivo dos cargos vagos, serão extintos 4.485, em setores como Saúde, Forças Armadas, Infraestrutura e Advocacia-Geral da União. Entre os cargos estão os de auxiliar de higiene dental, técnico de laboratório, auxiliar institucional, técnico federal de finanças e controle, fotógrafo, assistente de laboratório e assistente social.

DATA FATAL – Quanto à extinção de cargos, os efeitos do decreto passarão a valer no dia 26 de fevereiro de 2020.

Ainda conforme o ato presidencial, não serão realizados concursos públicos para o Plano de Carreiras dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação (PCCTAE). Entre os cargos estão os de assistente de direção e produção, confeccionador de instrumentos musicais, editor de imagens, instrumentador cirúrgico, mestre de edificações e infraestrutura e revisor de texto em braille.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Uma providência acertadíssima do governo Bolsonaro, no tocante a tirar o Estado das costas do povo, no bom sentido. Mas esta é apenas uma parte da questão. O problema principal continua intocável – são os altos salários, os penduricalhos, as mordomias, os cartões corporativos, que o ministério da Economia nem sonha (?) em reduzir. A nomenklatura é forte e resistente. E a desigualdade social segue se ampliando, como se fosse a Hidra de Lerna, que tinha corpo de dragão e várias cabeças de serpente. (C.N.)

8 thoughts on “Bolsonaro extingue mais de 14 mil cargos públicos federais e proíbe concursos

  1. 1) Jornais especializados em concursos públicos terão que mudar a linha editorial.

    2) Cursinhos preparatórios idem…

    3) Concurseiros que votaram no atual presidente devem estar arrependidos.

    4) Observo, quem apoia o Planalto e Ministros são os militares, seus familiares e evangélicos, por isso eles estão com boa aprovação.

  2. E quanto a nomear funcionários fantasmas continuamos na mesma, ne?

    Continua valendo nomear personal que trabalha no RJ de segunda-feira à sexta-feira e que é assessora em Brasília, pasmem, também, de segunda-feira à sexta-feira?

  3. “Há no rol exclusivo dos cargos vagos, serão extintos 4.485, em setores como Saúde, Forças Armadas, Infraestrutura e Advocacia-Geral da União. Entre os cargos estão os de auxiliar de higiene dental, técnico de laboratório, auxiliar institucional, técnico federal de finanças e controle, fotógrafo, assistente de laboratório e assistente social.”

    -Pela lista, serão atingidos apenas os barnabés do Poder Executivo. Os grandes parasitas dos Poderes Legislativos e Judiciário, aparentemente, ficarão do lado de dentro do corte e do lado de dentro da farra.
    MAS… já é um bom começo. O ruim seria se fosse ao contrário, como nos governos anteriores!

    “Sob pressão do PMDB com promessa de reduzir ministérios, Dilma criou 456 cargos do tipo desde o começo do governo; Lula criou 3.496 e FHC, 767.”

    Fonte: Último Segundo – iG @ https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2015-03-27/governos-petistas-criaram-45-mil-cargos-comissionados-no-governo-federal.html

    “Em maio e junho, meses críticos para o governo Temer, surgiram 663 cargos de Diretoria e Assessoramento Superiores (DAS) e Funções Comissionadas do Poder Executivo (FCPE), muito cobiçados na administração pública, com salários de até R$ 15,5 mil.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *