Bolsonaro, generais do governo e Pazuello dizem que ato não foi político e não cabe punição

Charge do Duke (domtotal.com)

Vinicius Sassine e Daniel Carvalho
Folha

Militares que integram o governo de Jair Bolsonaro passaram a enxergar uma possibilidade de o general Eduardo Pazuello não ser punido pelo Exército, a partir de uma interpretação do regulamento disciplinar da Força: a manifestação do ex-ministro da Saúde no último domingo (23) não teria sido sobre assunto de natureza político-partidária, o que livraria de punição o general da ativa.

Na defesa formulada, como resposta ao procedimento aberto pelo Exército, Pazuello adotou a mesma linha, segundo interlocutores do ex-ministro. O ato do qual participou não teria sido político-partidário, segundo ele. O prazo para a apresentação da defesa se encerrou nesta quinta-feira (27).

O MESMO TOM – Bolsonaro, em sua live semanal desta quinta, adotou o mesmo tom. Disse que o ato com motociclistas no Rio de Janeiro não teve viés político pelo fato de ele não estar filiado a nenhuma legenda. Ele prevê ato semelhante em Porto Alegre ou Belo Horizonte em junho.

“É um encontro que não teve nenhum viés político, até porque eu não estou filiado a partido político nenhum ainda. Foi um movimento pela liberdade, pela democracia e apoio ao presidente”, afirmou Bolsonaro.

A tese de que não teria ocorrido uma transgressão disciplinar pode não encontrar respaldo junto ao comandante do Exército. Após o episódio, em conversas com colegas de farda e de patente, o general Paulo Sérgio Oliveira manifestou incômodo, inconformismo e insatisfação com o gesto de Pazuello.

GRAVIDADE DO EPISÓDIO – O fato de o comandante ter entregue o formulário para que o ex-ministro escreva sua defesa já foi um gesto que denota a gravidade do episódio e que assim foi compreendido pelo comandante, segundo generais que conversaram com ele nos dias posteriores à manifestação de domingo.

Esses generais temem uma cisão irreversível entre o comandante e o presidente da República, que é o comandante supremo das Forças Armadas.

O temor é o de que, diante de uma punição, Bolsonaro decida contestar o ato administrativo, o que elevaria a crise a outro patamar.

TRANSGRESSÃO DISCIPLINAR – Integrantes do Alto Comando do Exército consideraram descabida a participação de Pazuello na manifestação política no Rio, dizem ver com clareza a ocorrência de transgressão disciplinar e pressionam tanto pela punição quanto pela transferência do ex-ministro para a reserva.

Essa transferência, porém, só poderia partir de Pazuello, que já manifestou nas conversas com generais do Alto Comando não ter intenção de deixar a ativa. Ele teme a CPI da Covid no Senado.

O ex-ministro foi reconvocado para depor na comissão. Como general da ativa, Pazuello entende que consegue enfrentar melhor a pressão dos senadores de oposição e independentes, que são maioria no colegiado.

2 thoughts on “Bolsonaro, generais do governo e Pazuello dizem que ato não foi político e não cabe punição

  1. Onde chegou o generalato brasileiro, se considerarmos a conduta de Pazuello e de outros sem vergonhas da mesma.espécie.

    São pessoas despossuidas de ideais morais e que deveriam estar dependendo a honra do Brasil, em quaisquer circunstâncias.

    Imaginem este general em uma guerra bélica, o que faria para nós defender? NADA.

    Se age assim em tempos de paz, na guerra estaria todo cágado ou cagado mesmo.

    Triste o quadro político militar do Brasil.

    Nosso país não merece esses merdas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *