Bolsonaro inova como governante e ameaça ir à justiça para reduzir preços da gasolina e do diesel

Charge do Cacinho

Pedro do Coutto

Numa reportagem excepcional, Alice Cravo, Gabriel Shinohara, Geralda Doca, Eliane Oliveira e Bruno Rosa, O Globo desta sexta-feira, com base em vídeo que o próprio Jair Bolsonaro colocou nas redes sociais, revela que o presidente da República afirmou que pode recorrer à justiça para reduzir os preços do óleo diesel e da gasolina.

A declaração é desconcertante, uma vez que Bolsonaro é simplesmente o presidente do país a quem cabe nomear os ministros e à Presidência das estatais, como é o caso da Petrobras. Na minha impressão, Jair Bolsonaro bateu o recorde mundial de atitude política mal adotada pelo chefe do Executivo.

DERROTA PRÉVIA – A matéria assinala que Bolsonaro afirmou: “esperamos redução de preço. Vamos ter que recorrer à justiça. Sabemos que quando eu recorro é quase impossível ganhar quando as matérias são colocadas em votação”. Portanto, Bolsonaro referia-se ao Supremo Tribunal Federal. Citou, inclusive, a decisão recente do ministro Alexandre de Moraes a respeito da redução de impostos sobre os produtos industrializados.

O vídeo gravado e divulgado pelo Planalto revela duas coisas, a meu ver. Primeiro, que a questão do preço do petróleo não acabou. Sobretudo porque na edição da Folha de S. Paulo de quinta-feira, Julio Wiziack, Idiana Tomazelli, e Matheus Teixeira publicaram que pesquisa do Datafolha mostrou que 68% da opinião pública consideram Bolsonaro responsável pela alta da inflação que vem sendo impulsionada basicamente pelo aumento dos combustíveis e pela energia elétrica.

O Datafolha também revelou, desta vez com base em pesquisa encomendada pela XP, que 83% dos eleitores e eleitoras querem votar em um candidato mais intervencionista na Petrobras. Para mim, inclusive com base no recurso de Bolsonaro na Justiça, os fatos comprovam que Adolfo Sachsida durará muito poucos dias à frente do Ministério de Minas e Energia.

POLÍTICA DE PREÇOS – Além disso, Bolsonaro, certamente contrariando Paulo Guedes, pretende acionar o Conselho Administrativo de Defesa Econômica no sentido de mudar a política de preços da Petrobras. O Brasil é autossuficiente em petróleo, inclusive exportador de óleo bruto e importador de gasolina, diesel e gás encanado.

As oscilações do dólar e do mercado internacional do petróleo tanto podem aumentar as despesas com as importações, quanto aumentar as receitas com as exportações. Assim, o câmbio do mercado internacional pesaria nos dois sentidos e não apenas em um, que é o da importação da gasolina e do diesel.

LICENÇA-MATERNIDADE – Acentuei que o ministro Adolfo Sachsida vai durar pouco no cargo. Ele provocou uma tempestade em seu discurso recente e também já se manifestou contrariamente à licença-maternidade de seis meses. Gravou vídeo, está na internet.

Além disso, defendeu salários menores para as mulheres do que os pagos aos homens, porque as mulheres “faltam mais ao trabalho para irem ao médico”. E que, com a licença-maternidade de seis meses, os empresários não promovem as mulheres no trabalho. Um absurdo total que pode se transformar em um problema eleitoral para Bolsonaro quando a posição for mais intensamente veiculada nas mídias.

REAJUSTE –  O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, propôs ao governo um reajuste de 22% aos servidores da instituição, conforme revela a reportagem de Gabriel Shinohara e Geralda Doca.

Mas, diante da relação, sobretudo do mercado financeiro, que passou a temer igual reposição a seus empregados, Campos Neto recuou aparentemente em meio à greve parcial da equipe do Bacen. O governo, entretanto, frisou que está estudando o reajuste de 5%, mas que pode se tornar um pouco maior.

CRIPTOMOEDAS  –  Letícia Cardoso, O Globo de ontem, com base em informações do site Bloomberg, de Nova York, em reportagem de grande destaque, assinala que o mercado de criptomoedas entrou em crise, sobretudo em função da elevação dos juros nos Estados Unidos. Nos últimos dois dias, investidores desse sistema perderam US$ 260 bilhões.

É o tal negócio, digo, em matéria de dinheiro e economia ninguém cria uma onda de vento. É preciso ter base concreta e não se estruturar em especulações.

NOVAS MUDANÇAS – Na live semanal de quinta-feira, Bolsonaro afirmou que pode fazer novas mudanças de pessoas na Petrobras. Não citou expressamente o nome da estatal, mas assinalou : “a empresa precisa entender o seu papel”, e a forma disso ocorrer seria por meio de trocas como as feitas por ele no comando do Ministério de Energia.

As afirmações devem ser adicionadas à matéria de abertura da minha coluna de hoje. Os dois blocos têm em comum singularidades inéditas na administração política brasileira e creio também que na política mundial.

HADDAD NA FRENTE – O Instituto Quest divulgou no final da tarde de quinta-feira, e a Folha de S. Paulo publicou ontem, resultado de pesquisa realizada para o governo de São Paulo também sobre a eleição de 2 de outubro. Fernando Haddad lidera com 30% das intenções de voto , seguido por Márcio França com 17%, Tarcisio de Freitas com 10%, e o atual governador Rodrigo Garcia com 5 pontos.

Haddad também lidera na hipótese de um segundo turno. Ele alcança 38% contra 32% de Márcio França. Contra Tarcisio de Freitas, ele teria 45% contra 23% do candidato de Bolsonaro. O Tribunal Superior Eleitoral está realizando uma consulta sobre a hipótese de uma coligação que apoia um candidato à Presidência poder ter ou não dois candidatos ao Senado Federal. É importante a consulta.

Os integrantes de coligações são uma espécie de sublegendas de antigamente. Não creio que haja nada na legislação que impeça a duplicidade de candidatura ao Senado.

8 thoughts on “Bolsonaro inova como governante e ameaça ir à justiça para reduzir preços da gasolina e do diesel

  1. Concordo com salários menos pasta mulheres mas não porque terem licença maternidade de 6 meses – pois o Judiciário tem decidido que homens também podem em situações de somente restarem eles (exemplo eventual falecimento da mulher pós parto ou gestação em barriga de aluguel) mas sim pelo fato de terem o direito de se aposentarem 5 anos mais cedo…

  2. Concordo com salários menores para as mulheres mas não porque terem licença maternidade de 6 meses – pois o Judiciário tem decidido que homens também podem em situações de somente restarem eles (exemplo eventual falecimento da mulher pós parto ou gestação em barriga de aluguel) mas sim pelo fato de terem o direito de se aposentarem 5 anos mais cedo…

    • Hoje nos gabibetes onde saem decisões do Judiciário já se fala que direito de licença maternidade é direito da criança, portando, falecendo a mãe ou sendo gestação de “aluguel” e sendo homem o responsável, poderá ter dos mesmos 6 meses com a criança.
      * e há quem critique o Judiciário mesmo esse Poder tendo importante papel no reconhecimento de direitos não expressamente previstos em lei.

  3. lula vem logo / muda o brasil . traz o poder de compra do salario mínimo . vem lula , vem lula ,vem lula . lula guerreiro do povo brasileiro , lula guerreiro do povo brasileiro . companheiros e companheiras o lula tá chegando para mudar o brasil para melhor .

  4. Boa tarde, leitores(as):

    Senhor Pedro do Coutto , acho que o Presidente Jair Bolsonaro não tem um mínimo de ” SENSO DE RIDÍCULO ” , pois como recorrer á justiça numa causa que compete , tão somente á ele resolver , que até hoje não o fez , por omissão , conivência ou pura e simplesmente ” MÁ-FÉ ” , para engabelar o povo , fingindo preocupação com a questão , petróleo e seus derivados , que estão asfixiando econômica e financeiramente o povo Brasileiro , empobrecendo-o ainda mais , sem um solução á vista .

Deixe um comentário para jose+carlos+cabral Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.