Bolsonaro insiste em dizer que Salles pediu para sair, mas fica difícil de acreditar

Bolsonaro diz não saber o motivo da demissão do ministro

Ingrid Soares
Correio Braziliense

O presidente Jair Bolsonaro preferiu não estender comentários sobre a exoneração do ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles na tarde desta quarta-feira (23/06). O chefe de governo foi questionado por um apoiador na entrada do Palácio da Alvorada, mas rebateu: “Não tem declaração. Ele pediu para sair. Ele pediu para sair, então ele que tem que falar por quê”.

Perguntado sobre como foi o dia, Bolsonaro respondeu: “Nem sei. Às vezes é apagando incêndio”. A saída de Salles foi publicada em um edição extra do Diário Oficial da União (DOU). Segundo o documento, a demissão foi a pedido próprio. Quem assume seu lugar no comando da pasta é Joaquim Álvaro Pereira Leite.

SALLES SE DEFENDE – Em coletiva no Palácio do Planalto, o ministro pontuou que, apesar de ter o trabalho contestado nos dois anos e meio que esteve no governo, jamais feriu os princípios constitucionais. “(É) Uma tentativa de dar a essas medidas um caráter de desrespeito à legislação, de desrespeito à Constituição, o que não é absolutamente verdade”, ressaltou Ricardo Salles, ao se referir às críticas.

O ex-ministro justificou que a proteção ao setor produtivo e à propriedade privada têm sido “vilipendiadas” ao longo de muitos anos no país. E afirmou que a agenda nacional precisa ter uma união forte de interesses, anseios e esforços.

Na terça-feira (22), Bolsonaro tinha parabenizado o então ministro publicamente pelo serviço que ele vinha prestando frente à pasta e, indiretamente, lamentou decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que autorizou que o então ministro fosse investigado. O mandatário chegou a sinalizar ainda que, às vezes, a herança de se comandar um ministério é uma “penca de processos”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Bolsonaro teve de demitir Salles, porque a situação estava se complicando e a pressão dos generais do Planalto era enorme e uníssona. O argumento final e definitivo foi de que as Forças Armadas estão contra Salles, e Bolsonaro não quer o menor atrito com os militares, muito pelo contrário. Então, o presidente sugeriu que o ministro se exonerasse, para não pegar mal, porque ele agora perde o foro especial no Supremo. Foi tudo combinado, porque no mesmo ato Bolsonaro nomeou logo o substituto, que é uma cópia de Salles, conforme já relatamos aqui na TI. Em tradução simultânea, ruralistas, madeireiros e garimpeiros continuam no poder. (C.N.)

6 thoughts on “Bolsonaro insiste em dizer que Salles pediu para sair, mas fica difícil de acreditar

  1. Lula tem 49%, Bolsonaro, 23%, Ciro, 7%, Doria, 5% e Mandetta, 3% no 1º turno, aponta pesquisa Ipec
    Levantamento do Ipec levou em consideração 5 pré-candidatos e ouviu 2.002 pessoas em 141 municípios entre 17 e 21 de junho. A margem de erro é de 2 pontos para mais ou para menos.
    Por G1

    https://g1.globo.com/politica/noticia/2021/06/25/lula-tem-49percent-bolsonaro-23percent-ciro-7percent-doria-5percent-e-mandetta-3percent-no-1o-turno-aponta-pesquis

    • Brizola tinha 2% em 1982 na corrida eleitoral para a governadoria do estado do Rio de Janeiro e venceu os candidatos concorrentes que estavam muito à frente, e acabou vencendo.

      Hoje, Simone Tebet ainda não é candidata como o zé quer nada Luiz Inácio que não faz outra coisa a não ser vagabundear com o dinheiro do povo que paga altos impostos para prover o bom vivant de regalias de ir para o exterior mesmo condenado em terceira instância.

      A vida pública brasileira está recheada de vampiros que a exemplo de Bolsonaro e Luiz Inácio vivem pensando no poder para continuarem não tendo o que fazer.

Deixe um comentário para Espectro Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *