Bolsonaro mandou o caso Covaxin ser “investigado” pelos maiores suspeitos, diz líder

Charge do Sponholz (sponholz.arq.br)

André de Souza
O Globo

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), contestou nesta terça-feira na CPI da Covid a apresentação de uma notícia crime no Supremo Tribunal Federal em que três senadores apontam a ocorrência do crime de prevaricação pelo presidente Jair Bolsonaro. Em 20 de março, Bolsonaro recebeu denúncias de irregularidades na compra da vacina Covaxin, do laboratório indiano Bharat Biotech, e, segundo a oposição, não teria tomado as providências necessárias para investigar.

O líder do governo sustentou o contrário. Disse que o presidente conversou com o então ministro da Saúde Eduardo Pazuello em 22 de março mandando apurar o caso, o que teria sido feito pelo então secretário-executivo da pasta, Elcio  Franco.

O MAIOR SUSPEITO – Secretaria Executiva comandada por Elcio era justamente o órgão responsável pelo processo de negociação das vacinas. Assim, a investigação ficou a cargo de quem cuidava da contratação sob suspeita. Mas, segundo Fernando Bezerra, Elcio era a pessoa mais adequada para fazer essa apuração.

— Compete destacar que o secretário-executivo foi responsável pela negociação, contratação e aquisição até 20 de março de 21 de todas as vacinas pelo Ministério da Saúde. Por isso, o agente público com maior expertise para apreciar eventual não conformidade contratual quanto às vacinas era o secretário-executivo. Após a devida conferência, foi verificado que não existiram irregularidades contratuais, conforme já previamente manifestado inclusive pela consultoria jurídica do Ministério da Saúde. Ressalte-se que é prerrogativa legal da administração pública realizar a averiguação prévia de seus atos, sem encaminhar para as instâncias investigativas — disse o líder do governo no Senado.

Na semana passada, Elcio fez um pronunciamento para rebater suspeitas sobre a compra da Covaxin, mas em nenhum momento mencionou ter recebido em março orientação para apurar possíveis irregularidades.

DENÚNCIA DOS IRMÃOS – O servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, que prestou depoimento na CPI da Covid na semana passada, relatou que sofreu pressão pela liberação da importação da Covaxin. Diante disso, ele entrou em contato com seu irmão, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), que o levou a um encontro com Bolsonaro em 20 de março.

Segundo os irmãos, Bolsonaro citou o nome do líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), que foi ministro da Saúde entre 2016 e 2018, durante o governo do ex-presidente Michel Temer. Na época, a pasta pagou R$ 19,9 milhões antecipadamente à empresa Global, empresa sócia da Precisa, representante da Covaxin, mas não recebeu os remédios comprados.

— Diante do relatado pelo deputado federal Luis Miranda, o presidente da República entrou em contato com o então ministro da Saúde Eduardo Pazuello em 22 de março de 21, segunda-feira, a fim de realizar uma apuração preliminar acerca dos fatos relatados. Ato contínuo, após a ordem do presidente da República, o ministro determinou que o então secretário-executivo Elcio Franco realizasse uma verificação prévia dos indícios de irregularidades, ilicitudes apontados — disse Fernando Bezerra Coelho na CPI.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Fernando Bezerra, um líder suspeitíssimo, que responde a vários processos, foi dar uma de advogado de defesa e complicou ainda mais a situação, ao dizer que Bolsonaro entregou a investigação justamente ao principal suspeito da corrupção, que nas Forças Armadas é sempre um oficial da Intendência, como o general Eduardo Pazuello ou o coronel Elcio Franco. Aos irmãos Miranda, que fizeram a corajosa denúncia, Bolsonaro disse que ia enviar a caso à Polícia Federal, mas agora sabe-se que não o fez e ficou satisfeito com a alegação fajuta do coronel da Logística, preposto do general da Logística. (C.N.)

7 thoughts on “Bolsonaro mandou o caso Covaxin ser “investigado” pelos maiores suspeitos, diz líder

      • Eu não entendo suas ironias.
        Você está falando da vacina chinesa?
        Ela custou caro, e não serve como imunizante para quem quer emigrar para outros continentes?

        • Amigo, não é ironia nenhuma.
          Só presta a mais cara, mesmo que a vacina seja uma merd…
          O povo que se lasque !
          Daqui a pouco vão aplicar na gente água do esgoto a 100 dólares a dose.
          Será que o Sr. não está entendendo está sacanagem toda?
          Não é possível!!!

          Atenciosamente.
          JL

  1. O BOÇAL convoca a quadrilha para averiguar o roubo. Fantástico ! Isso faz dele um MEMBRO DA QUADRILHA !!! Não me surpreendeu nem um pouco. Esse moleque, eleito pelo PT e por uma facada (pobrezinho do rapaz) dada por um criminoso tão inexperiente que nem pontaria boa tem, sobreviveu para ser eleito o “presidente” mais idiota que o país já teve em todos os tempos. DEUS tenha piedade de nós.

  2. Nem mesmo os irmãos Miranda acreditam no que eles disseram. Andam recheando as suas acusações da compra da vacina de “ses, senões e talvezes”. Prá disfarçar a armação, ampliaram o escopo dizendo que o caso é ainda mais amplo.

    Nesta altura do campeonato, somente a imprensa venal e prostituída repercute a narrativa mentirosa. Repercute porque o objetivo é blindar os governadores ladrões e o principal operador da roubalheira, o petralha Gabas, que pagou 47 milhões a uma empresa que vende maconha.

    Que estranha ligação é essa entre os socialistas e os traficantes? Sério, eu queria entender.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *