Bolsonaro mantém silêncio sobre Lula e se ausenta de entrevista coletiva programada em Brasília

Volta de Lula cria o risco de reorganização da oposição

Gustavo Uribe
Folha

A saída da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) dividiu opiniões no Palácio do Planalto e foi recebida com silêncio pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), que considera o petista seu principal adversário político.

Em Goiânia, onde participava da entrega de ônibus escolares, o presidente não comentou o assunto, se ausentou de entrevista programada e evitou os veículos de imprensa após a expedição da ordem de soltura.

“RESPEITO” – Em caráter reservado, no entanto, disse a um grupo de auxiliares e aliados que a decisão do  Supremo Tribunal Federal (STF), que barrou a prisão após segunda instância e permitiu a soltura do petista, deve ser respeitada.

Durante a cerimônia na capital goiana, minutos depois da decisão do juiz federal Danilo Pereira Junior, um assessor do Palácio do Planalto se dirigiu à tribuna de honra e mostrou ao chefe a tela de seu celular.

CABISBAIXO – Bolsonaro ouviu em silêncio e, menos de um minuto depois, cochichou ao ouvido do ministro da Educação, Abraham Weintraub, que estava sentado ao seu lado. Após a conversa, olhou para a frente e baixou a cabeça.

Próximo a discursar, o presidente falou sobre diversos assuntos, como a necessidade de não ter o que chamou de “ideologia política ou de gênero” no  Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mas não abordou a soltura de Lula. Na sequência, deixou o local sem comparecer a entrevista programada.

SURPRESA – A saída do presidente surpreendeu até mesmo a sua equipe de Comunicação. Minutos antes de Bolsonaro entrar no carro, dois assessores palacianos já tinham organizado o espaço e anunciado que os jornalistas teriam direito a três perguntas.

Ao serem informados de que Bolsonaro havia desistido, os repórteres saíram às pressas do local, pegando mochilas e equipamentos. Um deles chegou a pular um balcão para alcançar a comitiva presidencial.

O presidente viajou a Goiânia para cerimônia de entrega de 214 ônibus escolares do programa Caminho da Escola. Por coincidência, a iniciativa federal foi lançada quando Lula estava à frente do Palácio do Planalto, em 2007.

ENTREVISTA – Após a solenidade, Bolsonaro compareceu à inauguração do escritório político regional do líder do governo na Câmara dos Deputados, Major Vitor Hugo (PSL-GO). A assessoria do parlamentar havia informado que estava programada uma entrevista.

Segundo relatos feitos à Folha, no entanto, a pedido da segurança presidencial, a entrada da imprensa foi proibida e um forte esquema de segurança foi montado ao redor da casa. Na entrada, antes da chegada dos jornalistas, ele cumprimentou simpatizantes que o esperavam do lado de fora. Na saída, em comportamento atípico, não se dirigiu aos moradores da região, fazendo apenas um aceno de longe.

DIVIDIDOS – Se a soltura de Lula teve como resultado o silêncio de Bolsonaro, no Palácio do Planalto as reações se dividiram entre otimismo e pessimismo. Para integrantes do núcleo ideológico, formado por seguidores do escritor Olavo de Carvalho, a liberdade do petista retoma a polarização da campanha eleitoral, entre direita e esquerda, o que pode fortalecer o apoio ao presidente contra uma volta do PT ao governo federal.

A avaliação desse grupo governista é a de que, no momento em que a rejeição de Bolsonaro apresenta um crescimento, como mostram as pesquisas de popularidade, o ressurgimento de um antagonista de peso pode ajudar a paralisar a alta entre eleitores de centro, em virtude do receio de uma eventual candidatura presidencial de Lula em 2022.

RISCO – O chamado núcleo moderado, formado pela cúpula militar e pela equipe econômica, no entanto, não é tão otimista. Para esse grupo, a volta de Lula ao cenário político cria o risco de uma reorganização da oposição, que até então, na avaliação desses integrantes do governo, tem apresentado uma atuação tímida.

O receio é o de que esse novo cenário crie uma onda de manifestações no país, que pode fragilizar a imagem do governo e estimular retaliações no Congresso Nacional, como a obstrução de votações de interesse do Planalto. A decisão da STF de barrar a prisão em segunda instância surpreendeu o núcleo mais próximo de Bolsonaro, que não esperava que o ministro Dias Toffoli, presidente da Corte, desempatasse a votação contra a prisão imediata.

APROXIMAÇÃO – Nos últimos meses, Toffoli vinha dando sinais de que buscava uma aproximação com Bolsonaro. Ele, inclusive, evitou comentar a declaração do filho do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), de que, se a esquerda radicalizasse no país, poderia ser editado um novo AI-5.

Segundo relatos feitos à Folha, Bolsonaro dizia acreditar que Toffoli se posicionaria de modo diferente. Diferentemente do pai, filhos do presidente se pronunciaram. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) criticou a soltura de Lula e disse se tratar de “um dia muito triste para quem trabalha, para quem é honesto no país”.

O parlamentar defendeu celeridade na aprovação da  Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que autoriza a prisão em segunda instância. O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) compartilhou em seu perfil um vídeo com o discurso do pai enaltecendo Moro e afirmou não ter “dúvidas de que esse jogo virará!”, emendando ataques a siglas de esquerda como PT e PSOL.

43 thoughts on “Bolsonaro mantém silêncio sobre Lula e se ausenta de entrevista coletiva programada em Brasília

  1. Tá aí a realidade!!!!
    Esse boçal é dinamite pronta pro pessoal do Lula destruir !!!

    Tem coisa mais fácil que provar ao povo que esse imbecil é a destruição do país ?

    Vai dar muita merda!
    O abestalhado não vai mais poder se privar, dia sim dia não! que vai voar mierda de todo lado!

    Patético IDIOTA !!!!

    “Jaírh! Pede Pra Sair Jair!!!!”

    E saia esfaqueando o Lula, preferivelmente…

  2. Espera lá… Pode ser pura encenação!
    Cinco dias de Lula Livre devem ser o suficiente para caracterizar o quadro, para sabermos quem tem fogo e quem só tem biribinha….

    O papel desse pateta já é notório, falta ver qual papel o Lula irá interpretar no Circo….

    Brasileiros, chega de lenga lenga! Nem Bozolado e muito menos Lula!

    Nada de ‘cartinha’ do STF!!!!
    O negocio é “Trocar o Óleo” !!!

    Máfia “Bozocráudio-Guedes” ou “Lula-et-Máfia” são a mesma ferrugem que não faz a maquina andar, só emperram, só geram atrito…

  3. Humilhação mundial de Bolsonaro já tem data: 10 de dezembro, na Argentina

    Convidado para a posse de Alberto Fernández na presidência da Argentina, Lula vai impor primeiro grande vexame internacional a Jair Bolsonaro, ausente da cerimônia.

    Alguns chefes de estado europeus e quase todos os latino americanos marcarão presença lá e é deste círculo que – embora em encontros isolados – Lula estará.

    E estará fazendo o papel de liderança que sempre fez quando era presidente do Brasil.

    O tamanho diplomático de Lula não se encolheu e o de Bolsonaro nem existiu.

    O que não deixa também de ser um momento argentino irônico a Bolsonaro.

    F. Brito

    • Mais non, Monsieur. O tipo larápio, idoso, já tinha condição de sair pela lei. A grana gasta com advogados, marketing nacional e internacional, pareceres, de nada adiantou, pois o cara é culpadaço. As provas gritam nos autos, como diz o dr Júlio Marcelo. Agora, pra sair nesse auê, só com uma manobra espúria, apoiada pelo sr gilmarmendes. Talvez venhamos a saber o que ele ofereceu aos demais trambolhos do STF, incluido (vergonhosamente) o antes respeitado ministro Celso de Melo.

  4. ““Bolsonaro mantém silêncio sobre Lula.”

    -Certíssimo. É até surpreendente
    -Se chamar a quadrilha de hienas rendeu uma semana inteira de artigos dizendo que a democracia estava sendo ameaçada e ele teve que pedir desculpas, imagine se resolve imitar o jurista Saulo Ramos e dizer o que REALMENTE essa Corte é?

    • Mas, sr Vieira, o filho ex-quase-futuro-embaixadoreco falou, com todas as letras vulgares.
      Voltei há pouco da rua: as pessoas se sentem humilhadas pelo STF, que nos custa bilhões e se recusa a minimamente nos respeitar.

  5. Saiu nas redes sociais que 39 pessoas se suicidaram quando viram Lula sair da prisão. Ninguém sabe se foi de alegria ou de tristeza. Também não se sabe se foram petistas ou bolsonaristas.Não sei qual o medo de Lula. Desde os 18 anos foi protegido no período da Ditadura pelo General Golbery do Couto e Silva. Não sei se sabia mas foi peça chave na abertura política que o governo Geisel queria fazer. Golbery era o ideólogo que propunha abertura m “lenta, gradual e segura”. Segura para os militares naturalmente.

    • Não parece ser verdade. sr Eliel. O pàndego perigoso Marco Aurelio Melo assim queria, mas a soltura depende de pedido a juiz. Pobres injustiçados não sairão tão cedo. As masmorras continuarão a ser negras.

  6. Bolsonaro mantém silêncio não porque é inteligente, moderado, estratégico – ao contrário: o seu silêncio mostra a sua pusilanimidade, o seu comprometimento com o Toffoli, a sua covardia.

    • É por não ter inteligência, mesmo. O larapião tem poder de marketing que a turma idiotinha de Bolsonaro não tem. Os militares que poderiam dar qualidade ao (desastrado até agora governo) estão sendo defenestrados por idiotas seguidores de um ancião falido e desbocado.

      • Lula é criminoso, condenado, ‘carregado de culpa’, deixa ele falar sozinho. O povo brasileiro o despreza. Viu ele saindo da carceragem da PF? Só tinha bandido do lado. Eu quero ver ele na Paulista discursando, será uma excelente oportunidade de mostrar a sua ‘popularidade’! A carreira que lhe resta é a de terrorista. Allás, ele e Dirceu já a assumiram.

        • Não, seu Eliel, é mais que sabido pela psicologia de massas que a mentira repetida toma a aparência de verdade. E é isso que vai acontecer se nada for feito pelos que embora vestem farda e tenham canhões se acovardem na hora que a pátria amada e exaurida mais precisa dos seus serviços. Tamos fundidos!

          • Não desanime Sapo de Toga, Lula vai passar pela maior humilhação de sua vida. Sentirá na pele o desprezo do povo. Não poderá mais aparecer nas ruas. Estará preso estando solto. É capaz que seja demais pra ele e acabe se suicidando.

  7. Um dos culpados pela absolvição de Lula foi esse imbecil chamado Eduardo boçalnato. Não tivesse feito a asneira de mencionar o AI-5 as coisas poderiam ter sido diferentes. Mas o pai e os filhos formam uma pústula só.

  8. Bolsonaro: “Não vamos contemporizar com presidiário”
    O Antagonista

    Jair Bolsonaro se manifestou neste sábado sobre a soltura de Lula.

    “A grande maioria do povo brasileiro é honesto, trabalhador, e não vamos dar espaço e contemporizar com presidiário”, disse o presidente em Brasília.

    “Ele está solto mas está com todos os crimes dele nas costas.”

  9. “Moro diz que Congresso pode alterar decisão sobre segunda instância”

    Outra abobrinha, desta vez do juiz Moro.
    Claro, seu Moro, o congresso pode, mas ele quer? Ai é que está o problema.

  10. Mara me surpreende saber que o estimado senhor Newton pediu que a senhora me respeite. Não deixa de ser uma preocupação que eu agradeço. Fico curioso de saber o que a senhora diria me desrespeitando. A senhora deve procurar um “chefe de terreiro” para lhe dar uns passes. A senhora não está bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *