Bolsonaro prega união de civis e militares para enfrentar os “marginais em gabinetes”

 (crédito: Isac Nóbrega/PR)

Jair Bolsonaro não citou o Supremo, mas nem precisava…

Ingrid Soares
Correio Braziliense

O presidente Jair Bolsonaro (PL) defendeu nesta sexta-feira (13/5) que militares, policiais e civis se unam contra o que caracterizou como “marginais em gabinetes com ar condicionado” que visam roubar a liberdade. A declaração ocorreu durante discurso do chefe do Executivo em uma formatura na Academia de Polícia Militar do Barro Branco (SP).

“No passado, sempre as Forças Armadas e as forças auxiliares estiveram juntos. Lá atrás, nos anos 70, não foi diferente. Os grandes inimigos nossos eram aqueles que queriam roubar não o nosso patrimônio, mas roubar a nossa liberdade”, apontou.

Em indireta a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente citou pessoas que estariam “roubando a liberdade de expressão”.

DEFESA DA “LIBERDADE” – “Hoje, não é diferente. Nós, pessoas de bem, civis e militares, precisamos de todos para garantir a nossa liberdade. Porque os marginais do passado hoje usam de outras armas, também em gabinetes, com ar-condicionado, visando roubar a nossa liberdade. E começam roubando a nossa liberdade de expressão, começam fustigando as pessoas de bem, fazendo com que elas desistam do seu propósito. Nós, Forças Armadas, nós, forças auxiliares, não deixaremos que isso aconteça. Nós defendemos a nossa Constituição, a nossa democracia e a nossa liberdade. Esse exército de pessoas de bem, civis e militares, deve se unir para evitar que roubem a nossa liberdade”, bradou.

Na ocasião, Bolsonaro também repetiu defesa ao excludente de ilicitude. “O meu grande sonho como presidente da República tem que ser compartilhado com o parlamento brasileiro. Gostaria muito de um dia aprovar o excludente de ilicitude, para que vocês, após o término da missão, fossem para casa, se recolher no calor de seus familiares, e não esperar a visita de um oficial de Justiça”, apontou.

“NOSSOS INIMIGOS” – “Por muitas vezes, o nosso inimigo não está nas vielas, no topo de um morro ou nas ruas perdido por aí armado. Muitas vezes, os nossos inimigos estão dentro de um gabinete com ar condicionado e, aí, um burocrata (oficial) que inferniza a vida de vocês após o cumprimento de uma missão”, disse, acrescentando:

“Com todo respeito aos profissionais da segurança pública, temos que diminuir a letalidade, sim, mas é do cidadão de bem, e de pessoas como vocês. E não da bandidagem”. “Se vocês portam uma arma, na cintura ou no peito, é para usá-la. E nós, chefes do Executivo, presidente ou governadores, nós devemos dar respaldo e segurança para vocês, após o cumprimento da missão”, disse o chefe do Executivo.

“Esse é o meu sonho. E peço a Deus pra que me dê força, juntamente ao Parlamento, para que isso venha acontecer”, emendou.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Bolsonaro sabe o que dizer aos policiais militares, que nas grandes cidades brasileiras exercem uma das profissões de maior risco no mundo, pois os criminosos estão fortemente armados e enfrentam a PM em condições vantajosas, alojados nos altos dos morros, fazendo com que os policiais sejam alvos fáceis ao tentarem subir para prendê-los. (C.N.)

8 thoughts on “Bolsonaro prega união de civis e militares para enfrentar os “marginais em gabinetes”

  1. Tô topando mudar de louco.

    Vou de cangaciro e a dama Simone Tebet.
    Vou pagar pra ver.

    Os dois excrementos tem que ser enterrados, de preferência vivos.

    JL

  2. Liberdade de expressão é humana, não se pode pode tapar a boca de ninguém.
    Quando a liberdade de expressão ultrapassa os limites toleráveis, pode se tornar crime contra a honra: calunia, injuria, ameaça e atentar contra às instituições democráticas, mas Bolsonaro acha que tudo isso é legal.
    Durante a pandemia não vi o presidente visitar um hospital para mostrar sua solidariedade, mas se tiver uma formatura de militares, no lugar mais longínquo do país, ele estará lá. Vai gostar de militar assim naquela casa.
    A lei de excludente de ilicitude para a policia que temos, é um passaporte tipo 007: permissão para matar.

  3. O que não consigo entender é um Bolsonaro íntimo de milicianos como Adriano e Lessa tb querer ser amigo de Policiais.
    Alguém tem uma explicação?

  4. Todos os brasileiros sabem quem são os aliados dos narcotraficantes e da bandidagem: o PT e seus puxadinhos (PSB, PDT, PSOL), o PSDB e seus puxadinhos (DEM, Cidadania, Solidariedade), o STF e a imprensa narco-socialista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.