Bolsonaro repete o filho, chama Renan de vagabundo e afirma que a CPI é um crime

Em Alagoas, Bolsonaro chama Renan de "vagabundo"

Ao lado de Collor, o presidente atacou Renan em Maceió

João Pedro Pitombo, Catia Seabra e Wagner Melo
Folha

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) repetiu o seu filho, senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e chamou o senador Renan Calheiros (MDB-AL) de vagabundo nesta quinta-feira (13) em Maceió.

Em Brasília, o parlamentar respondeu: “Por aqui, presidente, responderemos a esse tipo de violência com gestão resolutiva, obras com recursos próprios, contas organizadas, priorizando salvar vidas na pandemia e colocando sempre o povo acima dos interesses políticos. Vale informar ao Brasil, Alagoas resistiu!”, declarou Renan Filho, em uma rede social.

DISSE BOLSONARO – “Sempre tem algum picareta, vagabundo, querendo atrapalhar. Se Jesus teve um traidor, temos um vagabundo inquerindo pessoas de bem no nosso país. É um crime o que vem acontecendo com essa nessa CPI”, disse o presidente em discurso no estado que é base eleitoral de Renan Calheiros, relator da CPI da Covid,

ROTA DE COLISÃO – A sessão da CPI desta quarta-feira (12) foi encerrada após o senador Flávio Bolsonaro entrar em rota de colisão com o senador alagoano Renan Calheiros, relator da CPI.

No bate-boca, Flávio Bolsonaro chamou Renan Calheiros de vagabundo. Mais tarde, em uma rede social, o presidente publicou trecho de vídeo com a discussão dos senadores.

Pouco depois das declarações de Bolsonaro, o governador Renan Filho (MDB) que não compareceu aos eventos na capital, afirmou que o presidente age por desespero e ataca o Congresso Nacional por se sentir acuado diante da investigação na CPI e da queda de popularidade.

RENAN VAGABUNDO – Nesta quinta-feira, durante o ato em Maceió, apoiadores do presidente também gritaram “Renan vagabundo”. O presidente observou em silêncio e sorriu. Bolsonaro também aproveitou o ato para fustigar o ex-presidente Lula (PT), a quem chamou de “aquele ladrão de nove dedos”.

Nas inaugurações, o presidente cercou-se de adversários do senador Renan Calheiros e do governador Renan Filho (MDB). Participaram dos atos o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), o senador Fernando Collor (Pros) e o prefeito de Maceió João Henrique Caldas (PSB).

Aliados do presidente ainda aproveitaram o ato para fustigar o ex-presidente Lula e exaltar Bolsonaro. O ministro do Turismo, Gilson Machado, disse não ter dúvidas que os eleitores do Nordeste apoiam o presidente: “O nordestino gosta de governo, o nordestino não gosta de PT”.

OBRAS DO FILHO – No domicílio eleitoral do relator da CPI do Covid, Bolsonaro inaugurou obras que foram executadas e entregues pelo estado de Alagoas, hoje governado pelo filho do senador Renan Calheiros.

Nesta quarta-feira, pesquisa Datafolha apontou queda de popularidade do presidente, sobretudo no Nordeste. Na região, segundo a pesquisa, 62% dos entrevistados afirmaram que não votariam de jeito nenhum no presidente Bolsonaro em 2022.

A pesquisa também mostrou o ex-presidente Lula (PT) liderando a corrida eleitoral com 41% das intenções de voto contra 23% de Bolsonaro. No segundo turno, Lula venceria Bolsonaro por 55% a 32%, desempenho puxado sobretudo pelas intenções de voto no Nordeste.

14 thoughts on “Bolsonaro repete o filho, chama Renan de vagabundo e afirma que a CPI é um crime

  1. Para mim, podem morrer todos os citados nesta matéria, hoje ainda !
    Seria um alívio muito grande para esta bagaça de País, tão humilhado e surrupiado!
    Corja de ladrões inúteis…
    Credo !

  2. O tal de legislativo sempre atento à sua imagem, reagindo com veemência quando ofendido não fará nada contra os insultos de Bolsonaro sobre um senador?

    O filho, o pai, ambos podem dizer alto, claro e bom som, que o senador Renan é um vagabundo?!
    Che, mas se o presidente mais um senador podem propagar que um senador é vagabundo, e nada será feito para interpelar os acusadores, a conclusão lógica é que Renan Calheiros é mesmo um vagabundo!

    Curioso que, ao lado de Bolsonaro, encontrava-se Collor, senador por Alagoas, assim como Renan, que foi foi um dos principais artífices da candidatura de Fernando Collor de Mello à Presidência.

    Agora, um presidente da República ofender um senador e, em público, como fez Bolsonaro, Renan pode até ser um vagabundo, mas o presidente é uma cavalgadura, mal educado, agressivo, e não segue código de ética e comportamental algum.

    O cara é só instinto, pois raciocínio naquela cachola não só não existe, como a meia dúzia de neurônios que possui desconhece o que seria pensar antes de falar!

    Que política de merda esta nossa, PQP!

  3. Se os filhos de Bolsonaro fizessem Testes de Paternidade, via DNA, e dessem 100 vezes negativos. Ainda assim, eu diria ser erro dos laboratórios. Pois essa baixaria replicada em 01 02 e 03 é única na especie humana!

  4. Che, nunca se viu isso no Brasil!

    Nem os militares quando tomaram o poder, chamaram os parlamentares de vagabundos!

    Aonde está o decoro do atual Chefe do Executivo?

    Um elefante numa loja de cristais é mais cuidadoso que Bolsonaro, no tratamento que concede aos outros dois poderes!

  5. A “famiglia” mexeu com a pessoa errada. O primeiro troco virá na própria CPI. O “Rei” foi presidente do congresso inúmeras vezes e isso não aconteceu por acaso. Quem prática rachadinhas não pode apontar o dedo pra ninguém!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *