Bolsonaro tenta conciliação com o Congresso e o Judiciário para salvar seu mandato

Marketing em construção: Bolsonaro testa o estilo “Jairzinho Paz e ...

De repente, Bolsonaro passou a adotar uma  estratégia  “Paz e Amor”

Augusto Fernandes e Ingrid Soares
Correio Braziliense

Aconselhado por militares, que montaram uma operação de guerra para salvar o mandato presidencial, Jair Bolsonaro distanciou-se daquela figura explosiva, tida a criar conflitos e criticar outras instituições, dando lugar a um comportamento mais discreto, equilibrado e moderado nos últimos dias.

Preocupado com o futuro político do governo, o mandatário voltou a falar em um “entendimento” com Legislativo e Judiciário, na última quinta-feira, após semanas de ataques.

AGENDAS PROPOSITIVAS – Diante da mudança de postura, a expectativa do Palácio do Planalto é de que o Executivo possa, mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus, avançar em agendas mais propositivas.

Outros movimentos de Bolsonaro contribuíram para a mudança de ares no alto escalão — desde fatos mais simples, como a redução de conversas matinais com apoiadores no Palácio da Alvorada, que lhe passaram a fazer cobranças mais duras, o que o irritou com facilidade, até decisões mais importantes, como o não atendimento ao apelo da ala ideológica para manter no Ministério da Educação algum “aluno” de Olavo de Carvalho, optando por um nome indicado por militares para substituir Abraham Weintraub.

Paralela à transformação do presidente, o governo teve “vitórias” fora do Palácio do Planalto que foram avaliadas como um ponto de inflexão para Bolsonaro: a aprovação do novo marco legal do saneamento básico no Senado — que está pronto para a sanção presidencial — e a inauguração de um dos trechos do Projeto de Integração do Rio São Francisco. Ao concluir obra que presidentes passados não conseguiram, Bolsonaro animou aliados e ganhou pontos com a população de mais baixa renda, que será a principal beneficiada com as medidas.

AINDA HÁ DÚVIDAS – No meio político, fica a dúvida de até quando o presidente manterá esse perfil mais sereno. O temor é de que tudo vá por água abaixo devido ao julgamento da próxima terça-feira, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de duas ações que pedem a cassação da chapa presidencial, formada por Bolsonaro e o vice, Hamilton Mourão, em 2018. O chefe do Executivo declarou publicamente a insatisfação com o assunto e chegou a sugerir que as Forças Armadas não aceitariam que ele perdesse o mandato por motivações políticas.

Independentemente do que acontecer, o entendimento entre parlamentares é de que Bolsonaro precisa deixar as intrigas de lado. “Ele é o presidente do país, foi eleito presidente da República, então, que ele volte as energias para o governo, para a governança. Que ele governe o seu governo e que governe o Brasil. É isso que o Brasil espera do presidente”, comenta o deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS).

MAIS RESPOSTAS – Para o congressista, Bolsonaro “tem de ser mais proativo” e “deveria brigar menos, tendo mais resolutividade”. “Mais respostas é o que a sociedade espera, e menos brigas. Eu sei que o presidente tem um monte de problemas pessoais e também com familiares, mas, nesta hora, ele tem de olhar para o Brasil, para os brasileiros, e não cuidar dos problemas de família. Ele tem de cuidar dos problemas da família Brasil”, defende.

O senador Jayme Campos (DEM-MT) acrescenta que o caminho a ser seguido por Bolsonaro deve ser o “da boa conversa e do bom entendimento”. “Precisamos de uma interlocução harmoniosa entre os Poderes. Todos nós buscamos, com certeza, uma tranquilidade para o país, particularmente para a sociedade, que espera um bom exemplo daqueles que são os dirigentes maiores do Brasil”, diz.

“Dá para perceber que o presidente está mais ponderado. Essa sensatez é importante. Precisamos de pessoas com espírito de estadista e compete a todos nós, homens públicos, termos essa visão, sobretudo diante de um momento de crise. Temos de estar unidos. Espero que o presidente se comporte bem neste momento”, acrescenta.

10 thoughts on “Bolsonaro tenta conciliação com o Congresso e o Judiciário para salvar seu mandato

  1. E o que ele fará com seus Bolsomimions que dele esperam bravatas no mínimo semanais? Vai perder o apoio deles tb. Ele sempre foi Barraqueiro. É da natureza dele. Ele sempre foi assim. E lembro a todos q este modo de ser NÃO é crime.

  2. Bolsonaro me traiu, teve um encontro secreto com o Lula para aprender como ser Bolsonaro Paz e Amor, baseado na experiência de seu guru intelectual.
    Doravante vai ser muito pacífico, amoroso e acima de tudo, honesto.

  3. Mais uma narrativa criativa e visando distorcer os fatos. O mandato do presidente nunca esteve de fato ameaçado, e os jornalistas esquerdistas e cooptados pelo sistema, sabem disso. Como o histerismo ideológico, as mentiras sobre o caráter do presidente, perseguição de seus apoiadores, apoio do imundo STF, como nada disso colou e não tem como questionar o governo, ficam nesse mimimi fútil e idiota.

  4. O Presidente BOLSONARO vinha manobrando Politicamente para conseguir uma Reforma Política “heterodoxa” que a maioria do POVO exige.
    Nossa Democracia é muito desorganizada e cara.
    Viu que não conta com Força Política necessária e parou de manobrar.

    Na parte Econômica, o Min. da Fazenda Dr. PAULO GUEDES 71 Neo-Liberal, nos deixa perplexos. Reduz o Juro Básico SELIC para 2,25 % aa, território Negativo, o que prejudica Banqueiros e Rentistas/Poupadores uma vez que o Rendimento da Poupança fica em 0,70% da SELIC 2,25% aa = 1,575%aa + TR. A TR = 0 quando a SELIC cai abaixo de 8,5%aa, então a Poupança está Rendendo 1,575%aa.
    Está desvalorizando o Câmbio, hoje 1 USD = 5,41 Reais.
    Está tentando aumentar a Lucratividade das Empresas desonerando a Folha de Pagamentos, a Carteira de Trabalho Verde e Amarela desonera em 41%.
    Ora essas medidas de Juro Básico Baixo, Câmbio Desvalorizado competitivo para a Indústria Nacional, e aumento da Lucratividade, são medidas de Política Nacional Desenvolvimentista Industrialista. E estão na direção certa.

    O que não vemos é dar “prioridade” ao Capital Brasileiro e reduzir a dependência do Capital Internacional. Privatizar Empresas não estratégicas, SIM, mas sem entregar o Controle ao Capital Internacional. Ele deve ser sempre Bem-Vindo mas como Minoritário.
    Por outro lado me pergunto? Se o Orçamento Federal 2021 está orçado em Reais 3.600 Bi e a Arrecadação Federal é de Reais 1.600 Bi sem Pandemia, como arrecadar mais de Reais 2.000 Bi, giro da Dívida Pública, com Taxa SELIC 2.25%aa com viés de Baixa?
    Será que o Mercado absorve?

  5. Parabéns pelo comentário Sr. Flavio… no ponto e esclarecedor… Vamos ver o que vai nos dizer o futuro..não é mesmo ?

    Abços.. e saúde a tda sua casa …

    YAH SEJA LOUVADO SEMPRE .. .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *