Bolsonaro transforma moinhos de vento em inimigos reais e ignora urgências do País

40Desculpe.jpgVera Magalhães
Estadão

Uma mancha de óleo turva as águas do mar do Nordeste há mais de 40 dias (na verdade, cientistas estimam que o acidente que levou ao desastre pode ter ocorrido em junho!), sem que o presidente da República se envolva diretamente na adoção de um plano de contingência eficaz para contê-la. A reforma da Previdência, maior feito do governo até aqui e, provavelmente, nos seus quatro anos, está a uma votação de ser concluída, e o mandatário não esboça sequer um comentário a seu respeito, a não ser para lamentar a necessidade de fazê-la.

Há quanto tempo não há uma reunião ministerial para coordenar todas as ações do Executivo? A última foi em agosto, e era emergencial para a questão da Amazônia.

PARANOIA – Enquanto esses assuntos centrais para o sucesso do governo vão transcorrendo, o presidente duela contra moinhos de vento. Transforma inimigos imaginários em reais e, num prazo de duas semanas, levou à implosão de seu partido, o já fragmentado PSL, sem que se saiba ao certo o porquê da investida inicial e a utilidade de comprar esta briga neste momento, tanto tempo antes da eleição presidencial.

Uma das máximas mais surradas de Brasília é a de que bons presidentes têm a habilidade de tourear crises e fazer com que elas saiam menores do Palácio do Planalto do que entraram. Fernando Henrique Cardoso e Lula eram reconhecidos por esta habilidade, ainda que com diferentes estilos. Fernando Collor e Dilma Rousseff fracassaram na missão.

Bolsonaro, no entanto, também nisso subverte os manuais. É ele o fator gerador de crises absolutamente desnecessárias, supérfluas, grosseiras, de baixíssimo nível. Não raro elas são ocasionadas por sua paranoia, pela sensação, estimulada pelos filhos, de que sempre há alguém querendo sacaneá-lo na esquina seguinte.

BAIXO NÍVEL – Que a principal autoridade de um País com as necessidades prementes do Brasil exiba no trato com aliados (sic) tal nível de insegurança e infantilidade é de causar perplexidade a qualquer um. Mas não surpresa. Bolsonaro fez sua vida parlamentar nessa base do relacionamento miúdo com o baixo clero.

Também a construção de um clã político está na raiz de seu estilo, tanto que colocou um filho de 17 anos para disputar uma eleição contra a mãe e derrotá-la para ocupar uma cadeira numa das casas mais corruptas do Brasil.

O espantoso foi que, pelo curso da campanha, uma parcela significativa da população brasileira tenha enxergado este personagem como um potencial estadista, pelo simples fato de verem nele as credenciais para derrotar o PT.

NO VERÃO PASSADO – Portanto, as brigas de botequim que eclodiram no PSL e estão expostas numa aula de anatomia da baixa política aos olhos de cidadãos perplexos nada mais são do que o bolsonarismo em sua essência. Não se sabe o rumo que a crise vai tomar quando os inimigos alimentados pelo estilo belicoso do presidente resolverem dizer o que sabem dos “verões passados” com o intuito de implodi-lo.

Também fica difícil imaginar que base vai surgir a partir dos escombros do PSL. Bolsonaro vai se aproximar finalmente do mainstream, via MDB (que já está chegando para arrumar a bagunça) e DEM? Mesmo isso tem eficácia e prazo de validade mínimos, dado o estilo persecutório e caótico do presidente.

Mais provável é que ele siga como um corpo alheio ao próprio governo, criando tretas inacreditáveis (com correligionários, governadores, prefeitos, presidentes de outros países e quem mais aparecer) enquanto alguns poucos ministros técnicos carregam o piano. Neste caso, só resta torcer para terem êxito, pois o País não aguenta mais quatro anos de crise econômica e desemprego. E esperar que, em 2022, o eleitor saiba enxergar os políticos como eles são, e não como mitos, e faça seu escrutínio em bases mais racionais.

16 thoughts on “Bolsonaro transforma moinhos de vento em inimigos reais e ignora urgências do País

  1. O negocio é o seguinte, esse cocô preto que o covil do “Operações Bolzonaldas Tabajara” mandou soltar nas praias do Nordeste para retaliar a ‘indiciplina’ não tá de acordo com os ditames da filosofia conspiratória do Jefe, pô!
    Cocô é para ser ‘dia sim dia não’, de acordo com o Jefe, mas nas praias do Nordeste tem sido diariamente nos últimos 2 meses….

    Alguém do governo tem que pagar por essa ‘diarreia’…..

  2. Na próxima eleição presidencial, quem votar no PT ou no Bolsonaro (esteja ele em que parido estiver), vai deixar claro que é um ser desinformado, que não compreende as coisas, mal intencionado ou burro mesmo! Idêntico raciocínio se aplica aos filhos dele.

  3. Vera, quando irá escrever limpo e claro:

    “Trata-se da encenação de um politico nefasto do baixo clero, com interesses megalomaníacos, tentando incutir na população a idéia de ser ele o salvador da pátria e que, para tanto, precisa do povo para dar um Golpe nas Instituições e tornar-se o mais novo Ditador da América do Sul” ?

    Que, no meio de tanta estupidez do hômi, só pode ser que ele tem no bolso mais essa molecagem preparada…

  4. Por que o povo brasileiro não se muda para outro país por mais segurança em suas vidas?

    Mark Horn

    Mark Horn , morou no Brasil

    Atualizado 21 de outubro de 2019

    Nos EUA, ocorrem terremotos, furacões e tornados e todos os anos, previsivelmente, as pessoas morrem por causa deles. Por que as pessoas dos EUA não se mudam para um país diferente para evitar esses desastres naturais previsíveis?

    Como foi apontado nos comentários, há muitas razões pelas quais as pessoas que têm meios financeiros não mudam de país. Talvez antes de mais nada, é que, para o bem ou para o mal, nós humanos tendemos a aceitar ou tolerar o que é “normal” no local em que crescemos e vivemos, mesmo que as pessoas em outros lugares possam ver essas condições como bastante anormais.

    Nos EUA, alguns dos lugares mais desejáveis ​​para se viver são propensos a desastres.

    Tomemos, por exemplo, a cidade litorânea de Malibu, na Califórnia. A entrada da Wikipedia para Malibu inclui uma longa seção dedicada a desastres naturais, incluindo incêndios, deslizamentos de terra, tempestades costeiras e terremotos.

    Nos quinze anos de 1993 a 2007, mais de 200.000 quilômetros quadrados de terra em Malibu foram perdidos por incêndios. No entanto, as pessoas permanecem encantadas com a beleza natural da cidade, apesar dos riscos bem conhecidos por elas.

    Um amigo no Brasil me disse: “Eu nunca moraria em uma zona de terremoto”, referindo-se ao sul da Califórnia. O nível de risco de meu amigo por crimes violentos e acidentes de automóvel onde ele mora no Brasil é muito maior do que o risco de ferimentos causados ​​por terremotos na Califórnia. Mas crimes violentos e acidentes de automóvel são normais para ele, enquanto terremotos não são.

  5. Os portugueses estão ‘adorando’ o terremoto que os brasileiros expats estão gerando na terrinha….

    Eu que moro no exilio dessa terra gelada ingreza e deixo a porta da casa destrancada naturalmente,
    mesmo assim nunca me sinto mais seguro do que se estivesse no Brasil.

    Os brasileiros que já vão retornando de Portugal, desiludidos, sabem do que estou falando, da falta que fazem asverdadeiras raízes…

    Não é por causa de governos corruptos ede governantes espúrios ou frouxos que tudo esteja perdido, embora passe da hora de acorrentar o Paulo Guebbels pelos pés, ou serão mais duas décadas perdidas…

    Nacionalismo, natureza, pátria, tudo isso brota do peito, do coração. Os brasileiros que cuidem para não perderem tudo, a ponto de não terem mais o cais, o porto, o lugar de onde pertencerem.

    Ninguem sabe dizer ao certo se o sabor do baurú da Baurubrás seria mais delicioso que o Burguer King.
    Estão nos deixando sem opções….

  6. Ridícula opinião do “Estadao” tentando dar moral a dois ex presidentes corruptos e entreguistas dos interesses do Brasil.
    Um para se reeleger entregou o dinheiro do povo e a propria honra.
    O outro não tinha honrabpara entregar, acabou ganhando o título inédito de ex presidente preso por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, responde a outros processos pelos mesmos crimes e mais outros.
    Papelão do Estadao que deve estar interessado em algo que não o interesse de informar.
    Quanto à materiia sibre Bolsonaro, acertou, acertou, mas esqueceu de dizer que mesmo assim é muito melhor que os dois ladrões ex presidentes.
    Ainda é tempo de prender fhc, pois é tolo metido a esperto, isto é : matuto metido a malandro, vai acabar como luiz inacio.
    Viva o Clube de Regatas Vasco da Gama!

  7. Psicopatas são pessoas que têm uma formação diferente do cérebro normal do que tendemos a chamar de cérebros neurotípicos. Isso seria alguém com o cérebro “ligado” de uma maneira normal. Psicopatas têm diferenças cerebrais notáveis de um cérebro neurotípico. Nossa amígdala sozinha é em torno de dezoito por cento menor, assim como a mesma exibição/dano ao córtex orbital, o lobo frontal, e também a ínsula localizada no fundo do córtex cerebral.

    O córtex orbital regula a impulsividade, e o lobo frontal causa o dano à seção de ética e moralidade do cérebro. Todas essas áreas mostrarão um padrão característico para um cérebro psicopático.

    É também por isso que os psicopatas não processam seus impulsos químicos ou elétricos como um neurotípico. Houve uma extensa pesquisa usando uma variedade de medicamentos para ver se há algum impacto sobre o cérebro psicopata, mas não há.

    Pessoalmente, tenho uma reação extremamente reduzida ou paradoxal a quase todos os medicamentos que já foram receitados para psicopatas. Nossa formação não permite a intervenção em um nível químico neste momento.

    Os psicopatas podem ser perigosos ou podem ser benignos. No entanto, o número de psicopatas versus população regular é de cerca de um a três por cento. É muito baixo. Dentro dessa mistura você terá psicopatas de alto funcionamento e baixo funcionamento.

    A diferença entre os dois é frequentemente a inteligência, capacidade de aprender com os erros e controle de impulsos. Se eles são de alta funcionalidade, eles possuem esses traços, se eles são de baixa funcionalidade, eles provavelmente são deficientes em pelo menos um, talvez todos. O maior indicador entre um psicopata criminoso e não criminoso é a capacidade de controlar os impulsos.

    Outro fator é epigenética

    Kevin Dutton diz isso melhor.

    “Quero chamar sua atenção, um campo, uma nova disciplina emergindo do campo da genética chamada epigenética. Epigenética é basicamente estudar como o ambiente ativa genes diferentes que temos naturalmente”.

    A analogia que eu sempre uso para descrever isso é: Imagine um livro em uma biblioteca, colocado em uma prateleira. Imagine o texto, a escrita nesse livro são os seus genes, seu código genético. Se esse livro permanecer fechado, então essa escrita, essa informação não terá nenhum impacto. Ela ficará dormente. Mas se alguém vier e pegar o livro, abrir, e começar a ler essas palavras, então essa informação terá um impacto. Agora, é exatamente assim que o ambiente interage com o nossos genes. Precisamos de um gatilho ambiental em algumas ocasiões para ativar esses genes.

    Em outras palavras, para transformar trazer essa informação a tona e que, usando a analogia, é a pessoa que vem e abre o livro.

    Agora, quando se trata de psicopatia, o consenso geral no momento é que a psicopatia é cerca de cinquenta por cento genética. Há uma variação genética de cinquenta por cento em psicopatas, mas, em muitas ocasiões, são gatilhos ambientais nos primeiros anos da infância formativa, por exemplo, uma infância violenta ou traumática que equivale à pessoa chegando e abrindo o livro e ativando esses genes. E esse tipo de pessoa geralmente se torna um criminoso violento, um criminoso psicopata e violento.

    Hervey Cleckley teve uma visão brilhante em relação ao impulso de fazer as coisas em uma mente psicopata. Ele afirma como resumido pelo professor Joseph Newman;

    “Psicopatas não são conduzidos pelas coisas que levam ao seu comportamento. Não é que eles sejam levados a ser especialmente violentos ou agressivos, não é como se eles estivessem tão motivados a ganhar dinheiro que eles iriam depois disso dessa maneira , não é como se eles estivessem tão excitados por coisas sexuais que fazem coisas sexualmente inapropriadas ”

    E ele continuou e continuou sobre isso, explicitando:

    “Que, se é que há alguma coisa, é sua motivação para esses objetivos, talvez seja menor que as das outras pessoas. A única coisa é quando eles têm um capricho, apenas um pensamento que pode ser interessante tentar isso ou fazer isso, eles são mais propensos a agir sobre isso. Assim, ele fala sobre impulsos muito fracos, quebrando ainda mais as restrições mais fracas, sendo isso uma marca da psicopatia “.

    Os psicopatas realmente são reais e são o bicho-papão de Hollywood.

    O retrato dos psicopatas no cinema, na televisão e na mídia é sempre o negativo. É ignorante e errado. As pessoas sempre precisam que haja um vilão.

    Somos reais, é uma diferença em como nosso cérebro está conectado. Os psicopatas não têm emoções pró-sociais, o que significa que não sentem culpa, empatia, não se relacionam bem com os outros, têm pistas de medo diminuídas ou inexistentes, e podem parecer muito insensíveis, frias e predatórias se não estiverem usando o que chamamos uma máscara para proteger essa parte deles mesmos. Fazem isso para se dar bem e se misturam ao mundo neurotípico.

    Eu poderia continuar e continuar, mas isso já é um pouco de um livro. Se você quiser você pode pesquisar com base no que você quer saber. Apenas use a barra de pesquisa, digite “psicopata” ou qualquer outra coisa que quiser saber. Por exemplo, “mascara psicopata” poderia ser uma, ou “cérebro psicopata”, ou “emoções psicopatas”. Existem muitas informações disponíveis se você estiver curioso. É por isso mesmo que escrevo aqui. Eu quero lhes informar sobre a condição e acabar com os mitos. Você dará um grande passo ao perguntar. A maioria das pessoas simplesmente acham que sabem o que significa ser psicopata.

  8. Gostaria de ler escrito pela chamada grande imprensa que todos os dias desce o porrete no governo Bolsonaro, nos seus filhos, nos seus ministros, que é imprescindível a revogação do famigerado foro privilegiado, de que o parlamento brasileiro não representa as aspirações dos eleitores brasileiros, pois só legisla em causa própria, de que não pode o chefe do executivo federal nomear os ministros dos tribunais superiores e nem o chefe da Procuradoria Geral da República, que é urgente uma NOVA CARTA SOCIAL que institua a não reeleição para qualquer cargo ou mandato, o voto distrital puro, pois são nas urbes que vive a grande maioria dos brasileiros, as candidaturas independentes e, sobretudo a eliminação dos nefastos fundos partidário e eleitoral.

  9. Cara articulista,
    Com todo o respeito, a senhora está errada.
    Se falar não importasse, certamente a esquerda não seria o que é no mundo, ou seja, se as palavras nada valessem o PT não teria ficado dezesseis anos desgovernando essa pobre nação.
    O presidente Jair Bolsonaro tem sim que falar, pois falar e fazer são essenciais, eis que os resultados da fala e da ação aparecem em momentos distintos, no entanto, o resultado da fala é instantâneo e o presidente tem que rebater todas as acusações que lhes são assacadas.
    Já o resultado das ações a senhora há de convir é muito mais demorado. Ou a senhora ou qualquer brasileiro acha que o Jair Bolsonaro ou outro presidente conseguirá reconstruir esse pobre país em quatro anos o que o PT e os seus aliados na desgraça levaram em dezesseis anos para DEVASTAR? Sem chance.
    O maior inimigo do povo brasileiro é ele mesmo e, sobretudo o Estado brasileiro, pois mais de 80% do que arrecada é para pagamento de pessoal e custeio da paquidérmica máquina.
    Não nos esqueçamos que estamos no mesmo barco, se ele vier a pique, certamente todos nós morreremos afogados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *