Bolsonaro volta a criticar isolamento: “Vamos enfrentar como homem, pô, não como moleque”

Irresponsável, Bolsonaro novamente contraria recomendações 

Talita Fernandes e Fábio Pupo
Folha

Na contramão das orientações do Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro conclamou as pessoas a voltarem para as ruas para trabalhar e disse neste domingo, dia 29, estar com “vontade” de fazer um decreto para liberar todas as atividades.

“Eu estou com vontade, não sei se eu vou fazer, de baixar um decreto amanhã: toda e qualquer profissão legalmente existente ou aquela que é voltada para a informalidade, se for necessária para levar o sustento para os seus filhos, para levar leite para seus filhos, para levar arroz e feijão para casa, vai poder trabalhar”, afirmou.

PROTOCOLOS  – Questionado se o texto já estava em estudo, Bolsonaro afirmou que havia acabado de pensar na ideia, enquanto falava com jornalistas na porta do Palácio da Alvorada. “Alguns querem que eu me cale. ‘Ah, siga os protocolos, quantas vezes o médico não segue o protocolo? Por que que ele não segue? Porque tem que tomar decisão naquele momento. Eu mesmo, quando fui operado em Juiz de Fora, se fosse seguir todos os protocolos, fazer todos os exames, tinha morrido”, disse o presidente ao voltar ao Alvorada após fazer um giro pelo comércio do Distrito Federal.

Ele justificou sua ida a pontos de comércio local, como em Taguatinga e Ceilândia, cidades satélites da capital federal, como uma forma de “ouvir o povo” sobre os problemas do Brasil. “Se eu não ouvir o cara falar que está na banana, como é que eu vou me sentir para poder agir?”, disse.

INDIRETAS – Durante sua fala, o presidente endereçou recados aos que se queixam de seus gestos, mas não mencionou nomes, afirmou apenas que o vírus existe e é preciso enfrentar a realidade.

“Se você não estiver trabalhando aqui vai estar de casa. Ou vão estar de férias ou vão estar demitidos. Essa é uma realidade. O vírus esta aí, vamos ter que enfrentá-lo. Vamos enfrentar como homem, pô, não como moleque. Vamos enfrentar o vírus com a realidade, todos nós vamos morrer um dia”, afirmou.

“JUSTIFICATIVA” – Para sustentar seu argumento de que o isolamento é prejudicial, Bolsonaro citou, sem apontar números, um aumento da violência doméstica. “É só mostrar isso, tem mulher apanhando em casa. Por que isso? Em casa que falta pão todos brigam e ninguém tem razão. Como que acaba com isso? O cara quer trabalhar, meu Deus do céu, é crime agora isso?”

Ele falou ainda em “casos absurdos” como a detenção de pessoas que estavam passeando pela praia. Segundo o presidente, trata-se de um local “seguro” por ser aberto.

CONTRAMÃO – A orientação das autoridades e médicas é de desestimular que as pessoas frequentem locais públicos, como praias, parques e praças, para evitar aglomerações que favoreçam a disseminação do novo coronavírus.

A decisão de Bolsonaro de fazer um passeio pelo Hospital das Forças Armadas e comércios do DF foi tomada depois de ele ficar irritado com repercussão de notícias de que seus ministros estavam fazendo pressão para que ele amenize o tom sobre o novo coronavírus e siga as orientações do Ministério da Saúde. O presidente ficou incomodado ao ler que estava sendo “enquadrado” por seus subordinados.

ALERTA – O tema foi levado ao presidente por um grupo de ministros no Alvorada em reunião no sábado, dia 28. Em uma conversa tensa, partiu do próprio titular da Saúde, Henrique Mandetta, alertar o presidente sobre os riscos que o país pode enfrentar se houver uma normalização das atividades.

O presidente defende o isolamento vertical, ou seja, apenas de grupos de risco, enquanto a orientação do ministério é para o isolamento social de toda a população. Na contramão disso, Bolsonaro voltou a afirmar que é preciso se preocupar com o vírus, mas que a questão do desemprego deve ser priorizada.

JOGO POLÍTICO – “Ah, você viu o que o governador falou? O que o vice falou? Não me interessa”, disse Bolsonaro, indicando que deve seguir destoando de outras autoridades, como os governadores de São Paulo, João Doria, e do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, além de seu vice, general Hamilton Mourão.

O vice-presidente afirmou na última semana que a orientação é para o distanciamento social e manteve o tom em entrevista à Folha publicada neste domingo. Ele disse ainda que é necessário haver coordenação nas ações de combate ao coronavírus.

NAS RUAS – Em uma fala de 20 minutos, o presidente repetiu diversas vezes que não vai deixar de ir às ruas e que vê em seu papel, como chefe do Poder Executivo, o de prestação de um serviço.

“Se eu fosse perguntar para outros, que têm uma boa vida, se eu deveria ir para rua, seria quase uma unanimidade: não. Mas não existe isso, eu estou na linha de frente com os meus soldados. Sou um general, mas estou na linha de frente. Se precisar fazer de novo, farei. Estarei com a população junto para buscar a solução.”

ATÉ A FILHA – Ao defender a volta das atividades, Bolsonaro disse que, por ele, a própria filha voltaria imediatamente às aulas. Ele se referia a Laura, 9, que mora com ele e com a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, em Brasília.

O presidente colocou em xeque a defesa sobre o isolamento dizendo que nenhum estudo mostra que isso fará com que haja diminuição do número de casos no país.

“Ninguém está dizendo desses isolamentos ou quarentena, aí, horizontal, vertical, que tantas pessoas não serão infectadas. Ninguém fala de número, o número é o mesmo, só que alarga, alonga um pouquinho mais. Em vez de você ser infectado hoje, vai ser semana que vem ou daqui duas ou três semanas”, afirmou.

RECOMENDAÇÕES –  Cientistas de todo o mundo, líderes de Estado e até o ministro da Saúde defendem o isolamento social para que a curva de infecção cresça de forma mais lenta. Assim, evitando-se um pico muito alto de doentes, o sistema de saúde dos países teria mais capacidade de atender a população e, com isso, diminuir a letalidade da Covid-19.

Esse dado não foi mencionado pelo presidente. Em entrevistas recentes, Mandetta chegou a falar em “colapso” do sistema de saúde se houver um número muito elevado de infectados simultaneamente.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGBolsonaro insiste em contrariar as recomendações do Ministério da Saúde, da OMS, quebrando protocolos seguidos por todos os países. Quem foi contra a maré, hoje amarga os resultados fatídicos. Lunático, demonstra toda a sua irresponsabilidade tentando guiar os fanáticos que batem palma para o louco dançar. Aos brados de mito, o dito presidente se isola, tenta criar fantasias e as empurra garganta abaixo dos seus apoiadores. Diz que estará ao lado da população para achar soluções e ignora os seus ministros que sabem o quanto isso pode custar. Bate o pé e diz que a pandemia deve ser enfrentada “como homem”. Cada vez mais ratifica, o atleta de flexões parciais, a postura de um moleque perdido que busca afirmar a sua pretensa autoridade. (Marcelo Copelli)

12 thoughts on “Bolsonaro volta a criticar isolamento: “Vamos enfrentar como homem, pô, não como moleque”

  1. Os políticos socialista/comunistas + rede bobo querem destruir o país para dominarem criando outra Venezuela.
    A rede bobo não paga suas dívidas com o governo e está sedenta por verbas promocionais das estatais.
    E a mídia vermelha colabora nesta destruição.
    Como disse Juca Chaves:

    “No Brasil a imprensa é muito séria, se pagarem eles publicam até a verdade”.

  2. “.. demonstra toda a sua irresponsabilidade tentando guiar os fanáticos que batem palma para o louco dançar…”

    Perfeito. O que não falta são os fanáticos que fazem tudo o que o mestre manda, e fazem sem questionar.

    São massa de manobra.

    E o pior, se sentem bem assim.

  3. Humm. Trump voltou atrás na questão do fim do isolamento. Parece que ele, apesar de alguns rompantes, segue a ciência.

    “Trump estende como diretrizes de distanciamento social até o final de abril

    O presidente, diante de números sombrios de seus consultores de saúde, reverteu profundamente uma avaliação otimista anterior de que o país poderia relaxar as diretrizes até a Páscoa.”

    https://www.nytimes.com/2020/03/29/us/politics/trump-coronavirus-guidelines.html?action=click&module=Spotlight&pgtype=Homepage

  4. O que me admira, não é as asneiras que Bolsonaro e filhos falam e sim, este povo que os apoia, não tem massa encefálica, para calcular o que este ser está fazendo, é inacreditável, carreatas para confirmar o que ele está declarando, são verdadeiros gados guiados.

  5. Prezados Comentaristas e Srs. Moderadores deste Blog da Liberdade de expressão …

    Vamos ser analiticos e sensatos. Vamos com certeza olhar com visão de adulto e não como de meninos . Repito sejamos sensatos . A WEB ..veio nos trazer muitissimas cousas em termos de assunto que antes não tinhamos e se tinhamos em muitissimos casos eram manipulados por que se interessava ..e vcs hão de concordar sobre isso .

    Estamos agora vivendo essa encruzilhada desta Gripe , que vem assolando as Nações (nem todas algumas ..sejamos coerentes). Então olhemos algumas Nações que estão sendo assoladas e que foram ..no pico desta Gripe.
    Respeitando cada uma em sua posição populacional , geográfica , social e Economica .

    Vamos nos ater em analisar a Nação da RPC… e TB ..a RUSSIA … e nem vou me delongar em palavras pois quem tiver uma minimo de seriedade com relação ao tema há de notar que há pontos …que são intrigantes. E vou citar como exemplo o tal de “isolamento” e podemos notar que há lugares que nem se pensou ou até mesmo cogitou-se tal pensamento.. Vejam as regiões Industriais da RPC..no periodo do pico desta Gripe .. . TODAS FORAM ISOLADAS ?
    O mesmo se compara com a RUSSIA . No caso da RPC ..não foi só a área afetada ?

    Essas e outras situações não nos deveria fazer-nos nós Brasileiros repensar nossa situação ?
    Veja bem estou pedindo para analisarmos NOSSA situação , não estou aqui pedindo para se “olhar” para a Nação Italiana ou qq. outra da Europa …Estou PEDINDO para OLHARMOS a nossa situação ..e em tudo ..ECONOMICA E SOCIAL .

    A partir dai , levantemos o véu da sinceridade e deixemos de lado as “firulas” emocionais e partamos para uma VISÃO adulta e então sejamos sinceros se devemos realmente seguir uma “ordem’ das “autoridades da OMS’, ou se devemos buscar nossas próprias soluções para enfrentarmos esse fato ora vigente.

    E nesse momento o que mais pode nos levar a um desastre social e economico é uma mentalidade infantil de que estamos vivendo em mundo do mágico de Oz. Ou se faz uma opção que achamos certa ou adotemos uma que pode nos levar ao desastre social e economico.

    Creio que estamos caminhando por uma estrada que vai nos levar ao desastre …e isso tem uma mola que muitos não querem ter a sinceridade de dizer o USO POLITICO desta Gripe .

    SEJAMOS SÓBRIOS … “Nem tudo que reluz é OURO”.

    YAH SEJA LOUVADO SEMPRE .

  6. Por favor, leiam esse comunicado importantíssimo:

    “Saiu a modelagem estatística do Imperial College London para os cenários do COVID-19 no Brasil.

    Antes, uma introdução. No começo da pandemia o governo do Reino Unido havia decidido apostar em uma estratégia de “imunidade de massa”, que consistia em não tomar medidas restritivas; em vez de parar o país, deixariam que o vírus infectasse a população de modo que rapidamente as pessoas pudessem ficar imunizadas.

    Porém, o governo do Reino Unido desistiu dessa ideia quando uma equipe de especialistas epidemiológicos do Imperial College of London apresentou uma previsão de como se desenrolaria a disseminação do COVID-19 em diferentes cenários de contenção para o Reino Unido e para os Estados Unidos. Para elaborar essa previsão, utilizaram dados de contágio, estatísticas de hospitalização e óbitos vistos em outros países, estudaram como o vírus se dissemina em diferentes ambientes etc..

    Como um breve resumo: se circular livremente, o vírus tem a capacidade de infectar cerca de 80% da população geral em um período muito curto. Das pessoas infectadas, cerca de 20% precisam de hospitalização, 5% dos casos são críticos e precisam de UTI e suporte respiratório, e cerca de metade dos casos críticos vêm a óbito.

    No entanto, o súbito aumento de casos ultrapassa a capacidade do sistema de saúde, gerando colapso, e disso resulta um número muito maior de mortes — de covid-19, assim como de outras causas — simplesmente porque não há hospital para tratar todas as pessoas que precisam.
    Segundo a previsão, se não houver restrições nos contatos, no mundo inteiro seriam 7 bilhões de pessoas infectadas com covid-19 e 40 milhões de mortes neste ano.

    Os números previstos por esses estudos fizeram com que governos desistissem das posturas mais relaxadas e tomassem as medidas mais restritivas para evitar o colapso do sistema de saúde e um número muito maior de mortes.

    #

    Ontem, no dia 26/03/2020, o Imperial College of London soltou números previstos para os desfechos da pandemia em todos os países, nos cenários sem intervenção, com mitigação, e com supressão.

    Mitigação envolve proteger os idosos (reduzir 60% dos contatos) e restringir apenas 40% dos contatos do restante da população.

    Supressão envolve testar e isolar os casos positivos, e estabelecer distanciamento social para toda a população.

    Supressão precoce – implementada em uma fase em que há 0,2 mortes por 100.000 habitantes por semana e mantida

    Supressão tardia – implementada quando há 1,6 mortes por 100.000 habitantes por semana e mantida.

    #

    No Brasil os cenários previstos são os seguintes:

    Cenário 1- Sem medidas de mitigação:
    – População total: 212.559.409
    – População infectada: 187.799.806
    – Mortes: 1.152.283
    – Indivíduos necessitando hospitalização: 6.206.514
    – Indivíduos necessitando UTI: 1.527.536

    #

    Cenário 2 – Com distanciamento social de toda a população:
    – População infectada: 122.025.818
    – Mortes: 627.047
    – Indivíduos necessitando hospitalização: 3.496.359
    – Indivíduos necessitando UTI: 831.381

    #

    Cenário 3 – Com distanciamento social E REFORÇO do distanciamento dos idosos:
    – População infectada: 120.836.850
    – Mortes: 529.779
    – Indivíduos necessitando hospitalização: 3.222.096
    – Indivíduos necessitando UTI: 702.497

    #

    Cenário 4 – Com supressão tardia
    – População infectada: 49.599.016
    – Mortes: 206.087
    – Indivíduos necessitando hospitalização: 1.182.457
    – Indivíduos necessitando UTI: 460.361
    – Demanda por hospitalização no pico da pandemia: 460.361
    – Demanda por leitos de UTI no pico da pandemia: 97.044

    #

    Cenário 5 – Com supressão precoce
    – População infectada: 11.457.197
    – Mortes: 44.212
    – Indivíduos necessitando hospitalização: 250.182
    – Indivíduos necessitando UTI: 57.423
    – Demanda por hospitalização no pico da pandemia: 72.398
    – Demanda por leitos de UTI no pico da pandemia: 15.432

    #

    Faço algumas observações:

    Os próprios autores do estudo comentam que modelaram essas curvas com base nos padrões de dispersão dos países ricos e que nos países pobres os resultados da pandemia podem ser piores do que o previsto. Esses números previstos não levam em conta a existência de favelas, comunidades sem abastecimento de água e/ou saneamento, entre outros complicadores que temos no Brasil.

    #

    É preciso comentar que os números reais da pandemia no Brasil, seus casos e óbitos, estarão amplamente subnotificados devido à falta de testes e demora nos resultados. As estatísticas oficiais publicadas pelo Ministério da Saúde mostrarão apenas a ponta do iceberg.

    #

    Mesmo nos melhores cenários, lentificando a transmissão e aumentando os recursos do sistema de saúde, deve faltar UTI e respirador para parte dos doentes.

    #

    Em resumo, a diferença entre ficarmos todos em casa (supressão) ou adotar uma estratégia mais branda de mitigação e proteção apenas dos grupos de risco pode ser da ordem de MEIO MILHÃO de vidas.

    #

    Os diversos relatórios estão disponíveis no site do Imperial College of London: https://www.imperial.ac.uk/mrc-global-infectious-disease-analysis/news–wuhan-coronavirus/?fbclid=IwAR0GeexFNu6ezOVclPBVW5x3Z3yOn5N1X6siDO5P7ezUOm_UwOUu31RBoAY

    Link para o trabalho “The Global Impact of COVID-19 and Strategies for Mitigation and Suppression”: https://www.imperial.ac.uk/media/imperial-college/medicine/sph/ide/gida-fellowships/Imperial-College-COVID19-Global-Impact-26-03-2020.pdf

    As tabelas com os números oferecidos constam no apêndice: https://www.imperial.ac.uk/media/imperial-college/medicine/sph/ide/gida-fellowships/Imperial-College-COVID19-Global-unmitigated-mitigated-suppression-scenarios.xlsx

  7. Prezado amigo FB …O que esse tal “london college …” Fez é uma falácia pura …pura sandice e histeria
    sem base legal e cientifica do ponto de vista geográfico de cada nação “afetada”.

    Pense meu amado … E se o virus …não resistir ao calor de nações dos trópicos …como fica essa tola comparação deste centro…?

    Vc não estaria subestimando , bem outra forma de dizer … Esse tal “college…” não está subestimando a velha “teoria do caos ‘ ? E as inúmeras variáveis biológicas tão amplas?

    Se levarmos essa sandice comparativa deste tal centro … publicando essa porcaria histérica ..fica o devido questionamento no AR : Por que na RPC .. com sua população altissima teve um numero de óbitos insignificantes (por favor entendam o que eu quis dizer como insignificante ) com relação ao TOTAL ABSOLUTO de sua população ?

    Portanto meu caro amigo FB … Mais uma “fake ” rolando na WEB ..com dados insanos e fora da lógica dedutiva .

    Paz e saúde para toda sua casa .

    YAH SEJA LOUVADO ..SEMPRE ..

Deixe uma resposta para carlos de jesus Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *