Bolsonaro volta a criticar política da Petrobras: “O petróleo é nosso ou é de um pequeno grupo no Brasil?”

Charge do Jota A. (portalodia.com)

Daniel Gullino
O Globo

Após indicar um novo presidente da Petrobras, o presidente Jair Bolsonaro repetiu nesta segunda-feira, dia 22, que não pretende alterar a política de preços, mas afirmou que “tem coisa que tem que ser explicada” sobre os reajustes. Em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, indagou se o petróleo “é nosso ou ou de um pequeno grupo” e questionou o salário dos diretores da estatal.

Na sexta-feira, Bolsonaro anunciou que indicará o general da reserva Joaquim Silva e Luna para o posto do atual presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. A indicação terá que ser confirmada pelo Conselho de Administração da empresa. As ações da empresa caem 16% nesta manhã, como reação ao anúncio.

REAÇÕES – Na conversa com apoiadores, Bolsonaro afirmou que as reações à troca no comando da Petrobras significam que parte do mercado financeiro apoia uma política que só atendia a “alguns grupos”: “Sinal que alguns do mercado financeiro estão muito felizes com a política que só tem um viés na Petrobras: atender aos interesses próprios de alguns grupos do Brasil. Nada mais além disso”. Depois, voltou a questionar se o petróleo é de todos ou de um “pequeno grupo”: “O petróleo é nosso ou é de um pequeno grupo no Brasil?”

Quanto aos preços dos combustíveis, Bolsonaro afirmou que quer ‘números concretos” da empresa, inclusive sobre o salário do presidente. 2Ninguém vai interferir na política de preços da Petrobras. Eu não consigo entender, em um prazo de duas semanas, ter um reajuste no diesel em 15%”, disse Bolsonaro.

Ele continuou: “Não foi essa a variação do dólar aqui dentro, nem do preço do barril lá fora. Tem coisa que tem que ser explicada. Eu não peço, eu exijo transparência de quem é subordinado meu. A Petrobras não é diferente disso aí”.

SALÁRIO –  Em seguida, o presidente perguntou aos apoiadores se eles sabiam o salário do presidente da estatal: “Respeito a empresa, seus funcionários, seus servidores, mas queremos saber de números concretos do que acontece lá. Bem como a política salarial dos seus presidentes e diretores. Alguém sabe quanto ganha o presidente da Petrobras? Alguém tem ideia? Chuta, bem alto aí”.

Uma pessoa respondeu que seria R$ 50 mil, e Bolsonaro disse que é “mais do que isso por semana”. Ele também criticou Castello Branco por estar trabalhando de casa durante a pandemia do novo coronavírus. “R$ 50 mil por semana? É mais do que isso por semana. Então, tem coisa que não está certo. Não quero que ele ganhe R$ 10 mil por mês também, não. Tem que ser uma pessoa qualificada. Mas não ter esse tipo de política salarial lá dentro”, disse Bolsonaro.

Ele continuou: “E para ficar em casa, trabalhando de casa. Então, no meu entender, não justifica. Pode até estar fazendo um bom trabalho de casa. Mas para mim não justifica essa ausência da empresa”. No ano passado, a Petrobras aumentou a previsão de remuneração de seus principais executivos. Os  salários mensais somados ao bônus (remuneração variável) de cada um dos nove diretores-executivos, incluindo o presidente, poderão chegar a uma média de R$ 400 mil entre abril do ano passado e março de 2021.

8 thoughts on “Bolsonaro volta a criticar política da Petrobras: “O petróleo é nosso ou é de um pequeno grupo no Brasil?”

  1. Se o Bozo continuar com esse comportamento ele terá o meu apoio!

    Mas como o Bozo é nacionalista de boca, provavelmente é só teatro da parte dele para mais distração do povão.

  2. Se mudar a política de preços da Petrobras, ok, até eu dou razão a Bolsonaro nessa.. Repassar esses aumentos brutais ao consumidor é insano (e só beneficia os com grana alta, o Deus mercado para gáudio de poucos), haja vista o Brasil ser autossuficiente. Claro, a empresa deve ter um lucro razoável, com base nos custos, entre outros, de extração, de transporte, de refino, de novas prospecções, etc.. .
    Agora o pessoal está querendo a todo custo privatizar a empresa para que aumentos semelhantes não sejam criticados.

  3. Desde 2017 ou 2018, nem me lembro direito venho postando pelo menos 1 vez por ano o artigo abaixo. Acho até que deveria mudar o titulo que deveria ficar assim:
    ATÉ QUANDO A ESTUPIDEZ VAI PREVALECER NA POLITICA DE PREÇOS DOS DERIVADOS DE PETRÓLEO ?
    N minha modesta opinião Bozonaro está ultrapassando todos os limites, está pior que a DILMANTA que pelo menos acreditava por razões ideologicas ultrapassadas e igualmente estupidas em intervenções nos preços sem nenhuma politica de preços inteligente a dar guarida.
    Olha aí o resultado, definitivamente(ou quase isso) as ações da Petrobrás deixam de ser ações de investimento e poupança, não passando de “junk bonds”, papéis lixo que só sevem no máximo para se fazer especulação.

    É UM ABSURDO DEIXAR O DIESEL BARATO-TENHO PROPOSTA MAIS INTELIGENTE

    Pressionado pela greve , o governo tomou a pior decisão possível, retirando
    praticamente todos os tributos em cima de um combustível totalmente inadequado
    em termos ambientais, subsidiando assim até mesmo playboyzinhos com suas
    pick ups e peruas SUV a diesel, para que possam desfilar imponentes pelas ruas
    e avenidas das grandes e pequenas cidades do país..
    O principal motivo para essas infelizes decisões, foi a situação insustentável
    de milhares de caminhoneiros autonomos. Digo já de antemão, que o diesel tem sim
    que ser bem caro como em boa parte dos países civilizados do mundo que incentiva
    cada vez mais o uso de veiculos elétricos e até mesmo os EUA tornou o pró-alcool
    deles muito mais eficiente do que o nosso, graças a nossa já tradicional incompetencia
    e irresponsabilidade governamentais.
    Sim, o diesel tem que ser caro mesmo, principalmente com a tributação principal
    sendo feito através de um tributo como a CIDE, que terá uma função arrecadatória
    para fundos especiais a serem criados e também um tributo arrecadatório.
    E aí como é que fica a situação dos milhares de caminhoneiros autonomos esmagados
    num regime de livre concorrencia por tributos altos, por pedágios, pela manutenção
    dos caminhões castigados pelas péssimas condições de muitas estradas, pela carga muitas
    vezes desumanas de trabalho, etc, etc…
    Fico até surpreso de não ter visto ninguém até o momento lançar alguma proposta
    mais inteligente para minorar o sofrimento dessa importantissima classe tão sofrida.Acho
    mesmo, que é porque tanto os politicos demagogos quanto muitos “especialistas” que vivem
    “vomitando” sugestões na imprensa estão pouco se lixando para as agruras desse pessoal.
    Pois vai aqui, gratuitamente, uma sugestão mais inteligente que não seja subsidiar
    a ostentação dos “playboyzinhos donos de pick up e peruas SUV a diesel”:
    – Criação de uma espécie de bolsa caminhoneiro autonomo. Já existe uma estrutura
    parecida com o bolsa familia. Basta o caminhoneiro abrir uma conta na CEF ou no BB,
    provar o gasto com o diesel e com pedágios em seus fretes contratados, e teria o total
    ou uma parte de seus gastos cobertos pelo Governo Federal.
    – Isso poderia ser feito inclusive com recursos da CIDE.
    – Isso não deveria valer para transportadoras e para frotas, pois esse pessoal
    tem todas as condições de passar seus custos para os contratantes, bem diferente da
    desprotegida classe dos caminhoneiros autonomos.Talvez pudessemos incluir também os
    perueiros escolares, cada caso poderia ser estudado, mas nunca beneficiando grandes
    transportadoras e frotas de grandes empresas.
    Não ganho nada propondo idéias como essa, mas vou ficar feliz se essas mesmas
    idéias ao menos passarem a ser discutidas. Afinal de contas o governo com milhares
    de assessores e “aspones” é incapaz de propor qualquer coisa razoável está sempre
    reagindo mal e pressionado, acaba tomando as piores decisões.

  4. Da maneira como ele se “espreme”, certamente não sabe o que é transparência e credibilidade! Daqui algumas horas retirará as expressões!.
    Agora traição e esdtelionato eleitoral ele sabe tudo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *