Bolsonaro volta domingo à Av. Paulista, ao lado de Silveira, para esculhambar o Supremo

Ato pró Bolsonaro começa na Avenida Paulista

Bolsonaro vai reprisar o 7 de Setembro. ao lado de Silveira

Carlos Newton

Neste domingo, os bolsonaristas voltam a desfilar na Avenida Paulista, que desde o movimento “Diretas Já” se transformou numa espécie de sambódromo político na maior metrópole do país. Neste ano, o comício do 1º de Maio é diferente. Além de ter como motivo o Dia do Trabalho, os organizadores resolveram dedicar o ato público também ao deputado Daniel Silveira, que a providencial caneta Bic do presidente acaba de salvar da prisão, da cassação, da multa de quase R$ 200 mil e da inelegibilidade.

Dá para imaginar o que irá acontecer. É claro que Daniel Silveira vai fazer mais um violento ataque ao Supremo. Não sabe discursar, tem o raciocínio de um camundongo, mas qualquer coisa que disser estará de bom tamanho para levar a multidão ao delírio.

PALAVRA FINAL –  O discurso apoteótico dessa manifestação cívica, é claro, ficará a cargo do presidente Jair Bolsonaro. E não há a mais remota dúvida sobre o que acontecerá, porque se trata de um personagem irrefreável, irrepresável e irrecuperável, que não tem capacidade de aprender com os erros cometidos. Esta semana, por exemplo, Bolsonaro voltou ao clima do Sete de Setembro e fez questão de proclamar que é o chefe das Forças Armadas.

O fato concreto é que a manifestação do ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira, com críticas ácidas ao ministro Luís Roberto Barroso, não parece ter sido compreendida pelo presidente da República.

Bolsonaro demonstra ter entendido a nota ministerial como uma espécie de salvo-conduto para declarar guerra ao Supremo, num momento em que se deve fazer exatamente o contrário e refrear os impulsos. Mas quem pode conter um personagem como Bolsonaro, que ainda vestia a farda quando sonhava em explodir bombas em quartéis e no sistema de abastecimento de água, a pretexto de conseguir um mero aumento salarial.

###
P.S.
Bolsonaro agora tem o poder, mas não pode explodir nada. As Forças Armadas apoiaram sua ascensão à Presidência, mas julgaram que ele faria um governo muito diferente. Nesse mandato, ficou claro que Bolsonaro tentou comprar os militares com aumentos salariais e vantagens, mas foi uma ilusão. As Forças Armadas brasileiras não estão e nunca estarão à venda. Se prosseguir no delírio golpista, Bolsonaro ficará dando ordens sozinho, tipo Napoleão de hospício. (C.N.)

15 thoughts on “Bolsonaro volta domingo à Av. Paulista, ao lado de Silveira, para esculhambar o Supremo

  1. As forças desarmadas brasileiras só se preocupam com a manutenção dos seus privilégios, conta bancária e remédios pra paumolescência. São entreguistas, vide o almirante ministro do MME que defende a privatização da Eletrobrás e Petrobrás, e figuras como leitão pazzuelo e outros generais toscos provam que são incompetentes em tudo que se propõem a fazer. Não me surpreenderia se em um segundo mandato do bizarro eles se sentiriam confiantes a passos maiores rumo ao autoritarismo.

  2. Isso mostra como o Bozo é sistema mesmo: o Bozo é o bobo da corte. Finge combater o sistema, mas trabalha para fortalece-lo.
    Ou alguém não acha estranho o Bozo perder TODAS brigas que são importantes para a independência do Brasil?

  3. Oba amanhã vamos ter barraco novo!
    Bolsonaro é criativo, espero que nos apresente um número novo amanhã na Paulista.
    O show precisa continuar.

  4. A síndrome do golpismo está se espalhando.
    O STF deu um golpe branco para eleger Lula.
    Lula deu outo golpe, abraçou Alkmim.
    Os golpistas se reuniram com o PSB para cantar o hino da internacional socialista.
    Querem dar um golpe na democracia para estabelecer o comunismo.
    Vai daí que Bolsonaro vai levar uma multidão pra rua para dar um golpe nele mesmo.

  5. Tá bonito agora ver a briguinha entre o inoperante e ineficiente Romário e o imbecil brutamontes pro senado do Rio. E tem gente que vota nisso aí. O bolsonarismo , embora seja rasteiro , é divertido. Tem gente que fala em “volta do comunismo” se o pilantrão mor perder. Só tomando umas….

  6. 1964 foi 1964 e as condições eram outras. A grande diferença que Bolsonaro não consegue entender em seus arroubos golpistas é que ao contrário das outras nações sul-americanas, como a Venezuela por exemplo. As forças armadas brasileiras não possuem seus quadros lastreados nas elites. Aqui a massiva maioria do nosso oficialato tem sua origem na classe média e consequentemente são mais sensíveis ao povo. Esse sonho de Bolsonaro querer se alçar a ditador com apoio dos militares é uma piada. Imaginem se num eventual golpe o alto comando formado por generais quatro estrelas iria manter como presidente um militar de baixíssimo calibre como Bolsonaro.

  7. Estou com o editor: os militares não apoiam o Bolbonaro por uma questão de sobrevivência – eles não ficam milionários (em dolar!) mas têm uma vida segura e são bem remunerados. Além disso eles têm uma boa formação ética.

      • Por todo mundo e em todos os lugares, sempre tem os Mitos e os puxa-sacos.
        O pequeno general se equivocou! O correto era: se o centrão gritar, não ficará um de fora do governo!
        Afinal de contas, Bolsonaro sempre foi centrão!
        Fallavena

  8. O exército disse que não se meteria e não se meteu. Nossas forças armadas são maiores do que alguns dos generais do momento.

    A gadolândia merece e gosta! A dupla Bolsonaro/Silveira está acima das expectativas dos mintorianos.
    Vamos deixá-los brincando de casinha!

    Fallavena

  9. Da mesma forma que não passa pela minha cabeça votar em Bolsonaro, cuja indiferença à questão social parece psicopatia, também não passa pela minha cabeça votar em Lula, cuja leniência com a bandidagem, igualmente um problema social, também parece psicopatia. Bolsonaro acharia bonito eu morrer de fome se isso fosse para cumprir os desígnios do “mercado”, Lula acharia bonito eu tomar um tiro na cabeça para um vagabundo pegar meu celular e ir no bar “tomar uma cervejinha”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.