Bomba política: Vacina da Índia e demissão de Salles explodem o governo Bolsonaro

Charge do Nando Motta (Arquivo do Google)

Pedro do Coutto

As edições de hoje do O Globo, da Folha de São Paulo e do Estado de São Paulo não deixam dúvidas de que os fatos dramáticos das últimas 24 horas explodiram o governo Jair Bolsonaro de forma arrasadora. Não vejo a possibilidade de o presidente da República se recuperar do impacto e manter o poder na administração do país.

A reportagem de O Globo, assinada por Natália Portinari, Julia Lindner e Thiago Bronzatto, revelam a impossibilidade de o governo prosseguir como se nada tivesse ocorrido no cenário nacional.  Em sua denúncia, Luis Ricardo Miranda, funcionário do Ministério da Saúde, revelou ter comunicado diretamente a Bolsonaro as suspeitas que envolveram a compra encomendada da Covaxin, empresa da Índia produtora de vacina destinada a combater a Covid-19.

DESESPERO – Isso foi tão arrasador que o Planalto está tentando de forma desesperada acionar simultaneamente a Polícia Federal, a Procuradoria-Geral da República e a Controladoria Geral da União para impedir o depoimento de Miranda previsto para amanhã, sexta-feira, à CPI do Senado Federal.

Outra reportagem de Daniel Gullino e Paulo Cappelli, também no O Globo, atestam diretamente o clima de pânico  que, como uma nuvem de tempestade, envolve o centro do poder. Se o depoimento de Luis Carlos Miranda não se revestisse de um efeito extraordinário, não haveria razão para que Onyx Lorenzoni, ministro da Secretaria Geral, se mobilizasse maciça e intensamente contra o depoimento que se desenha como terrível para a administração federal.

Várias ofertas de vacinas, uma delas da Pfizer, se sucederam e não despertaram a atenção do governo. Mas a atenção governamental, na área da Saúde, se voltou para a aquisição da Covaxin, cujos preços superam de várias vezes o valor das unidades das demais vacinas.

SUSPEITA –  O que se pode dizer sobre isso? Nada a não ser lançar-se à sombra da suspeita o governo que, por outro lado, foi capaz de nomear e se esforçar para manter Ricardo Salles no Meio Ambiente, mesmo quando a pasta política tornou-se irrespirável para o Executivo e incapaz de manter o antiministro.

Bolsonaro demite ministros, como no caso de Eduardo Pazuello e Ricardo Salles, elogiando ambos como se não fossem culpados de nada, como se fossem eficientes auxiliares de um projeto falido. Se os ex-ministros fossem realmente extraordinários no sentido positivo, por que demiti-los?

Aconteceu também com o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub que, após perder o cargo, foi nomeado para o Banco Mundial. Não há como definir a realidade do período Jair Bolsonaro que ficará para sempre incorporado à história do país como a pior passagem de alguém pelo poder e que, ao invés de agir procurando algo construtivo, faz questão tacitamente de traçar a linha sinuosa da desconstrução e, portanto, também da destruição.

NEGACIONISMO –  A destruição é a política da terra arrasada pela incompetência, pelo negacionismo em relação ao coronavírus.  Uma falta de sensibilidade mínima para adquirir vacinas imunizantes. Bolsonaro deixou cair a máscara, não só a de proteção, mas da incapacidade absoluta de governar.

A carga contrária ao governo, na minha opinião, revela a impossibilidade de Bolsonaro permanecer mais tempo na Esplanada de Brasília, transformada por ele em um ponto de contestação tanto ao Congresso Nacional quanto ao Supremo Tribunal Federal. Um desastre cujos efeitos a cada dia aumentam. Parecia incrível que alguém fosse capaz de cometer tantos erros e omissões, com tanto rancor e desprezo pelos homens e mulheres que trabalham em nosso país.

Depois que o episódio Luis Ricardo Miranda se concretizar amanhã na CPI, a população brasileira estará à espera de uma solução e do preenchimento de um espaço democrático e construtivo para recuperar o país da explosão bolsonarista.

19 thoughts on “Bomba política: Vacina da Índia e demissão de Salles explodem o governo Bolsonaro

    • Pedro do Couto já caiu em descrédito faz tempo. Se transformou num esquerdista extremista, vive bufando asneiras contra o Presidente Bolsonaro, críticas infundadas saem de suas entranhas comunistas. Coitados dos leitores do blog do CN. É vida que segue…

  1. Nada mais me surpreende no que concerne o governo bolsonaro. Esse “porra” só sabe fazer confusão. O Congresso brasileiro deve dar toda a proteção possível aos depoentes de amanhã. A imprense deve mostrar tudo o que acontecer. O povo tem que ser conscientizado da estupidez que foi votar nesse quadrúpede. E não pode ficar só nisso. Esse moleque tem que ser punido !!! É preciso afastá-lo do poder para sempre !!!

  2. Mais um tiro no pé da podre política brasileira, junto com a mídia marrom. Desse jeito vocês, oposição esquerdista, não vão conseguir derrubar ou desgastar o Presidente Bolsonaro. Quanto mais batem no governo, mais ele cresce na vontade do povo. E vida que segue…

  3. Se os nossos instrumentos de luta populares e democráticos – associações, sindicatos, movimentos, centrais sindicais -, não tivessem perdido a inserção e representativodade junto aos seus associados – devido a farsa da conciliação de classes -, sem dúvida a pressão popular já teria sido a pá de cal nesse governico milicomiliciano-evangélico.
    .
    Em tempo: Pedro do Couto mais afiado que nunca.
    Clap, clap, clap!

  4. ô .. ô Pedro do Coutto continua coletando notícias nas águas podres da imprensa venal e corrupta. Ainda não percebeu que são veículos sem a mínima credibilidade. Com base nas fontes, chega ao absurdo de escrever que “o planalto tenta impedir o depoimento do deputado na CPI”. Não! não é isso! A PF e a CGU vão investigar os caluniadores.

    Pedro do Coutto deve ter se esquecido daquela outra mentira, a “interferência na PF”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *