Braga Netto age a favor da permanência de Mandetta e é alvo de ala ideológica e do ‘gabinete do ódio’

Braga Netto é tido nos meios militares como “interventor” do Planalto

Tânia Monteiro
Estadão

Escalado para comandar o comitê de crise e coordenar as ações do governo sobre o coronavírus, o ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, passou a ser tratado nos meios militares como uma espécie de “interventor” do Palácio do Planalto.

O general do Exército assumiu a nova tarefa na semana passada, quando passou a mostrar efetivamente a que veio. Após reclamações do  presidente Jair Bolsonaro sobre o protagonismo do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, Braga Netto não apenas transferiu as entrevistas a respeito da pandemia para o Planalto como foi um dos que convenceram o chefe a não demitir o colega.

AVALIAÇÃO – Na prática, os militares do governo avaliam que a dispensa de Mandetta, neste momento, fortaleceria governadores que travam uma queda de braço com Bolsonaro, como João Doria (São Paulo) e Wilson Witzel (Rio).

Nesse cenário, o chefe da Casa Civil assumiu sua função de gerente do governo, que atua com mão de ferro para proteger Bolsonaro. “Braga Netto é o homem certo, no lugar certo, na hora certa”, disse ao Estado o vice-presidente, Hamilton Mourão, que vira e mexe é criticado nas redes sociais pelo vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

ATAQUES – A ala ideológica do governo e o chamado “gabinete do ódio”, comandado por Carlos, filho “zero dois” do presidente, desaprovam o poder concedido aos militares na equipe e, agora, na administração da crise.

Braga Netto, no entanto, diz não se aborrecer com os ataques e continua dando ordens aos colegas, até mesmo em bilhetinhos que passa para ministros durante  entrevistas no Planalto.

FOGO AMIGO – Diante de novo fogo amigo, coube a Mourão sair em defesa do general. “Ele não está enquadrando ninguém, mas apenas fazendo a verdadeira governança. Assim, a Casa Civil passa a atuar como um verdadeiro centro de governo”, resumiu o vice.

“Braga Neto está fazendo o que sabemos: colocar ordem na casa, coordenando as ações ministeriais, de modo que haja sinergia, cooperação e, como consequência, os esforços do governo sejam mais eficazes.” A organização da Casa Civil, segundo Mourão, tem como meta estabelecer “um sistema de comando e controle que permita ao presidente tomar decisões”.

RUMORES – Na semana passada começaram a circular rumores de que Braga Netto seria o nome escolhido por uma Junta Militar para assumir o comando do País, deixando Bolsonaro como “rainha da Inglaterra”, que reina, mas não governa.

A versão começou a ganhar força no fim de semana nas redes sociais, a ponto de usuários alterarem o dicionário online colaborativo Wikipédia para apontar o general como o 390º presidente do Brasil – a mudança foi desfeita assim que o site identificou.

A tese da “conspiração” é alimentada por filhos do presidente, que têm Mourão entre seus alvos prediletos. Em entrevista ao Estado, porém, o ex-comandante do Exército Eduardo Villas Bôas foi enfático: “Ninguém tutela Bolsonaro”.

FREIO – Ex-interventor na segurança pública do Rio em 2018, nomeado à época pelo então presidente Michel Temer, Braga Netto é conhecido pelo estilo durão. Nos últimos dias, ele tem tratado de assuntos tão diversos quanto importantes: da ciumeira relacionada aos holofotes sobre Mandetta à infraestrutura do País, passando por discussões econômicas e até por conversas com companhias aéreas para manutenção de voos durante a crise.

A poucos dias de completar dois meses no cargo, Braga Netto ainda está fazendo substituições na Casa Civil, pasta que, antes, era comandada por Onyx Lorenzoni, hoje titular do Ministério da Cidadania.

ARTICULAÇÃO – Recentemente, por exemplo, ele nomeou o general Sérgio José Pereira – seu antigo auxiliar na época da intervenção federal, no Rio – para ajudá-lo a fazer a articulação com os demais ministérios.

O núcleo militar do governo considera que, por não ter aspiração política – ao contrário de Onyx Lorenzoni, pré-candidato ao governo do Rio Grande do Sul, em 2022 -, Braga Netto imporá rapidamente um freio de arrumação na equipe.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGEm tradução simultânea, o presidente Jair Bolsonaro ainda manda, mas não manda muito. Vamos aguardar para ver se ele vai tolerar essa situação. (C.N.)

25 thoughts on “Braga Netto age a favor da permanência de Mandetta e é alvo de ala ideológica e do ‘gabinete do ódio’

  1. Bolsonaro examina três nomes para o lugar de Mandetta na Saúde
    O deputado Osmar Terra, o presidente da Anvisa almirante Barra Torres e a médica Nise Yamaguchi estão nohttps://diariodopoder.com.br/bolsonaro-tem-tres-nomes-na-mao-para-substituir-ministro-mandetta/ páreo

  2. Todos que já tivemos estresse consultamos um especialista,
    em regra médico. Após toda a anamnese uma das sugestões do especialista é: tire férias, procure descansar das atividades extenuantes e que te causam estresse. Relaxe, vá passear, namorar. Banhos de mar são ótimos.

    Por que o Bolsonaro não tira férias?

    • 1 – 2 – 3.

      1- Eu igualmente a 50% do povo brasileiro, descansa carregando pedra.
      2- Essa doença é de rico, funcionário publico e boiola.

      3- Quem está estressado, são vocês jornalistas e demais adoradores da teta publica; o Bolsonaro, está no comando, tranquilo e calmo.

      Já percebeu, que o único que fala sobre vírus x falta de comida, é o Bolsonaro. A vagabundagem, só fala (80% de mentiras e/ou invenções) do Bolsonaro.

  3. Além de arautos da pestilência golpista, os mé®dias foram infectados pelo vírus da idiotia e, pior, querem contaminar também os seus leitores. A alimária que escreveu essas sandices esqueceu-se de que quem nomeou o general Braga Neto para a casa civil foi o Presidente Bolsonaro.

    Quanto ao Mandetta, foi salvo pelo risco da solução de continuidade. Logo, logo, irá curtir uma quarentena na companhia dos corruptos Botafogo e Batoré.

  4. Infelizmente o nosso jornalismo, assim como o nosso ensino é dos piores do mundo. Com isto, um puxa o outro.
    Quando nos deparamos com reportagens de uma folha, globo ou estadão, vemos a diferença gritante que existe em comparação com as de um jornalista inglês ou americano.
    De cara, pelo espaço que ocupa uma reportagem brasileira, vemos que é 5 ou 6 vezes menor do que a dos jornalistas das nacionalidades que citei para dar um exemplo. Isto, porque lá fora o pessoal, além de melhor ensino é menos volúvel às falsas moral de natureza ideológica e assim procura abordar o assunto de sua matéria em todos os seus aspectos e com isenção, o que não ocorre com na nossa imprensa, que hoje mais parece com uma gráfica de panfletos políticos de um sindicato ou de um centro acadêmico..

    • Não vou dizer que você está mentindo (entre os piores não ganha troféu); mas, vou fazer um desafio. Que qualquer esquerdista, coloque um único pais que tenha um jornalismo PIOR que o brasileiro.

  5. Boa tarde.

    Por hoje basta de comentar de minha parte.

    Não acredito na infantilidade de fazer uma reunião e somente após os militares imporem a não exoneração do Sr. ou Dr. Mandetta.

    Infantilidade para quem pensa assim. Militares não mostram poderes apenas os detêm.

    Nesta jogada de redes pegaram alguns peixes, as vezes até o próprio Mandetta. O tempo dirá…

    Somente interpretação dos fatos, para mim.

    OBS: É isso que muitos falam, para que postar uma asneira dessas.

  6. O primeiro passo foi o desarmamento do cidadão de bem..
    O segundo passo foi cooptar a mídia

    O terceiro passo manter o cidadão preso em casa ..

    O quarto passo é aparelhar o estado ..

    Só falta agora o governo único mundial ..

  7. Positivo. Braga Netto e Mourão assumiram definitivamente o leme do barco, o capitão pode mandar ir para lá ou ir para cá, mas o barco vai sempre seguir na direção correta.

    • Grato por suas palavras, Lafaiete De Marco. O nosso Francisco Bendl escreveu um artigo sobre os comentaristas e acho que esqueceu teu nome. Vou conferir.

      Abs.

      CN

      • Estimado CN, li o referido artigo. Sinceramente, não esperaria ter meu modesto nome dentre os citados. Seria “muita honra para um pobre marquês”, como se dizia antigamente rsrsrs… abração!

  8. Lafaiete de Marco,

    Aos comentaristas que esqueci o nome, pedi perdão no próprio texto.

    Faço-o diretamente agora:
    Por favor, aceita as minhas desculpas pelo erro clamoroso que cometi, mesmo sendo involuntário.

    Abraço.
    Te cuida.

    • Admirado sr. Francisco Bendl, como disse acima, seria “muita honra para um pobre marquês” integrar sua judiciosa lista. De qualquer forma, sinto-me por demais honrado por sua mensagem. Saúde e felicidades. Grande abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *