Brasileiro tem mania de proteger o bandido

Francisco Vieira

Neste país, quem está certo é quem está errado. A inversão de valores politicamente correta impera nesta terra e transforma pedra em pau. Por aqui, primeiro vem a vida de quem está errado. Se sobrar tempo, o Direito acolherá a vida de quem está certo.

Os senhores não viram o “terrorista jabuticaba” no hotel de Brasília? Depois de todo o teatro, diversos “especialistas” concederam entrevistas aos jornais dizendo que a “ação de policiais no sequestro em hotel foi exemplar” e que “a polícia agiu dentro do padrão que é preservar a vida do refém, do bandido e da polícia”.

E se, ao invés de um idiota, fosse um terrorista de verdade? E se esse maluco estivesse com explosivos de verdade e, durante todo esse tempo de negociação e de preocupação com a saúde do idiota, ele acionasse o detonador e mandasse tudo para o alto, inclusive a vida do refém? Como preservar a vida de um terrorista que quer se matar para ir para o céu?

ÔNIBUS 174 E TAINÁ

Antes dos desfechos fatais, falaram a mesma coisa no caso do Ônibus 174, onde foi morta a professora, quando o próprio governador ligou e impediu que os atiradores alvejassem o bandido na janela, e também no caso da jovem Tainá, sequestrada e morta pelo ex-namorado depois de quatro dias de negociação com a polícia. Até mesmo a mãe da menina, na véspera do desfecho, disse que ele era apenas um “jovem apaixonado” e que não acreditava que fosse capaz de agredir a sua filha!

Nesta nação todos se identificam, primeiramente, com o bandido. Em qualquer confronto, todos “se doem” por quem infringe a lei. Depois, se sobrarem sentimentos, é que pensam na vida das vítimas desses animais ou em que está tentando fazer a lei ser cumprida!

Foi assim no caso do sujeito que matou o jornalista com um rojão e preso pela polícia, não foi? Não foi assim também no caso do assaltante amarrado no poste? Alguém sabe pelo menos a cor das pessoas assaltadas por ele? Sabem se foram machucadas ou mortas? Se estão conseguindo sair às ruas?

12 thoughts on “Brasileiro tem mania de proteger o bandido

  1. Verdade. O povinho desse país de merda adora vagabundo e bandido. Vide sarney (pai e filhos), calheiros (pai e filho), jader (pai e filho), maluf, quadrilha do PT e vários outros.

    • Engraçado, cita alguns nomes de quadrilheiros e não cita os nomes de serra, geraldo alck-lixo, anibal, fhc, aecio, aloisio mateus, covas, robson monteiro, filhos dos covas, filhos do fhc, filhos do geraldo, lalau, estevão, daniel dantas, tudo da quadrilha do Sultão de Paris…,e
      “vários outros”…
      Para dizer que fica “imparcial” cita “vários outros”…
      eh!eh!eh!eh
      Por que será.?? ó raios….

      • O MAV ainda está vivo! Beleza, vamos falar de bandidos: Começando a história por Lulla, o maior de todos os bandidos da história deste país:
        a. Barba, o traidor dos companheiros,
        b. Celso Daniel,
        c. Mensalão,
        d. Rose a amante
        e. Correios
        f. Petrolão – começou com ele
        g. Friboi
        h. Elke

  2. Entendo sua revolta.
    Acho que precisamos reaver antigos valores, fazer valer os direitos humanos das vítimas, em primeiro lugar.
    Acho que temos que parar de tratar o povo como coitadinho. Junto com seus direitos, assumam seus deveres e responsabilidades.

  3. Francisco, em primeiro lugar, a ordem é “a vida do refém, dos civis em volta, da polícia e por último do bandido”.
    No caso do ônibus 174, se você viu a reportagem ao vivo ou a filmagem deveria se lembrar que os franco atiradores não podiam atirar porque o ônibus estava parado numa avenida com grande quantidade de pessoas dos dois lados, formou-se uma multidão de espectadores, de qualquer janela que os franco atiradores estivessem posicionados com visão do bandido um tiro de fuzil que errasse, ou mesmo que acertasse mas atravessasse o sequestrador, poderia matar espectadores inocentes. E a negociação estava funcionando, o sequestrador desceu do ônibus com a refém, e aí um policial afoito tentou abatê-lo de muito perto com uma submetralhadora, precipitou-se, errou o tiro e a refém morreu, não ficou bem esclarecido se por tiro do sequestrador ou do policial. A ação do policial foi completamente idiota e irresponsável.

  4. Assino embaixo. Chega mesmo de coitadinhos. Sou contra rebaixar a idade penal para 16 anos. Não resolverá o problema atual. 10 (dez) anos é uma boa medida. Entre 6 e 10, relativamente incapaz. Abaixo de 6, inimputável. Hoje em dia, salvo as comunidades muito afastadas dos centros (onde também os índices criminais são baixíssimos), qualquer jovem de 10 anos para cima sabe se é crime ou não a besteira que está fazendo. E se não sabe, depois de preso aprende. De preferência para sempre, para nujnca mais fazer besteiras.

    E, para aqueles crimes chamados hediondos, nada melhor que uma pena capital, com distribuição dos órgãos aos institutos cadastrados para efetuar transplante em pessoas de bem que estão mal.

    Assim tem jeito.
    Quanto a Aécio ou Dilma, tanto faz. Mas é bom trocar. A alternância, além de fazer o futuro governante perder um tempo até se adaptar, o que pode significar uma calmaria na roubalheira durante esse período, possibilita a que os malfeitos sejam descobertos pela equipe adversária.

  5. Engracada esse discusao de criminosos pangares. Eu quero ver e ter coragem para enfrentarem uma discusao em que se coloca os maiores criminosos em pauta , que sao em sua maioria os grandes empresarios de todos os setores e agiotas travestidos de banqueiros , que usando a caneta cometem mas assassinatos anualmente do que arma de fogo ou mortes no transito. Quem governa o Estado brasileiros sao essas mega-corporacoes assassinas, que atuam na extrutura estatal em todos os niveis , executivo, legislativo e judicario, e ainda cinicamente com a midia-corporativa enganam o povo, de todas as classes socias, e os intelectuais incautos, para fazerem o discurso de mudanca, quando na verdade estao defendendo o status quo, de dominacao e exploracao deste pais as custa do povo e seu sofrimento.

  6. Sr. Francisco.
    O brasileiro de hoje está de acordo com os que lá de cima ditam as regras.
    Já ouvi e vi muitos dizerem assim “se eles lá roubam, estou pouco me lixando “, tudo para levar o “jeitinho brasileiro á risca”…….
    Como sou da “rua”, mas não das “ruas” da Dona Dorothy, que são regadas a caviar e champagne francesa, vejo muitas coisas acontecerem, como se fossémos uma TERRA DE NINGUÈM.
    Viramos um Paraguaizão de dimensões continentais, tudo ás claras, tudo feito de errado, tudo burlando, tudo pirateado, bem nas caras de todas as autoridades verem o que aconteceu,
    Mas………..como disse o Sultão de Paris uma vez nos corredores do Palácio, “brasileiros são bonzinhos”…seja lá o que diz dizer o corruptola…..

  7. Caro Wilson,

    -Na verdade, esse comentário foi feito às pressas para comentar outro. Se soubesse que mereceria destaque, teria feito com mais esmero!

    Quem alterou a ordem das prioridades das vidas a salvar no texto não fui eu. Foi o “especialista” entrevistado pelos jornais aqui de Brasília, por isso coloquei entre aspas.
    Quanto ao sequestro do ônibus 174, quem criticou e denunciou a intervenção do governador Garotinho foi o coronel Amêndola, do Bope, em entrevista à televisão. Depois do fracasso, enfiou a viola no saco e ferrou os desastrados policiais.
    Já o uso de Sniper, este poderia ter usado uma munição “soft noose”, de ponta mole, menos transfixante do que a bala normal. Neste link são mostradas as posições possíveis dos atiradores que poderia evitar atingir alguém:
    https://www.youtube.com/watch?v=hpIpO2XM7ik

    Quanto ao risco de matar inocentes, esse risco sempre existe (tanto é que a moça morreu), mas a distância dos atiradores era de 30, 50 metros. Desta distância daria para “sentir o cheiro” do bandido. Na verdade, qualquer caçador de pé de serra, com um rifle calibre .22, a essa distância, teria feito o mesmo serviço de um fuzil! Já vi casos de caçadores que atiravam no olho da onça para não estragar a pele! Existe uma munição .22 chamada de Stinger que tem o dobro do impacto de uma .22 normal. Abate até bicho grande.

    No final de tudo, se não fosse a intervenção e a PREOCUPAÇÃO EXCESSIVA DO GOVERNADOR COM A VIDA DO BANDIDO, (conforme disse o coronel), o assaltante teria sido abatido logo no início, teria se evitado o final desastroso, a vítima estaria viva e seria inibido novos sequestros.
    Para que o senhor tenha ideia de como bandido está “cheio da moral” neste país, anos atrás, em um assalto na região do Lago Sul, em Brasília, após fazerem reféns em uma casa, um grupo de menores exigiu para se entregar, vários combos do MacDonald’s…
    Pela ideologia atual, se para “reinserir” (SUPOSTAMENTE) um fora da lei na sociedade tiver que poupar a vida de um bandido e matar dez inocentes, que morram estes inocentes! E quantos inocentes já morreram para que os “ideologistas” de plantão tentassem provar as suas ideologias furadas?

    -ESTE É O MELHOR PAÍS DO MUNDO PARA BANDIDO.
    -QUE O DIGA O ASSASSINO DO CARTUNISTA GLAUCO!

    Abraços.

    (PS: Quantos anos estaria fazendo hoje a professorinha, se não tivessem lhe tirado o direito de viver? Estaria casada? com uma família?)

  8. Artigo muito bem posicionado pelo Moderador, tanto pela titulagem como o texto, do senhor Francisco Vieira-Brasília-DF.
    Em tempo de violência que assola o Brasil, era de se esperar atitudes e iniciativas dos governos estaduais, em princípio como está previsto na Constituição, para se coibir tantos crimes violentos praticados, muitos deles aqui comentados e debatidos pelos leitores.
    Sem considerar os mais covardes, de bandidos de qualquer idade, que matam pelo puro prazer de matar, os chamados crimes hediondos..
    Na minha modesta opinião, vale o figurino: olho por olho… TOLERÃNCIA ZERO!.. em um país que priorizou o desarmamento para o cidadão, e não consegue desarmar o bandido…
    Hoje, autoridades prendendo ou matando em legítima defesa nos entreveros com criminosos, se deparam com comunidades que incendeiam carros e ônibus, fecham ruas e rodovias na defesa de bandidos, viram alvo da mídia, que os rotulam, dando margem aos oportunistas dos direitos humanos, na maioria das vezes ao lado dos bandidos, sem um consolo sequer para as vítimas, transformadas em estatísticas, que por sua vez nos colocam no pódio, como o segundo país mais violento da América Latina…
    É arrepiante ter que se considerar o adágio de um delegado de polícia que dizia que “bandido bom é bandido morto” como coisa civilizada, mas…
    No fundo e no raso, é dureza aceitar, mas é, de fato ,uma guerra!
    Na Brasil, de morte violenta, morrem anualmente muito mais civis que soldados nas guerras do Vietnam ou Iraque.

Deixe uma resposta para Andrade Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *