Buda, a Parábola do Mau Político e a realidade brasileira

Resultado de imagem para buda e a parabola do mau político Antonio Rocha

Certa feita, em um de seus ensinamentos sociais, Sidarta Gautama, o Buda, falava da importância do homem público ter ética e moral ilibadas. Exemplificou com a história verdadeira de um mau político, já falecido, muito famoso por sua corrupção, egoísmo, arrogância e vaidade, que amealhara muita riqueza. Mas não deixara nada para a família, para a viúva e os herdeiros.

A notícia espalhou-se pela região, a pregação informava que o tal político, após sofrer um tempo no inferno (pois no Budismo o inferno é temporário) ele reencarnara no corpo de um cachorro que, por motivos da inexorável Lei do Carma, morava na mesma casa que ele construíra quando ser humano. Diga-se de passagem, verdadeiro palacete.

O filho mais velho, da casta nobre, soube da triste notícia e foi reclamar com o Buda:

– Senhor, estou muito chateado com o senhor, soube do seu ensinamento, que história é essa de dizer que o meu pai renasceu como cachorro?

– Meu jovem, você sabe que a Lei do Carma é infalível.

– Sim, senhor Sidarta Gautama, mas o meu pai foi um grande político, um tribuno reverenciado por toda a nobreza de nosso reino, orador de escol.

– Mas você também sabe, amigo, que ele nunca fez nem um tantinho de caridade.

– Ah!, senhor Gautama, esse negócio de ajudar os pobres é bobagem, justamente por existir a Lei do Carma é que os pobres estão lascados. Quem mandou fazerem besteira em uma vida, então na próxima voltam pobres…

– Não é bem assim, meu rapaz, uma das funções dos pobres e deserdados da sorte é que eles proporcionam a oportunidade aos ricos para que estes os ajudem, das mais diversas formas. Não se trata de esmola, pode ser com bons postos de trabalho.

– Então a gente é rico, só para ajudar os pobres?

– É uma excelente possibilidade para se praticar generosidade, caridade e afins. Quanto mais isso acontece, mas feliz se fica. É uma felicidade interior, diferente da alegria passageira de ter muitas posses, pois não levamos nada de material dessa vida.

– E como é que o senhor pode provar que o meu falecido pai foi para o inferno e reencarnou como cachorro? Estou indignado com isso !

– Muito simples. Vocês, a sua nobre família já não tem tantas riquezas como tinham, quando seu pai era vivo.

– Sim, é verdade, um pouco antes dele falecer, todo o ouro que ele tinha em um velho baú desapareceu misteriosamente.

– Então eu vou te falar a verdade. Pressentindo que ia morrer o seu pai um dia enterrou no fundo do quintal de vocês aquela arca com toda a riqueza da família.

– E como é que o senhor sabe disso?

– Uma das qualidades do Estado de Buda é ver o passado, o presente e o futuro.

– E como eu posso encontrar esse tesouro?

– Hoje à noite, quando o cachorro de vocês estiver dormindo, cochiche no ouvido do animal assim: “Papai onde é que o senhor escondeu o tesouro da nossa família?”

– Está bem, assim farei. – O rapaz agradeceu e foi embora.

Chegou a noite, pela madrugada o rapaz levantou-se, foi até onde o cachorro estava e procedeu como o Buda havia ensinado.

Tipo um sonâmbulo, o animal levantou-se, foi até o fundo do terreno, e o rapaz atrás. Em determinada extremidade do sítio, o cachorro começou a cavar a terra… e logo apareceu a arca com o tesouro.

E os filhos do mau político seguiram as palavras do Buda e aplicaram o dinheiro de forma produtiva e generosa. Um dos princípios do budismo é denominado “Dana” e simboliza justamente a generosidade.

###
PSSidarta Gautama foi anterior a Cristo e viveu há mais de 2,6 mil anos. Tanto tempo depois, os ensinamentos deles ainda não foram totalmente assimilados. Mas um dia serão. (A.R.)

6 thoughts on “Buda, a Parábola do Mau Político e a realidade brasileira

  1. No Brasil… Esquece! – O Congresso esta fazendo um novo REFIS para aliviar a conta dos nobres Deputados e Senadores devedores e seus fornecedores de campanha. O relator Newton Cardoso Júnior é devedor de tributos, valor pequeno, mas o que chama a atenção é o relatório da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional em PGFN/CGR Nº 001, de 4 de maio de 2017, onde consta que o nobre Deputado recebeu 780 mil reais para campanha de empresas que devem 100 milhões de tributos a União, fato raro: A Rio Rancho Agropecuária S/A deve R$ 498.205,42 e doou para a campanha, pasmem ! R$ 498.000,00… É um ESCÁRNIO!!!

  2. “Sidarta Gautama foi anterior a Cristo e viveu há mais de 2,6 mil anos. Tanto tempo depois, os ensinamentos deles ainda não foram totalmente assimilados. Mas um dia serão.”

    Ja os ensinamentos dos Sidartas da America do Sul, nunca serao assimilados…
    Dizimaram os Sidartas sulamericanos….

    Ainda bem que temos o privilegio da floresta, para conectarmos com nossos In’caianinhos.

    Pro mundo desconectado, há uma coisa a fazer, reconectem-se, religuem com a realidade….

    Capitalismo de mercado so voltara a funcionar com um RESET – guerra nuclear e 2/3 da população mundial mortos….
    E pra que?? Pelo capitalismo?? Radiativo??

    O estupido do Stephen Hawking andou declarando que precisamos achar um novo planeta para viver em 100 anos…

    O capitalismo moderno é um CANCER…

    Viver em Marte é a prova da estupidez humana.

    E o Bem existe.

  3. denuncia do blog garotinho (inegavelmente bem informado e sabedor e principal denunciante das podridoes do estado na gestao cabral/ pezao)

    Querem entregar o maracana a rede globo de mao beijada
    Esta tudo armado

    ” disse hoje no meu bate-papo pelo Facebook, a obra do Maracanã teve um gigantesco superfaturamento, que gerou propina a Sérgio Cabral e outros políticos. A Odebrecht, que assumiu a liderança do consórcio, quando estourou o escândalo da Delta, ficou responsável também pela gestão do estádio. Deu no que já se esperava. O estádio foi abandonado, sete mil cadeiras roubadas, a grama do campo deteriorada e milhões de reais jogados na lata do lixo.

    A Odebrecht, obrigada pela Justiça do Rio a cumprir o contrato e assumir a gestão do estádio procurou uma parceria internacional e encontrou na Lagardére, uma empresa francesa, que administra 60 arenas no mundo, que faturou no ano passado 10 bilhões de euros, um parceiro interessado em assumir o Maracanã e cumprir todo o edital. Pois bem, ao Estado só cabe dar o “de acordo” no negócio privado entre a Odebrecht e a Lagardére. Depois de tudo acertado com os franceses, que receberam de Pezão a palavra empenhada, ele agora quer voltar atrás.

    Por que será?

    Por que o Estado, que não tem dinheiro para manter as suas escolas, hospitais, nem mesmo pagar os salários de seus funcionários, não quer dar o aval para o acordo entre duas empresas? O que quer Pezão? Deixar o Maracanã apodrecer no tempo? ”

    ” empresa francesa enviou por escrito ao governador cópia do seu acordo com a Odebrecht. Entre outras coisas, a Lagardére assumirá o valor da outorga ao Estado, no valor de R$ 600 mil / mês, investirá R$ 300 milhões em obras durante o tempo da concessão, e transformará o Maracanã na maior arena de eventos esportivos e culturais do país. Ainda utilizará os espaços internos do estádio para a implantação de uma universidade.

    Um mistério: por que Pezão não quer que o acordo seja fechado? A Odebrecht não quer, o Estado não tem dinheiro, R$ 600 mil por mês de outorga é melhor do que nada, R$ 300 milhões em obras, dinheiro novo, vindo do exterior, sem custo para o governo, e Pezão não quer. Muito estranho…

    Acho que nesta altura o governador ou dá o “de acordo”, ou municipaliza o estádio, porque os franceses também têm interesse no Parque Olímpico, que daqui a pouco também estará destruído sem não tiver uma manutenção adequada. Pezão diz que o Flamengo tem interesse. Todo mundo sabe que sou um flamenguista apaixonado, mas o estádio não pode pertencer a um clube, tem que ser de todos os clubes que quiserem jogar ali. É o templo do futebol brasileiro, e além do mais, o Flamengo não tem dinheiro para fazer as obras complementares do Maracanã.

    A triste realidade é que Pezão, além de fraco e comandar um governo corrupto, tem uma equipe incompetente, despreparada, e que está espantando investidores, além de enterrar cada vez mais o estado. Vocês vão descobrir depois, se não houver uma pressão imediata da sociedade para que a Lagardére assuma o Maracanã, quem de fato está por trás dessa jogada que tem Pezão à frente. Como já sei o final da história anotem aí: Flávio Godinho, preso recentemente na Lava Jato, com US$ 52 milhões em contas no exterior, Eike Batista, Sérgio Cabral, e uma empresa de eventos esportivos ligada à Globo que quer melar o acordo com os franceses para ficar com o negócio. ”

    Link:

    http://blogdogarotinho.com.br/lartigo.aspx?id=23837

  4. Caro amigo e professor Rocha,

    Reitero que sou um admirador do teu trabalho junto ao Budismo e a tua crença nesta filosofia, que nos traz importantes ensinamentos para nossas vidas, independente de aceitarmos a crença ou não.

    Dito isso, essa é mais uma das histórias agradáveis e curiosas que tens nos relatado, cujo fundo de verdade será de acordo com a compreensão de cada um de nós, se permeável à forma de se viver preocupando-se com o próximo ou refratário à ideia de se conviver melhor com os desconhecidos.

    Nesse meio tempo, o problema a ser enfrentado é o egoísmo, que rege as nossas atitudes com relação a dividirmos o que temos ou acumular mais ainda os bens que já dispomos, porém com esta possibilidade conforme alertou Buda, de se voltar a este plano como um simples cusco, sequer um cachorro com pedigree!

    Um forte abraço.
    Saúde e paz!
    Ah, Rocha, se puderes, por favor, como que seria a reencarnação dos nossos parlamentares?!

    • 1) Amigo Bendl, até onde já estudei… a reencarnação desse pessoal vai ser muito triste.

      2) Cada centavo que eles pegam do povo está carregado negativamente com as dores e os sofrimentos desse mesmo povo. Devemos orar por essa gente que mexe no erário público.

      3) Semelhante a Jesus quando estava na cruz e disse: “Pai, perdoa-lhes, eles não sabem o que fazem…”

      4) Da mesma forma, a Lei de Causa é Efeito é matemática…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *