Busca e apreensão na casa e no palácio do governador Azambuja (MS) 

Resultado de imagem para reinaldo azambuja

Azamabuja está na série de governos corruptos

Deu em O Globo

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira uma operação que tem como um dos alvos o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB). Agentes federais cumprem mandados de busca e apreensão na casa do tucano e na governadoria do estado, em Campo Grande.

No total, estão sendo cumpridos 14 mandados de prisão temporárias e 41 de busca e apreensão em cidades do estado. A operação partiu de colaborações premiadas de executivos da J&F e teve os mandados autorizados pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Félix Fischer.

ESQUEMA CRIMINOSO – A suspeita é de um esquema criminoso de concessão de créditos tributários, que teria encoberto o pagamento de propina no estado. Segundo informações do Ministério Público, a propina variava entre 20% e 30% do valor do benefício fiscal concedido. A estimativa é que o prejuízo para os cofres públicos tenha superado R$ 209 milhões.

Investigações preliminares apontaram que a propina era paga de três formas: como doação eleitoral, em dinheiro vivo e por meio da simulação de contratos de compra e venda, com a utilização de várias empresas do setor agropecuário. Essas empresas emitiam notas fiscais falsas para dar aparência de legalidade ao negócio.

Azambuja concorre à reeleição para o governo do Mato Grosso do Sul. Segundo a pesquisa Ibope divulgada em 24 de agosto, o tucano tem 39% das intenções de voto.

LAMA ASFÁLTICA – A ação da PF é um desdobramento da Operação Lama Asfáltica, segundo o G1. A ação investiga uma organização criminosa especializada em desviar recursos públicos federais por meio de obras de pavimentação de rodovias, construção e prestação de serviços nas áreas de informática e gráfica. A soma dos contratos chega a R$ 2 bilhões.

Em maio de 2016, a PF cumpriu 67 mandados judiciais em cidades do Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo. Na ocasião, eram alvos o ex-governador do MS André Puccinelli e o ex-assessor especial do Ministério dos Transportes Edson Giroto. O apartamento de Puccinelli foi alvo de busca e apreensão, e Giroto foi preso temporariamente.

PROPRINA DA JBS – Em agosto deste ano, Puccinelli tornou-se réu pela segunda vez, acusado de receber propina da JBS. A contrapartida seriam os benefícios fiscais à empresa, entre 2007 e 2015, período em que esteve à frente da administração estadual. Ele está preso desde 20 de julho. Outras dez pessoas foram denunciadas.

Segundo o MPF, diz o G1, os valores das vantagens indevidas correspondiam a 30% e depois 20% dos benefícios fiscais. Os repasses eram ocultados por doações de campanha, pagamentos de notas frias em serviços não executados e em dinheiro.

SUPERFATURAMENTO – Durante a primeira fase da operação, deflagrada em julho de 2015, os investigadores constataram que um grupo superfaturava contratos de obras públicas com a administração governamental. Para isso, eles usavam empresas em nome próprio e de terceiros, mediante prática de corrupção de servidores públicos e fraudes de licitações.

Com a análise dos materiais apreendidos nesta etapa, segundo a PF, verificou-se fortes indícios de prática de lavagem de dinheiro proveniente de desvio de recursos públicos e corrupção passiva, já que os envolvidos compraram bens em nomes de terceiros e sacaram dinheiro em espécie para ocultar os valores.

10 thoughts on “Busca e apreensão na casa e no palácio do governador Azambuja (MS) 

  1. PT PSDB: duas facções da mesma quadrilha que montou o esquema de revezamento no poder para roubar sem ser perturbada.
    “-Quem já viu o PT investigando privatização e reeleição do PSDB e PSDB interessado em cassar o mandato do PT após a confirmação do recebimento de propina?

  2. No Brasil os agentes públicos desviam 50% de todos os valores arrecadados por municípios, estados e federação.

    A outra metade é aplicada sob a óptica da corrupção e assim para a população o retorno é ínfimo.

  3. Já acionaram o advogado dos BANDIDOS:

    “O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), avaliou nesta quarta-feira (12) que há “notório abuso de poder” por parte de integrantes do Ministério Público, acrescentando que é preciso por “freios”.

    Gilmar Mendes deu a declaração ao comentar a ação do Ministério Público desta terça (11) que levou à prisão de Beto Richa (PSDB-PR), ex-governador do Paraná e candidato ao Senado, e as ações do MP apresentadas no mês passado à Justiça contra Fernando Haddad (PT-SP), candidato a presidente da República, e Geraldo Alckmin (PSDB-SP), também candidato à Presidência.”

    • Grande novidade! Reinventaram a roda ou redescobriram o fogo?
      Quanto mais fechada e corporativista for a instituição, mais lambanças nos concursos.
      Só para elucidar: nos certames para as PMs, lança-se uma prova objetiva em nível de segundo grau, relativamente fácil: a fim de que os privilegiados pré-selecionados possam passar para a etapa seguinte. Se o número de vagas é 200, classifaca-se o trípulo (600) nesse primeira araque. Depois vêm os testes, cujos parâmetros de avaliação são desconhecidos do candidato, e subjetivamente tendencioso ou tendeciosamente subjetivo. São eles: pesquisa social, exame psicotecnico ou psiquiatra e até avaliações médicas. No final, 2/3 dançam, e 1/3 pré-indicados ficam esnobando “competência”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *