Cabral recebeu R$ 50,5 milhões em propina pelas obras da Linha 4 do metrô

Resultado de imagem para cabral e julio lopes

Lopes e Cabral superfaturaram o ‘legado olímpico’

Carolina Morand
O Globo

Em depoimento ao Ministério Público Federal (MPF), o executivo da Odebrecht Benedicto Júnior revelou que o ex-governador Sérgio Cabral recebeu R$ 50,5 milhões em propina durante a execução do contrato da Linha 4 do metrô. O delator também citou o ex-secretário estadual de Transportes do Rio Julio Lopes, que teria recebido R$ 4 milhões. Antes, BJ, como é conhecido, já havia afirmado que a empreiteira gastou R$ 120 milhões com próprio Cabral e com o atual governador Luiz Fernando Pezão, entre caixa 2 para campanhas de ambos e propina para Cabral.

O delator contou que a Odebrecht pediu ajuda a Cabral para entrar no consórcio da Linha 4. O grupo era liderado pela construtora Queiroz Galvão, e a Odebrecht tinha interesse em adquirir a participação de uma das empresas minoritárias, a Constran.

PRIORIDADE – Pelas regras do contrato, a Queiroz Galvão teria prioridade na compra, por ser a sócia majoritária. BJ disse, no depoimento, que pediu que Sérgio Cabral intercedesse em favor da Odebrecht.

“Fiz um pedido ao governador Sérgio Cabral se ele poderia ter uma conversa com alguém da Queiroz Galvão para que ela não exercesse, e que eu entrasse no consórcio. Eu não perguntei, não sei se ele fez o pedido, mas a Queiroz permitiu que eu adquirisse a participação da Constran e, a partir desse momento, a Odebrecht passou a ser sócia da concessionária” — disse o delator.

O executivo revelou ainda que, no meio da execução da obra, as construtoras que participavam do consórcio — Odebrecht, Queiroz Galvão e Carioca Engenharia — foram chamadas pelo governador Sérgio Cabral, que pediu que fossem incluídas no grupo mais três empreiteiras: Andrade Gutierrez, OAS e Delta.

POR QUE A DELTA? – Benedicto Júnior afirmou que OAS e Andrade Gutierrez seriam bem-vindas, uma vez que a primeira era dona da concessionária Metrô Rio e a segunda é uma das empresas brasileiras com maior experiência em obras de metrô. No entanto, o consórcio resistiu à inclusão da Delta.

“Obviamente, restava um problema. Aceitar a entrada da Delta naquele momento era passar para a Delta uma capacitação de ser executora de metrô dali para a frente. (…) Criou-se um mal estar” — revelou BJ.

Depois de algumas conversas, segundo Benedicto Júnior, a entrada das três novas empreiteiras no consórcio acabou não se concretizando.

PROPINA A LOPES – Com relação a Júlio Lopes, o executivo informou que Marcos Vidigal, diretor de contrato responsável pela execução da obra, foi procurado por um executivo da Queiroz Galvão, com um pedido de pagamento de propina ao então secretário estadual de Transportes.

Segundo Benedicto Junior, o total pago irregularmente a Julio Lopes pela Odebrecht chegou a R$ 4 milhões, entre 2012 e 2014. Ele nega as acusações.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Cabral, da classe média suburbana, e Lopes, da elite da Zona Sul, se uniram para desviar recursos públicos. Fica claro que, em matéria de corrupção, Cabral era mesmo insaciável. Não ia parar nunca, porque continuou chefiando a quadrilha após deixar o governo. O substituto Pezão nunca mandou nada. Seu apelido poderia ser Bobão, é um otário metido a esperto que ainda não foi preso por causa do foro privilegiado. (C.N.)

5 thoughts on “Cabral recebeu R$ 50,5 milhões em propina pelas obras da Linha 4 do metrô

  1. Porquê, este ainda continua solto, ele também fazia parte desta quadrilha, agora, o pior é ver as declarações de que os delatores estão delirando, que é ficção, será que os delatores inventaria toda esta roubalheira com tantos detalhes, são uns tremendos cara de pau, espero que o MPF e PF vá fundo, pois vão descobrir contas no exterior com quantias vultosas e que devolvam tudo ao erário público do Rio de Janeiro.

  2. “Os relatos de Vidigal como de outros executivos há propinas pagas em valores diferentes e em momentos distintos. Marcos Vidigal chega a revelar que no sistema de Caixa 2 da empreiteira, o tribunal era conhecido como “Casa de Doido”.

    “O sistema não informa TCE apenas ‘Casa de Doido’, relata o executivo da Odebrecht.”
    Link
    http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/delta-quitou-divida-com-odebrecht-pagando-propina-ao-tce-diz-delator.ghtml

    Casa de doido?
    Triste mas faz sentido

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *