Câmara instala a CPI do BNDES, que preocupa o PT

Marcos Rotta (PMDB) e José Rocha (PR), presidente e relator da CPI

Aguirre Talento
Folha

Sob promessas de “serenidade” e investigação “imparcial”, a Câmara dos Deputados instalou nesta quinta-feira a CPI para investigar os empréstimos do BNDES, sem a presença do PT nos dois principais cargos de comando. Com uma chapa única concorrendo, os deputados elegeram Marcos Rotta (PMDB-AM) como presidente e José Rocha (PR-BA) como relator. Por um acordo costurado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o PT ficou de fora do comando.

Cunha é hoje adversário declarado do governo. Ele afirma haver uma dobradinha sigilosa entre o Planalto e o Ministério Público Federal para incriminá-lo na Operação Lava Jato. Adversários afirmam, entretanto, que ele usa o embate político como cortina de fumaça contra as investigações.

O deputado Rotta defendeu que o clima político de crise não deve contaminar a CPI, mas afirmou que há uma intenção de obter informações sigilosas dos empréstimos do BNDES. “Não vamos proteger nem perseguir quem quer que seja”.

Já o relator defendeu “serenidade” e afirmou que vai trabalhar com “responsabilidade e sobretudo com compromisso com o país”.

AGRAVAR A CRISE

Nos bastidores, parlamentares comentam que a CPI pode agravar a crise do governo Dilma Rousseff, ao revelar as condições dos empréstimos do BNDES.

O petista Afonso Florence (BA), um dos vice-líderes do governo, minimizou a exclusão do PT e disse que se deveu a um acordo de lideranças, porque o partido já tem a relatoria da CPI da Petrobras. Florence afirmou que o sigilo em operações do BNDES leva em conta regras internacionais.

“A estratégia de desenvolvimento de empresas desfruta de sigilo em qualquer lugar do mundo civilizado”, afirmou.

A partir de agora, a CPI já começa a receber requerimentos dos parlamentares. Na próxima semana, deve começar a votar os primeiros requerimentos e o plano de trabalho.

8 thoughts on “Câmara instala a CPI do BNDES, que preocupa o PT

  1. Brizola e a CPI – Alceu Colares era governador do Rio Grande do Sul pelo PDT, e o PT fazia uma campanha estridende dizendo que havia corrupção no governo. Infernizavam Colares com panelaços em frente sua casa e em frente o palácio Piratini. Brizola governador aqui no Rio de Janeiro, fez uma viagem ao RGS e depois de inteirar-se de assuntos diversos pergunta a Colares: Afinal esse barulho do PT tem fundamento? Existe corrupção no governo? Responde Colares: Brizola isso é política baixa do PT, meu governo não tem corrupção. Brizola diz: Então já que temos o presidente da Assembléia manda instalar uma CPI e dá a presidência e a relatoria ao PT. Assim foi feito e todos do PDT e do PT ficaram atônitos com a ordem do Brizola. Resultado: O PT vasculhou, vasculhou e ficou com a “cara de tacho”. Nada encontrando, só ficava “rosnando” pelo cantos da Assembléia. Brizola não era mole.

  2. Todas as CPIs preocupam o PT, diz a mídia.Entanto, nada, até agora, eu vi de concreto.
    Para mim só a Lava-Jato, tendo como comandante o Dr. Moro e PF vêm fazendo algo de aproveitável.

  3. Pois a CPI instalada no governo de Collares e mencionada acima, apresentou episódios deprimentes para o PT.
    De fato, nada se constatou contra o governador do PDT, razão pela qual Collares deixou atônitos os gaúchos quando inesperadamente passou a se declarar favorável a Lula e Dilma, incluindo participar ativamente à eleição da presidente na sua primeira gestão!
    Ora, o PT foi um inimigo figadal de Collares, pois havia a intenção dos petistas de conquistar eleitores do PDT, diminuir a densidade dos Trabalhistas e aumentar a dos Trabalhadores, pois o PT crescia àquela época e ansiava por espaços maiores em termos regional e nacional.
    Diante dessa mudança inexplicável e simpatia pelo arqui-inimigo do passado, que atormentou a vida de Collares, indiscutivelmente pelo desgaste sofrido que ocasiona uma CPI, a junção do PDT ao PT continua sendo para os gaúchos algo injustificável, que agora se encerra esta aliança jamais compreendida, porém sem que o ministro do Trabalho e do PDT tivesse renunciado, algo um tanto quanto contraditório.

  4. De 1989 para cá já foram instaladas várias CPIs da PETROBRAS. Foram CPIs de mentirinha, todas, na realidade, foram Comissões Parlamentares de Impunidades.

    Os senhores “representantes do povo” jamais defenderam o interesse do povo, continuamente assaltado nos órgãos oficiais e nas empresas estatais.

    Em recente CPI da PETROBRAS, presidida por um deputado petista do Rio Grande do Sul, foi encerrada com a esdrúxula declaração de que “nada tinham encontrado de irregular”.

    Pouco depois estourou a operação Lava-Jato e a população brasileira ficou sabendo que TUDO NA PETROBRAS ERA IRREGULAR, em frontal oposição às conclusões dos nossos maravilhosos e íntegros “representantes”.

    Com relação às CPIs recentemente instadas – considerando a briga de bordel entre o Executivo e o Legislativo – só nos resta esperar para ver em que vai dar. Pode acontecer tudo ou nada, como nas anteriores.

  5. A pergunta, que não quer calar é: Porque só vão investigar, à partir de 2003? Antes do Lula não havia BNDES? Tá na cara que a investigação, é tendenciosa.

    • Tendenciosa, não, senhor: é seletiva. Só venta para um lado. Acredita que sempre foi assim ? Na privatização da Light e da Vale, o BNDES emprestou dinheiro para os interessados comprarem !!! Assim é fácil: “Amigo, estou querendo comprar uma estatal que pode me dar lucros. Empresta a grana ?”. E conseguia.
      Certamente, os governos petistas terão que justificar as obras no exterior bancadas pelo BNDES e a grana altíssima emprestada a Eike Batista.
      Por falar em Light: acredita que os “amigos” franceses que a compraram jamais pagaram ao BNDES ? Mas parece que falar isso tudo aqui neste espaço não vai muito longe. Eu quero ver TODOS na cadeia. O blog quer apenas um lado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *