Casa Civil desmente Bolsonaro e mantém cortes da Educação em plena greve

Resultado de imagem para educação se prepara para a greve

A greve do ensino público está convocada para esta quarta-feira

Deu no Correio Braziliense

Enquanto era organizada a paralisação dos trabalhadores de educação nesta quarta-feira, dia 15, contra cortes no orçamento das universidades federais, parlamentares da base aliada e o Palácio do Planalto soltaram informações contraditórias sobre como o governo deve agir em relação ao tema.

Deputados do PSL, partido de Jair Bolsonaro, afirmaram, na noite desta terça-feira (14/5), que o presidente havia telefonado para o ministro da Educação, Abraham Weintraub, e ordenado que a pasta voltasse atrás no corte de cerca de 30% nos orçamentos das universidades. A informação foi confirmada ao Correio pela deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) e repetida até mesmo pelo líder da legenda na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO).

DESMENTIDO – Pouco depois, no entanto, tanto os Ministérios da Educação e da Economia quanto a Casa Civil desmentiram, por meio de notas, o que os parlamentares diziam. “Não procede a informação de que haverá cancelamento do contingenciamento no MEC. O governo está controlando as contas públicas de maneira responsável”, afirmava o texto divulgado pelo MEC e pela Casa Civil.

Já a pasta chefiada por Paulo Guedes divulgou outro texto: “O Ministério da Economia esclarece que não houve nenhum pedido por parte da Presidência da República para que seja revisto contingenciamento de qualquer ministério”.

A oposição aproveitou as informações desencontradas para criticar novamente o governo. “Temos notícias desencontradas de que teria havido um recuo do presidente em relação a esses cortes. Ninguém sabe ao certo em que acreditar, em qual tuíte, em qual telefonema. O fato é que mesmo esse recuo é insatisfatório. Nesta quarta-feira nós estaremos na rua”, afirmou a deputada Margarida Salomão (PT-MG).

‘DECISÃO TOMADA’ – Depois de ter sido desmentido pelo Planalto em relação ao recuo no corte de verbas para a educação, o líder do governo na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO), comentou que, ao negar a decisão, a Casa Civil “está desmentindo o próprio presidente da República”. O deputado falou sobre o assunto na Câmara, nesta terça-feira (14/5), após ter visto a nota do governo.

Waldir voltou a dizer que esteve no Palácio do Planalto com mais ou menos 10 líderes partidários nesta terça-feira (14/5), para “bater um papo com o presidente”. Eles se reuniram a convite do líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO). A ideia era conversar sobre MP 870, reforma da Previdência e outros assuntos de interesse do governo, mas eles aproveitaram a oportunidade para pedir que o presidente Jair Bolsonaro recuasse na medida de contingenciamento de recursos a universidades e institutos federais.

O líder do PSL afirmou que o presidente atendeu “prontamente” ao pedido, no que ele considerou um claro aceno ao Parlamento. “Pegou o telefone, ligou para o ministro da Educação e disse: ‘Oh, a decisão tá tomada. Sem cortes e contingenciamento, não quero. Decisão tomada’”, contou o deputado. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, teria tentado argumentar, mas, segundo Waldir, Bolsonaro foi enfático na decisão.

ONYX ESTAVA FORA – O ministro Onyx Lorenzoni não participou da reunião. “Chegou no evento após a conclusão”, disse Waldir. “Talvez não tenha tido tempo de estar com o presidente após o fato e lançou essa nota”, ponderou, em relação à nota da Casa Civil desmentindo o recuo.

“Talvez ele (Onyx) desconheça essa decisão, mas isso nos foi passado pelo presidente da República. Então, na verdade, a Casa Civil está desmentindo não eu, mas o próprio presidente da República.”

Pouco antes, a Câmara havia imposto mais uma derrota ao governo e aprovado a convocação do ministro da Educação, Abraham Weintraub, ao plenário, nesta quarta-feira (15/5). A visita foi marcada para o mesmo dia em que ocorrem as manifestações nacionais contra os cortes de verbas para universidades públicas e institutos federais, medida que ele precisará explicar aos deputados.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Caramba! A coisa está muito feia. O presidente Bolsonaro já tinha sido desmentido pelo ministro Paulo Guedes no caso da tabela do Imposto de Renda. Agora, é desmentido também por Onyx Lorenzoni no contingenciamento de verbas da Educação. Que país é esse, Francelino Pereira? (C.N.)

20 thoughts on “Casa Civil desmente Bolsonaro e mantém cortes da Educação em plena greve

  1. Eu concordo com o direito à greve e já participei de várias. Mas tem de descontar os dias parados. Eu, contribuinte, pagar servidor público parada não concordo. Porque não fazem manifestações nos domingos ou feriados?

  2. Lá no Claudio Humberto:
    ME ENGANA QUE EU GOSTO
    A esquerda promove nesta quarta (15) atos “em defesa da Educação”, repetindo a mentira dos “cortes de 30% nas universidades”. Os cortes incidem apenas sobre 20% das despesas “discricionárias”. O corte foi de apenas 3,4%, quase um sexto dos 19,3% no governo Dilma (PT).

    • Prezado C.N

      Também tenho ouvido a versão de que os cortes são na realidade muito menores que os 30%.
      Além da didática aula dos chocolates
      Entretanto, por conveniência, é provável, se insiste no alarmante 30%.

      Não está ai uma boa matéria, comprovar se estão certos nossos amigos Adriano e o Claudio Humberto?

      Ou a imprensa realmente só serve para alarmar o povo, como diz um cronista aqui do Sul?

  3. A esquerda quebrou o país e só resta contingenciar e cortas verbas.
    São os bilhões de dólares que o lula e dilma “doaram” para: cuba, venezuela, angola, moçambique, bolívia, etc.
    Cobre destes malucos o desvio desta fortuna que agora está faltando ao governo, estados e municípios.
    Este atrelamento a mídia não faz e não divulga.

  4. Bolsonaro quer consertar esse país? Retire de imediato Paulo Guedes e chame Eduardo Moreira para tomar as rédeas da reforma e da economia. Portanto, Bolsonaro mude de Posto Ipiranga e vá para o Posto Eduardo. O problema é que Eduardo não possa aceitar – mas faça uma sondagem nesse novo posto. Dessa maneira o governo vai deslanchar!

  5. O Cesar, aí de cima, disse que o Presidente não apita nada, também acho. Esta nos EUA, é coerente; eles tem o Donald Trump, nos o temos o Jair Trapalhão.” Afe” Maria.

  6. Não dá mais prá segurar…cantou o jornal hoje agora mesmo e foi obrigado a desdizer a fakenews de que 30% do orçamento foi cortado!!!
    Foram contingenciados 25% das despesas discricionárias, que significam 14% do orçamento da educação!! Logo o número real é 3,5%!
    Nooooooosa que jornalismo porreta, diria Jorge Amado!

  7. Estamos discutindo o que??

    Querem prova maior do descalabro na educação do que esta manifestação/greve?

    Ela nao prova , CABALMENTE, que nao se ensina nada neste pais?

    Vejam a manchete do Globo

    ” Entenda o corte de verba das universidades federais e saiba como são os orçamentos das 10 maiores
    No fim de abril, governo anunciou o congelamento de R$ 1,7 bi dos gastos das universidades, de um total de R$ 49,6 bi. Ministro disse que verba pode ser desbloqueada no 2º semestre se a arrecadação de impostos crescer. ”

    “o total, considerando todas as universidades, o corte é de R$ 1,7 bilhão, o que representa 24,84% dos gastos não obrigatórios (chamados de discricionários) e 3,43% do orçamento total das federais. ”

    Exatamente como o governo e o ministro vem falando.

    Mas todo mundo, inclusive, lamentavelmente, aqui na TI também, repete a ladainha de 30%.

    Certíssimo o ministro.

    Fechemos as universidades e vamos recomeçar do zero, no básico, ensinando a todo mundo a fazer conta, prestar atenção ao que é ensinado ou demonstrado e entender o que está escrito.

    Certíssimo o ministro.

    O ensino no Brasil custa caro, nao ensina o básico e só serve para sustentar uma militância agressiva e muito bem paga.

    verdadeiro MSE Movimento dos sem estudo ou melhor
    MDQEENAN
    Movimento dos que estudaram e não aprenderam nada

    Mas vamos continuar a bradar contra os corte de 30%……..

  8. Sr. Duarte, eles sabem fazer contas sim! Inclusive a TI. Mas o negócio é insuflar, difamar, denegrir. Enfim, jogar pedras no Judas. Esse é o esporte principal da mídia. Não interessa nem saber e nem fazer uma reportagem decente mostrando por exemplo, que o governo da Anta cortou muitíssimo mais.
    Mas isso não interessa!!
    Simples assim.
    Atenciosamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *