Casa Civil mandou advogado evitar que Cunha faça a delação premiada

Resultado de imagem para gustavo do vale rocha

Rocha pediu que seu sócio procurasse acalmar Cunha

Deu no Estadão

Considerado “homem-bomba” pelo governo Michel Temer, o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) recebeu no fim do ano visitas do advogado Renato Oliveira Ramos, que, por sua vez, repassou “impressões” das conversas a Gustavo Rocha, responsável pela Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil, órgão que assessora ministros e o próprio presidente. A avaliação de antigos aliados do peemedebista é de que as visitas visaram a mapear a disposição do ex-presidente da Câmara em fechar acordo de delação premiada com a força-tarefa da Lava Jato e se ele poderia implicar o Palácio do Planalto.

O deputado cassado foi preso preventivamente há quase três meses acusado de receber propina de contrato de exploração de petróleo no Benin e usar contas na Suíça para lavar o dinheiro. Ele tem demonstrado confiança de que sua situação se resolverá até abril, quando acredita que o juiz Sérgio Moro possa dar a sentença. Até lá, não pretende iniciar acordo de delação.

VISITAS – Desde sua detenção, Cunha se reuniu com Ramos, que, por ser advogado, tinha acesso livre à carceragem da Polícia Federal em Curitiba. Ramos admitiu ter ido pelo menos duas vezes a Curitiba conversar com Cunha, sendo a primeira visita “de cortesia” e a segunda para tratar de um mandado de segurança que pode ser impetrado neste mês no Supremo Tribunal Federal contra a cassação do mandato pelo plenário da Câmara. Ele disse que “comentou” com Rocha que esteve em Curitiba e relatou a situação do ex-presidente da Câmara.

“Ficou no limite do comentário”, afirmou. Já o subchefe da Casa Civil disse que tem falado com Ramos por telefone, mas alegou não se lembrar desse relato sobre Cunha. “Esse assunto não me diz respeito.”

ERA MENTIRA – Ex-auxiliares de Cunha que cuidaram do processo de cassação, contudo, declararam que jamais foi discutida a apresentação do mandado de segurança ao STF, citado por Ramos para justificar sua ida a Curitiba. Antigos aliados do peemedebista acreditam que são nulas as chances de sucesso do recurso.

Ramos e Rocha são amigos de infância e ex-sócios em um escritório de advocacia. Ambos tiveram uma relação próxima com o deputado cassado.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
– Trata-se de matéria da maior importância e que necessita de tradução simultânea. Gustavo do Vale Rocha, secretário de Assuntos Jurídicos da Casa Civil nada faz sem aval de Eliseu Padilha. O que aconteceu foi o seguinte: Padilha e Temer pediram que o sócio do secretário fosse a Curitiba tranquilizar Cunha e evitar que ele faça delação. As visitas foram inúteis, porque a força-tarefa já sabe quase tudo através da Odebrecht e não se interessa mais pela delação de Cunha. Mas isso pode mudar, dependendo do que Cunha pretenda dizer. É aí que mora o perigo. (C.N.)

10 thoughts on “Casa Civil mandou advogado evitar que Cunha faça a delação premiada

  1. Off topic:Facção que matou 60 presos compra armas de grupo aliado do PT.
    (…) Após o massacre, como este blog comentou, Frei Betto publicou artigo no Globo lamentando o “preconceito étnico” e “de classe” contra presos no Brasil, cujas mortes não comovem a população como as de qualquer cidadão de bem.
    Em agosto de 2003, Betto foi apontado em entrevista dada à Folha pelo então número 2 das Farc, Raúl Reyes, como um dos contatos das Farc dentro do PT.
    Mais aqui: http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/faccao-que-matou-60-presos-compra-armas-de-grupo-aliado-do-pt/

  2. Brasil 05.01.17 16:25

    Eduardo Cunha pediu ao STF seu mandato na Câmara de volta, informa o Jota.

    O ex-presidente foi cassado em setembro do ano passado e está preso em Curitiba: por meio de seus advogados, segue questionando o processo que o cassou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *