Casa da Mãe Joana: 64 mil beneficiários do auxílio emergencial doaram mais de R$ 50 milhões para campanhas

Charge do Pater (portalcontexto.com.br)

Márcio Falcão e Fernanda Vivas
G1 / TV Globo

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) identificou quase 64 mil beneficiários do auxílio emergencial entre os doadores de campanhas do primeiro turno das eleições municipais deste ano. Ao todo, esses doadores foram responsáveis por repasses que somam mais de R$ 54,5 milhões. O levantamento obtido pela TV Globo foi concluído nesta segunda-feira, dia 23 , pelo Núcleo de Inteligência da Justiça Eleitoral do tribunal.

As informações fazem parte de um cruzamento de um banco de dados de seis órgãos federais, como Receita Federal, Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e Ministério Público Eleitoral (MPE). Na quinta fase da análise de dados, os técnicos conseguiram inserir no sistema a lista dos beneficiados com os pagamentos do auxílio emergencial, além dos que recebem o Bolsa Família.

DOAÇÕES – Segundo os técnicos, a análise do auxílio emergencial impactou significativamente o total de doações e pagamentos com suspeitas de irregularidades. Agora, são investigados cerca de R$ 589 milhões. A análise identificou 31.725 empresas fornecedoras de campanha cujo quadro societário inclui beneficiários do programa Bolsa Família ou do auxílio emergencial.

Segundo as prestações de contas, essas empresas foram contratadas para prestar serviços às campanhas e, juntas, receberam um total de R$ 386 milhões. Na etapa anterior da verificação, no último dia 16, os dados só levavam em conta o Bolsa Família. Essa checagem já tinha encontrado 1.289 fornecedores com beneficiários do programa social entre os sócios e que tinham recebido um total de R$ 940 mil.

Foram identificados ainda: 7.985 empresas criadas recentemente e com sócio filiado a partido político que receberam um total de R$ 68,7 milhões; 12.437 doadores sem emprego formal que repassaram um total de R$ 44,2 milhões; 2.751 doadores com renda incompatível com doações que somam R$ 23,7 milhões; 5.603 prestadores de serviço que têm parentesco com a candidatos e que receberam um total de R$ 7,3 milhões; 1.949 fornecedores sem registro na junta comercial ou na Receita que receberam R$ 3,3 milhões; 24 doadores que aparecem no Sistema de Controle de Óbitos e como responsáveis por doações de R$ 36 mil.

INVESTIGAÇÕES – Essas informações serão analisadas pelos juízes eleitorais que podem determinar novas investigações e usar o material para julgar as contas eleitorais. O Ministério Público Eleitoral também vai apurar os casos. Se forem confirmadas as irregularidades, os candidatos eleitos podem ter seus mandatos questionados na Justiça.

Os dados se somam a um relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) do início do mês que encontrou mais de dez mil candidatos que declararam patrimônio igual ou superior a R$ 300 mil e receberam alguma parcela do auxílio emergencial até julho de 2020 (veja no vídeo mais abaixo). Quase 2 mil candidatos são do estado de São Paulo, número semelhante em Minas Gerais.

A lista do TCU inclui candidatos com patrimônio de mais de R$ 1 milhão. Alguns declararam ter carros de luxo, prédios comerciais, fazendas, indicando condição financeira bem distante da realidade da maioria dos brasileiros que precisa do auxílio emergencial.

8 thoughts on “Casa da Mãe Joana: 64 mil beneficiários do auxílio emergencial doaram mais de R$ 50 milhões para campanhas

  1. Uma pergunta: por que os computadores da Caixa não utilizaram essas bases que agora são citadas?
    Receita Federal, Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e Ministério Público Eleitoral (MPE).

    Acredito, s.m.j., que, se tivesse havido um cruzamento de informações mais criterioso, muita coisa que foi detectada a posteriori, não teria sido aprovada e o sistema recusaria esses pagamentos.
    Simples assim – ou não?

  2. Bons tempos aqueles em que o único medo
    de sair de casa á noite era de assombração.
    Hoje o medo está por toda parte. Bandido não
    usa mais bacamarte mas metralhadora de mão.

  3. Este é exemplo claríssimo da incompetência do (des)governo Bolsonaro Zero Zero,em não filtrar quem deve receber ou não o auxílio emergencial.”

    PS-Os mais de 70 mil militares que não poderiam receber já devolveram o dinheiro recebido?

    PS2-E os milhares de proprietários de imóveis de alto valor,carros de luxo importados,(…),que receberam ( como?) o auxílio emergencial,
    também,já devolveram o dinheiro?

    PS3-Projetos executados pelos governos devem ter a cláusula do “perfeccionismo”.Ou seja,tem que serem bens planejados e executados tecnicamente e conforme as leis.

    PS4-O cara tem bens materiais e financeiro (imóveis,carros de alto valor,salário ou pró-labore investimentos em bolsa,,…,é só verificar o imposto de renda-simples assim) não poderiam ser inclusos em programas assistenciais de forma alguma.

  4. Queriam o que? Já não se sabe antecipadamente que qualquer programa do governo para ajudar aos necessitados, logo se torna fraudulento?
    Desde de a ditadura, com famoso escândalo do ADUBO PAPEL, que dizem que até bispos católicos participaram dele, nunca mais pararam de roubar o povo.
    Agora, em tempos democráticos, a liberdade é total e a roubalheira generalizada.
    No Brasil, rouba-se de tudo, principalmente do governo, que é a vítima preferida de dez entre dez brasileiros.
    Quem nasce em “Pindorama”, já vem propenso a ser ladrão, só precisa da ocasião para ser revelado.

  5. Que notícia mais alvissareira, sabermos que temos tantos canalhas vivendo entre nós. E o melhor de tudo, sabermos que tais crimes serão julgados lá pelo ano de 2028, se tanto assim. E que a maioria destes canalhas vão se candidatar em 2022, 2024, 2026, …..

Deixe uma resposta para Luiz R. Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *