O testamento lírico de Hilda Hilst

A ficcionista, dramaturga, cronista e poeta paulista (1930-2004) Hilda Hist é considerada pela crítica especializada como uma das maiores escritoras em língua portuguesa do século XX. No poema “Testamento Lírico”, Hilda diz que sempre se perdeu, porque desde criança era confundida e, nesse sentido, responde aos que desejam saber o quanto ela pediu durante sua vida.
TESTAMENTO LÍRICO
Hilda Hilst

Se quiserem saber se pedi muito
Ou se nada pedi, nesta minha vida,
Saiba, senhor, que sempre me perdi
Na criança que fui, tão confundida.
À noite ouvia vozes e regressos.
A noite me falava sempre sempre
Do possível de fábulas. De fadas.
O mundo na varanda. Céu aberto.
Castanheiras douradas. Meu espanto
Diante das muitas falas, das risadas.
Eu era uma criança delirante.
Nem soube defender-me das palavras.
Nem soube dizer das aflições, da mágoa
De não saber dizer coisas amantes.
O que vivia em mim, sempre calava.

E não sou mais que a infância. Nem pretendo
Ser outra, comedida. Ah, se soubésseis!
Ter escolhido um mundo, este em que vivo,
Ter rituais e gestos e lembranças.
Viver secretamente. Em sigilo
Permanecer aquela, esquiva e dócil.
Querer deixar um testamento lírico
E escutar (apesar) entre as paredes
Um ruído inquietante de sorrisos
Uma boca de plumas, murmurante.

Nem sempre há de falar-vos um poeta.
E ainda que minha voz não seja ouvida
Um dentre vós, resguardará (por certo)
A criança que foi. Tão confundida.

         (Colaboração enviada por Paulo Peres – site Poemas & Canções)

Dilma se diz revoltada com a “falsidade” de Eduardo Cunha

José Carlos Werneck

A Presidente Dilma Rousseff está disposta a exercer toda a  autoridade, que lhe foi outorgada pelos eleitores nas urnas, para governar o País. Por isso, comunicou à cúpula do PMDB que cumprirá a aliança feita com o partido, porém foi taxativa ao afirmar que, de agora em diante, não manterá nenhum entendimento com o deputado Eduardo Cunha, líder na Câmara Federal.

Ela foi enfática ao afirmar: “Cheguei ao meu limite, agora é guerra!”. Alguns senadores e o  vice-presidente Michel Temer tentaram argumentar, lembrando o “mal” que Cunha pode fazer ao governo nas votações, mas ela está disposta a pagar para ver: “Vamos enfrentar isso”.

Dilma se diz revoltada com a “falsidade” de Eduardo Cunha: enquanto a atacava em público, tentava indicar ministros em particular. Ela declarou, também, que não tem interesse em “depreciar” o PMDB. Quando isso acontece, afirmou, seu governo também é atingido.

INDICAÇÕES

Enquanto fazia acusações à presidente, Eduardo Cunha indicou Neri Geller, atual secretário de Políticas Agrícolas para o Ministério da Agricultura e tentou “emplacar” Alexandre de Moraes para o ministério do Turismo.

A presidente está plenamente convencida, inclusive embasada em pesquisas de opinião, que “aliados” como Eduardo Cunha não lhe ajudam em nada, ao contrário, só prejudicam seu governo e, principalmente, fazem baixar seus índices de popularidade, junto aos eleitores.

 

Reflexões sobre Vargas, Dutra, Juscelino, Jânio, Jango e Lacerda

Flávio José Bortolotto

Concordo com o comentarista Roberto Nascimento que até 1964, podendo se votar a presidente por um partido e a vice-presidente por outro, isso só causou/causava mais desordem ainda no nosso já desorganizado Sistema Político. Sempre deu em grave crise política.

Quando o presidente Dutra (PSD) teve como Vice Nereu Ramos (PSD) foi tudo bem, já quando o grande presidente Vargas (PTB-PSD) que fez a base de nossa industrialização, teve como vice Café Filho ( PSP), foi uma confusão, redundando em “presidentes” Café Filho, Carlos Luz e por fim Nereu Ramos, que estabilizou o barco e passou o Poder para o presidente Juscelino Kubitschek (PSD), este teve como vice João Goulart (PTB), que embora muito simpático incomodou bastante JK, tanto que este na eleição deixou a “ver navios” o candidato do seu partido Henrique Lott (PTB-PSD), de tal forma que ganhou facilmente Jânio Quadros (PTN-UDN) com o famoso Vice João Goulart (PTB) de novo.

Jânio, inteligentíssimo mas extremamente afoito, aos 6 meses de Governo, enviou Jango à China, e tentou livrar-se não somente do vice, mas do Congresso todo, tentando dar um clássico golpe: “Estou demissionário, se querem que eu volte, exijo isso,isso e mais aquilo”.

Muitos Políticos fizeram essa jogada, como Fidel Castro (1959) em Cuba, o presidente Nasser, do Egito, cada vez que perdia uma guerra para Israel, e foram três. Mas com o impaciente Jânio Quadros, que  não preparou bem a coisa, deu tudo errado. E deu no que deu.

DOMICÍLIO ELEITORAL

Como diz Roberto Nascimento, também é preciso haver domicílio eleitoral. Na Eleição de 1945, o recém ex-presidente Vargas foi eleito deputado federal por sete Estados mais o Distrito Federal, e senador por Rio Grande do Sul e São Paulo (e São Paulo da Revolução Constitucionalista de 32…)

Depois reclamam que a Oposição, leia-se Carlos Lacerda, tinha que gritar, urrar, para ser ouvida. Mas como fazer oposição a um líder político assim, fundador de dois partidos (PSD e PTB), que me parece coisa única no mundo, e logo depois de ter que sair do Catete, por ter ajudado a vencer a II Guerra Mundial pelas democracia, é eleito deputado federal por sete Estados mais o Distrito Federal e senador por Rio Grande do Sul e São Paulo (e São Paulo e não Amapá…).

NACIONALISMO

Sou lacerdista, mas admiro e respeito o grande trabalho que o presidente Vargas fez para modernizar o Brasil, como alfabetização em massa, mecanização da agricultura, industrialização etc., apenas que ele era muito estatista e não tinha credenciais impecáveis como democrata.

Nós, lacerdistas, tínhamos a mesma visão nacionalista, apenas que dando prioridade à empresa privada nacional (capital privado nacional), em vez de estatal de Vargas. Ambos, porém, entendemos que a multinacional pouco acrescenta à nossa economia, dando com uma mão e depois, à medida que o tempo passa, tirando com as duas.

Vejam que no Jornal Tribuna da Imprensa, pelo menos no período de seu fundador Carlos Lacerda, até o início dos anos 60, nunca houve propaganda de empresa estrangeira, e me parece que foi assim também até hoje com o brilhante e valente jornalista Helio Fernandes.

Sorte na corrida eleitoral depende do imponderável e do inesperado

01
Murillo de Aragão

Atualmente, a previsão do tempo não é algo completamente imprevisível. O mercado de commodities agrícolas se utiliza largamente das previsões para fazer investimentos e saber quando e como a oferta de determinado produto será maior ou menor.

Já o Brasil entra em crise, pela segunda vez, com a possibilidade de falta de energia. Na primeira vez, em 2002, foi por deficiência de geração. Hoje, o risco de apagão se deve à demora na construção de linhas de transmissão e à falta de chuvas, dois problemas que poderiam ser razoavelmente previstos. Não é o que acontece.

O Brasil de hoje está com a sua economia pendurada no clima, como disse Miriam Leitão (“O Globo”, 22.2.2014). É o cúmulo da imprevidência, ainda mais em ano eleitoral. Porém, a eventual falta de energia está sendo considerada um evento inesperado. Só é inesperado pela incapacidade de as autoridades do setor estarem atentas à questão.

Dilma poderá ser afetada eleitoralmente caso ocorra apagão? Sim e não. Se houver um apagão de verdade, seu prestígio será abalado. Se as dificuldades não forem sistêmicas, serão assimiladas pela atmosfera de festa da Copa do Mundo.

O resultado econômico de 2013 – outra surpresa – terminou aliviando o ambiente na equipe econômica. Afinal, levando-se em conta as circunstâncias, um crescimento de 2,3% não é horrível. É evidente que os mal-humorados podem dizer que o apagão vai acontecer, o que não é garantido. Ou que a economia foi muito mal em 2013. Também não é preciso.

O INESPERADO

Conforme disse, o resultado de 2013 é bem mais fraco do que podíamos apresentar, mas melhor do que muitos esperavam: algo abaixo de 2%. No fim das contas, fica claro que o inesperado – ruim, como a ameaça de apagão; e bom, como o resultado econômico de 2013 – afeta, e muito, as expectativas.

Assim, a corrida eleitoral deste ano vive um cenário bastante complexo. A presidente Dilma Rousseff (PT) começa a disputa como favorita. Embora as pesquisas apontem a possibilidade de Dilma vencer ainda no primeiro turno, a batalha eleitoral promete ser acirrada. Em que pese a boa avaliação do governo (41% de aprovação, segundo a última pesquisa Datafolha), existe um sentimento difuso de mudança em parcela expressiva da sociedade brasileira.

Além disso, a presidente terá pela frente dois adversários fortes: o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o governador Eduardo Campos (PSB-PE). Embora apareçam bem atrás nas pesquisas (Aécio tem 17% das intenções de voto e Eduardo aparece com 12%), o desconhecimento das duas candidaturas por parte dos eleitores é um fator que leva PSDB e PSB a acreditarem na possibilidade de um segundo turno contra Dilma Rousseff.

Aliás, sabendo das dificuldades que representa um segundo turno dentro desse ambiente de mudança existente, o Palácio do Planalto realizará todos os esforços possíveis para liquidar a fatura ainda em primeiro turno. Justamente por isso Dilma trabalha para montar uma ampla e competitiva coalizão. Vale destacar que o governo também teme uma eventual aliança entre Aécio Neves e Eduardo Campos, o que pode tornar as coisas ainda mais complicadas, principalmente se a economia estiver mal e a Copa do Mundo não for o sucesso que se espera.

Mesmo com todas essas variáveis no tabuleiro, a presidente Dilma Rousseff preserva uma importante vantagem. Além do controle da máquina administrativa, ela terá a presença do ex-presidente Lula ao seu lado. Vale destacar que Dilma é um produto do sucesso do lulismo.

Assim, o ex-presidente fará todos os esforços possíveis para que Dilma saia vitoriosa, assim como ocorreu em 2010. (transcrito de O Tempo)

Rebeldes da base aliada ganham força para convocar ministros e investigar propinas na Petrobras

Apesar das investidas do Planalto para esvaziar o “blocão” da Câmara dos Deputados, líderes dos sete partidos governistas e um oposicionista que formam o grupo definiram nesta terça-feira (11) aprovar a convocação do ministro Arthur Chioro (Saúde) para prestar esclarecimentos na Comissão de Finanças.

O grupo também conseguiu aprovar uma comissão externa para apurar a suspeita de pagamento de propina de uma empresa holandesa para a Petrobras. O entendimento foi fechado durante um almoço que reuniu líderes do PMDB, PTB, PR, PSC e SDD. PP, PROS e PDT enviaram vice-líderes.

Ao todo, as comissões da Câmara precisam analisar 21 pedidos de convocação de ministros. Do total, sete pedem esclarecimentos de Chioro sobre o programa Mais Médicos, vitrine eleitoral da presidente Dilma Rousseff.

Segundo o líder do PTB, Jovair Arantes (GO), a maioria do “blocão” quer a convocação do ministro da Saúde que está prevista para ser votada amanhã. Ele afirmou que os casos dos outros ministros serão analisadas individualmente por cada bancada, já que há tentativas de convocar ministros de partidos que fazem parte do grupo, como Edison Lobão (Minas e Energia) para falar de apagão e Petrobras.

Base aliada racha e rebeldes aprovam comissão externa para investigar denúncia sobre Petrobras

Eduardo Cunha (centro) comemora a derrota do governo
Luciano Nascimento
Agência Brasil

Mesmo com todas as tentativas do governo de barrar a criação de uma comissão externa para investigar denúncias de pagamento de propina a funcionários da Petrobras, a Câmara dos Deputados aprovou hoje (11) a proposta em votação simbólica. O requerimento foi aprovado com apoio da bancada do PMDB, partido da base aliada ao governo.

O governo ainda tentou barrar a iniciativa da oposição por meio de um requerimento pela retirada da proposta, mas o plenário rejeitou o pedido. Por 216 votos a favor, 38 contrários e 11 abstenções, os parlamentares mantiveram em pauta a proposta da oposição.

Com a criação da comissão, deputados deverão viajar à Holanda para acompanhar a investigação de denúncias relacionadas a irregularidades na Petrobras.

Acredite se quiser: Fiscalização do TCU reduz em R$ 550 milhões custo de obras da Copa

Pedro Peduzzi
Agência Brasil
As fiscalizações feitas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) resultaram na economia de R$ 550 milhões para as obras da Copa do Mundo, segundo Raffael Jardim Cavalcante, assessor do gabinete da Relatoria das Obras da Copa do Mundo. Ele lembra que esse valor atualizado não está restrito a recursos públicos, pois boa parte das obras – em aeroportos e estádios – tem participação da iniciativa privada.

“Adotamos a estratégia de fiscalizar os empreendimentos todos ainda no embrião das contratações, que é a fase de projeto. Assim foram corrigidos problemas ainda na fase do edital. Com isso, R$ 550 milhões foram economizados, fruto dessa estratégia de fiscalização feita nas obras da Copa do Mundo”, destacou o assessor durante audiência pública no Senado.

De acordo com o TCU, as economias decorrentes da análise de editais de licitação reduziram em R$ 97 milhões o orçamento de reforma do Maracanã, e em R$ 65 milhões os custos com a Arena Amazonas. O representante do tribunal explicou também que todo o recurso do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) liberado para a construção dos estádios já foi fiscalizado, e que “não há irregularidade identificada”.

INICIATIVA PRIVADA

Dos 12 estádios que sediarão o Mundial, três pertencem à iniciativa privada: o de São Paulo, de Porto Alegre e o de Curitiba. “Nesses casos, coube ao TCU investigar o adequado repasse de recursos do BNDES. As análises foram concentradas nas garantias para evitar que a União – por meio do banco – fosse prejudicada”, disse Cavalcante. Os valores financiados para esses estádios foram R$ 400 milhões, R$275,1 milhões e R$ 196,8 milhões, respectivamente.

O único estádio que não recebeu financiamento do BNDES foi o de Brasília, construído com recursos do governo do Distrito Federal. Por isso, não foi fiscalizado pelo TCU – o que foi motivo de crítica pelo senador Álvaro Dias (PSDB-PR). “Todos sabemos que boa parte dos recursos de Brasília tem origem federal. Por isso, vamos apresentar projeto para que caiba ao TCU a fiscalização de grandes eventos realizados no Brasil”, disse o senador.

ALTO CUSTO…

Diretor do Portal Copa 2014 – feito pelo Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva (Sinaenco) –, Rodrigo Prada disse que o custo por assento dos estádios brasileiros destinados ao Mundial é mais alto do que os dos países que sediaram as duas últimas Copas do Mundo. “Enquanto na África do Sul o valor ficou em R$ 5,53 mil por assento e na Alemanha R$ 5,49 mil, o custo no Brasil ficou em R$ 11,8 mil por assento.”

A análise dos editais de licitação dos aeroportos resultou em uma economia de R$ 218,4 milhões. Só o aeroporto de Confins reduziu sua previsão de custos em R$ 97 milhões. Em Manaus, a redução foi R$ 73,1 milhões. O aeroporto de Fortaleza teve sua obra reduzida em R$ 15 milhões e o do Galeão (RJ), em R$ 15,2 milhões. Ainda segundo o TCU, as reduções da previsão de gastos com os aeroportos de Cuiabá (MT) e Porto Alegre (RS) foram R$ 11,5 milhões e R$ 6.6 milhões, respectivamente.

De acordo com o TCU, dos R$ 25,57 bilhões em investimentos previstos para as obras incluídas na matriz da Copa, R$ 8,3 bilhões têm como origem financiamento federal e R$ 5,7 bilhões serão investimentos do governo federal; R$7,8 bilhões têm como origem os governos locais; e R$ 3,75 vêm da iniciativa privada.

Afinal, por que a França reclama da criminalidade no Brasil?

Francisco Vieira

Não deve causar surpresa o fato de o governo francês ter lançado um manual para desestimular o turismo no Brasil, por causa da criminalidade. Pesquisa  feita pelo professor Julio Jacobo Waiselfisz, coordenador da área de estudos sobre violência da FLACSO (Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais), faz um retrato da situação do Brasil, mas também o compara com dados mundiais, coletados com base na Organização Mundial da Saúde (OMS) e no Census.

Os dados utilizados são os mais recentes disponíveis em cada caso, comparativos entre 95 países e regiões estudadas. Confira a comparação mundial completa no Mapa da Violência 2013.

FRANÇA:

Taxa de homicídios entre jovens: 0,8 para cada 100.000 habitantes.
Colocação no ranking de homicídios entre os jovens: 62º
Taxa total de homicídios totais: 0,8 para cada 100.000 habitantes;
Colocação no ranking de homicídios totais: 74º
Ano base: 2009

BRASIL:
Taxa de homicídio entre jovens: 27,4 para cada 100.000 habitantes.
Colocação no ranking de homicídio entre jovens: 7º
Taxa total de homicídios totais: 54,7 para cada 100.000 habitantes;
Colocação no ranking de homicídios totais: 7º
Ano base: 2010.

Fonte: exameabril.com.br

Realmente, não sei como os franceses conseguem suportar a violência em seu país…

Só a cumplicidade do governo francês com a barbárie pode  explicar essa situação!

Outra piada do ano: China diz que poluição não deve prejudicar candidatura de Pequim aos Jogos Olímpicos de Inverno

Da Agência Brasil

As autoridades de Pequim dizem que a poluição atmosférica não deve prejudicar a candidatura da cidade para sediar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022. Em entrevista, o vice-presidente da câmara de Pequim, Li Shixiang, anunciou que serão tomadas, na capital, medidas para melhorar a qualidade do ar. Ele destacou, entre essas medidas, a redução à metade, até 2017, das toneladas de carvão consumidas anualmente. Atualmente, são consumidos em Pequim 10 milhões de toneladas de carvão.

A autoridade municipal prometeu também “controle severo” sobre as indústrias mais poluentes e a redução anual de 150 mil novos veículos nas estradas, informou a Agência Xinhua.

Pequim aspira,  em parceria com a vizinha Zhangjiakou, ser a primeira cidade a acolher os Jogos Olímpicos de Verão e outros de inverno. Para isso, segundo Li Shixiang, a cidade conta com o êxito dos Jogos de 2008.

A organização prevê que em Pequim ocorram as provas sobre gelo e em Zhangjiakou as que são disputadas em neve.

A capital chinesa é uma das cidades mais poluídas do mundo. Há dois anos, Pequim começou a medir o índice de qualidade do ar e registrou níveis alarmantes que se prolongam, às vezes, durante semanas.

A situação é grave neste inverno, quando se juntam às baixas pressões fatores como a utilização de aquecedores a carvão.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Só pode ser piada. Pequim é considerada “imprópria para viver” devido à poluição. Quando Pequim sediou a Olimpíada, em 2008, o governo teve de mandar fechar todas as fábricas na cidade e nas cercanias um mês antes do evento, para reduzir a poluição. O país deixou de cumprir muitos contratos de exportação, inclusive com empresas brasileiras, por falta de produtos para entregar. A China é a maior poluidora do mundo, o famoso Rio Amarelo agora está marrom, e fica tudo por isso mesmo. (C.N.)

E se o Brasil tomasse a Província Cisplatina e elegesse Pepe Mujica nosso presidente?

Altamir Tojal

Nesses tempos de Putin, talvez o Brasil devesse reanexar a Província Cisplatina e depois eleger José (Pepe) Mujica nosso presidente. Cada vez que leio uma entrevista do presidente do Uruguai, fico mais convencido de que a democracia é possível, pode pagar os pecados e vencer a sanha totalitária.

Seguem dois parágrafos da entrevista a Helena Celestino, publicada no O Globo de 09-03-14, sob o título José Mujica: ‘Aplicamos um princípio simples: reconhecer os fatos’

Falta uma agenda de grandes problemas que tem o mundo. De um lado, temos uma economia baseada no hiperconsumo de coisas inúteis: fabricar bagatelas que durem pouco. Poderíamos seguir movendo a economia mundial com outro motor e sacar parte da humanidade que está submersa na tristeza e na pobreza, em lugares que falta água. Isto é um mercado, a solidariedade levaria à criação de um mercado maior posteriormente.’

‘Temos que lutar para que todos trabalhem, mas trabalhem menos, todos devemos ter tempo livre. Para quê? Para viver, para fazer o que gostam. Isto é a liberdade. Agora, se temos de consumir tanta coisa, não temos tempo, porque precisamos ganhar dinheiro para pagar todas essas coisas. Aí vamos até que pluff, apagamos.’

http://oglobo.globo.com/mundo/mujica-aplicamos-um-principio-simples-reconhecer-os-fatos-11827657

Marina Silva sonha com uma utopia que já impediu muitos presidentes de governar

José Carlos Werneck

Marina Silva afirma que presidente Dilma Rousseff está refém de uma estratégia que não tem mais como ser colocada em prática na política brasileira: a governabilidade baseada na distribuição de cargos.

Para a ex-senadora, que nesta eleição, está aliada ao governador  Eduardo Campos,de Pernambuco , é preciso fazer uma mudança profunda no campo da governabilidade do País, com base em ideais e propostas.

Ao comentar a atual crise, ela ironizou o Governo, dizendo que não adianta criar mais de trinta ministérios e distribuir cargos, porque isso não resolve o problema de compor uma maioria no Parlamento.

“As alianças devem contemplar propostas e não cargos”, frisou. “Eu e Eduardo não vamos compactuar com nenhum tipo de chantagem dentro do Congresso Nacional, vamos apoiar as coisas boas para o País sem que a governabilidade esteja em risco”.

A ex-senadora, que em 2010 disputou a Presidência da República, afirmou que naquele pleito já dizia que, se ganhasse as eleições, iria governar com as pessoas de bem de todos os partidos, incluindo  o PMDB. “As conversas devem ser feitas nessa base, com homens e mulheres de bem.”

Jânio Quadros e Fernando Collor, por acharem que conseguiriam governar sem maioria no Congresso, não completaram seus mandatos, apesar de ampla vitória nas urnas.

Sem uma séria e profunda Reforma Política, a ideia de Marina Silva, apesar de corretíssima, é totalmente inviável no Brasil atual. E essa tão propalada Reforma, que tem o “apoio” unânime dos nossos políticos, paradoxalmente não sai do papel! E imaginem que essas mudanças para serem postas em prática só dependem de nossos deputados e senadores!

Manifesto de geólogos pede melhorias para o Código de Mineração

Ricardo Sales

No 1º Fórum Brasileiro de Minas, realizado em Belo Horizonte (MG), foi redigido e publicado um manifesto em apoio ao substitutivo elaborado pelo deputado Leonardo Quintão, relator da comissão criada para analisar o projeto de lei que renova o marco regulatório de mineração. O manifesto, a Carta de Minas, sugere a inclusão de pontos como o conceito de reservas e recursos nos padrões internacionais. Leia o documento na íntegra.

O Poder Executivo enviou ao Congresso, em junho de 2013, o Projeto de Lei nº 5.807/2013 dispondo sobre a atividade de mineração, quando então foi nomeada uma comissão parlamentar tendo como relator o Dep. Leonardo Quintão do PMDB/MG, que, depois de participar de mais de 40 audiências públicas em vários estados do País, apresentou no início de novembro o seu parecer sobre o projeto de lei nº 37/2011.

O parecer mostra claramente um avanço enorme do projeto em comparação com o texto de junho apresentado pelo Governo ao Congresso Nacional, pois trata de questões fundamentais como o restabelecimento do direito de acesso ao subsolo pelo regime de prioridade, tal como praticado em países de fato mineradores como Canadá, Austrália, EUA, México, Chile e Colômbia.

Leia mais…

Fonte: Geofísica Brasil

Gilberto Gil e Avaaz denunciam o golpe contra a liberdade da internet

Gilberto Gil e a equipe da Avaaz

Há muitos anos eu me encanto com o poder da internet e a criatividade que nela circula, mas agora estou muito preocupado que isso possa acabar. Em menos de 48 horas, a Câmara dos Deputados vai votar um novo projeto de lei que poderá declarar o fim da liberdade na rede e diminuir nosso poder de escolha.

Já nos anos em que fui Ministro da Cultura discutíamos formas de garantir o caráter democrático e aberto da internet – dessa construção coletiva, nasceu o Marco Civil. Mas, agora, o poderoso lobby das empresas de telecomunicações está influenciando nossos políticos para que transformem a internet em uma espécie de TV a cabo, em que se poderia cobrar a mais para podermos assistir a vídeos, ouvir música ou acessar informações. A votação será apertada, mas uma grande mobilização pública pode convencer os deputados de que suas reeleições dependem desse voto!

As próximas horas são cruciais. Junte-se a mim nesta campanha da Avaaz para criar a maior mobilização já vista por uma internet livre no Brasil. Assine agora e conte para todos. Nós levaremos a voz de todos que assinarem a petição diretamente aos parlamentares. Vamos vencer essa batalha e salvar a internet:

http://www.avaaz.org/po/o_fim_da_internet_livre_gg/?bVXAheb&v=37036

Eu acredito que o Marco Civil seja o melhor projeto de lei que já entrou no Congresso, isso porque foi feito por todos nós, de forma colaborativa pela rede! Ele limita quais informações os provedores podem guardar e estabelece critérios rígidos para as empresas: com o Marco Civil, os provedores serão proibidos de usar os nossos dados para vender serviços sem a nossa autorização expressa. Mas alguns deputados estão cedendo ao lobby das telecoms e, se essa manobra for bem sucedida, podemos dizer adeus à internet que temos hoje.

As empresas de telefonia dizem que, ao criarem pacotes diferenciados, poderão baratear a internet. Mas se permitirmos que empresas decidam a velocidade de acesso a cada tipo de conteúdo, será o fim da criatividade e inovação que aparecem espontaneamente na rede. Não podemos permitir que a internet seja dividida em pacotes de serviços sem sentido, de má qualidade e controlados por poucas empresas.

Assine a petição agora e a Avaaz entregará nossas vozes diretamente aos deputados que apoiam essa ideia e pressionará aqueles que são contrários ao Marco Civil. Vamos tomar de volta a nossa internet antes que eles estraguem tudo:

http://www.avaaz.org/po/o_fim_da_internet_livre_gg/?bVXAheb&v=37036

A minha geração lutou pela democratização do Brasil e pela garantia da liberdade de comunicação. Não podemos deixar, agora, que conquistas importantes desapareçam diante do lobby irresponsável de um punhado de empresas e da falta de compromisso de deputados que acreditam que podem ignorar seus eleitores.

MAIS INFORMAÇÕES:

Ideli buscará concluir diálogo sobre Marco Civil da Internet na volta do Carnaval (IG)
http://poderonline.ig.com.br/index.php/2014/03/04/ideli-buscara-concluir-dialogo-sobre-marco-civil-da-internet-na-volta-do-carnaval/

Pela neutralidade, privacidade e liberdade de expressão no Marco Civil! (Idec)
http://www.idec.org.br/mobilize-se/campanhas/marcocivil

Marco Civil da internet obrigará Google e Facebook a manter dados no Brasil (IG)
http://tecnologia.ig.com.br/especial/2013-07-11/marco-civil-obrigara-google-e-facebook-a-manter-dados-no-brasil.html

Marco Civil da internet enfrenta obstáculos para aprovação na Câmara (Jornal do Brasil)
http://www.jb.com.br/pais/noticias/2013/07/13/marco-civil-da-internet-enfrenta-obstaculos-para-aprovacao-na-camara/ 

Relator diz que elaboração do marco civil da internet vai colocar Brasil em condição de liderança (Câmara Notícias)
http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/radio/materias/COM-A-PALAVRA/435718-RELATOR-DIZ-QUE-ELABORACAO-DO-MARCO-CIVIL-DA-INTERNET-VAI-COLOCAR-BRASIL-EM-CONDICAO-DE-LIDERANCA.html

Sobre Neutralidade da Rede (Freenet)
http://www.freenetfilm.org/themes/18/net-neutrality

Internet no Brasil ultrapassa 100 milhões de usuários, aponta Ibope (Valor Econômico)
http://www.valor.com.br/empresas/3193596/internet-no-brasil-ultrapassa-100-milhoes-de-usuarios-aponta-ibope

(texto enviado por Mário Assis)

O amor que vive para pecar, na visão de Adelino Moreira

O compositor luso-brasileiro Adelino Moreira de Castro (1918-2002), na letra de “Meu Vício é Você”, revela sua paixão por uma meretriz, conforme podemos perceber no verso “Que sai pela noite e amanhece na rua”. Este samba-canção foi gravado por Nelson Gonçalves, em 1955, pela RCA Victor.
MEU VÍCIO É VOCÊ
Adelino Moreira

Boneca de trapo, pedaço da vida
Que vive perdida no mundo a rolar
Farrapo de gente que inconsciente
Peca só por prazer, vive para pecar
Boneca eu te quero, com todo o pecado
Com todo os vícios,com tudo afinal
Eu quero este corpo, que a plebe deseja
Embora ele seja prenúncio do mal
Boneca noturna que gosta da lua
Que é fã das estrelas e adora o luar
Que sai pela noite e amanhece na rua
E há muito não sabe o que é luz solar
Boneca vadia de manhãs e artifícios
Eu quero pra mim teu amor só porque
Aceito os teus erros, pecados e vícios
Porque na minha vida meu vício é você

            (Colaboração enviada por Paulo Peres – site Poemas & Canções)

Ainda não é, mas pode ser

12
Tostão
O Tempo

Após os amistosos das seleções, aumentou o favoritismo do Brasil. A turma dos eufóricos, pachecões, acha que é impossível perder a Copa em casa, que Xavi e Iniesta são craques de museu, que a troca de passes do Barcelona e da Espanha está ultrapassada e sem graça, que a Alemanha é uma ilusão, por causa do sufoco contra o Chile, e que a defesa da Argentina é pior que a do Íbis.

A seleção brasileira é a única pronta para o Mundial. Um ano antes, era o contrário. Méritos para Felipão. Ele já definiu o sistema tático, as variações, o time titular, os reservas com chances de entrar durante as partidas e os que estarão na Copa, mas que, dificilmente, terão oportunidade de atuar. Felipão é um desses profissionais que não ruminam e que não têm eternas dúvidas. Faz, às vezes, mais pelo que deu certo que pela realidade atual. Isso pode ser perigoso.

O Brasil deveria ter enfrentado, nesse amistoso, uma seleção que marcasse mais atrás, como fez a Romênia, contra a Argentina. Times que deixam muitos espaços nas costas dos defensores, como a África do Sul, vão penar contra jogadores hábeis e velozes, como Neymar, Messi, Agüero e outros.

Neymar tem que atuar mais perto do gol, como fez nesse jogo. Com isso, não dá para voltar para proteger Marcelo, como Hulk faz pela direita. Se Oscar atuar pela esquerda, melhora a marcação, mas falta o armador pelo centro. Os outros técnicos estão de olho no Brasil.

Enquanto isso, Espanha e Alemanha ainda não definiram o centroavante. Diego Costa deu muita canelada na estreia, contra a Itália.

Parece que os alemães estão preocupados em escalar Klose, para ele tentar bater o recorde de gols de Ronaldo em Copas do Mundo.

A pior defesa do mundo, a da Argentina, como os ufanistas gostam de dizer, foi melhor que o poderoso ataque, contra a Romênia. O time tem sofrido poucos gols. Messi, Agüero e Higuaín, mais uma vez, ficaram embolados pelo meio. Não havia jogadas pelos lados, a não ser quando Di Maria avançava pela esquerda. Os dois laterais marcam muito, mas são fracos no apoio.

Estou otimista com a seleção brasileira, confiante, desconfiando. O time está muito bem, pronto, mas pode melhorar. Preocupa-me o fato de tudo ter sido definido a um ano do Mundial. É muito tempo. Planejamento é essencial, mas me fascina, e é também importante, o novo, a surpresa, o acaso, o que ainda não é, o que não mostrou suas garras. Costumam ser as coisas mais belas e eficientes.

Assim como precisamos do microscópio, da lupa, do tira-teima, para ver alguns lances, nossa visão do que está nebuloso, encoberto, é precária. Não enxergamos o mais importante, o que está à frente. Após o fato, as explicações ficam claras, óbvias. Bem que estava desconfiado, dirá o comentarista.

NOVAS CHUTEIRAS

Leio no jornal O TEMPO que a Nike e a Adidas lançaram uma nova chuteira, que parece uma botinha de cano longo. Os craques Iniesta, Götze e Thiago Silva vão usá-la na Copa. Fiquei preocupado. Será que vão se adaptar bem? A promessa das empresas é que o pé vai ficar sempre seco, mesmo na chuva, e que a chuteira vai proteger contra torções de tornozelo.

Isso me faz lembrar da Copa de 1970. Pelé, que jogava com uma chuteira da Adidas, na época, a mais confortável, fez um contrato com a Puma para jogar a final.

O roupeiro retirou da chuteira Adidas a marca que identificava a empresa e colocou a da Puma. Tudo ficou resolvido. Pelé continuou com a chuteira que gostava, e a Puma faturou alto.

Folha tenta “aprisionar” seus textos, mas a liberdade da internet acabou falando mais alto

Carlos Newton

Há cerca de 20 dias, a Folha de S. Paulo fez uma aposta arriscada. Passou a restringir a cópia dos textos de seu concorrido site, para evitar que fossem transcritos em outros sites e blogs. Quando alguém tentava enviar uma notícia, foto, charge ou comentário da Folha nas redes sociais, como Facebook e Twitter, ou mesmo num simples e-mail, não conseguia e surgia uma antipática advertência de que aquele material pertencia à Folha e não podia ser editado, algo assim,

Resultado: a audiência do site da Folha caiu vertiginosamente e tiveram de voltar atrás, liberando novamente a cópia de seus textos, fotos e charges. A independência e a liberdade da internet falaram mais, mostrando que a transparência é o caminho da mídia do futuro.

Notícia é como passarinho, que não deve ser preso numa gaiola, porque precisa cantar livremente para todos, não apenas para meia dúzia de carcereiros.