Privilégio generalizado: desembargadores ganham acima do teto em 23 estados

http://4.bp.blogspot.com/--ZnnhCY_ZT0/Udwno7m-VbI/AAAAAAAAEnE/8mgGjXkP_ds/s1600/Foro_privilegiado_charge.jpg

Gustavo Uribe e Sérgio Roxo
(O Globo)

SÃO PAULO – Em 23 estados, os desembargadores dos Tribunais de Justiça receberam em 2012 rendimentos superiores ao teto constitucional daquele ano, de R$ 26,7 mil mensais, o que nem sempre representou melhores taxas de produtividade no andamento dos processos. Em sete estados, inclusive, o valor médio pago aos desembargadores ficou mais de 50% acima do teto dos demais servidores públicos. O TJ do Rio foi o que apresentou a segunda média salarial mais alta, só atrás do TJ do Amazonas.

A conclusão é de um levantamento realizado pelo Globo, que cruzou a folha de pagamento de 2012 dos Tribunais de Justiça com as taxas de congestionamento das ações que corriam ano passado no segundo grau das Justiças estaduais. Os dados foram divulgados este ano pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Os números relativos a 2013 ainda não foram divulgados.

No Amazonas, que em 2012 teve a mais alta taxa de congestionamento processual, de 84,2%, os desembargadores tiveram, em média, rendimento bruto de R$ 51.612,98 no ano passado. Cinco dos 18 desembargadores do Amazonas receberam, em média, mais que o dobro do teto constitucional no ano passado. O desembargador Domingos Chalub Pereira, da 2ª Câmara Cível, foi o que mais recebeu: R$ 70.403,59. O rendimento bruto inclui salário mensal, vantagens pessoais e eventuais, indenizações, subsídios, entre outros benefícios. Os tribunais dizem que não há ilegalidade, pois os magistrados receberam indenizações e benefícios atrasados, que não estão submetidos ao teto.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Os ilustres desembargadores receberam duas belas gratificações, com atrasados e tudo o mais, disfarçadas sob os codinomes de “auxílio-alimentação” e “auxílio-moradia”. Isso é um desvio de recursos públicos, praticado por quem deveria ministrar justiça. Detalhe: todos os juízes também receberam idênticos privilégios. A Justiça brasileira deveria ser o poder a dar o exemplo, mas é tão podre quanto Executivo e Legislativo. (C. N.)

Juíza federal manda o governo dar proteção aos índios que sequestraram três homens no Amazonas

Paula Litaiff
O Globo

MANAUS – A juíza federal Marília Gurgel mandou neste domingo, a pedido do Ministério Público Federal do Amazonas (MPF-AM), que a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a União adotem medidas de segurança, no prazo de 24 horas, para proteger a terra indígena Tenharim Marmelos, no município de Humaitá (a 675 quilômetros de Manaus). Há quatro dias, o local tem sido palco de conflitos entre índios e não indígenas após o desaparecimento de três homens perto da reserva.

Moradores de Humaitá acreditam que os indígenas tenham sequestrado os três no dia 16 de dezembro. Nove dias depois, do último dia 25, 300 habitantes do município atearam fogo em órgãos do governo federal que prestam serviço aos indígenas e, no dia seguinte, o mesmo grupo invadiu a reserva e queimaram casas de madeira que eram usados pelos índios para cobrar pedágio. Antes disso, homens do 54º Batalhão de Infantaria de Selva (BIS) haviam transportado os moradores da reserva a uma sede do batalhão em uma cidade vizinha, Apuí, para garantir segurança a eles.

Na decisão judicial, a magistrada ordenou o retorno dos indígenas à reserva e solicitou à Funai que instale boxes de proteção aos índios para evitar uma nova invasão dos moradores de Humaitá e garantir a segurança dos índios durante as buscas dos desaparecidos. Desde sábado, 300 homens da Força Nacional, Exército, Polícia Federal (PF) e Polícia Militar (PM) montaram acampamento dentro da Reserva Indígena para procurar os três homens, mas até as 17h (horário de Brasília) ninguém havia sido encontrado pelo efetivo.

Plano de fiscalização

Ainda de acordo com a decisão da juíza, os órgãos federais devem elaborar um plano com a participação dos indígenas e o apoio das forças de segurança e instalar postos de fiscalização nos extremos da reserva. O trânsito de não indígenas no trecho da rodovia Transamazônica (BR-230), que corta a terra indígena, também deverá ser monitorado.

A juíza federal Marília Gurgel afirma que a população indígena Tenharim está “acuada” e “relegada à própria sorte” diante dos ataques que tem sofrido por parte da população local, “motivados pela suspeita de que os Tenharim tenham algum envolvimento no suposto desaparecimento de três pessoas na área da reserva”.

Para ela, “não pairam dúvidas de que a população indígena em Humaitá vem sofrendo toda ordem de violência e desrespeito a seus direitos primários, enquanto seres humanos e minoria indígena, seja a partir da destruição e vandalismo de unidades dedicadas a seu amparo (Casai, Dsei, Funai, embarcação), seja pela depredação de suas aldeias e limitação de trânsito”.

A multa fixada por dia pelo descumprimento da decisão judicial é de R$ 10 mil. A União e a Funai podem recorrer da decisão.

 

Domingo sangrento no Egito, com mais um atentado a bomba

Prédio onde ataque ocorreu ficou parcialmente destruídoFoto: MOSTAFA DARWISH / AFP

Carlos Newton

A Primavera Árabe não existe mais no Egito. O que há é uma ditadura militar que deixa saudades do governo do coronel Hosni Mubarak. E a tendência é de que a situação se agrave, depois de o governo militar ter considerado como terrorista a facção religiosa Irmandade Muçulmana, que venceu este ano a primeira e única eleição livre no Egito.

Os jornais e sites noticiam que uma bomba atingiu um prédio do serviço de inteligência militar do Egito na manhã deste domingo, ferindo quatro soldados. Foi o segundo ataque às forças de segurança no Delta do Nilo em menos de uma semana.

A explosão ocorreu próximo à entrada do prédio, em Anshas, a 100 quilômetros ao Norte de Cairo, na província de Sharkiya. O ataque explodiu parcialmente o muro traseiro da unidade, segundo informações do Exército, que descreveu o incidente como um ataque terrorista. Na terça-feira, um ataque suicida matou 16 pessoas na cidade de Mansoura, na mesma região.

Ataques desse tipo têm sido recorrentes, desde que o exército depôs o presidente islamista Mohamed Mursi, em julho. Cerca de 350 policiais e soldados já morreram em ataques com bomba e tiroteios desde então.

Mas o governo ditatorial tem a desfaçatez de afirmar que a violência não vai impedir o plano de transição política, cujo próximo passo é um referendo programado para meados de janeiro, destinado à elaboração de uma nova Constituição.

Exotismo parlamentar

Hélio Schwartsman
Folha

SÃO PAULO – “Não deixa de ser paradoxal que um dos políticos mais contestados do país, o pastor e deputado Marco Feliciano, não só esteja com sua reeleição garantida como ajudará a eleger outros parlamentares para seu partido (o PSC).”

“As controvérsias durante sua gestão à frente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara deram tanta visibilidade aos evangélicos que a bancada bíblica já se mobiliza para seguir no comando da comissão.”

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Parece que o pastor deputado descobriu o mapa da mina para ficar famoso e obter votos: usar os gays como sacos de pancadas. É deprimente. (C.N.)

Esbulho salarial

http://1.bp.blogspot.com/_h77BLo4MRuM/S8ZTF_hlKmI/AAAAAAAAFb4/GWwhmZNATyI/s320/charge_mantega_aposentado.jpgPercival Puggina

O governo federal, o governo da sra. Dilma Roussef, o governo petista, o governo dos defensores de bandidos nacionais e estrangeiros, brindou-nos com uma inflação oficial de 5,85% e um crescimento de apenas 2,3% da Economia. Os números são dos piores dentro do grupo de países com os quais o Brasil costuma ser comparado.

O mundo que enxerga um palmo além do bolsa-família já compreendeu que esse governo não merece confiança e está exigindo responsabilidade fiscal e superávit primário. O ministro Mantega, sentindo a pressão, já encontrou a maneira de produzir isso num ano politicamente sensível como será o ano eleitoral de 2014: promoverá um esbulho nos salários dos brasileiros!

É preciso denunciar, leitor, que se a inflação foi de 5,85%, o ato de corrigir a tabela do Imposto de Renda em apenas 4,5% representa um esbulho de 1,35 pontos percentuais no salário de cada trabalhador ou aposentado do país. O governo petista da sra. Dilma Rousseff tomará para si mais 1,35% de todos os salários pagos no Brasil.

Que governo miserável, esse, que tem a coragem de tributar (vale dizer, de se aproprias) de 27,5% dos suados ganhos de quem recebe mais de parcos R$ 4,4 mil reais!

Barbosa diz que é ‘forte’ a chance de Genoino voltar para a cadeia

Ricardo Brito
Agência Estado

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, afirmou que a chance de o ex-presidente nacional do PT e ex-deputado José Genoino (SP) voltar para a cadeia é “forte”. Barbosa disse ainda que “o preso não pode escolher” ao livre-arbítrio e conveniência onde cumprirá a pena que lhe foi definitivamente imposta. A conclusão consta da íntegra da decisão divulgada sábado, ao negar pedido de Genoino de ser transferido para São Paulo a fim de cumprir, provisoriamente, pena domiciliar.

Na decisão, que foi tomada sexta-feira, 27, o relator do processo do mensalão deu prazo de 90 dias, contados desde 21 de novembro, para Genoino ficar em prisão domiciliar em Brasília. Ele está na casa de um contraparente. Ao fim desse prazo, Barbosa decidirá, após reavaliação do estado de saúde, se o ex-presidente do PT voltará a cumprir pena na prisão em regime semiaberto pela condenação por corrupção ativa.

A defesa do petista tenta assegurar prisão domiciliar para ele, que passou por cirurgia cardíaca no meio do ano. A transferência dele, ainda que provisória para São Paulo, tinha por objetivo retornar para a cidade onde está sua única moradia e a família. A defesa argumentou que o apartamento da filha em Brasília é “muito modesto e de apenas um cômodo” sem “condições espaciais de abrigá-lo”. A filha de Genoino, Mariana, mora em um apartamento duplex de 60 metros quadrados, em edifício com academia, churrasqueira, dois salões de festas e espaço gourmet.

CONSULTA MARCADA…

Os advogados do ex-presidente do PT argumentaram também que, no dia 7, Genoino tem consulta e exames pré-agendados no Hospital Sírio-Libanês, sob a supervisão do médico Roberto Kalil Filho. No despacho, Barbosa afirmou que a prisão domiciliar do ex-presidente do PT é meramente provisória e que o quadro de saúde tem apresentado melhoras desde a detenção. “Como indica a própria defesa, seu estado de saúde está evoluindo e, mais do que isso, todas as informações existentes nos autos indicam que sua condição atual é compatível com o cumprimento da pena no regime semiaberto, dentro do sistema carcerário”, disse.

O relator do mensalão acrescentou que, no dia 26 de novembro, o próprio Genoino havia pedido a desistência dos pedidos para ser transferido para um presídio em São Paulo, tendo em vista que o condenado aceitava cumprir a pena no Distrito Federal. Barbosa destacou que é “firme” o entendimento do Supremo segundo o qual não existe direito do condenado “à transferência para estabelecimento penal de sua preferência, ainda que com fundamento em alegada proximidade de seus familiares”.

“Noutras palavras: o preso não pode escolher, ao seu livre-alvedrio e conveniência, onde vai cumprir a pena que lhe foi definitivamente imposta”, afirmou. Na decisão, Barbosa disse ainda que a transferência “fere o interesse público” porque a prisão domiciliar é provisória e é “forte a probabilidade do seu retorno ao regime semiaberto ao fim do prazo” de 90 dias.

‘É preciso mudar as estruturas que favorecem a corrupção’, diz presidente da Associação dos Magistrados do Brasil

Wilson Lima
iG Brasília

Recém-empossado como presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), o juiz João Ricardo Costa quer discutir com mais de 14 mil filiados da entidade um projeto de reforma política e de mudanças do sistema eleitoral brasileiro para reduzir a corrupção. Segundo ele, o julgamento do mensalão, no ano passado, aproximou a Justiça dos brasileiros e mostrou a necessidade urgente de mudanças no sistema político nacional.

“A mensagem que o mensalão traz é romper com as estruturas que favorecem a corrupção. Isso não é apenas uma questão a ser resolvida pelo Poder Judiciário. Isso é uma questão para mudar as estruturas que favorecem a corrupção no Brasil”, defendeu em entrevista ao iG.Para Costa, o julgamento do mensalão teve um componente importante: “o olhar de uma sociedade cansada de ouvir notícias de corrupção”. Apesar disso, ele diz que ainda é cedo para saber se os juízes de primeira instância acompanharão o posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento de crimes de corrupção.

iG – Até que ponto as decisões tomadas no julgamento do mensalão podem influenciar em análises de crimes de corrupção por juízes de primeira instância?

João Ricardo Costa – Isso pode influenciar ou não os juízes de base. A estrutura é muito independente. O Supremo, embora julgando, embora dando uma orientação, não significa que todos os juízes sigam essa orientação. Fica o entendimento do juiz que vai julgar. Claro que o Supremo dá um norte na jurisprudência, ele tem sua influência, afinal é o tribunal que define questões de forma definitiva. Mas mesmo assim, a magistratura ainda tem a possibilidade de ter outro entendimento sobre determinadas decisões.

iG – O senhor acredita que o Supremo foi mais duro na análise de crimes de corrupção no mensalão?

Costa – Há um componente político nesse processo, que nós não podemos negar: um olhar da sociedade, uma sociedade que já está bastante cansada de ouvir notícias de corrupção, de malversação de recursos públicos. Agora, se isso vai influenciar em um maior rigor ou não (no combate à corrupção), nós vamos ver depois. A mensagem que o mensalão traz é romper com as estruturas que favorecem a corrupção. Isso não é apenas uma questão a ser resolvida pelo Poder Judiciário. É uma questão para mudar as estruturas que favorecem a corrupção no Brasil.

Ministro da Defesa será substituído. O atual, Celso Amorim, é um traidor da Pátria

Gelio Fregapani

1 – Aparentemente será substituído o atual Ministro da Defesa por um que se interessa realmente pelo poderio militar. O ministro Amorim assinara a convenção dos direitos dos povos indígenas, uma verdadeira traição e depois disto não tinha como se recuperar perante seus comandados. Diferente será com seu provável substituto, um verdadeiro nacionalista, muito considerado pelos militares que o conhecem. Seja bem-vindo, ministro Gabas.

2 – A maior preocupação dos que pensam no Brasil é com o comprometimento de candidatos com o paralisante programa da Marina Silva, na ânsia de cabalar seus votos. Para contrabalançar a influência dela será lançada a candidatura de Ronaldo Caiado, que falará do Estado de Direito, do fim da impunidade,do combate às invasões e do direito às pessoas de bem a defenderem sua família e sua propriedade com o mesmo tipo de armas que os bandidos usam. Se, como esperado, o programa dele tiver mais apelo popular do que o da internacionalista Marina, no mínimo contrabalançará a influência dela. A demora do Governo em controlar as demarcações de terras indígenas é hoje o principal fator de afastamento do mundo rural da campanha pela reeleição e o que mais tende a aproximá-los dos outros presidenciáveis.

3 – A Dívida Pública manipulada nos impôs em 2012 uma sangria R$ 750 bilhões, (44% do orçamento) somente com os juros. Não temos os dados de 2013, mas com certeza o estrago foi maior. Enquanto não baixarmos os juros e não nos livrarmos da dívida nenhum governo pode dar certo, mas isto só conseguiremos se unidos. Lamentavelmente setores da esquerda revanchista insistem em provocar a nossa divisão, a ponto de só nos restar arreganhar os dentes e morder. O pior é que isto não ajuda em nada

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGFregapani está apostando em Carlos Gabas, atual secretário-geral do Ministério da Previdência. Antes, Gabas era cotado para a Casa Civil. É da extrema confiança da presidente Dilma e se dá bem com Lula, o que é o principal. Por fim, o ainda ministro Celso Amorim é o grande responsável pelo acirramento da questão indígena. Fez o Brasil assinar a Declaração Universal dos Direitos das Nações Indígenas, que dá independência política, econômica e territorial a todas as tribos. O resultado é o atual clima de revolta, incentivado pela Funai e pelas ONGs estrangeiras. (C.N.)

Uma lista que se repete a cada ano

Carla Kreefft

No fim do ano passado, essa coluna apresentou uma lista de pedidos para 2013, tendo em vista a política brasileira. Infelizmente eles não foram concretizados.

O primeiro: nunca mais na história deste país ouvir um político brasileiro falar que não sabia desse ou daquele escândalo de corrupção.

O segundo: nunca mais na história deste país tomar conhecimento de casos de corrupção exclusivamente porque um caseiro, um porteiro, uma ex-mulher ferida ou uma assessora insatisfeita decidiu fazer uma denúncia.

O terceiro: nunca mais na história deste país ter que ouvir que desvio de dinheiro público para caixa 2 de campanha é mais ou menos grave do que para compra de votos de parlamentares no Congresso Nacional.

O quarto: nunca mais na história deste país ouvir como justificativa para a corrupção argumentos do tipo “os outros sempre fizeram assim e nunca foram penalizados”.

O quinto: nunca mais na história deste país ouvir um presidente da Câmara dos Deputados dizer que não descarta a possibilidade de dar abrigo político a quem foi condenado por um tribunal livre e democrático.

O sexto: nunca mais na história deste país, ter que entender que a violência e o crescimento do número de assassinatos são acontecimentos incontroláveis e imprevisíveis e que, por isso, a população continuará exposta.

O sétimo: nunca mais na história deste país, ter que entender que os desastres, inclusive a perda de vidas, causados pela chuva são fatalidades, embora aconteçam todos os anos e nos mesmos lugares.

O oitavo: nunca mais na história deste país ter que aceitar que a seca no Nordeste e no Norte de Minas somente será resolvida com muitos recursos financeiros, o que o país e os Estados não têm.

O nono: nunca mais na história deste país ouvir autoridades policiais afirmarem que o crescimento da violência contra a mulher é consequência natural da postura “mais moderna” adotada pelas próprias mulheres.

O décimo: nunca mais na história deste país ter que aceitar que a miséria, em algumas regiões do país, mata mais do que uma guerra civil.

O décimo primeiro: nunca mais na história deste país ter que assistir a famílias sendo destruídas pelo crack.

O décimo segundo: nunca mais na história deste país ver centenas de pessoas morrendo no trânsito.

O décimo terceiro: não ter que fazer a mesma lista no fim de 2014, como ocorreu em 2013.

É preciso enxergar que somos todos carentes de humanidade

01

Acílio Lara Resende

Belo Horizonte – Semana passada, me referi a Mandela e aos dois principais itens da sua bonita cartilha – concórdia e tolerância. Com mais razão, na antevéspera do Natal (aproveito a manhã chuvosa, quando o trânsito de veículos, em toda a cidade, consegue ser um pouco melhor, para ir até ao escritório e escrever estas linhas), não deveria abordar nenhum assunto que não vá de encontro da incansável pregação dessa monumental figura humana. Não deveria, repito, mas, sinceramente, não sei se vou conseguir. Mandela nos deixou exemplos de uma vida de asceta (ou de santo, se prefere, leitor) – um desafio difícil, mas tentador.

Todavia, ao sair de casa por volta das 10h, na esquina de ruas Bambuí com Estevão Pinto, no bairro da Serra, ao observar o tráfego à esquerda, assustei-me com três policiais correndo em minha direção (distantes dois ou três metros um do outro), com armas em punho assestadas (aparentemente) contra mim. Não vira ninguém, a não ser um outro veículo, que vinha logo atrás, cujo motorista se assustou mais do que eu. Cheguei a me abaixar, mas verifiquei logo que se tratava de alguém que se achava, no outro passeio, numa posição que me tornava excelente alvo. Não sei se devo comemorar o (quase) macabro episódio, mas a verdade é que não fui vítima de bala perdida…

Com o coração aos pulos, segui meu caminho em direção ao centro. Lembrei-me de que o ideal seria que, no Natal, não houvesse polícia nem bandido. Que a data só despertasse em nós o mesmo sentimento que já despertou outrora, nas crianças e também nos adultos, quando a vida era menos perigosa. Que só vivenciássemos as coisas boas, que são poucas, deixando de lado as ruins, que são muitas.

NOTÍCIAS

Ao chegar ao escritório, mais calmo e com o pulso normalizado, cheguei à conclusão de que, de fato, acabara de me livrar de uma ou mais balas perdidas. E pensei: poderia ter sido vítima de uma notícia ruim, mas não fui… Ao manusear os jornais, dei de cara com duas notícias boas de se ler (será que há, propriamente, notícias ruins?). Notícias, aliás, que me dizem que tenho muito mais o que comemorar.

A primeira, que nos enche – a nós, brasileiros – de orgulho, está ligada a uma disputa esportiva, totalmente fora da tradição brasileira. Em Belgrado, nossa seleção feminina de handebol, num feito inédito, obteve o ouro. Por 22 a 20, bateu as anfitriãs. Sob o comando do técnico dinamarquês Morten Soubak, um nome, no mínimo, curioso… Morten reconheceu que estamos muito atrasados no esporte, mas as nossas meninas fizeram a diferença: “Tudo se deveu a elas”, disse ele.

A segunda, de repercussão bem maior, diz respeito à recente fala de Raúl Castro na sessão da Assembleia Nacional de Cuba, na cidade de Havana. Pela primeira vez, desde 1961, Castro pediu aos Estados Unidos diálogo e respeito. (Antes, na África do Sul, em ato em homenagem a Mandela, os dois, Obama e Castro, se cumprimentaram).

Em seu habitual (e revolucionário) traje, Castro foi claro e mais objetivo do que nunca: “Não reivindicamos aos Estados Unidos que mudem seu sistema político e social, e não aceitamos negociar o nosso. Se realmente desejamos avançar nas relações bilaterais, teremos que aprender a respeitar mutuamente nossas diferenças e nos acostumar a conviver pacificamente com elas.

Caso contrário – concluiu em tom mais de bravata do que de ameaça – estaremos dispostos a suportar outros 55 anos na mesma situação”.

Que esses dois enfim celebrem a paz de Cristo!

Os três momentos do poeta Antonio Cícero

O filósofo, escritor, letrista e poeta carioca Antonio Cícero Correa Lima, ao final de “Três” momentos, revela seu desejo.
TRÊS
Antonio Cícero
Um
Foi grande o meu amor
não sei o que deu
quem inventou fui eu
fiz de você o sol
da noite primordial
e o mundo fora nós
se resumia a tédio e pó
quando em você tudo se complicou

Dois
Se você quer amar
não basta um só amor
não sei como explicar
um só é sempre demais
pra seres como nós
sujeitos a jogar
as fichas todas de uma vez
sem temer naufragar
não há lugar para lamúrias
essas não caem bem
não há lugar para calúnias
mas por que não
nos reinventar

Três
Eu quero tudo que há
O mundo e seu amor
Não quero ter que optar
Quero poder partir
Quero poder ficar
Poder fantasiar
Sem nexo e em qualquer lugar
Com o seu sexo
Junto ao mar

            (Colaboração enviada por Paulo Peres – site Poemas & Canções)

PT quer comandar a Comissão de Direitos Humanos e esquecer o pastor Feliciano

Tâmara Teixeira
OTempo

O deputado federal mineiro Nilmário Miranda (PT) está trabalhando nos bastidores da Câmara dos Deputados junto ao seu partido e a outras 11 legendas, como PMDB e PSDB, para que os petistas retomem a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Casa. O objetivo é evitar que os “evangélicos extremistas” assumam o posto, após um ano de atuação polêmica de Marco Feliciano (PSC-SP).

Antes do recesso, depois que Feliciano deixou a posição, Miranda começou a peregrinar pelos gabinetes para fazer frente às pretensões dos evangélicos, que sonham em ocupar novamente a presidência da comissão. Em ano eleitoral, o posto pode ser estratégico para os parlamentares ligados à igreja defenderem seus pontos de vista e conquistarem votos nas urnas. Um dos nomes cotados para substituir Feliciano dentro da bancada religiosa é o do deputado Marcos Rogério (PDT-RO).Nilmário diz que, agora, não está preocupado em colocar o seu nome para a vaga, mas quer garantir que ela não seja ocupada pelos “fundamentalistas”. Ele tem até o dia 3 de fevereiro, quando o PT deve decidir quais comissões pretende disputar.

“DERROTA”

“Este ano foi uma derrota para os brasileiros. A comissão que existe para receber demandas de toda a sociedade foi ocupada com temas que não são pertinentes. A frustração nossa e da população é enorme. Se os partidos não se unirem, corremos o risco de outro fundamentalista ocupar o posto”, afirmou o petista.

Segundo ele, os colegas se mostraram empenhados em retomar o comando da comissão. No discurso de convencimento, Nilmário tem lembrado que as polêmicas envolvendo Feliciano foram alvos das manifestações de junho e julho. “Os episódios e as causas defendidas por ele (Feliciano) desgastaram a Casa como um todo nos protestos”, avalia.

O PSC assumiu o controle da comissão depois de o PT, que a presidia, abrir mão do direito de continuar no comando. Os petistas preferiram ficar com outras três comissões, incluindo a de Constituição e Justiça.

OS TEMAS

Cura gay: projeto defendido por Feliciano autorizava psicólogos a oferecer tratamento a gays. Com repercussão, texto saiu da pauta.

Homofobia: Feliciano mandou prender garota que beijou outra mulher.

Doações: pedidos polêmicos de doações durante seus cultos.

A paparrotice do MST

Celso Serra
“A ilusão com o agronegócio” – é o que proclama João Paulo Rodrigues, da Coordenação Nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), especialista em invasões de áreas produtivas. 

As terras ocupadas pelos “trabalhadores” rurais do MST pouco ou nada produzem. Nos assentamentos e ocupações a patota vive do “bolsa vadiagem”.


E o “ilustrado” presidente do MST  – que mais adequado deveria ser conhecido por “Movimento dos Sem TINO” –  profere a paparrotice de que o agronegócio é “ilusão”.  Disse isso e não foi trancado em um hospício.  De fato, no Brasil de hoje há pouco hospício para muito maluco.

O “ilustrado” dirigente do MST não deve ter lido que em 2011 (e de lá para cá só melhorou a produção de nosso país), o Brasil já era o segundo maior fornecedor no mercado internacional de alimentos, mas, segundo as projeções, se aproximará cada vez mais dos Estados Unidos, que ainda detém a liderança.

Sem as exportações oriundas do agronegócio o Brasil estaria  –  desculpem o termo chulo –  na merda!
DOBRA A PRODUÇÃO
No que diz respeito à produção, em vinte e poucos anos o Brasil mais que dobrou a produção de grãos e de carne bovina e quadruplicou a produção de aves.Esses resultados foram obtidos graças a um grande movimento que conjugou eficiência produtiva, desenvolvimento tecnológico, organização empresarial e novas formas de comercialização raras vezes presenciado no mundo.

Graças a isso, o país tornou-se o maior exportador mundial de soja, carne bovina e carne de frango – além de manter-se na liderança do café, açúcar, suco de laranja e tabaco. 

A eficiência produtiva e os outros atributos que a agricultura de produção (muito diferente da “agricultura de vadiagem”) exibe não são vistos nas áreas invadidas pela patota do MST e nos assentamentos do governo, bancados com parte da exorbitante carga tributária paga pelos demais cidadãos. 

O Brasil, hoje, possui cerca de 85% de sua população nas cidades.  Aquele que não produzir alimentos para colaborar no abastecimento dessa população não merece ganhar terra nenhuma; muito menos custeada pelos tributos pagos pelos cidadãos citadinos. 

O “vai trabalhar vagabundo” deve sair da letra da música de Chico Buarque e passar a ser rotina na atividade social. 

Basta de parlapatices e paparrotices.

Nada será como antes

12

Tostão
O Tempo

Na semana passada, vi dois jogos inesquecíveis, belíssimos, de altíssima qualidade individual e de muita competitividade, mostrados pela ESPN Brasil. O primeiro, a derrota do Brasil para a Itália, na Copa de 1982. O segundo, entre Manchester City e Liverpool, pelo atual Inglês.

São nítidas as muitas mudanças na maneira de jogar das equipes, do passado e do presente. Nada será como antes. Hoje, há mais disciplina tática, marcação, movimentação e velocidade. Os espaços entre os setores são menores, e existe mais pressão no jogador que está com a bola. Predomina o passe, embora ainda existam grandes dribladores. O passe representa a técnica, o jogo coletivo e solidário. O drible simboliza a habilidade, a improvisação e o talento individual. Os dois são essenciais.

Hoje, há mais preocupação em dar o passe correto, com a parte interna do pé, de chapa, para não perder a posse de bola. No passado, era mais comum o passe de curva, de trivela, de rosca, fazendo a bola contornar o corpo do adversário, para cair nos pés do companheiro. Além de eficiente, era mais bonito. Os jogadores arriscavam mais o passe decisivo.

O grande passador é o que sabe o momento exato de dar o passe correto, para não perder a bola, e o momento exato de surpreender, de colocar a bola entre os defensores, para o companheiro fazer o gol.

Egito em transe: os conflitos não cessam

Da Agência Lusa

Brasília – Um estudante morreu hoje (28) nos confrontos entre a polícia e apoiadores da Irmandade Muçulmana, que atearam fogo a um edifício da Universidade de Al-Azhar, no Cairo. O jovem, de 19 anos, foi baleado quando a polícia entrou no recinto universitário, segundo a mesma fonte.

Estudantes que dão apoio à Irmandade Muçulmana incendiaram, hoje pela manhã (horário local), um edifício da Faculdade de Comércio da Universidade de Al-Azhar, na capital egípcia, segundo uma fonte dos serviços de segurança.

Os estudantes entraram nas instalações da Faculdade de Comércio, interromperam uma prova que estava sendo aplicada e atearam fogo ao edifício. O incêndio, que provocou danos em dois andares do edifício universitário, foi extinto pelos bombeiros. Um responsável da polícia disse que 60 estudantes foram detidos.

O incidente ocorre um dia após manifestações de apoio ao presidente islamita Mohamed Mursi em várias cidades do Egito. Destituído pelo exército em julho, Mursi está atualmente preso.

Pelo menos cinco pessoas morreram durante as manifestações pró-Morsi, que degeneraram em confrontos, segundo um novo balanço divulgado por uma fonte médica. Ontem (27), 265 manifestantes islamitas foram detidos pelas forças de segurança egípcia.

Os protestos ocorreram depois de o Governo egípcio ter declarado, na quarta-feira (25), a Irmandade Muçulmana, movimento que apoia Mohamed Mursi, como “grupo terrorista” e de ter proibido qualquer tipo de manifestações no país.

Filho de um dos ditadores mais sanguinários do mundo quer brincar carnaval no Rio

Carolina Gonçalves
Agência Brasil

Brasília – O vice-presidente da República da Guiné Equatorial, Teodoro Nguema Obiang Mangue, acusado de desvio de recursos públicos, lavagem de dinheiro e abuso de confiança, apresentou pedido de habeas corpus preventivo ao Supremo Tribunal Federal (STF) para evitar sua prisão e extradição, que já foi requerida pela França. Advogados do africano informaram que o julgamento das acusações registradas por autoridades francesas não foi concluído.

A defesa de Mangue também argumenta no pedido que, pela Convenção de Viena de 1961, o pedido de prisão preventiva e extradição, em casos como esse, desrespeita as diretrizes do tratado internacional que regula as relações diplomáticas entre os países signatários, como o Brasil.

Mangue, que em 2002 foi nomeado segundo vice-presidente e encarregado da Defesa e Segurança do Estado, exige condições semelhantes às de chefe de Estado para se defender. Uma das principais prerrogativas reivindicadas pelo africano é a imunidade penal, que impede a prisão ou a extradição por autoridades estrangeiras.

Teodoro Mangue é filho do presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, que está no poder desde 1979, depois de um golpe de Estado que foi marcado pela violência.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – A ditadura da Guiné Equatorial é uma das mais sangrentas e implacáveis do mundo. Teodore Mangue passa todo carnaval no Rio, num luxuoso camarote na Marquês de Sapucaí. Este ano, chegou a ser preso, mas acabou liberado para voltar à Guiné Equatorial. Agora, quer habeas corpus para brincar o carnaval. Era só o que faltava. (C.N.)